História da língua portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Trecho de poesia
medieval portuguesa
Das que vejo
non desejo
outra senhor se vós non,
e desejo
tan sobejo,
mataria um leon,
senhor do meu coraçon:
fin roseta,
bela sobre toda fror,
fin roseta,
non me meta
en tal coita voss'amor!
João de Lobeira
(1270?–1330?)

A história da língua portuguesa é a história da evolução da língua portuguesa desde a sua origem no noroeste da península ibérica até ao presente, como língua oficial falada em Portugal e em vários países de expressão portuguesa.

Em todos os aspectos - fonética, morfologia, léxico e sintaxe - o português é essencialmente o resultado de uma evolução orgânica do latim vulgar trazido por colonos romanos no século III a.C., com influências menores de outros idiomas. O português arcaico desenvolveu-se no século V d.C., após a queda do Império Romano e as invasões bárbaras, como um dialecto românico, o chamado galego-português, que se diferenciou de outras línguas românicas ibéricas. Usado em documentos escritos desde o século IX, o galego-português tornou-se uma linguagem madura no século XIII, com uma rica literatura. Em 1290 foi decretado língua oficial do reino de Portugal pelo rei D.Dinis I. O salto para o português moderno dá-se no renascimento, sendo o Cancioneiro Geral de Garcia de Resende (1516) considerado o marco do seu início. A normatização da língua foi iniciada em 1536, com a criação das primeiras gramáticas, por Fernão de Oliveira e João de Barros.

A partir do séc. XVI, com a expansão da era dos descobrimentos, a história da língua portuguesa deixa de decorrer exclusivamente em Portugal, abrangendo o português europeu e o português internacional. Em 1990 foi firmado um tratado internacional com o objetivo de criar uma ortografia unificada, o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, assinado por representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

Proto-história (séc. III a.C.- séc. XII)[editar | editar código-fonte]

Estudos recentes mostram que o substrato foi um estudo linguístico dominante no ocidente peninsular tem uma forte relação com as línguas antigas do Próximo Oriente, como o ugarítico, o acádio, o hebraico antigo ou o assírio. É possível que essa língua tenha acompanhado os povos que migraram ao longo do Mediterrâneo ao longo de milhares de anos desde o Neolítico. Tanto a toponímia, como a própria língua portuguesa (bem como a castelhana, a catalã, e mesmo a provençal) mostram claramente essa relação[1] . Curiosamente já no século XIX o Cardeal D. Francisco de S. Luiz Saraiva (conhecido popularmente por "Cardeal Saraiva"), publicou um trabalho intitulado: Glossário de Vocábulos Portuguezes Derivados de Línguas Orientaes e Africanas Excepto a Árabe, em que se demonstrava que muitas palavras do português encontram paralelo no hebraico antigo no caldaico e mesmo no persa. Contudo este conhecimento foi ignorado, tendo-se retomado a tese da impossibilidade de encontrar a língua do povo que foi colonizado pelos romanos. Também no final do século XX, Moisés Espírito Santo publicou vários e assinaláveis estudos sobre o tema, mas o meio universitário português tem sido reticente à mudança de paradigma. A visão tradicional, geralmente reproduzida, é fortemente latinista e quase ignora totalmente a língua falada pelo povo que foi conquistado por Roma. Os textos que se seguem essa linha de pensamento, estando portanto em desacordo com as ideias mais recentes

O português tem um substrato céltico/lusitano,[2] originado nas línguas faladas pelos povos pré-romanos que habitavam a parte ocidental da península. Várias escritas testemunham a existência de línguas paleo-hispânicas. Em Portugal destaca-se a escrita do sudoeste dos séculos VII e V a.C. no Baixo Alentejo e Algarve. Não há acordo entre os especialistas sobre a origem destes sistemas de escrita, que poderá estar no alfabeto fenício ou no alfabeto grego, provavelmente relacionados com os contactos comerciais destes povos.

Da língua lusitana, uma língua indo-europeia céltica [3] [4] ou relacionada falada entre o Douro e o Tejo, apenas se conhecem cinco inscrições tardias em alfabeto latino, incluindo as de Cabeço das Fráguas[5] , a inscrição do Penedo de Lamas[6] e de Arronches.[7] Da língua galaica,[8] também uma língua céltica[9] [10] ou um grupo de línguas e dialetos aparentados com o celtibero, conhecem-se numerosas palavras e frases curtas registadas em inscrições latinas de Oviedo e Mérida, ou glosadas por autores clássicos, que permanecem até hoje para nomear locais, rios ou montanhas. Após séculos de contacto com o latim estas línguas foram absorvidas, [11] mas deixaram a sua marca num dialecto determinante na evolução das línguas portuguesa e galega.

