Peso argentino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Peso Argentino
Peso (em espanhol)
Dados
Código ISO 4217 ARS
Usado  Argentina
Inflação 10,9% em 2013[1] [nota 1]
Sub-Unidade

Centavo
Símbolo $
Plural Pesos
Moedas 5, 10, 25, 50 centavos, 1 peso
Notas 2, 5, 10, 20, 50, 100 pesos
Banco Banco Central da Argentina
Fabricante Casa de Moeda da República Argentina

O peso argentino (ISO 4217 ARS, símbolo $) é a moeda oficial da Argentina. A moeda adota divisões em centavos.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em 1813, a Argentina começou a emitir sua própria moeda, denominada Real Argentino, constituída somente por moedas metálicas. Em 1820, foram introduzidas as cédulas. Em 1881, o Real Argentino foi substituído pelo Peso. Na ocasião, cada peso valia 2 reais argentinos.[3]

O peso foi a moeda corrente da Argentina no período de 1881 até 1985 e era conversível com "selos de ouro" (1 peso equivalia ao valor de 100 gramas de ouro). Em 1969, o Banco Central argentino (BCRA) decidiu emitir novas cédulas, com um visual mais moderno e seguro, e reformou a simbologia da moeda.[4]

Em 1985, o governo argentino decidiu revogar o peso. O objetivo era combater a inflação. Assim, de 1985 a 1991 a moeda oficial argentina passou a ser o austral. Porém, com o advento do Decreto Executivo nº 2.128, de 10 de outubro de 1991, ficou definido que a partir de 1º de janeiro de 1992 seria instituída uma nova linha de moedas "peso".[5] O Decreto estabeleceu então que 1 peso ($1) equivaleria a dez mil austrais (A10.000). O peso também era conversível com o dólar estadunidense, em uma relação de 1 peso ($1) para cada dólar, paridade esta que foi instituída para dar continuidade à equivalência dólar-austral anteriormente instituída pela Lei de Conversibilidade (Lei nº 23.928, de 27 de março de 1991).[5] As cédulas emitidas na época continham uma legenda em que se lia "conversíveis de circulação legal".[nota 2]

Com a mudança, o novo peso reagiu e gerou um impacto cambial positivamente significativo na Argentina, em 2001 ocorreu uma desvalorização que levou o peso a valer quase 1/4 de dólar estadunidense.

Durante o ano de 2008, foram apresentados ao Congresso da Argentina vários projetos para o redesenho dos pesos em circulação. Um deles, assinado entre outros por Roy Cortina (Partido Socialista) e Claudio Morgado (Frente para a Vitória), propôs a adição de Eva Perón ao anverso das cédulas e no verso uma imagem relacionada ao voto feminino. O projeto também defendia a substituição da imagem de Julio Argentino Roca, nas notas de $100, pela de Juana Azurduy, a revolucionária peruana que lutou nos conflitos armados responsáveis pela Independência da América Espanhola. Finalmente, a cédula de $100 foi redesenhada com o rosto de Eva Perón.[6]

Valor e inflação[editar | editar código-fonte]

A cotação do peso argentino é oscilante e há anos vem sofrendo com a controversa inflação da economia argentina, cujos índices oficiais divergem daqueles calculados pelas entidades privadas de consultoria econômica.[2] Em 28 de janeiro de 2014, 1 peso estava sendo cotado a aproximadamente 12,5 centavos de dólar estadunidense.[7]

Imagem Denominação Dimensões Cor Figura
$ 2 155 × 65 mm Azul claro Bartolomé Mitre
$ 5 Verde José de San Martín
$ 10 Marrom Manuel Belgrano
$ 20 Vermelho Juan Manuel de Rosas
$ 50 Preto Domingo Faustino Sarmiento
$ 100 Violeta Julio Argentino Roca
$ 100 Violeta Eva Perón
Cédulas atualmente em uso. A nota de $1, com a figura de Carlos Pellegrini, não é mais fabricada.

Notas

  1. O índice de inflação argentino é controverso: o índice oficial é fornecido pelo INDEC, porém o calculado pelas entidades privadas de consultoria situa-se entre o dobro e o triplo do índice oficial.[1] [2]
  2. Original em espanhol: "convertibles de curso legal".[5] A moeda de curso legal é a moeda corrente, ou seja, aquela oficialmente adotada pelo governo de um Estado.

Referências

  1. a b iEco (15 de janeiro de 2014). Para el Indec, la inflación anual de 2013 fue de 10,9% (em espanhol). Clarín. Página visitada em 28 de janeiro de 2014.
  2. a b The Billion Prices Project. Argentina IPC General (em espanhol). Massachusetts Institute of Technology (MIT). Inflación Verdadera Argentina. Página visitada em 28 de janeiro de 2014.
  3. Thomas Michael; George S. Cuhaj. Standard Catalog of World Coins: 1801–1900 (em inglês). 6 ed. [S.l.]: Krause Publications, 2009. ISBN 0896899403 (ISBN-13: 9780896899407)
  4. Héctor Carlos Janson. Amonedación de la República Argentina: 1881-2001 (em espanhol). [S.l.: s.n.], 2002. 67 p. ISBN 9874313161 (ISBN-13: 9789874313164)
  5. a b c ARGENTINA. Billetes (em espanhol). Banco Central de la República Argentina (BCRA). Página visitada em 28 de janeiro de 2014.
  6. Mariana Veron (2012). Evita será la cara del billete de 100 (em espanhol). La Nación. Página visitada em 24 de janeiro de 2014.
  7. ARGENTINA. Cotizaciones (em espanhol). Banco Central de la República Argentina (BCRA). Página visitada em 28 de janeiro de 2014.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre numismática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.