Diego Velázquez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diego Velázquez MAS SE CHAMAVA DE JESSICA
ERA UM PRINCESO NÉ - Colección Real Academia de Bellas Artes de San Carlos - Museo de Bellas Artes de Valencia.jpg
Auto retrato de Diego Velázquez, 45 x 38 cm.
Nascimento 6 de junho de 1599[1] [2] [3] [4] [5]
Sevilha, Espanha[2] [3] [4] [5]
Morte 6 de agosto de 1660 (61 anos)[1] [3] [4] [5]
Madrid, Espanha[1] [3] [5]
Nacionalidade Espanha espanhol[1] [3]
Ocupação pintor[3]
Principais trabalhos Las Meninas (1656)[3] [5] ,
La Venus del espejo (1644-1648)
La Rendición de Breda (1634-1635)
Diego Velázquez foi um artista tecnicamente formidável, e na opinião de muitos críticos de arte, insuperável pintor de retratos.
A crucificação de Jesus Cristo por Diego Velázquez.

Diego Rodrigues da Silva y Velázquez (Sevilha, 6 de Junho de 1599Madrid, 6 de Agosto de 1660[3] [4] [5] [6] ) foi um pintor espanhol e principal artista da corte do Rei Filipe IV de Espanha. Era um artista individualista do período barroco contemporâneo, importante como um retratista[7] . Além de inúmeras interpretações de cenas de significado histórico e cultural, pintou inúmeros retratos da família real espanhola, outras notáveis figuras europeias e plebeus, culminando na produção de sua obra-prima, Las Meninas (1656)[3] .

Desde o primeiro quarto do século XIX, a obra de Velázquez foi um modelo para os pintores realistas e impressionistas, em especial Édouard Manet[5] que chegou a afirmar que Velázquez era o "pintor dos pintores"[5] . Desde essa época, os artistas mais modernos, incluindo os espanhóis Pablo Picasso[1] e Salvador Dalí, bem como o pintor anglo-irlandês Francis Bacon[1] , que homenageou Velázquez recriando várias de suas obras mais famosas.[7]

A grande maioria dos seus quadros estão no Museu do Prado

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família e infância[editar | editar código-fonte]

Filho de um advogado de nobre ascendência portuguesa (os seus avós paternos eram do Porto, João Rodrigues da Silva,[3] , Velázquez levou o prenome do avô paterno que, em 1581, deixou Portugal (era originário do Porto) para instalar-se com sua esposa em Sevilha, onde Diego nasceu a 6 de Junho de 1599[1] [2] [5] [8] e batizou-se[3] [8] . Provavelmente nasceu no dia anterior ao do seu batismo, ou seja, 5 de Junho de 1599[9] Sua mãe era de origem sevilhana. Ele era o mais velho de oito irmãos[10] . A sua família pertencia à pequena fidalguia da cidade[11] [12] . Foi um artista tecnicamente formidável, e na opinião de muitos críticos de arte, insuperável pintor de retratos[3] .

Juventude e Estudos[editar | editar código-fonte]

Em 1609, sua família percebeu sua vocação e, ainda jovem, Velázquez foi levado para estudar com Francisco Herrera, o Velho[5] , prestigioso pintor sevilhano naturalista apaixonado pela arte de Caravaggio[8] . Em dezembro do mesmo ano, entrou como aprendiz no estúdio de Francisco Pacheco[1] [5] [8] e, em 1611, o pai assinou, em seu nome, um contrato de aprendizado por seis anos (que acabou em 1617) com Pacheco[2] , após o que seria submetido a exame, constituído por uma prova teórica e uma prova prática de pintura a óleo. Em Sevilha, a comunidade artística era regida por uma espécie de confraria. A corporação de São Lucas era controlada por Pacheco e Juan de Uceda. Depois de passar pelos exames[5] [8] , Velázquez precisava jurar fidelidade aos estatutos da organização. Só então teria o direito de praticar a arte.[7]

No ano de 1617 cria a sua própria oficina de trabalho em Sevilha[2] [5] .