A influência celta na língua portuguesa [12] pode ser detectada em várias palavras como abrunho, barra, bico, vidoeiro, bilha, borba, braga, brio, cais, caminho, camisa, canga, canto, carro, cerveja, choco, colmeia, crica, curro, embaixada, gorar, légua, lousa, menino, minhoca, peça, rego, tojo, tranca, vassalo,[13] manteiga e tona (galaico-português: pele, odre);[14] os topónimos de origem céltica em Portugal destacam-se pelo elemento "briga", que significa “fortaleza”, com em Conímbriga, Arcóbriga (antigo nome de Arcos de Valdevez), Lacóbriga (antigo nome da cidade algarvia de Lagos) e Brigantia (Bragança); o elemento "dunum", que significa “cidade” e surge no topónimo Caladunum (cidade antiga em Trás-os-Montes); frequentemente é também considerada de origem celta a etimologia do nome Portugal, de Portus Cale, sendo Cale um desenvolvimento de "Gall-", com a qual os Celtas se referiam a si próprios (como em "Galiza", "Gália", "Galway") e o do rio Douro (Durus em latim), do celta "dwr", que significa água.[15]

O latim: base linguística (III a.C - V d.C)[editar | editar código-fonte]

Inscrição em latim num marco miliário da Via Nova, que ligava Braga a Astorga, Terras de Bouro, Portugal

Em 218 a.C, os romanos iniciaram a invasão península ibérica, onde viriam a fundar a província romana da Lusitânia, atual centro e sul de Portugal. Quase 200 anos depois, terminadas as guerras Cantábricas, foi constituída a Galécia, atual norte de Portugal e Galiza.

A romanização afetou muitas áreas da vida, incluindo a língua. O latim, língua oficial do Império Romano, passou a ser usado na administração. A sua versão coloquial, o latim vulgar falado em todo o império, [16] foi difundido por soldados, colonos e mercadores vindos de várias províncias e colónias romanas. Estes estabeleceram-se em cidades perto de povoações nativas, mantendo frequentemente os mesmos nomes.

Falar latim era mais um privilégio do que um dever, e começou pelas camadas mais altas da sociedade, que tinham de lidar com a administração romana.[17] A evolução do latim no território correspondente a Portugal ocorreu a dois ritmos:[18] no centro e sul, na Lusitânia, foi adaptado cedo, acompanhando a rápida romanização e maior cosmopolitismo. A norte, na região da Galécia, a tardia romanização, o carácter rural e o isolamento resultaram numa menor assimilação cultural e linguística, que levou ao desenvolvimento de uma variedade de latim com influências da língua galaica.[19] [20] A adesão ao cristianismo, introduzido nas cidades da Hispânia a partir do século I e tornado religião oficial do império em 380 pelo imperador hispano Teodósio I, contribuiu para popularizar o latim.

O uso das línguas paleo-ibéricas foi decrescendo, primeiro através do bilinguismo nos centros de ocupação romana, depois limitando-se às regiões isoladas. As línguas pré-romanas nativas acabaram por desaparecer, [21] mas supõe-se que o seu contacto com o latim contribuiu para o desenvolvimento de diversos dialetos nas diferentes regiões da Hispânia. Mesmo a elite educada de hispano-romanos parece ter tido um sotaque peculiar: entre outros, o imperador Adriano, de origem bética, foi alvo de riso ao discursar no senado romano pelo "pronuntians agrestius", um sotaque rústico que o levou a aperfeiçoar o latim.[22] [23]

Para alguns autores o fato da Lusitânia e Galécia estarem incluídas na Hispânia Ulterior (a "Hispânia afastada" na primeira divisão da península), sob influência da Bética, uma província antiga colonizada pela aristocracia senatorial, explica o latim conservador, que preservou formas arcaicas (como "pássaro"/"pájaro" (passer) e "comer" (comedere) em vez de formas latinas mais recentes ave (avicellus) manger/mangiare (manducare), e que pode explicar parte das diferenças entre o castelhano e o português.[24] Um dos fenómenos mais antigos nesta diferenciação é a "troca dos b pelos v", ou betacismo[25] , provavelmente sob a influência das línguas pré-romanas, com o /v/ muito mais usado no português. No latim clássico não existia o actual som [v]: "via" pronunciava-se "uia" (semelhante ao W inglês). A partir do século I o latim vulgar transformou o /w/ em /β/, que se manteve no espanhol, e que evoluiu para /v/ no português. Exemplos antigos de betacismo incluem a grafia de Nabia/Navia, deusa da mitologia galaica e lusitana. [26]

O processo de diferenciação dos dialetos que levou ao desenvolvimento de diversos traços individuais das línguas ibero-românicas terá ocorrido ainda no período romano.[27] [28] [29] Origem de todas as línguas românicas, o latim terá contribuido para quase 90% do léxico do português.

O românico de influência germânica sueva e visigótica[editar | editar código-fonte]

Pormenor do Códice Albeldensis visigótico, c. 976, reprentando Martinho de Dume, com a inscrição Martinus episcopus bracarensis.

A partir de 409, [30] com o Império Romano em colapso, a península Ibérica foi ocupada por povos de origem germânica, a que os romanos chamavam bárbaros. O território foi então cedido a alguns destes povos como federados: em 410 os suevos estabeleceram na Galécia o reino Suevo, primeiro reino cristão, (410-589). Na Lusitânia seriam os visigodos a dominar (411-711).

Estes povos adoptaram em grande parte a cultura romana, incluindo as leis, o cristianismo e a língua latina. Com as invasões desapareceram todos os quadros do estado, mas manteve-se de pé a organização eclesiástica, que os suevos adoptaram ainda no século V, seguidos pelos visigodos, e que foi um importante instrumento de estabilidade. Como a maioria da população hispano-romana era cristã, a governação sueva - que se estendeu até Emínio (Coimbra)- baseou-se nas paróquias, descritas no Parochiale suevorum de c.569.

