Contraeconomia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Contra-Economia é um termo originalmente utilizado por Samuel Edward Konkin III e Neil J. Schulman, ativistas teóricos libertários. Konkin definiu a contra-economia como "o estudo e/ou prática de toda ação humana pacífica que é proibida pelo Estado." A contra-economia foi integrada por Schulman[1] na doutrina agorista de Konkin, para formar o que eles chamam de uma variante revolucionária do anarquismo de mercado.[2]

O conceito de contra-economia também é usado em um sentido distinto, mas indiscutivelmente compatível em referir-se ao abordar a justiça social e a questão da sustentabilidade em um contexto de mercado, apesar de ser um modo mais geral de Anti-establishment, em vez de explicitamente ilegal.

Em ambos os sentidos, pode-se incluir formas não-monetárias de troca, como uma economia de escambo, ou uma economia da dádiva.

Origens[editar | editar código-fonte]

As primeiras apresentações da teoria da contra-economia foram feitas por Samuel Konkin III em duas conferências organizadas por J. Neil Schulman, CounterCon I em 1974 e CounterCon II em 1975, ambas realizadas em Cheshire, Connecticut. Outros oradores nestas conferências inclúem Robert LeFevre, Kenneth Kalcheim e Dennis Turner.

O primeiro livro a retratar a contra-economia como uma estratégia para se alcançar uma sociedade libertária foi Alongside Night de Schulman, publicado em 1979.

Relação com o Agorismo[editar | editar código-fonte]

O agorismo de Konkin, como exposto em seu Novo Manifesto Libertário[3] , postula que o método correto para alcançar uma sociedade anarquista de livre-mercado é através da advocacia e do crescimento da economia subterrânea, ou "mercado negro" — a "contra-economia" como coloca Konkin — até o ponto em que percebe-se que o Estado como autoridade moral e poder total foi tão profundamente minado que a revolução anarquista de mercado e as empresas de segurança podem surgir do subsolo e, finalmente, suprimir governo como uma atividade criminal (com a tributação sendo tratada como roubo, e guerra sendo tratada como genocídio, etc).

De acordo com o panfleto de Contra-Economia de Konkin[4] :

A Contra-Economia é a soma de toda a ação humana não-agressiva que é proibida pelo Estado. [...] A Contra-Economia inclui o mercado livre, o mercado negro, a "economia subterrânea", todos os atos de desobediência civil e social, todos os atos de associações proibidas (sexual, racial, inter-religioso), e todo os resto que o Estado, em qualquer lugar ou tempo, opta por proibir, controlar, regular, tributar, ou tarifar. A Contra-Economia exclui toda a ação aprovada pelo Estado (o "Mercado Branco") e o Mercado Vermelho (violência e roubo não aprovados pelo Estado).

De acordo com Konkin, a contra-economia também admite a libertação imediata do controle estatal, em qualquer nível prático, mediante a aplicação da lógica empresarial para decidir racionalmente quais as leis que discretamente quebra e quando o faz. O princípio fundamental é o comércio de risco para o lucro, embora "lucro" possa se referir a qualquer ganho de valor percebido, não só ganhos estritamente monetários (como uma conseqüência da teoria do valor subjetivo).

Das práticas de contra-economia incluem-se[5] :

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Afterword by Samuel Edward Konkin in Alongside Night. Pulpless.Com, 1999. p. 274. ISBN 1584451203, 9781584451204
  2. Agorism.info
  3. http://agorism.info/NewLibertarianManifesto.pdf
  4. http://agorism.info/Counter-Economics.pdf
  5. Counter-Economics, Market Anarchist Distro