Linguagem arquitetônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arquitetura

Sydney Opera House Sails edit02 adj.JPG


Gerais

Arquiteto
Ensino da arquitetura‎
História da arquitetura
Engenharia Civil
Design
Lista de arquitetos
Lista de escolas de arquitetura‎
Urbanismo
Paisagismo
Patrimônio arquitetônico
Arquitetura militar
Arquitetura religiosa


Pavimentos

Andar (arquitetura)
Enfileirado (arquitetura)
Estrado
Douração


Arquitetura sustentável

Banheiro seco
Conforto ambiental
Bloco de terra comprimida
Resíduos de construção e demolição
Resfriamento passivo (arquitetura)
Energia renovável
Telhado verde


Teoria da arquitetura

A Arquitetura da Cidade
Arquitetura bioclimática
Espaço arquitetônico
Arquitetura racionalista
Arquitetura biônica
Linguagem arquitetônica


História da arquitetura

Arquitetura colonial do Brasil
Arquitetura do século XIX
Arquitetura minimalista
Arquitetura orgânica


Estilos arquitetónicos

Arquitetura bizantina
Arquitetura neogótica
Arquitetura moderna
Arquitetura gótica
Arquitetura do neoclassicismo
Arquitetura expressionista


Prémios de arquitetura

Mies van der Rohe
Medalha Heinrich Tessenow
Prémio Pritzker
Prémio IHRU
Prémio Secil
Prémio Valmor
Prémio Stirling


Paisagismo

Espaço verde
Paisagismo lisérgico


Arquitetos famosos

ver mais


A expressão linguagem arquitectónica(português europeu) ou linguagem arquitetônica(português brasileiro) se refere ao conjunto de elementos que dão à composição arquitetônica, enquanto expressão artística e manifestação da vontade humana, um certo ordenamento sintático, morfológico e semântico. Os arquitetos não pretendem com sua obra passar "mensagens" concretas, traduzíveis em palavras, através do domínio da gramática e da sintaxe das formas e do espaço, mas do contrário, transmitir ao usuário da arquitetura uma determinada experiência abstrata.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

O domínio da linguagem arquitetônica envolve o reconhecimento de que a composição arquitetônica surge a partir das relações formais, sintáticas e pragmáticas dos elementos a serem trabalhados e que diferentes formas de organização das informações existentes busca resultar em produtos adequados a uma dada intenção. Dessa forma, o estudo desta linguagem confunde-se com os postulados teóricos da teoria da gestalt, mas não se limitam a ela.

Portanto, a linguagem arquitetônica de uma determinada obra de arquitetura se dá pela relação entre seus elementos e o todo, de acordo com o partido tomado pelo arquiteto e compondo, através da relação entre as partes e o todo, uma unidade estética. Eventualmente a palavra é confundida com a expressão estilo, embora do ponto de vista teórico, o estilo se refere a uma determinada classificação (em geral histórica) sobre a produção arquitetônica de um povo ou período: normalmente está associado ao estabelecimento de regras de composição e projeto. A linguagem, por outro lado, se refere simplesmente ao uso dos elementos arquitetônicos com o fim de se chegar à composição, seja ela qual for.

A linguagem arquitetônica também transcende a questão do belo, por si só: não se pretende a beleza como simples juízo de valor, mas como experiência estética que gere uma certa fruição. Em geral, o correto domínio dos elementos, através do controle de suas várias relações, resultará em obras "belas", mas ainda assim de um ponto de vista relativo.

Espaço[editar | editar código-fonte]

Como as questões relativas à linguagem aplicam-se aos diversos campos da expressão humana, é preciso limitar campo de atuação da linguagem da arquitetura. Para isso, é preciso refletir sobre aquilo que a define por princípio, pelo seu principal meio de expressão e de trabalho.

Este meio é o espaço. É no espaço (entendido em toda a sua amplitude de significados, não só o espaço cartesiano mas também o espaço social, o espaço vivenciado pela experiência humana) que a arquitetura efetivamente se manifesta e no qual os seus elementos podem ser arranjados. A linguagem da arquitetura, portanto, é sinteticamente o espaço. Os invólucros formais que definem o espaço (as paredes de uma construção, por exemplo), do ponto de vista da linguagem, são considerados não um fim mas um instrumento: as alterações que se fazem neles têm como fim a alteração do espaço como ente a ser percebido pelo homem. Um exemplo claro deste raciocínio é a pintura de apenas uma entre várias paredes de uma cor mais escura que as outras, alterando a forma como um indivíduo sentirá o tamanho a ser percorrido até chegar até ela.

Elementos de composição arquitetônica[editar | editar código-fonte]

Os seguintes elementos são os mais explorados como meio de expressão da arquitetura:

Os seguintes artifícios são utilizados como instrumento de composição daqueles elementos:

Referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • RASMUSSEN, Esteen Eiler; Arquitetura vivenciada; São Paulo: Martins Fontes, 1998. ISBN 85-336-0931-0
Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.