O latim escrito, com influências germânicas e românicas, manteve-se na Europa como língua franca, litúrgica e jurídica: o latim medieval. No reino Suevo da Galécia, região correspondente ao norte de Portugal e Galiza, destaca-se na liturgia a partir da arquidiocese de Braga, e no direito visigótico. Foi dessa liturgia, por iniciativa de Martinho de Dume - para reforçar a ortodoxia face a tendências pagãs e heréticas do priscilianismo e arianismo- a origem do português ser a única língua românica que usa a terminologia eclesiástica de numeração ordinal para os dias da semana, de segunda-feira a sexta-feira, com registos desde 618.[31]

No entanto, uma vez que as escolas e administração romanas acabaram, o latim vulgar falado perdeu uniformidade, evoluindo de forma diferenciada nas comunidades isoladas. Acredita-se que por volta do ano 600 já não era falado na Península Ibérica, [32] substituido pela evolução das línguas românicas. Na Galécia, ganhou características locais levando à evolução de uma forma primitiva de galaico-português.

A presença germânica, sobretudo os três séculos de domínio visigótico, deixou numerosas palavras na língua portuguesa, sobretudo na onomástica: nomes como Rodrigo, Afonso, Álvaro, Fernando, Gonçalo, Henrique, Adães; toponímia Baltar, Gondomar, Ermesinde, Esposende, Tagilde, Guimarães, Tresmonde, Trasmil; o sufixo -engo (em solarengo, mostrengo) e palavras em regra poéticas ou guerreiras: guerra, elmo, bando, guardar, agasalhar entre outras.[33] Também a letra ç (cê cedilhado) no português moderno, teve origem na escrita visigótica, resultando da evolução do Z (ʒ) visigótico.[34] [35]

Influência árabe[editar | editar código-fonte]

Mapa cronológico mostrando o desenvolvimento das línguas do sudoeste da Europa desde o ano 1000 até à actualidade, entre as quais o português.

Em 711 tropas muçulmanas vindas do Norte de África ocuparam a península Ibérica. Rapidamente atravessaram o Douro, terminando o reino visigodo. Às suas investidas escapou um grupo de visigodos acantonado no reino das astúrias a partir de 718. Os muçulmanos assenhorearam-se do território que designavam em língua árabe Al-Andalus, o qual governaram por quinhentos anos no caso português e oitecentos no espanhol.

Com a invasão da península, a língua árabe foi adoptada como língua administrativa nas regiões conquistadas. Contudo, a população continuou a falar dialectos românicos, conhecidos colectivamente como moçárabes. A principal influência árabe foi no léxico: o português moderno regista 954 palavras de origem árabe,[36] especialmente em relação à agricultura, comércio e administração, sem cognatos noutras línguas românicas, com excepção do castelhano.

A maioria das palavras portuguesas de origem árabe é facilmente identificável pelos prefixos al- (correspondente ao artigo definido árabe o) ou od- (que significa rio). Embora aquelas em que al não forme uma sílaba possam ter uma raiz distinta (casos de Alexandre e Alentejo). Entre estas açúcar, alface, laranja, arroz, alfândega, armazém, bairro, almanaque, álgebra, almirante. A influência árabe é também visível na topónimos árabes em Portugal, principalmente no sul do país, tais como Algarve e Alcácer do Sal e Odemira. E que foram assimilados à medida que a reconquista foi avançando pelo que atualmente é o centro-sul de Portugal.

Português arcaico (séc. XII - séc. XVI)[editar | editar código-fonte]

O galego-português[editar | editar código-fonte]

Apocalipse do Lorvão, manuscrito iluminado de 1180 baseado no Comentário de Beato de Liébana, Mosteiro de Lorvão

Entre 740 e 868 a região a norte do Douro foi reconquistada pelos cristãos hispano-góticos, que aí estabeleceram os seus reinos. O documento medieval com traços românicos mais antigo da península Ibérica data de 775, o Diploma do rei Silo das Astúrias,[37] encontrado na Galiza e preservado no arquivo da catedral de Leão.[38] [39] Como este, muitos documentos escritos em latim medieval contêm palavras românicas.[40]

Em Portugal, os mais antigos textos com traços de galego-português são a Doação à Igreja de Sozello, de 870,[41] e a Carta de Fundação e Dotação da Igreja de S. Miguel de Lardosa, de 882.[42] A Notícia de Torto (c. 1214?) e o Testamento de Afonso II (27 de junho, 1214) são já galego-português. Na Galiza, a documentação legal em galego-português remonta a 1231, data de um diploma de venda procedente do mosteiro de Melón, no Minho.[43] No entanto, o documento chamado Carta Foral do Boo Burgo é provavelmente mais antigo (c. 1228).[44] Os primeiros textos poéticos datam de c. 1195 a c. 1225.

