Harold Kroto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Harold Kroto Medalha Nobel
Química
Nacionalidade Reino Unido Britânico
Nascimento 7 de Outubro de 1939 (74 anos)
Local Wisbech
Atividade
Campo(s) Química
Alma mater Universidade de Sheffield
Prêmio(s) Nobel prize medal.svg Nobel de Química (1996), Prêmio Michael Faraday (2001), Medalha Copley (2004)

Harold Walter Kroto (Wisbech, 7 de Outubro de 1939) é um químico britânico.

Foi agraciado com o Nobel de Química de 1996.

A maior parte de sua carreira docente transcorreu na Universidade de Sussex. Leciona atualmente na Universidade do Estado da Flórida.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido Harold Krotoschiner em família judia (seu pai era polonês e sua mãe alemã), teve seu sobrenome abreviado para Kroto em 1955. Em 1961 ele obteve um grau honorário de Bacharelado em Ciências (Química) na Universidade de Sheffield, seguindo-se por um Doutorado em 1964 na mesma instituição. Sua tese de doutorado envolvia a análise espectral de radicais livres produzidos por fotólise (quebra de compostos químicos pela luz).

Dentre outras coisas, tais como a constituição dos primeiros fosfoalquenos (compostos com dupla ligação de carbono e fósforo), seu trabalho de doutorado incluiu algumas pesquisas inéditas sobre sub-óxidos de carbono, do tipo O=C=C=C=O, e isto resultou num interesse em geral por moléculas contendo cadeias de átomos de carbono com ligações múltiplas. Seu interesse inicial era a química orgânica, porém quando ele conheceu a espectroscopia, passou a voltar-se para a química quântica.

Após concluir sua tese de pós-doutorado no National Research Council do Canadá e nos Laboratórios Bell nos Estados Unidos, começou a lecionar e a realizar pesquisas na Universidade de Sussex, Inglaterra, em 1967. Tornou-se professor pleno em 1985, e Professor-pesquisador da Royal Society entre 1991 e 2001. Em 1999 recebeu um Doutoramento Honoris causa pela Universidade de Aveiro[1]

Prêmio Nobel[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1970 ele lançou um programa de pesquisa em Sussex para buscar cadeias de carbono no espaço cósmico. Seus estudos iniciais detectaram a molécula cianoacetileno, H-C≡C-C≡N. O grupo de Kroto buscava evidências espectrais de moléculas ainda mais longas, tais como o cianobutadieno, H-C≡C-C≡C-C≡N e o cianohexatrieno, H-C≡C-C≡C-C≡C-C≡N, e as encontrou entre 1975 e 1978.

A busca de explicar a existência das mesmas levou à descoberta da molécula C60. Ele tomou conhecimento do trabalho de espectroscopia com laser feito por Richard Smalley e Robert Curl na Universidade Rice, no Texas. Ele sugeriu que eles usassem os equipamentos existentes na Universidade para simular a química do carbono existente na atmosfera de uma estrela de carbono.

O experimento conduzido em setembro de 1985 não apenas provou que as estrelas de carbono podiam produzir as cadeias de carbono, mas também revelou um resultado surpreendente - a existência de moléculas do tipo C60. Os três cientistas conduziram o trabalho com os então estudantes Jim Heath (atualmente professor pleno na Cal. Tech.), Sean O'Brien (atualmente na Texas Instruments), e Yuan Liu (atualmente em Oak Ridge). O Nobel de Química foi dividido entre Curl, Kroto e Smalley em 1996.

Atualmente Kroto realiza pesquisas em Nanociência e Nanotecnologia.

Referências

  1. Doutores honoris causa pela UA (em português). Universidade de Aveiro. Página visitada em 23 de Agosto de 2014. Cópia arquivada em 28 de Julho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Paul Crutzen, Mario Molina e Frank Sherwood Rowland
Nobel de Química
1996
com Robert Curl e Richard Smalley
Sucedido por
Paul Delos Boyer, John Ernest Walker e Jens Christian Skou
Precedido por
John Gurdon
Medalha Copley
2004
Sucedido por
Paul Nurse


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) químico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.