Compra do Alasca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
O Alasca. À esquerda, em vermelho, sua localização na América do Norte.

Em 1867, os Estados Unidos da América compraram do Império Russo o território do Alasca. A operação foi conduzida pelo Secretário de Estado americano William Henry Seward.

À época, a transação foi considerada absurda e era referida como "a loucura de Seward" (William H. Seward's folly). O território comprado, com área aproximada de 1 600 000 km² (600 000 milhas quadradas), constitui o actual estado americano do Alasca.

Situação antes da compra[editar | editar código-fonte]

O Império Russo estava em dificuldades financeiras e em vias de perder o território do Alasca sem compensação em algum futuro conflito, sobretudo para o rival da época, o Império Britânico, que detinha o vizinho Canadá e cuja possante Royal Navy poderia facilmente tomar o controle das costas, de defesa difícil para a Rússia. O Czar Alexandre II decidiu então vender o território aos Estados Unidos e encarregou o seu embaixador, o barão Edouard de Stoeckl, de abrir negociações com o Secretário de Estado William Seward, de quem era amigo, no início de Março de 1867.

As negociações concluíram-se após discussões que duraram uma noite inteira e a assinatura do tratado foi feita às 4 horas da manhã de 30 de Março com um preço de compra de 7 200 000 dólares americanos (equivalente a cerca 1,67 bilhão de dólares a preços de 2006). A opinião pública americana foi muitíssimo desfavorável a esta compra, como indica um historiador, e as críticas foram numerosas [Oberholtzer, p: 541]:

"Already, so it was said, we were burdened with territory which we had no population to fill. The Indians within the present boundaries of the republic strained our power to govern aboriginal peoples. Could it be that we would now, with open eyes, seek to add to our difficulties by increasing the number of such peoples under our national care? The purchase price was large; the annual charges for administration, civil and military, would be yet greater, and continuing. The territory included in the proposed cession was not contiguous to the national domain. It lay away at an inconvenient and a dangerous distance. The treaty had been secretly prepared, and signed and foisted upon the country at four o'clock in the morning. It was a dark deed done in the night.... The New York World said that it was a "sucked orange." It contained nothing of value but furbearing animals, and these had been hunted until they were nearly extinct. Except for the Aleutian Islands and a narrow strip of land extending along the southern coast the country would be not worth taking as a gift.... Unless gold were found in the country much time would elapse before it would be blessed with Hoe printing presses, Methodist chapels and a metropolitan police. It was "a frozen wilderness, " déclara le New York Tribune.

Ponto-de-vista de Washington[editar | editar código-fonte]

A compra foi à época vista como ridícula, considerada como "a loucura de Seward" (William H. Seward's folly), a "Geleira de Seward" (William H. Seward's icebox) e "o jardim de ursos-polares de Andrew Johnson" (Andrew Johnson's polar bear garden), pois considerava-se temerário gastar uma tal quantia por uma região remota.

O tratado foi apoiado pelo Secretário de Estado William Seward, partidário de longa data da expansão, e pelo presidente do comité do Senado, Charles Sumner. Os seus argumentos eram que os interesses estratégicos da nação obrigavam à assinatura deste tratado. A Rússia tinha sido um aliado de valor durante a Guerra da Secessão, enquanto o Reino Unido tinha sido quase um inimigo. Pareceria então normal ajudar a Rússia e "desconcertar" os britânicos. Havia ainda a questão de o território adjacente ser ainda colónia britânica (actual Canadá). Poderia então haver aí um valor estratégico para os britânicos de um dia adquirirem o Alasca. A compra, disse o editor do New York Herald, era um modo de o czar fazer entender ao Reino Unido e à França que não tinham "actividades no continente norte-americano." "Em resumo, era uma manobra de flanco" sobre o Canadá como disse o New York Tribune. Em breve o mundo veria no noroeste "um cockney hostil ladeado por dois Yankees atentos, um de cada lado" e "John Bull seria levado a compreender que a única coisa que poderia fazer era vender os seus interesses ao Brother Jonathan".