Entre os séculos XII e XIV o galego-português teve um papel especial nos reinos cristãos medievais da península ibérica como língua literária, semelhante ao contemporâneo occitano. Foi, quase sem exceção, a única língua usada na composição da poesia lírica trovadoresca dos reinos de Leão, Castela, Galiza, e Portugal. A sua importância foi tal que o chamado trovadorismo é considerado a segunda mais importante literatura medieval europeia. O rei de Leão e Castela Afonso X, o Sábio (1221-1284), mecenas do movimento trovadoresco e ele próprio trovador e poeta da língua galego-portuguesa, escreveu ou mandou escrever o cancioneiro sacro Cantigas de Santa Maria em galego-português, que reúne 430 composições musicadas para monofonia.

Ladinho ou linguagem ladinha era o nome que se dava ao puro romance português derivado do Latim, sem mescla de Aravia ou da Gerigonça judenga.[45]

A poesia heroica tinha duas vertentes, a Aravia, usada pelo povo, e o Romance empregada pelos eruditos. São numerosos os documentos em que a palavra Aravia significou a linguagem plebéia, a gíria e o canto do povo. Para os eruditos o Romance significava a linguagem vulgar.[46] "Para os eruditos do seculo xv e xvi, a Aravia é a linguagem corrupta com que cristãos e árabes se entendiam, é uma especie de gíria não escrita, e a própria designação de um canto do povo." [...]a Aravia que os Mosarabes falavam eram os dialetos vulgares ou Ladinha cristenga que em breve se iam desenvolver como línguas nacionais. A designação de Aravia passava a significar o cantar-romance, que veio a servir de primeiro elemento tradicional da historia." Na comédia Eufrósina, Jorge Ferreira de Vasconcelos refere-se ao termo "germania" como sendo uma forma de aravia, quando escreve : "quando eles querem falam germania[...] senhora que viva convosco pera que me ensineis essa aravia." [47]

Divergência do português e do galego[editar | editar código-fonte]

Pergaminho Vindel em galego-português, com cantigas de amigo de Martim Codax.(Pierpont Morgan Library, New York)

Em 1143 o reino de Portugal foi formalmente reconhecido pelo Reino de Leão e Castela, no qual o Reino da Galiza estava então incorporado. Em 1290, concluída a reconquista portuguesa, o rei Dinis I de Portugal decretou que a "língua vulgar" (o galego-português falado) fosse usada em vez do latim na corte, e nomeada "português". O rei trovador, neto e tradutor de Afonso X O Sábio, adoptara uma língua própria para o reino, tal como o seu avô fizera com o castelhano. Em 1296 o português foi adaptado pela chancelaria régia e passou a ser usado não só na poesia, mas também na redação das leis e pelos notários.

Como resultado da divisão política, o Galego-Português perdeu a unidade como língua nativa secular do noroeste peninsular. O galego e o português seguiram então caminhos evolutivos independentes, divergindo: o português incorporou elementos árabes durante a reconquista e no período que se seguiu, dá-se a uniformização em -ão das terminações nasais, enquanto o galego foi influenciado pelas línguas leonesa e castelhana. [48]

História da língua portuguesa

Era ja çerca de uesperas quando aqueste torneo duraua, et os mays delles erã ja canssados et moy quebrãtados, ca sofrerã moyta coyta aquel dia cõbatendosse et justando de cõssun. Et Achiles chegou estonçe a aquel torneo, et tragia cõsigo tres mill caualeyros de seus uassalos

História da língua portuguesa

 — Crónica Troiana, tradução galega de 1373 da versão de Afonso XI do Roman de Troie de Benoît de Sainte-Maure[49]

O galego manteve-se a língua escrita mais empregada no Reino de Galiza, tanto no uso legal como na criação literária, para o que contribuíram grandemente as scriptoria da nobreza e da igreja local, na ausência de uma corte real na Galiza. Mas as derrotas dos nobres galegos nas guerras irmandinhas provocaram o fim da autarquia do reino da Galiza, que passa a ser governada por uma delegação real castelhana, que impõe o castelhano como língua oficial. A partir de 1530 dá-se o desaparecimento oficial do galego como língua de cultura, que durou até finais do século XIX, nos chamados "Séculos Escuros", ficando relegado a língua regional, oral, com pouco emprego escrito.[50] O português, por seu lado, desenvolveu-se no único território peninsular independente do domínio linguístico do castelhano.


O quadro seguinte mostra um trecho da cantiga de amor Pois ante vós estou aqui, escrita pelo rei D. Dinis (1261-1325) em galego-português e compilada no Cancioneiro da Vaticana. À direita, de modo comparativo, uma tradução correlativa em português e galego (baixo ortografia oficial), respectivamente:

Galego-português Português Galego
Pois ante vós estou aqui,

senhor deste meu coraçom,
por Deus, teede por razom,
por quanto mal por vós sofri,
de vos querer de mim doer
ou de me leixardes morrer.

Pois ante vós estou aqui,

senhor deste meu coração,
por Deus, tende por razão,
por quanto mal por vós sofri,
de vos querer de mim doer
ou de me deixardes morrer.

Pois ante vós estou aquí,

señor deste meu corazón,
por Deus, tede por razón,
por canto mal por vós sufrín,
de vos querer de min doer
ou de me deixardes morrer.

Português moderno (séc. XVI - séc. XXI)[editar | editar código-fonte]

Normatização: as primeiras gramáticas no Renascimento[editar | editar código-fonte]

Frontispício da primeira edição da Grammatica da Língua Portuguesa de João de Barros, 1540

A publicação do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende em 1516 é frequentemente considerada o marco do fim do "português arcaico".

