Faustino Asprilla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Asprilla
Asprilla
Informações pessoais
Nome completo Faustino Hernán Asprilla Hinestroza de Souza
Data de nasc. 10 de novembro de 1969 (44 anos)
Local de nasc. Tuluá,  Colômbia
Nacionalidade Colômbia Colombiano
Altura 1,76 m
Apelido Tino
O Octopus
Fausto
La Gacela Negra
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição ex-Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1988–1989
1989–1992
1992–1995
1996–1998
1998–1999
1999–2000
2000–2001
2001–2002
2002–2003
2003
2003–2004
2004
1988–2004
Colômbia Cúcuta Deportivo
Colômbia Atlético Nacional
Itália Parma
Inglaterra Newcastle United
Itália Parma
Brasil Palmeiras
Brasil Fluminense
México Atlante
Colômbia Atlético Nacional
Chile Universidad de Chile
Argentina Estudiantes
Colômbia Tuluá (amador)
Total
36 (17)
78 (35)
84 (25)
48 (9)
22 (3)
54 (12)
20 (8)
12 (3)
11 (3)
13 (5)
2 (0)
0 (0)
437 (140)
Seleção nacional
1993–2001 Flag of Colombia.svg Colômbia 57 (20)

Faustino Hernán Asprilla Hinestroza de Souza, mais conhecido apenas como Faustino Asprilla (Tuluá, 10 de novembro de 1969) é um ex-futebolista colombiano, que atuava como atacante.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou sua carreira em seu país, mais precisamente no Cúcuta Deportivo, em 1988. No ano seguinte, foi para o Atlético Nacional, onde se sagrou campeão da Copa Libertadores da América de 1989, Copa Interamericana em 1989 e campeão colombiano em 1991. Em 1992, foi para o Parma, da Itália, e lá venceu a Recopa Europeia na temporada 1992-93, a Supercopa Europeia na temporada 1993-94 e a Copa da UEFA na temporada 1994-95. Em 1996, foi para o Newcastle United, mas não se adaptou ao futebol inglês e voltou para o Parma em 1998, onde ganharia sua segunda Copa da UEFA, a Copa da Itália e a Supercopa da Itália.

Em 1999, foi para o Palmeiras, e lá venceu o Torneio Rio-São Paulo e a Copa dos Campeões, ambos em 2000, quando também foi vice-campeão da Copa Libertadores da América pela equipe alviverde. Nesse mesmo, ano tranferiu-se para o Fluminense. No ano seguinte, foi para a equipe mexicana do Atlante.

Em 2002, voltou para o Atlético Nacional. Antes, foi divulgado de que Asprilla teria sido sondado pelo Darlington, da terceira divisão inglesa. O presidente da agremiação, George Reynolds, chegou a dizer que ele e Asprilla eram amigos, tendo chegado a desfilar com ele frente a 5.163 torcedores. O Darlington chegou a apelar da decisão da justiça inglesa em negar uma licença de trabalho a Tino, e teve sucesso.

Surpreendentemente, o atacante, após ter feito exames no Darlington, acabou viajando para o Oriente Médio, visando obter uma transferência mais lucrativa. Reynolds "alfinetou" Asprilla, dizendo que "ele nem teve decência para dizer adeus", e também que nunca mais falaria com ele.

Em 2003, com o fracasso de suas negociações para assinar com um clube do Oriente Médio, foi para a Universidad de Chile, mas lá ficaria muito pouco tempo, indo em seguida para o Estudiantes, mas, após apenas duas partidas pelos Pincharratas, encerrou sua carreira em 2004, aos 33 anos, em virtude de diversas lesões. Chegou a ser persuadido a voltar a jogar pelo Valle d'Aosta Calcio, equipe da Série D italiana, a convite de Marco Osio, amigo de Asprilla, mas os problemas de adaptação do colombiano minaram sua participação. Voltou ao seu país no mesmo ano, para defender o Tuluá, time amador de sua cidade.

Quatro anos depois, Tino foi contactado pelo Sport Áncash do Peru, mas o colombiano não conseguiu lograr sucesso nas negociações. Sua despedida oficial dos gramados deu-se em 2009, aos 39 anos, num jogo de despedida que contou com ex-companheiros de Seleção, como Mauricio Serna, Víctor Aristizábal e Víctor Marulanda, que jogaram numa equipe de veteranos do Atlético Nacional, e Carlos Valderrama e Adolfo Valencia, que atuaram no combinado chamado Amigos do Tino. Além deles, estiveram também na partida os brasileiros Roque Júnior e Aílton.

Seleção Colombiana[editar | editar código-fonte]

Pela Seleção Colombiana jogou 57 partidas, marcou 20 gols e disputou os Jogos Olímpicos de 1992, a Copa do Mundo de 1994 e a Copa do Mundo de 1998.

Honrarias[editar | editar código-fonte]

Em 1993, Asprilla chegou a ser o sexto melhor colocado na votação para o Melhor jogador do mundo pela FIFA em 1993.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Atlético Nacional
Parma
Palmeiras
Bandeira de ColômbiaSoccer icon Este artigo sobre um futebolista colombiano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.