Em 9 de Abril, Sumner fez um importante discurso para apoiar o tratado, cobrindo de modo exaustivo a história, o clima, a configuração natural, a população, os recursos - florestas, minas, prados, pescas - do Alasca. De modo erudito citou testemunhos de geógrafos e navegadores: Alexander von Humboldt, Joseph Billings, Yuri Lisiansky, Fyodor Petrovich Litke, Otto von Kotzebue, Portlock, James Cook, Meares, Ferdinand von Wrangel. Quando terminou, viu que "tinha feito um pouco mais que manter o equilíbrio da balança". Continuou com "uma vez que a razão e testemunhos deste lado eram os mais fortes". "Em breve", disse Sumner, "uma raça pragmática de intrépidos navegadores virão às suas costas, em todas as espécies de empresas, para negócios ou patriotismo. O comércio terá novos braços, o país novos defensores, a bandeira nacional novas mãos para a elevar bem alto." Recordando o republicanismo americano de todo o território, indicou que "reconhecereis que é melhor que tudo o que podereis receber, melhor que pilhas de peixes, areias de ouro, as melhores pastagens ou esplêndidos marfins." "A nossa cidade," exclamou Sumner, "não pode ser menos que o continente norte-americano com portas sobre todos os mares que o circundam." [Oberholtzer 1: 544-5]

O Dia de Seward, dia de celebração da compra do Alasca pelos Estados Unidos, é o dia de homenagem a William Henry Seward e feriado no Alasca (última segunda-feira de Março).

Ratificação[editar | editar código-fonte]

Cheque utilizado pelo governo dos Estados Unidos para a compra do Alasca

O Senado dos Estados Unidos da América ratificou o tratado em 9 de Abril de 1867, por 37 votos a favor e 2 contra.

Estima-se que o Alasca contava na altura com 2 500 russos ou mestiços e 8 000 aborígenes, no total 10 000 habitantes, sob o comando directo da companhia russa das peles, e cerca de 50 000 esquimós viviam sob esta jurisdição.

Os europeus viviam em 23 povoações situadas nas ilhas ou na costa. Em pequenos postos havia quatro ou cinco russos que se encarregavam do recebimento e estocagem de peles trazidas pelos nativos e do reabastecimento de navios que vinham buscar a mercadoria. Havia duas vilas principais. A primeira, New Archangel, atualmente Sitka, foi fundada em 1804, como base de apoio ao rentável negócio de peles de leão marinho. Tinha cerca de 116 barracões que abrigavam 968 habitantes. A segunda era Saint-Paul, na ilha Kodiak, que com 100 barracões e 283 habitantes era o centro da indústria de peles de foca.

O nome aleúte Alasca foi escolhido pelos americanos. A cerimónia de transferência teve lugar em Sitka em 18 de Outubro de 1867. Soldados russos e americanos desfilaram junto à casa do governador; a bandeira russa foi arriada e a americana hasteada e saudada por salvas de artilharia. O capitão Alexis Pestchouroff disse " General Rousseau, pela autoridade de sua Majestade, o Imperador da Rússia, transfiro aos Estados Unidos da América o território do Alasca." Em retribuição, o general Lovell Rousseau aceitou o território. Numerosos fortes e fortins, construções de madeira, foram cedidos aos americanos. As tropas ocuparam as casernas e o general Jefferson C. Davis estabeleceu a sua residência na casa do governador. A maior parte dos russos voltaram ao seu país, salvo alguns comerciantes e homens do clero.

O 'Alaska Day celebra a transferência formal do Alasca, que ocorreu a 18 de Outubro de 1867. Hoje em dia, o Alasca celebra o dia da compra, o Seward's Day, na última segunda-feira de Março.

(*A data de 18 de Outubro de 1867 é do calendário gregoriano, e à hora 9:01:20, hora de Greenwich, teve efeito no dia seguinte no Alasca para substituir o calendário juliano e a hora de 14:58:40 "de avanço" sobre a hora de Greenwich. Para os russos, a transferência teve lugar em 7 de Outubro de 1867.)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ronald J Jensen. The Alaska Purchase and Russian-American Relations (1975)
  • Ellis Paxson Oberholtzer; A History of the United States since the Civil War. Volume: 1. 1917.
  • Alaska. Speech of William H. Seward at Sitka, August 12, 1869 (1869; Digitized page images & text), primary source
  • Marie de Testa & Antoine Gautier, Le diplomate russe Edouard de Stoeckl (ca 1805-1892) et la cession de l'Alaska aux Estados Unidos, in Drogmans et diplomates européens auprès de la Porte ottomane, éditions ISIS, Istanbul, 2003, pp. 463–469.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Compra do Alasca