A partir do século XVI, o renascimento aumentou o número de palavras eruditas importadas para o português e a complexidade da língua. Tal como em várias outras línguas europeias, o interesse pelos estudos humanísticos, em especial a filologia, e o desenvolvimento da imprensa levou à procura da normatização da língua portuguesa.

Em 1536 Fernão de Oliveira publicou a primeira gramática da língua portuguesa, a Grammatica da lingoagem portuguesa,[51] em Lisboa, dedicada a D. Fernando de Almada. A obra do heterodoxo frade dominicano, diplomata, escritor, filólogo e tratadista naval em breve seria seguida. Em 1540, João de Barros, distinto funcionário da coroa e tesoureiro da Casa da Índia, publicou a Gramática da Língua Portuguesa e diversos diálogos morais a acompanhá-la, para ajudar ao ensino da língua materna. Considerada a primeira obra didática ilustrada no mundo,[52] dedicada a informar aos jovens aristocratas, a quem se dirigia, incluia também fundamentos básicos da Igreja Católica.[52] .

O interesse pela filologia difundiu o uso de ortografias etimológicas, procurando justificar palavras vernáculas através de raízes latinas ou gregas, genuínas ou imaginadas. Duarte Nunes de Leão, pioneiro no estudo da ortografia portuguesa, [53] na obra Orthographia da lingoa portuguesa, de 1576, foi um dos seus teóricos. O desenvolvimento da imprensa contribuiu para tornar correntes as novas grafias, abundantes em ch, ph, rh, th e y nas palavras de origem grega (archaico, phrase, rhetorica, theatro, estylo, etc.) e ct, gm, gn, mn, mpt nas palavras de origem latina (aucthor, fructo, phleugma, assignatura, damno, prompto), incluindo até falsas etimologias, como a de tesoura escrita thesoura, por sugestão de thesaurus, quando o étimo é tonsoria.

Durante o período da União Ibérica (1580-1640), em que os reinos de Portugal e Espanha estiveram unidos, linguistas espanhóis cogitaram em ser a língua portuguesa, um dialeto do castelhano. Essa teoria foi descartada, visto que consistia em ser uma ideia de cunho mais político, na tentativa de uma maior dominação para com os portugueses, e por não possuir qualquer fundamento línguistico ou histórico.

Expansão com os Descobrimentos[editar | editar código-fonte]

A língua portuguesa no mundo actual:
  Língua materna
  Língua oficial e administrativa
  Língua cultural ou secundária
  Minorias falantes do português

Entre os séculos XV e XVI, com a expansão da era dos descobrimentos, os portugueses levaram a língua portuguesa a muitas regiões das África, Ásia e América. Simultaneamente importaram para o léxico português e de várias línguas europeias novas palavras, vindas de terras distantes.

Os primeiros contactos eram assegurados por intérpretes poliglotas, os chamados "lingoas", como Gaspar da Gama e Duarte Barbosa. O português tornou-se a lingua franca nas costas do Oceano Índico e em África, usado não só pela administração colonial e pelos mercadores, mas também entre os oficiais locais e europeus de todas as nacionalidades. Vários reis do Ceilão (actual Sri Lanka) falavam português fluentemente, e os nobres normalmente tinham nomes portugueses. A propagação da língua foi ajudada por casamentos mistos entre portugueses e as populações locais.

A língua portuguesa continuou a gozar de popularidade no sudoeste asiático até ao século XIX. No Ceilão e na Indonésia a língua continuou popular mesmo com várias medidas contra ela levadas a cabo pelos holandeses. Algumas comunidades cristãs que falavam português, nas Índia, Sri Lanka, Malásia e Indonésia preservaram a sua língua mesmo depois de se isolarem de Portugal. Ao longo dos séculos desenvolveram-se vários crioulos de base portuguesa em África, na Índia, no Sudeste Asiático e em Macau.

Topónimos como Serra Leoa,[54] Lagos (Nigéria), Elmina (Gana), Ano Bom, Natal, Gabão, Camarões, Brasil, Cochinchina,[55] Formosa (Taiwan), Flores (Indonésia) atestam a passagem dos portugueses no século XVI. Várias palavras portuguesas entraram no léxico de outras línguas, tais como "sepatu" (sapato) em indonésio, "keju" (queijo) em malaio, "meza" (mesa) em swahili, "botan" (botão), "kompeitō" (confeito), "kappa" (capa), entre várias palavras japonesas de origem portuguesa. Simultaneamente foram importadas para a Europa palavras ligadas à marinharia e a produtos exóticos como banana, albatroz, cachalote, caju, crioulo, garoupa, sargaço, junco (navio), macaco, mandarim,[56] monção, pagode. Hoje, a maioria dos falantes do português encontram-se no Brasil, na América do Sul.

Base dos primeiros estudos linguísticos fora da Europa[editar | editar código-fonte]

Página do manuscrito do Dicionário Português-Chinês, compilado por Matteo Ricci e Miguel Ruggieri, 1583-1588.

