Fluxo de informação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Junho de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O conceito de Fluxo de Informaçãoo é utilizado por três campos diferentes de conhecimento: a Semiótica, que considera a influência dos fluxos na construção do discurso; a Teoria da Informação, fortemente influenciada por modelos matemáticos e de informática; e a Teoria da Comunicação, que identifica tais fluxos com a organização geopolítica e geocultural do mundo.

Fluxos em Informática[editar | editar código-fonte]

No contexto da Teoria da Informação, a idéia de Fluxo de Informação mede a quantidade de informação que flui de uma variável h para uma variável l durante a execução de um dado processo p. Este fenômeno é definido como a incerteza antes do processo iniciado menos a incerteza após o término do mesmo processo. Isto pode ser quantificado como

H(h|l) - H(h|l')\equiv (H(h,l) - H(l)) - (H(h,l') - H(l'))\,\!

onde H(h|l) é a entropia condicional (equivocação) da variável h (antes do início do processo) dada a variável l (antes do início do processo), e H(h|l') é a entropia condicional (equivocação) da variável h (após o início do processo) dada a variável l' (o valor da variável l após o término do processo).

H(X,Y) é a entropia conjunta e pode ser calculada como abaixo:

H(X,Y) = -\sum_{x,y} p_{x,y} \log(p_{x,y}) \!

Fluxos em Comunicação[editar | editar código-fonte]

Já em Comunicação, a idéia de Fluxo de Informação diz respeito tanto à quantidade quanto à qualidade da informação veiculada entre os países, particularmente entre os grupos de países desenvolvidos (ricos) e subdesenvolvidos (pobres). No pós-guerra, diversas entidades de pesquisa em comunicação fizeram medições quantitativas e análises de conteúdo e chegaram à conclusão de que as informações, principalmente no jornalismo e na mídia informativa, fluem muito mais intensamente dos países ricos para os pobres e entre os próprios ricos do que dos pobres. Para usar uma simplificação metafórica, diz-se que a informação global corre muito mais nos sentidos Norte-Sul e Norte-Norte do que nos sentidos Sul-Norte e Sul-Sul.

Para reverter essa situação desigual, foi proposta nos anos 1970 a criação de uma Nova Ordem Mundial da Informação e Comunicação - a NOMIC.