Zé Povinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Figura em cerâmica retratando o Zé Povinho, por Rafael Bordalo Pinheiro.
Primeira caricatura do "Zé Povinho" in "A Lanterna Mágica" (1875).

Zé Povinho é uma personagem satírica de crítica social, criada por Rafael Bordalo Pinheiro e adoptada como personificação nacional portuguesa.

História[editar | editar código-fonte]

Surgiu pela primeira vez na 5ª edição do periódico "A Lanterna Mágica", a 12 de Junho de 1875, na charge intitulada "Calendário Portuguez", alusiva aos impostos, onde se representa o então Ministro da Fazenda, Serpa Pimentel, a sacar ao Zé Povinho uma esmola de três tostões para Santo António de Lisboa (representado por Fontes Pereira de Melo) com o "menino" (D. Luís I) ao colo, tendo ao lado o comandante da Guarda Municipal, de chicote na mão, presente para prevenir uma eventual resistência.

Nas edições seguintes do periódico, a caricatura do Zé Povinho continuou a surgir com o personagem de boca aberta e a não intervir, resignado perante a corrupção e a injustiça, ajoelhado pela carga dos impostos e ignorante das grandes questões do país.

Tomou forma tridimensional, popularizando-se com a cerâmica da Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, a partir do último quartel do século XIX.

Figura marcante da caricatura de Bordalo Pinheiro1 , tornou-se uma figura identificativa do povo português, criticando de uma forma humorística os principais problemas sociais, políticos e económicos do país ao longo de sua história, caricaturando o povo português na sua característica de eterna revolta perante o abandono e esquecimento da classe política, embora pouco ou nada fazendo para alterar a situação.

Características[editar | editar código-fonte]

O próprio Bordalo Pinheiro definiu o personagem: "O Zé Povinho olha para um lado e para o outro e... fica como sempre... na mesma".

Entretanto, apesar de relativamente simples, é uma figura cheia de contradições:

"Mas se ele é paciente, crédulo, submisso, humilde, manso, apático, indiferente, abúlico, céptico, desconfiado, descrente e solitário, também não deixa por isso de nos aparecer, em constante contradição consigo mesmo, simultaneamente capaz de se mostrar incrédulo, revoltado, resmungão, insolente, furioso, sensível, compassivo, arisco, activo, solidário, convivente..."2 .

O personagem tem como característica principal o gesto do manguito (o "Toma!"), representando a sua faceta de revolta e insolência.

Notas

  1. Nas 10 mil páginas de caricaturas e cenas, feitas entre 1870 e o princípio de 1905, o Zé Povinho é retratado em cerca de 300 diferentes desenhos, em diferentes poses. D'ANUNCIAÇÃO, Pedro. "Um Zé Povinho Apalermado e Subserviente". in: 100 Anos de Bordalices. Suplemento da Gazeta das Caldas, 24 de Março de 2006. p. 18.
  2. MEDINA, João. "O Zé Povinho, caricatura do «Homo Lusitanus»" in Estudos em Homenagem a Jorge Borges de Macedo. Lisboa: INIC, 1992.

Ver também[editar | editar código-fonte]