Primeiros Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Em seus primeiros trabalhos é possível notar contraste entre zonas escuras e zonas iluminadas por um único foco de luz, uma tentativa de ressaltar volumes e relevos. Esta técnica era característica do tenebrismo e tinha como principal artista Caravaggio[1] , muito conhecido pelo seu sarcasmo. Um exemplo destacante deste período seria Adoração dos Reis Magos (1619).[6]

Como um pintor de retratos inspirado no tenebrismo buscava mostrar os detalhes de cada modelo. Sendo que seu diferencial era não prender-se apenas ao cômico ou ao grotesco dos personagens, retratando todos respeitosamente e destacando a individualidade de cada um.

Casou com a filha do seu professor Francisco Pacheco, Juana Pacheco em 1618[2] [5] [8] , no mesmo ano nasce a sua primeira filha, Francisca, em Sevilha[5] , com quem, em 1621, tinha duas filhas[2] , Francisca e , logo Velázquez iria se unir a Diego de Melgar, com quem foi para Madrid e mais tarde casar-se com o pintor Martínez del Mazo[5] . A personalidade do seu mestre, Pacheco, tido como pintor medíocre, mas teórico interessante, forneceu uma sólida formação técnica a Velázquez e acesso a um meio que revelou-se valioso para a sua profissão. Pacheco encarregou Velázquez, em sua primeira viagem a Madrid, de encontrar Luís de Góngora[8] , o poeta, e de fazer seu retrato. Durante a viagem, na companhia do poeta Francisco de Rioja[8] , seu discípulo e servo[8] - membro da academia sevilhana de Pacheco, foi apresentado a Gaspar de Guzmán conde-duque de Olivares, também sevilhano. A partir daí, Velázquez tem acesso às coleções reais.

Família Real[editar | editar código-fonte]

Em 1622 faz a sua primeira viagem para Madri[5] . Em 1623 faz a sua segunda viagem com o propósito de retratar Felipe IV[2] [3] [5] [6] [8] . Em 1623, um ano depois da morte de Rodrigo de Villandrano, um dos cinco pintores do rei, Felipe IV é nomea-o pintor oficial da corte[2] [5] por intermédio do ministro real, o conde Olivares, que se torna seu protetor[3] [6] .

O resultado foi um retrato equestre do rei, o qual ficou maravilhado e concedeu na mesma hora a Velázquez o posto de pintor de câmara da corte real[2] . Pena que o paradeiro desta obra seja desconhecido[3] .

Seu ingresso na corte foi o primeiro passo para cumprir seus objetivos dentro da pintura e de sua vida social. Tinha um recurso único que era a permissão de poder visitar sempre que quisesse o acervo real de obras-primas. No período de (1628-1629) conheceu o grande mestre do barroco Peter Paul Rubens[1] , que também era membro da corte. Conhecer Rubens motivou Velázquez a pintar cenas mitológicas[8]

Primeira viagem a Itália[editar | editar código-fonte]

Vai pela primeira vez a Itália em 1629[1] [5] , onde permanecerá um ano e meio e visitará os mais importantes centros culturais da Itália[3] , descobrirá o colorido da escola veneziana[3] e copiará e estudará, entre outros, Ticiano[1] , Tintoretto e Veronese, irá a Nápoles encontrar-se com Ribera[3] . A viagem intensificará o realismo de Velázquez[3] , como demonstram duas de suas mais importantes composições, "A forja de Vulcano" (1630)[3] e "A túnica ensangüentada de José levada a Jacó" (1630)[3] . Por sua composição, ambas as telas revelam a influência de El Greco[3] , pelo qual Velázquez nutria intensa admiração[3] . Entre a produção dessa época destaca-se também "Crucifixão" (cerca de 1630)[3] ; tipicamente espanhola, trata-se de uma composição sombria, que nada deve às representações italianas, e cujo realismo ultrapassa todas as convenções[3] .

