Lúcio Emílio Paulo Macedônico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Lúcio Emílio Paulo Macedônico
Jean-François-Pierre Peyron 001.jpg
O rei Perseu ante Lúcio Emílio Paulo, (1802) pintura de Jean-Françoise-Pierre Peyron, no Museu de Belas Artes de Budapeste
Nascimento 230 a.C.
Morte 160 a.C.

Lúcio Emílio Paulo Macedônico (em latim: Lucius Aemilius Paullus Macedonicus; ca. 230 a.C.160 a.C.) foi um general e político romano, filho de Lúcio Emílio Paulo (também general).

Seu pai, Lúcio Emílio Paulo foi um dos comandantes romanos na Batalha de Canas,[1] tentou sem sucesso persuadir os outros comandantes a não lutar, e manteve seu posto na batalha, morrendo lutando contra o inimigo.[2]

Nomeado edil em 193 a.C. e, dois anos mais tarde pretor da Hispânia Ulterior; a sua atuação na península aparece pouco clara devido às contradições dos historiadores, mas é sabido que dominou uma sublevação dos Turdetanos e que em 190 a.C. foi derrotado pelos Lusitanos em Lyko (Iliugo?), em Bastetânia. A primeira inscrição romana da Hispânia que se conhece contém um decreto de Paulo Emílio no que é concedida a liberdade aos escravos de uma fortaleza ibera, Turris Lascutana, da cidade de Asta Regia.

Foi cônsul em 182 a.C., exercendo de procônsul na Ligúria ao ano seguinte. Nomeado cônsul novamente em 168 a.C., derrotou a Perseu em Pidna durante a Terceira Guerra Macedônica. Converteu Macedônia em província romana (daí o cognome de Macedônico) e devastou o Épiro. O seu regresso a Roma foi grandemente celebrado, embora embaçado pela morte em escasso lapso de tempo dos seus dois filhos.

Teve outros dois filhos, dados em adoção aos Cipiões e aos Fábios: Públio Cornélio Cipião Emiliano e Quinto Fábio Máximo Emiliano respectivamente.

Em 164 a.C. foi eleito censor, pouco antes da sua morte em 160 a.C.

Referências

  1. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Emílio, 2.3
  2. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Emílio, 2.4

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes

Estudos

  • BARZANÒ, Alberto: Biografia pagana come agiografia. Il caso della vita plutarchea di Lucio Emilio Paolo, in: RIL 128 (1994), 403-424.
  • HOLLAND, Lora: Plutarch’s Aemilius Paullus and the Model of the Philosopher Statesman, in: L. de Blois et al. (eds.): The Statesman in Plutarch’s Works. Proceedings of the Sixth International Conference of the International Plutarch Society, vol. II: The Statesman in Plutarch’s Greek and Roman Lives, Leiden 2005, 269-279.
  • REITER, William: Aemilius Paullus. Conqueror of Greece, London 1988.
  • TRÖSTER, Manuel: ¿Una especie de hagiografía? Plutarco y la tradición histórica en la Vida de Emilio Paulo, in: Gerión 28.1 (2010), 193-206.
  • TRÖSTER, Manuel: Plutarch and Mos Maiorum in the Life of Aemilius Paullus, in: Ancient Society 42 (2012), 219-254.
  • VIANOLI, Rosanna: Carattere e tendenza della tradizione su L. Emilio Paolo, in: M. Sordi (ed.): Contributi dell’Istituto di storia antica, vol. I, Milano 1972, 78-90.

Referências


Precedido por
Cneu Servílio Gêmino, Caio Flamínio Nepote
e Marco Atílio Régulo
Cônsul da República Romana
com Caio Terêncio Varrão
216 a.C.
Sucedido por
Tibério Semprônio Graco
e Lúcio Póstumo Albino