Os esforços missionários do padroado português, sobretudo a actividade missionária jesuíta, levou a que "língua cristã" fosse sinónimo da "língua portuguesa" em muitos locais da Ásia. A expansão de colégios e o pioneirismo das missões fez com que muitos dos primeiros estudos linguísticos europeus, incluindo gramáticas e dicionários, fossem escritos em português.[57] É o caso do primeiro dicionário europeu de chinês-português, c. 1580 por Michele Ruggieri e Matteo Ricci[58] ; do dicionário japonês-português "Nippo Jisho", de 1603 por João Rodrigues [59] [60] ; do dicionário vietnamita-Português-latim publicado em Roma em 1651 por Alexandre de Rhodes.[61]

Destacaram-se nesta acção o Colégio de São Paulo (Macau)[62] como sede dos primeiros sinólogos, e o Colégio de São Paulo (Goa), que introduziu a imprensa na Índia,[63] e levou à primeira impressão e estudos europeus da língua tâmil.[64] Também sob alçada portuguesa, foram os estudos da língua concani (canarim) e da língua marata pelo linguista jesuíta Thomas Stephens. [65] Foram também pioneiros no estudo do sânscrito[66] Roberto de Nobili e João de Brito. No Brasil, José de Anchieta e Luís Figueira desenvolveram os primeiros estudos da língua tupi, incluindo a gramática e dicionário; Luís Mamiani estudou a língua cariri (hoje extintas). [67] Em África, Mateus Cardoso fez a primeira tradução de quicongo c.1625.[68] Na Etiópia, foi estudada intensamente e feitas traduções de ge'ez, a língua litúrgica da Etiópia, até à expulsão dos Jesuitas em 1634.[69]

Registos mais antigos[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Março de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Os registos mais antigos que sobreviveram de uma língua portuguesa distinta são documentos notariais (ou tabeliónicos) do século IX, ainda entremeados com muitas frases em latim notarial (ou latino-romance). Essa fase da história da língua, que antecedeu o surgimento de uma escrita (scripta) portuguesa autónoma foi designada por "período proto-histórico" por José Leite de Vasconcelos. Embora a escrita tivesse uma aparência "alatinada" a língua falada era o galego-português. [carece de fontes?]

Os mais antigos textos escritos em português datam de inícios do século XIII. A partir de 1255 o português foi adoptado como 'língua de registo' na Chancelaria Régia (no reinado de D. Afonso III).

O mais antigo documento latino-português conhecido, datado do ano de 870 DC, é a Doação à Igreja de Souselo; trata-se, no entanto, de uma cópia do século XI (escrita em letra visigótica de transição). O mais antigo documento latino-português original conhecido é a Carta de Fundação e Dotação da Igreja de S. Miguel de Lardosa, datada de 882 DC (escrita em letra visigótica cursiva).

A Notícia de Fiadores, de 1175, é, segundo alguns estudiosos, o documento datado em escrita portuguesa mais antigo conhecido. É uma pequena lista de nomes que termina com uma única frase que apresenta sintaxe e morfologia portuguesas. A caracterização da Notícia de Fiadores como o “mais antigo” não foi consensualmente aceite na comunidade de filólogos portugueses.

Segundo outros estudiosos, o Pacto de Gomes e Ramiro Pais deve ser considerado o texto mais antigo escrito em português; no entanto, é apenas datável por conjectura (provavelmente anterior a 1173) e contém muitas formas gráficas latinas.

Outro importante documento, a Notícia de Torto, não datado, terá sido escrito entre 1211 e 1216: é uma longa narrativa dos agravos que o nobre Lourenço Fernandes da Cunha sofreu às mãos de outros senhores. Permanece o mais antigo documento particular datável conhecido escrito em português.

O Testamento de Dom Afonso II, datado de 1214, é o texto em escrita portuguesa mais antigo que se conhece (e é consensualmente aceite como tal pela comunidade científica): conservam-se dois testemunhos do documento, um em Lisboa, outro em Toledo. Foi o primeiro de três testamentos que o monarca lavrou, mas apenas este foi redigido na ‘scripta’ portuguesa que na época se estava a desenvolver na corte.