Período entre as viagens[editar | editar código-fonte]

Obrigado a regressar à Espanha em 1631[3] , por problemas de saúde[3] , Velázquez retomou suas funções e deu início à fase mais produtiva de sua carreira, marcada não apenas pelos retratos de personagens da corte, mas também por trabalhos com temas históricos, mitológicos e religiosos[3] . Para a redecoração do palácio de Bom Retiro, realizou diversos retratos eqüestres de Felipe IV[3] e sua única obra com tema histórico, A Rendição de Breda (1634)[3] . Também conhecida como "As lanças", a obra é considerada por grande parte dos críticos como a mais perfeitamente equilibrada do artista[3] .

Ao voltar de viagem, executou trabalhos religiosos e profanos, assim como retratos equestres do rei e do infante. Sucederam-se as obras-primas como Cavalo Branco, os retratos de bobos da corte e as efígies de Esopo e de Menippe.

Em 1643, Velázquez foi levado para um cargo administrativo[2] , devido à queda do conde-duque de Olivares. Isso criou um ponto alto na sua obra.[8]

Em 1647 ele foi encarregado de um projeto para modernizar o palácio de Alcázar de idade[2] .

Segunda viagem a Itália[editar | editar código-fonte]

Em 1649, Velázquez fez uma segunda viagem à Itália[1] [5] para comprar pinturas de Ticiano, Tintoretto e Paolo Veronese e esculturas[3] [8] e manter-se a par da evolução da arte italiana [2] . Lá em Roma, ele pintou três quadros[3] , incluindo um do Papa Inocêncio X[1] (pintura de 1650[1] )[2] [3] notável pela sua severidade[3] e que irá tornar-se mais tarde uma obsessão na obra de Francis Bacon[1] . Ele também teve um caso, resultando em um filho ilegítimo que atrasou consideravelmente seu retorno à Espanha[2] - para grande desgosto do rei. Enquanto isso, ele também pintou o famoso quadro Vênus do espelho para um nobre espanhol importante, o Marquês de Eliche[2] . Em 1650 torna-se membro da Escola de Arte Romana[1] . Em Itália foi nomeado membro das academias romanas de São Lucas[5] e d'os Virtuosos do Panteão[5] .

Retorno a Madrid e idade de ouro[editar | editar código-fonte]

De volta a Madrid em 1651, foi encarregado da decoração de todos os palácios reais, mas prosseguiu com seus trabalhos de pintura, embora em ritmo menos acelerado. São dessa época os retratos da rainha D. Mariana (1652-1653) e da infanta D. Maria Teresa (1652-1653), que mais tarde se tornaria rainha da França. Por volta de 1655, pintou o primeiro quadro na história da arte dedicado ao trabalho, "As fiandeiras" , que teve suas proporções definidas com base na observação de Velázquez das composições do teto da capela Sistina[3] .

Em 1656 pinta "Las Meninas"[1] [3] [13] , composição de extrema complexidade que culmina a série dos quadros da corte. É a síntese de seu realismo e de seu idealismo, tanto no sentido das proporções ideais como no do espírito aristocrático. A composição contrasta o grupo circular das figuras em cena e as linhas verticais que tendem para cima[7] . Igual contraste se nota entre os fundos escuros e a luz que envolve as figuras. A infanta Margarida Maria é o centro ideal da composição e em torno dela giram as outras figuras, inclusive o próprio Velázquez, auto-retratado. A cena parece inesperada e espontânea, a infanta e suas damas de honra o vêem pintar o rei e a rainha, vistos apenas refletidos num espelho ao fundo—apesar da hierarquia calculada do conjunto, com o artista em discreto segundo plano[1] [3] [13] . Em 1659 Velázquez adquire o título de Cavaleiro da Ordem de Santiago[1] .

