Dogma central da biologia molecular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Biologia.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.

O dogma modificado.

O Dogma Central da Biologia Molecular é um conceito que ilustra os mecanismos de transmissão e expressão da hereditariedade após a descoberta da sua codificação na dulpa hélice do ADN. Propõe que existe uma unidireccionalidade na expressão da informação contida nos genes de uma célula, ou seja, que o ADN é transcrito no ARN mensageiro e que este é traduzido à proteína, elemento que por fim efectua a acção celular. O dogma postula igualmente que apenas o ADN é capaz de duplicar-se e, por conseguinte, reproduzir-se e transmitir a informação genética aos descendentes. O dogma foi pela primeira vez proposto por Francis Crick em 1958,[1] e divulgado num artigo da revista Nature em 1970.[2]

Referências

  1. Crick, F.H.C. (1958): On Protein Synthesis. Symp. Soc. Exp. Biol. XII, 139-163. (PDF).
  2. Crick, F. (8 de agosto de 1970): 'Central Dogma of Molecular Biology. Nature 227, 561-563 Article

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.