Estes documentos estão conservados no Arquivo Nacional da Torre do Tombo em Lisboa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. 1 - Ver a este propósito "A Origem da Língua Portuguesa", de Fernando R. Almeida, Chiado, 2013.
  2. FREIRE, José Manuel de Amaral Branco, A Toponímia Céltica e os vestígios de cultura material da Proto-História de Portugal
  3. Anderson, J. M. 1985. «Pre-Roman Indo-European languages of the Hispanic Peninsula», Revue des Études Anciennes 87, 1985, pp. 319–326.
  4. Untermann, J. 1987. «Lusitanisch, Keltiberisch, Keltisch», in: J. Gorrochategui, J. L. Melena & J. Santos (eds.), Studia Palaeohispanica. Actas del IV Coloquio sobre Lenguas y Culturas Paleohispánicas (Vitoria/Gasteiz, 6-10 mayo 1985). (= Veleia 2-3, 1985–1986), Vitoria-Gasteiz ,1987, pp. 57–76.
  5. Santuário Lusitano-Romano de Cabeço das Fráguas em www.portugalromano.com
  6. Inscrição Gravada num Penedo (Pesquisa de Património/IGESPAR)
  7. CARNEIRO, André, José d’Encarnação, Jorge de Oliveira, Cláudia Teixeira «Uma inscrição votiva em língua lusitana». Palaeohispanica 8 (2008), pp. 167-178.
  8. PIEL, Joseph-Maria "Origens e estruturação histórica do léxico português" (1976) in Estudos de Linguística Histórica Galego-Portuguesa, Lisboa, IN-CM, 1989, pp. 9-16
  9. (do tipo Q)PRÓSPER, B. M.. Lenguas y religiones prerromanas del occidente de la península ibérica. [S.l.]: Ediciones Universidad de Salamanca, 2002. 422–427 p. ISBN 84-7800-818-7
  10. VILLAR F., B. M. Prósper. (2005). Váscos, Celtas e Indoeuropeos: genes y lenguas. Ediciones Universidad de Salamanca. pp. 333-350. ISBN 84-7800-530-7.
  11. LUJÁN MARTÍNEZ, Eugenio The Language(s) of the Callaeci
  12. FREIRE, José. A Toponímia Céltica e os vestígios de cultura material da Proto-História de Portugal. Revista de Guimarães, Volume Especial, I, Guimarães, 1999, pp. 265-275
  13. WARD A. (1996), s.v.
  14. Palavras celtas na língua portuguesa em www.ciberduvidas.com
  15. JONES, Rowland, The origin of language and nations
  16. CLARK, Victor Selden (1900). Studies in the Latin of the Middle Ages and the Renaissance. Lancaster: The New Era Printing Company, pp. 1–3
  17. AZEVEDO, Milton Mariano. Portuguese: a linguistic introduction. [S.l.]: Cambridge University Press, 2005. 8 p.
  18. PRICE, Glanville. Encyclopedia of the languages of Europe. [S.l.]: Wiley-Blackwell, 2000. 364 p.
  19. Origens e estruturação histórica do léxico português (1976)
  20. The Language(s) of the Callaeci. Luján Martínez, Eugenio
  21. Povos pré-romanos da península ibérica, Arkeotavira (em português).
  22. ADAMS, James Noel. The regional diversification of Latin, 200 BC-AD 600. [S.l.]: Cambridge University Press, 2007. 232 p.
  23. Bilingualism and the Latin language, J.N. Adams. Cambridge University Press
  24. BROWN, Keith, Sarah Ogilvie. Concise encyclopedia of languages of the world. [S.l.]: Elsevier, 2008. 883 p. ISBN 0080877745
  25. Ciberdúvidas: A troca do B pelo V = Betacismo
  26. "El nombre de la diosa lusitana Nabia y el problema del betacismo en las lenguas indígenas del Occidente Peninsular". Blanca M. Prósper. Ilu. Revista de ciencias de las religiones Nº2. pgs:141-149. 1997
  27. Origens e estruturação histórica do léxico português" (1976) (em português).
  28. Bilinguism and the Latin language, J.N. Adams.Cambridge University Press (em inglês).
  29. Comparative Grammar of Latin 34 (em inglês).
  30. Hermanni Contracti Chronicon.
  31. Richard A. Fletcher, The barbarian conversion: from paganism to Christianity, p.257
  32. As origens do romance galego-português. Instituto Luis de Camões
  33. Palavras suevas e visigóticas no Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
  34. Historia da Lingua Portuguesa (página 2) Mónica Graciela Afonso
  35. http://books.google.com/books?id=0kAXcnhx1CMC&lpg=PA63&dq=cedilha%20visig%C3%B3tica&pg=PA63#v=onepage&q&f=false Lletres asturianes, p.63 Lletres asturianes, Dellos autores, Academia Llingua Asturiana
  36. Influência árabe na língua portuguesa
  37. Academia das Ciências de Lisboa. Memórias, Volume 7. [S.l.]: Academia das Ciências de Lisboa, 1821. 38 p.
  38. GARCÍA LEAL, Alfonso. El diploma del Rey Silo. A Coruña: Fundación Pedro Barrié de la Maza, 2007. ISBN 978-84-95892-36-2
  39. O Diploma do rei Silo das Astúrias, de 23 de Agosto de 775 o rei doou a vários religiosos propriedades no lugar chamado Tabulata, actual Trabada, aldeia da romana "Lucis" (Lugo). Este documento contratual de doação "pro anima" é estudado na carreira diplomática. [Media: http://www.tabulata.com/linktrab.htm]
  40. Norman P. Sacks, The Latinity of Dated Documents in the Portuguese Territory, Philadelphia: University of Pennsylvania, 1941
  41. O mais antigo documento com traços de galego-portugues, a.D. 870
  42. Carta de Fundação e Dotação da Igreja de S. Miguel de Lardosa, de 882
