Terras de Bouro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Terras de Bouro
Brasão de Terras de Bouro Bandeira de Terras de Bouro
Brasão Bandeira
Pacos do concelho.jpg
Paços do Concelho
Localização de Terras de Bouro
Área 277,46 km2
População 7 253 hab. (2011)
Densidade populacional 26,14 hab./km2
N.º de freguesias 14
Presidente da
Câmara Municipal
Joaquim Cracel (PS)
Fundação do município
(ou foral)
1514
Região (NUTS II) Norte
Sub-região (NUTS III) Cávado
Distrito Braga
Antiga província Minho
Feriado municipal 20 de outubro
Código postal 4840
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Terras de Bouro é uma vila portuguesa no Distrito de Braga, região Norte e sub-região do Cávado, com cerca de 700 habitantes.

É sede de um município com 277,46 km² de área[1] e 7 253 habitantes (2011)[2] , subdividido em 14 freguesias.[3] O município é limitado a norte pelo município de Ponte da Barca e pela Espanha, a leste por Montalegre, a sul por Vieira do Minho, a sudoeste por Amares e a oeste por Vila Verde.

Até 2005 o município de Terras de Bouro tinha a particularidade de não estar sediado numa localidade com o mesmo nome que o município no seu todo, como é regra em Portugal: a sede situava-se na Vila de Covas, localidade da freguesia de Moimenta. Por Lei de janeiro de 2005, essa originalidade acabou, sendo a vila redesignada Vila de Terras de Bouro.[4]

História[editar | editar código-fonte]

O nome de Terras de Bouro advém da tribo germanica dos Búrios (Buri) que acompanhou os Suevos aquando da invasão da Peninsula Ibérica ( Galécia) e que se estabeleceu na regiao entre o rio Cávado e e o rio Homem sendo deste modo conhecida como Terras de Boiro ou Bouro. Este é um Concelho de montanha cujo povoamento se perde na memória dos tempos, como o comprovam as pinturas rupestres e vestígios da Idade do Bronze. A presença humana mais marcante, porém, remonta ao tempo dos Romanos, utilizadores de água termal do Gerês e construtores da Geira (Via Romana).

Visitar esta região é contactar com o vasto património dos antepassados: a Via Romana, vulgo Geira, com a maior concentração de marcos miliários epigrafados do Noroeste peninsular, reconhecida como Património Nacional e em fase de candidatura a Património Mundial; é reviver as agruras do povo Búrio na defesa da zona raiana e do seu castelo, o castelo de Bouro, honrando o compromisso assumido, aquando da atribuição de privilégios reais[5] e cujas trincheiras testemunham o heroísmo deste povo; é contactar com as tradições ancestrais, (trilhos dos pastores, dos contrabandistas, dos regadios, dos moinhos, etc.) que possibilitaram, durante séculos, a sobrevivência de um povo simples, amante da sua terra e disposto a dar a vida pela pátria. É desfrutar da natureza, em toda a sua plenitude, como escreveu Miguel Torga, onde: "tudo se conjuga para que nada falte à sua grandeza e perfeição" (Diário VII).

Hoje, tornou-se um destino turístico por excelência, quer pelas marcas de ruralidade, não obstante ficar perto de Braga e Porto, quer pelo património cultural, ambiental, paisagístico, termal e religioso.

População[editar | editar código-fonte]

População do concelho de Terras de Bouro (1801 – 2013)
1801 1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011 2012 2013
4 091 5 615 8 436 10 206 11 762 10 131 9 406 8 350 7 253 7 000 6 857
                             Evolução da População Entre 1864 e  2011  

Evolução da  População  1864 / 2011; Variação da População  1864 / 2011; Comparando 2011 com 1864;

          Evolução dos Grupos Etários (de 1981 a 2011)

Nº de habitantes por grupos etários – de  1981 a 2011; Nº de habitantes por grupos etários – de  1981 a 2011;

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Terras de Bouro.

O concelho de Terras de Bouro está dividido em 14 freguesias:

Geminação[editar | editar código-fonte]

Terras de Bouro possui actualmente um protocolo de geminação.[6]

Património[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Via Romana (Geira/ Via Nova)[editar | editar código-fonte]

Marco miliário da Pontelha da Geira, perto de Travassos[7] (provável milha XXI desde Bracara Agusta)

A Geira, também conhecida por Via Nova, foi construída pelos romanos com o intuito de ligar Braga(Bracara Agusta) a Astorga (Asturica Augusta). Em Terras de Bouro percorre o concelho numa extensão de 30 km, possuindo a maior concentração de marcos miliários epigrafados do Noroeste peninsular.

A "Via Nova XVIII" que, no concelho de Terras de Bouro parte do lugar de Sta. Cruz (Souto), na Milha XIV, e termina na fronteira da Portela do Homem (Campo do Gerês), Milha XXXIV, constitui um monumento excepcional, pelo seu património científico, cultural, pedagógico e turístico. A possibilidade de percorrer o caminho romano ao longo de 30 quilómetros, quase sem interrupções, com extensos troços de calçada, a quantidade invulgar de miliários, as ruínas de pontes sobre rios caudalosos, as pedreiras de onde se extraíam os miliários, a visibilidade da via para a envolvente, o contexto paisagístico em que se insere, formam um recurso notável.

A Via Romana (Geira/Via Nova) "é um verdadeiro museu ao ar livre, ou seja, um espaço histórico sem paredes, através do qual os viandantes retomam um percurso usado ao longo de milénios, desde o Século I depois de Cristo" (Sande Lemos, Arqueólogo).

