Loreno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Loreno é uma língua d'oïl, conjunto de dialetos romanos da Lorena, muito pouco usado hoje em dia, embora cada vez mais as pessoas estejam interessadas e sejam estudados por linguistas. O Loreno se sobrepõe na fronteira belga onde é chamado gaumais. Também foi falado nos altos vales dos Vosges e ele continuou lá de formas arcaicas como a conservação das africadas (tchaté para castelo[1] ); na direção alsaciana, há o patois welche relacionado com os dialetos do leste dos Vosges.

Não confundir o Loreno com o frâncico loreno, composto de vários dialetos germânicos da Lorena.

Classificação Linguasphere[editar | editar código-fonte]

O observatório linguístico Linguasphere distingue sete variantes do Loreno:

Depois de 1870, os membros da Academia Stanislas de Nancy observaram 132 variantes Lorena de patois entre Thionville ao norte e Rupt-sur-Moselle, no sul, o que significa que as variantes principais são divididas em sub-variantes.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Artigos conexos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. La Revue de Philologie française, no Volume 18, p. 258, não fala diretamente do Vosges, mas cita "tchité" e "tchaté" em Haute-Saône para "castelo".

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jean Lanher, Les contes de Fraimbois, 1991. Coleção de contos humorísticos em Lorena.
  • Brondex & Mory, Chan Heurlin ou les fiançailles de Fanchon, éditions Serpenoise, Metz. Poema em patois messin em sete canções, ilustradas por Clément Kieffer.
  • Georges L'Hôte, Les fitabôles du pâpiche Contes de Lorraine-Moselle, Imprimerie Morin, Sarrebourg 1946.
  • Mory, D., Lo baitomme don piat fei de Chan Heurlin, Nouv. éd. par J. Th. Baron, Annuaire de la Société d'Histoire et d'Archéologie lorraine, Metz, XX, 1908, p. 121-151
  • Léon Zéliqzon, Dictionnaire des patois romans de la Moselle, éditions Serpenoise, Metz. Dicionário muito profundo e sério de uma linguagem agora quase desaparecida.
  • Patois de La Bresse, in Bulletin de la Société philomatique vosgienne, par J. Hingre (1903-1924).
  • Régis Watrinet, Patois romans de la Lorraine. Recueil d’expressions, proverbes, dictons, coutumes et traditions avec illustrations, imprimerie Léon Louis, Boulay, septembre 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]