  43. Souto Cabo [edição], José António. Documentos galego-portugueses dos séculos XII e XIII. A Coruña: Universidade da Coruña, 2008. 51 p. ISBN 978-84-9749-314-7
  44. Monteagudo Romero, Xosé Henrique. Letras primeiras: o foral do Burgo de Caldelas, os primordios da lírica trobadoresca e a emerxencia do galego escrito. A Coruña: Fundació Pedro Barrié de la Maza, 2009. ISBN 978-84-95892-73-7
  45. Diccionario da lingua portugueza: recopilado de todos os impressos ..., Volume 2
  46. CURSO DE HISTORIA DA LITTERATURA PORTUGUEZA
  47. Comédia Eufrosina
  48. LINDLEY CINTRA, Luís F. Nova Proposta de Classificação dos Dialectos Galego-Portugueses (PDF) Boletim de Filologia, Lisboa, Centro de Estudos Filológicos, 1971.
  49. Pedro Chambel (2008). A representação medieval dos tempos troianos na versão galega da Crónica Troiana de Afonso XI. Medievalista Online, Instituto de Estudos Medievais FCSH-UNL FCT. Página visitada em 21 Outubro 2011.
  50. Mariño Paz, Ramón. Historia da lingua galega. 2. ed. ed. Santiago de Compostela: Sotelo Blanco, 1998. 195-329 p. ISBN 84-7824-333-X
  51. Tesouros impressos da Bibioteca Nacional GRAMMATICA DA LINGOAGEM PORTUGUESA DE FERNÃO DE OLIVEIRATexto do link, texto adicional.
  52. a b CANTARINO, Nelson. O idioma nosso de cada dia, in: Revista de História da Biblioteca Nacional, ano 1, nº 8, fev/mar 2006 (Seção: Documento Por Dentro da Biblioteca) – Texto parcial, sítio obtido em 31 de janeiro de 2008.
  53. Duarte Nunes de Leão. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2011. [Consult. 2011-10-13]. www.infopedia.pt duarte-nunes-de-leao.
  54. Instituto Camões base temática navegacoes-portuguesas, Pero de Sintra «por ver uma terra tão áspera e brava lhe pôs nome Leoa, e nom per outra cousa».
  55. Yule, Sir Henry Yule, A. C. Burnell, William Crooke. A glossary of colloquial Anglo-Indian words and phrases: Hobson-Jobson. [S.l.]: Routledge, 1995. p. 34.
  56. Johnson, Samuel. Dictionnary of the english language. Lyon Public Library: Longman, 1827.
  57. ZWRTJES, Otto, Even Hovdhaugen. [http://books.google.com/books?id=-Zs-tpB2b3MC&lpg=PA141&dq=portuguese%20linguistic%20studies%20missionaries&pg=PA141 Missionary linguistics: selected papers from the First International Conference on Missionary Linguistics, Oslo, 13-16 March, 2003, Volume 1]. [S.l.]: John Benjamins Publishing Company, 2004. 141-160 p. ISBN 9027245975
  58. "Dicionário Português-Chinês : 葡汉辞典 (Pu-Han cidian): Portuguese-Chinese dictionary", por Miguel Ruggieri e Matteo Ricci; editado por John W. Witek. Publicado em 2001, Biblioteca Nacional. ISBN 9725652983. Parcialmente disponível no Google Books
  59. Michael Cooper; “The Nippo Jisho” (review of the Vocabulario da Lingoa de Japam com Adeclaracao em Portugues, Feito por Alguns Padres, e Irmaos da Companhia de Jesu) Monumenta Nipponica Vol. 31, No. 4 (Winter, 1976), pp. 417–430
  60. *Linguística dos Missionários, domínio da web japonesa com nome inspirado em João Rodrigues (em inglês)
  61. Researches Into the Physical History of Mankind By James Cowles p.501 [1]
  62. Bray, Mark, Ramsey Koo, Education and society in Hong Kong and Macao: comparative perspectives on continuity and change, 2005, ISBN 1402034059, p.114
  63. Manohararāya Saradesāya, A history of Konkani literature: from 1500 to 1992, Sahitya Akademi, 2000, ISBN 8172016646
  64. ZVELEBIL, Kamil. Companion studies to the history of Tamil literature. [S.l.]: BRILL, 1992. 151 p. ISBN 9789004093652
  65. http://www.digitalgoa.com/eg_disp.php?cid=13&typ=eg History of Konkani language- Uday Bhembre Arte da lingoa Canarim composta pelo Padre Thomaz Estevão da Companhia de IESUS & acrecentada pello Padre Diogo Ribeiro da mesma Cõpanhia e nouemente reuista & emendada por outros quarto Padres da mesma Companhia. 1640.
  66. Gaurinath Sastri (1987), "History of the study of Sanskrit in the West", A Concise History of Classical Sanskrit Literature, p. 1, ISBN 9788120800274, http://books.google.com/?id=QYxpvZLg4hAC&pg=PA1#PPA1,M1 
  67. CRAM, David, Andrew Robert Linn, Elke Nowak. History of linguistics 1996: selected papers from the Seventh international conference on the history of the languages sciences (ICHOLS VII), Oxford, 12-17 September 1996. Traditions in linguistics worldwide. [S.l.]: John Benjamins Publishing Company, 1999. 72-73 p. ISBN 9027245827
  68. ANDERSON, Gerald H.. Biographical dictionary of Christian missions. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing, 1999. 114 p. ISBN 0802846807
  69. COHEN, Leonardo. The missionary strategies of the Jesuits in Ethiopia (1555-1632). [S.l.]: Otto Harrassowitz Verlag, 1999. 97-111 p. ISBN 0802846807

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Williams, Edwin B. (1968). From Latin to Portuguese: Historical Phonology and Morphology of the Portuguese Language. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]