Marianne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antistub.png
Este artigo está em manutenção emergencial a fim de evitar uma futura eliminação. Ajude a corrigir imprecisões no texto e colocar fontes que atestem sua relevância. Se você se dispõe a melhorar este artigo e quer um tempo para fazê-lo comente aqui para evitar uma futura eliminação.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
"A Liberdade guiando o povo" de Delacroix, identifica Marianne com a Liberdade
Busto de Marianne em bronze

Marianne é a figura alegórica (uma mulher) que representa a República Francesa, sendo portanto uma personificação nacional.

Sob a aparência de uma mulher usando um barrete frígio, Marianne encarna a República Francesa e representa a permanência dos valores da república e dos cidadãos franceses: Liberté, Égalité, Fraternité (Liberdade, Igualdade e Fraternidade). Marianne é a representação simbólica da mãe pátria, simultaneamente enérgica, guerreira, pacífica e protectora e maternal.

O seu nome provém, provavelmente, da contracção de Marie e de Anne, dois nomes muito frequentes no século XVIII entre a população feminina do Reino de França.

Para os aristocratas contra-revolucionários, o nome tornou-se pejorativo porque figurava o povo, a plebe. Os revolucionários adoptaram-na para simbolizar a mudança de regime. Os republicanos do Meridiano tiveram também um papel importante na associação deste nome a um ideal político (uma canção em língua occitânica, « La garisou de Marianno » era muito popular no outono de 1792).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]