Atum (mitologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde fevereiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Atum
t
U15
A40
Outros nomes Atum-Rá, Tem, Temu, Tum e Atem
Nascimento
Adorado em Heliópolis
Parentesco Nun
Cônjuge Iusaaset
Filho(s) Shu e Tefnut

Atum é um neter egípcio, adorado em Heliópolis. É o resultado da transformação de Nun (o ser subjetivo) no ser objetivo.

Aparece desde cedo como deus primordial e criador pois deu origem a uma explosão que gerou os demais corpos celestes do universo, mas sendo um evento pré-planejado. Este cria o sol da tarde e quando "torna-se a si mesmo", toma forma de . que inicia os neteru geradores e gera o sol da manhã. Atum foi o criador do céu e da terra separando-os. Mas no momento que "torna-se a si mesmo", une-se a Rá, e se transforma em único ser, que seria chamado de Atum-Rá. Não tendo parceiro, o deus primevo realizou o primeiro ato de criação sem relação sexual: " Atum se masturbou em Heliópolis. Ele segurou seu falo, compreendendo que assim poderia ejacular. Nasceram então, os gêmeos Shu e Tefnur".

O MITO DA CRIAÇÃO - Separação de deuses irmãos marca origem do mundo dos humanos. Os primeiros filhos de Rá Shu (deus do ar) e Tefnut (deusa da umidade).

Como é comum nessa mitologia, os irmãos formaram um casal e tiveram como filhos Geb (deus da terra)e Nut (deusa dos céus). Ao nascer, os netos de Rá se juntaram, formando outro casal. Rá não gostando dessa união ordenou a Shu que ele separasse os filhos. Este empurrou Nut para cima e pressionou Geb para baixo. Enquanto Nut se tornava o céu que cobre o mundo, Geb virou a terra em que vivemos. E Shu permaneceu entre os filhos, representando o ar que as pessoas respiram. Atum era visto com um ser do sexo masculino usando uma coroa de faraó. Também existe representações deste usando duas coroas, uma representando o baixo Egito e a outra o alto Egito.[1]

Referências

  1. Coleção História Ilustrada Egito Antigo, Autor Paul Johnson, Ed. Ediouro