Últimos trabalhos e Morte[editar | editar código-fonte]

Em 1660 Velasquez tinha o encargo da sua última e maior cerimónia - o casamento da Infanta D. Maria Teresa de Luís XIV de França. Este foi um dos trabalhos mais elaborados. Desgastado por esses trabalhos, Velasquez contraiu uma febre que lhe fez morrer a 6 de agosto[2] [14] em Madrid.[1]

Após a Morte[editar | editar código-fonte]

A sua fama veio logo após sua morte, começando no início do século XIX, quando se provou um modelo para os artistas realistas e impressionistas, em especial para Edouard Manet. Sua influência estendeu-se para artistas como Pablo Picasso[1] e Salvador Dali.

Até o interesse por Velázquez no século XIX, suas pinturas situadas nos palácios e o museu de Madrid foram pouco conhecidas pelo mundo exterior; elas escaparam do roubo pelos soldados franceses durante a Guerra Peninsular[7] . Em 1828, o sir David Wilkie escreveu de Madrid que ele próprio sentiu a presença de um novo poder na arte quando observou os trabalhos de Velázquez, e ao mesmo tempo encontrou uma maravilhosa afinidade entre este mestre e a Escola Inglesa de pintores de retratos,lembrando-se especialmente do toque firme e quadrado de Henry Raeburn.

Obras[editar | editar código-fonte]

Infanta Margarita da Áustria.

[3]

  • O Príncipe Baltasar Carlos com seu anão (1631)
  • A rendição de Breda (1634-1645)[1]
  • Isabel de Bourbon
  • A Coroação da Virgem
  • Os bebedores (1628-1821) - também conhecido como os "borrachos" ou "O triunfo de Baco"[1]
  • As Fiandeiras[3]
  • Dona Maria da Áustria, rainha da Hungria
  • O Bobo da Corte Sebastián Morra
  • Santa Rufina
La Familia de Felipe IV, 1656

Mais conhecida como As Meninas esta obra é uma das mais importantes e a mais famosa. Utilizou sua iluminação característica, introduziu um auto-retrato e sua técnica de quadro dentro do quadro.
Vénus olhando-se ao Espelho, 1644-48

Esta obra gerou uma certa polêmica na época, pois não era comum retratar nu feminino, nem mesmo de uma figura mitológica.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac La Historia del Arte, Blume,ISBN 978-84-8076-765-1
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q Diego Velázquez (em inglês). The National Gallery. Página visitada em 05 de agosto de 2012.
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao Diego Rodrigues da Silva y Velázquez (em português). Encyclopaedia Britannica do Brasil. Página visitada em 05 de agosto de 2012.
  4. a b c d http://staff.esuhsd.org/balochie/studentprojects/velazquez/index.html
  5. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w Guía de sala VELÁZQUEZ, Francisco Calvo Serraller
  6. a b c d Diego Velázquez (em português). R7. Algo Sobre. Página visitada em 05 da agosto de 2012.
  7. a b c d e Diego Velázquez - Biografia (em português). UOL - Educação. Página visitada em 05 de agosto de 2012.
  8. a b c d e f g h i j k l m http://staff.esuhsd.org/balochie/studentprojects/velazquez/index.html (em inglês)
  9. Bardi, Documentación sobre el hombre y el artista, p. 83.
  10. Corpus velazqueño, p. 40; el 7 de noviembre de 1621 recibió el bautizo Francisca, la octava hermana de Velázquez, cuando este ya había sido padre de dos niñas.
  11. Justi, op. cit., pp. 107-114.
  12. Gállego, op. cit., p. 15.
  13. a b http://www.museodelprado.es/en/the-collection/online-gallery/on-line-gallery/obra/the-family-of-felipe-iv-or-las-meninas/ (em inglês)
  14. http://www.ibiblio.org/wm/paint/auth/velazquez/ (em inglês)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Moser, Wolf (2011) Diego de Silva Velázquez: Das Werk und der Maler 2 Vols. Edition Saint-Georges, Lyon, ISBN 978-3-00-032155-9
  • Salort-Pons, Salvador, "Velázquez en Italia", Fundación de Apoyo a la História del Arte Hispanico, Madrid 2002,ISBN 84-932891-1-6

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Diego Velázquez

Oito obras de Diego Velázquez Exposição on-line em Owlstand