Língua galo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde Janeiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Galo (gallo)
Falado em: França
Total de falantes: 28.000
Família: Indo-europeia
 Itálico
  Romance
   Ítalo-ocidental
    Ocidental
     Galo-ibérica
      Galo-românica
       Galo-rética
        Oil
         Galo
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: fra-gal

Língua galo ou Língua galô (Gallo) é uma língua regional da França. O galo é uma língua românica, uma das línguas d'oïl. É a linguagem histórica da região de Bretanha e algumas porções vizinhas da Normandia, mas hoje é falado por apenas uma pequena minoria da população, tendo sido largamente ultrapassada pelo francês.

O galo foi originalmente falado na Nêustria, que agora corresponde às terras de fronteira da Bretanha e Normandia e seus núcleo antigos foi Le Mans, Maine.

Características[editar | editar código-fonte]

Como uma língua d'oïl, faz parte de um dialeto contínuo, que inclui normando, picardo e poitevino, entre outros. Uma das características que o distingue de normando é a ausência da influência do nórdico. Há alguma limitada intercompreensão com as variedades adjacentes da língua normanda ao longo da fronteira linguística e com o Guèrnésiais e o Jèrriais. No entanto, como o contínuo do dialeto pende para o mayennais, há uma isoglossa menos clara. A isoglossa mais clara é a que distingue o galo a partir do bretão, a língua celta tradicionalmente falada no território ocidental da Bretanha.

No oeste, o vocabulário do galo foi influenciado pelo contato com o bretão, mas permanece esmagadoramente latino. A influência do bretão diminui em todo o território leste de língua galo.

Um sinal bilíngue galo/francês no Metrô de Rennes

Geografia[editar | editar código-fonte]

Conforme dados de 1980, a língua galo se estende desde Plouha (Plóha), Côtes-d'Armor, sul de Paimpol (Paimpol), passando por Châtelaudren (Châtié), Corlay (Corlaè), Loudéac (Loudia), Pontivy (Pontivy), Locminé (Lominoec), Vannes (Vannes) indo até o sul da península de peninsula de Rhuys, Morbihan.

Status[editar | editar código-fonte]

Nome da cidade de Loudéac tem seu nome em galo, Loudia, na sinalização

Uma das estações de metrô da capital bretã, Rennes, tem uma sinalização bilíngue em Galo e em Francês, mas em geral a língua galo não apresenta grande visibilidade, como ocorre com a língua bretã, mesmo na sua área pátria, o chamado Pays Gallo, o qual inclui duas capitais históricas, Rennes (em galo Resnn, bretão Roazhon) e Nantes (em galo Nauntt, bretão Naoned).

Diferentes dialetos do galo são percebidos, embora haja um movimento de padronização de um modelo influenciado pela forma dialetal da Alta Bretanha.

Literatura[editar | editar código-fonte]

Embora exista uma certa tradição literária na língua galo, a língua é mais conhecida por estórias extemporâneas e apresentações teatrais. Em função da rica tradição musical da Bretanha, intérpretes contemporâneos produzem canções em galo.

As primeiras evidências de obras em Galo datam de 1178 com o livro Le Livre des Manières de Etienne de Fougères, um texto poético de 336 quadras e o mais antigo texto em bretão foi Le Roman d'Aquin, uma canção anônima do século XII transcrita no século XV, mas que não perdera as características de romance medieval da Bretenha. No século XIX, literarura oral foi coletada por folcloristas como Paul Sébillot, Adolphe Orain, Amand Dagnet e Georges Dottin. Amand Dagnet (1857-1933) também escreveu várias obras originais em língua galo, incluindo uma peça, La fille de la Brunelas (1901).[1]

Nos anos 60 se iniciaram esforços para estimular a literatura galo e em 1979 Alan J. Raude publicou uma proposição de ortografia padrão para língua..[2]

A Gallo sign in the Rennes metro

Escrita[editar | editar código-fonte]

A escrita do galo não apresenta a letra K. Usa extensivamente as formas consoantes Bll, Cll, Fll, Gll, Pll e também Ç, Ch, Gn, Ll, Qh.

As vogais convencional do alfabeto latino ou nas formas ou formações ë, é, è eu, eû – iao – ô, ô, ou, oué – û; e com pronúncias especiais os grupos aeh, am/an, aim/ain, em/en, eim/ein, im/ien, im/in, om/on, um/un.

Filme[editar | editar código-fonte]

Sinal bilíngue no metrô de Rennes
  • Of Pipers and Wrens (1997). Produzido por Gei Zantzinger, colaboração de Dastum. Lois V. Kuter, consultor etnomusical. Devault, Pennsylvania: Constant Spring Productions.

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Português Galo Francês
(à) tarde vêpré après-midi (archaic: vêprée)
macieira pommieu pommier
abelha avètt abeille
cidra cit cidre
cadeira chaérr chaise
queijo fórmaij fromage
saída desort sortie
cair cheir tomber (arcaico: choir)
cabra biq chèvre (gíria: bique)
ele (obj. indir.) li lui
casa ostèu maison (arcaico: hostel)
menino (a) garsaille gosse
lábio lip lèvre
talvez vantiet peut-être
boca góll bouche (gueule = goela)
agora astour maintenant (à cette heure)
número limerot numéro
pera peirr poire
escola escoll école
esquilo chat-de-boéz (lit. "gato das matas") écureuil
estrela esteill étoile
horário orier horaire
fumar betunae fumer (arcaico: pétuner)
hoje anoet aujourd'hui (arcaico: hui)
assobiar sublae siffler
com ô ou côteu avek avec

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Bourel, Claude. Contes et récits du Pays Gallo du XIIe siècle à nos jours. Fréhel: Astoure, 2001. ISBN 2845830262.
  2. Paroles d'oï – 1994- Edit. Geste/ Mougon|isbn=290506195

Ligações externas[editar | editar código-fonte]