Beatriz Batarda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Beatriz da Silveira Moreno Batarda Fernandes (Londres, 11 de Abril de 1974) é uma actriz portuguesa.

Família[editar | editar código-fonte]

Filha do pintor Eduardo Manuel Batarda Fernandes e de sua primeira mulher Cláudia Maria Germaine da Silveira Moreno e prima-irmã da actriz Leonor Silveira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida em Londres, cresceu em Lisboa, onde frequentou o Lyceé Français Charles Lepierre e o Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing. Posteriormente regressou a Londres, para frequentar a Guildhall School of Music and Drama. Aí se graduou em teatro, em 2000, recebendo a medalha de ouro do curso.

Antes disso estreou-se no cinema, com Tempos Difíceis, uma longa-metragem de João Botelho (1988), a que se seguiriam participações em Vale Abraão (1993) e A Caixa (1994), de Manoel de Oliveira. Estrou-se no teatro dirigida por Luís Miguel Cintra e Diogo Dória, mantendo uma colaboração pontual com o Teatro da Corncuópia. Em 2005 integrou o elenco de Berenice, de Jean Racine, encenação de João Perry e Carlos Pimenta, no Teatro Nacional D. Maria II. Em 2008 interpretou o monólogo De Homem para Homem de Manfred Karge, encenação de Carlos Aladro, no Teatro Municipal Baltazar Dias, no Funchal. Em 2011 estreia-se como encenadora em Azul longe nas colinas, de Denis Potter, no TNDMII.

Ainda no cinema, constam da sua filmografia Dois Dragões (1996) e A Costa dos Murmúrios (2004) de Margarida Cardoso, Porto Santo (1997) de Vicente Jorge Silva, Elles (1997) de Luís Galvão Teles, Peixe Lua (2000) ,Quaresma (2003) de José Álvaro Morais , Alice (2005) de Marco Martins e Duas Mulheres (2009) de João Mário Grilo.

Em 2013, atuou no filme Comboio Noturno Para Lisboa - adaptação do livro de mesmo nome escrito por Pascal Mercier - no papel da jovem Adriana Prado.

Na televisão salienta a participação nas séries britânicas My Family, Relic Hunter e The Forsyte Saga.

Recebeu três Globos de Ouro, na categoria de Melhor Actriz, pelos filmes Quaresma, de José Álvaro Morais (2003), Noite Escura, de João Canijo (2004) e A Costa dos Murmúrios, de Margarida Cardoso (2004), tendo sido também nomeada na categoria de Teatro, pelo seu desempenho em Berenice (TNDMII, 2005). Foi nomeada para os Shooting Stars, pela European Film Promotion.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Casou com o compositor Bernardo Sassetti, com quem teve duas filhas, Leonor e Maria Fernandes Sassetti Pais, de 8 e 6 anos à data da morte de Bernardo Sassetti.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.