Línguas românicas orientais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Línguas românicas orientais
Falado em: Romênia, Itália (Sul), Moldávia e de forma esparsa pelos estados Balcânicos
Total de falantes: 26.800.000
Família: Indo-européia
 Itálica
  Românica
   Línguas românicas orientais
Estatuto oficial
Língua oficial de: Romênia e Moldávia
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

As Línguas românicas orientais são línguas românicas ou neolatinas que se desenvolveram no sudeste da Europa, principalmente na Romênia e na Moldávia. A maioria são derivadas do daco-romeno e, portanto, dos colonos romanos antigos - ou romanizados - criados na época de Trajano na Dácia. Como todas as línguas românicas, estas derivam do Latim.

Nos Balcãs, há também uma idioma que alguns estudiosos descrevem como em parte neo-latino: a língua albanesa. Algumas línguas românicas da península balcânica desapareceram: o Dalmático e panônico (ver Romania submersa).

As línguas românicas orientais são faladas por cerca de:

  • 23.500.000 romênos e moldavos
  • 500.000 italianos
  • 250.000 aromenos
Os principais grupos neo-latinos dos Balcãs.

História[editar | editar código-fonte]

Várias centenas de anos após o domínio do Império Romano na região, a forma local do latim vulgar evoluiu para o proto-romeno, uma língua que tinha a maioria dos recursos do Romeno moderno. Devido as invasões estrangeiras (ver Romênia na Idade das Trevas) e a migração dos pastores Valacos (ver na Valáquia), entre 800 d.C e 1200 d.C dividiram o proto-romeno em cinco línguas distintas: o daco-romeno (hoje chamado de romeno na Roménia e na Moldávia), aromeno, Valaco, megleno-romeno e o istro-romeno.

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.