Hauçás

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hausa, Hauçá
Hausa harpist.jpg
População total

30-35 milhões (Newman 2000, Schuh 2001)

Regiões com população significativa
Nigéria
Níger
Gana
Chade
Camarões
Costa do Marfim
Sudão
Línguas
Hauçá
Religiões
Islão
Hausa language niger.png
Afro asiatic peoples nigeria.png

Os Hausa[1], hauçás[1] , haussás[2] ou haúças,[3] [4] também conhecidos pela grafia inglesa hausa, são um povo do Sahel africano ocidental que se encontra principalmente no norte da Nigéria e no sudeste do Níger. Também há populações significativas em áreas do Sudão, Camarões, Gana, Costa do Marfim e Chade, ademais de pequenos grupos espalhados pela África ocidental e na rota tradicional do Haje muçulmano, através do Saara e do Sahel. Muitos hauçás mudaram-se para cidades maiores e mais próximas do litoral, como Lagos, Acra, Kumasi e Cotonou, bem como para países como a Líbia, à procura de empregos com salários pagos em espécie. Todavia, a maioria dos hausas continuam a viver em pequenos vilarejos, onde praticam a agricultura e a pecuária, incluindo gado. Falam a língua hauçá, do grupo linguístico tchadiano da família afro-asiático

História e cultura[editar | editar código-fonte]

Kano, na Nigéria é considerada o centro comercial e cultural dos Hauçás. Em termos de relações culturais com outros povos da África Ocidental, os Hauçás são culturalmente e historicamente próximos dos fulas, songhai, mandês e tuaregues bem como outros grupos afro-asiáticos e nilo-saariano ainda no Oriente Chade e Sudão. A lei islâmica (charia é de forma livre a lei da terra e é entendida o tempo todo por qualquer praticante do islamismo, conhecidas no hauçá como um Mallam (ver Maulana).

Os povos hauçás entre 500 e 700 d.C., que tinham sido movidos lentamente para o oeste da Núbia e misturados a populações locais do Norte e Centro da Nigéria, estabeleceram uma série de fortes estados na região que é agora o Norte e Centro da Nigéria e Leste do Níger. Com o declínio de Nok e Sokoto, que tinham controlado anteriormente as regiões central e norte da Nigéria, entre 800 a.C. e 200 a.C., os hauçás foram capazes de emergir como um novo poder na região. Intimamente ligados com o povo kanuri do Kanem-Bornu (Lago Chade), a aristocracia hauçá adotou o Islão no século XI.

Os hauçás são muçulmanos, embora no passado adotassem práticas animistas, que ainda são encontradas em partes mais remotas. Têm sido um fator importante da disseminação do islamismo na África ocidental, por meio de contatos econômicos, de comunidades comerciais da diáspora hauçá e da política.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Hauçás

Notas

  1. Forma vernácula registrada pelos Dicionários Houaiss e Aurélio.
  2. Forma registrada pelo Dicionário Caldas Aulete.
  3. Forma registrada no Dicionário Porto Editora da Língua Portuguesa 2011. Porto Editora.
  4. Paulo Correia; Direção-Geral da Tradução — Comissão Europeia. (Outono de 2012). "Etnónimos, uma categoria gramatical à parte?" (PDF). a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (N.º 40) p. 29. Sítio Web da Direção-Geral de Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. ISSN 1830-7809. Visitado em 13 de janeiro de 2013.
Ícone de esboço Este artigo sobre antropologia ou um antropólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.