Cruzeiro de São João do Campo[editar | editar código-fonte]

Dos mais importantes marcos miliários existentes no concelho, de referir o Miliário do Cruzeiro do Campo do Gerês que se caracteriza por uma arquitectura religiosa, estando classificado de Monumento Nacional. Encontra-se levantado num cruzamento de estradas da localidade e resulta do aproveitamento de um miliário romano do século III. Este cruzeiro foi erguido durante a governação do Imperador Décio (249-251) e assinala a milha XXVII da Via Nova.

Aldeia de Vilarinho da Furna[editar | editar código-fonte]

A aldeia de Vilarinho da Furna[8] foi um lugar da freguesia de Campo do Gerês, situada na zona Nordeste do Concelho de Terras de Bouro. Foi submersa, no início dos anos 1971, e com ela uma grande riqueza etnográfica, associada às actividades agro-silvo-pastoris, vivências e espírito comunitário do seu povo, das habitações e outras histórias do passado.

Como forma de salvaguardar todo o património da aldeia, foi construído o Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna, por iniciativa do, então, jovem estudante de Vilarinho, Manuel de Azevedo Antunes, com o apoio, principalmente, da Câmara Municipal de Terras de Bouro [9] , que recria o lugar que foi submerso pelas águas da albufeira, no rio Homem, aquando da inauguração da barragem, em 21 de Maio de 1972. De portas abertas desde 1989, é uma mostra viva daquilo que foi Vilarinho da Furna e o próprio Museu foi construído com objectos originais e casas retiradas da aldeia.

Fojo do lobo[editar | editar código-fonte]

Fojo do Lobo (Brufe)

A caça ao lobo ibérico, classificado hoje como espécie "em perigo" (EN) sendo deste modo ilegal, foi uma actividade associada à pastorícia, tendo sido modelar nas aldeias serranas, como referem os documentos históricos de várias épocas. A paisagem serrana de Brufe, de Rio Caldo, de Covide e de Vilarinho das Furnas/Serra Amarela apresenta marcas bem evidenciadas da prática da batida ao lobo. As estruturas propícias às montarias, chamadas de fojo do lobo têm construções e formatos apropriados à actividade. Para os lobos, espantados pelo barulho dos batedores e perseguidos pelos cães, a cumeada da encosta era uma espécie de linha sem retorno, pois a sua passagem implicava a descida em direcção ao poço do fojo, onde ficariam presos.

Silhas[editar | editar código-fonte]

As serras do Gerês e da Amarela têm estruturas que noutros tempos protegeram as colmeias e o mel, dos ataques gulosos do urso silvestre, que abundou nestas serras até ao século XVIII. Os colmeais, apiários, alvarizas, popularmente conhecidas de silhas dos ursos são construções rudimentares em granito, de formato circular e fechada, que se encontram dispostas nas encostas. Estas construções do século XVII têm formatos diferentes, facto que se verifica na Serra Amarela e no Trilho "Silha dos Ursos", na serra do Gerês, denunciando testemunhos de outros tempos, de outras gentes e de outras feras.

Trincheira do Campo[editar | editar código-fonte]

Trincheira do Campo (Campo do Gerês)

Do período medieval, nas proximidades da milha XXIX, encontram-se vestígios indeléveis da Trincheira do Campo que durante esse período histórico serviu de defesa da raia portuguesa das invasões hostis. Segundo as Inquirições de 1258, o povo de Campo do Gerês tinha por obrigação defender a Portela do Homem. Esta obrigação manteve-se ao longo dos séculos, tendo este povo serrano resistido com sucesso a todos os assomos dos povos invasores, devido sobretudo à sua coragem rude e indómita, mas também à excepcional configuração geográfica do território. Nas proximidades da Trincheira do Campo encontram-se ruínas de uma estrutura identificada como a Casa das Peças que servia de acolhimento dos homens e das guarnições bélicas.

Ponte Medieval dos Eixões[editar | editar código-fonte]

Ponte dos Eixões (Campo do Gerês)

A Ponte Medieval dos Eixões, situada a Sul da Veiga de S. João de Campo, sobre a Ribeira de Rodas, possui dois arcos de volta perfeita formados por aduelas estreitas, construídos sobre as bases sólidas de paredões bem aparelhados alicerçados no leito rochoso e nas margens. Apesar da inscrição do ano 1745 patente num dos arcos, considera-se haver indícios para recuar a sua existência a tempos anteriores.

Ponte Medieval de Carvalheira[editar | editar código-fonte]

A Ponte Medieval de Carvalheira, de aspecto monumental, orientada no sentido Sudeste-Noroeste, permite a passagem entre a freguesia de Carvalheira e Brufe. É composta por um arco de volta perfeita alicerçado no afloramento rochoso, que apresenta aduelas curtas e grosseiras de cantaria de granito.

Casarotas na Serra Amarela[editar | editar código-fonte]

Casarotas na Serra Amarela

No cimo da Serra Amarela, na Chã do Salgueiral, existem cerca de duas dezenas de construções em pedra, às quais foi dado o nome Casarotas. Estas construções fazem lembrar os robustos dólmenes ou mesmo antigas cabanas de pastores. Contudo, a sua construção e utilização poderá estar associada à defesa da fronteira da Portela do Homem, servindo de apoio às tropas. Algumas destas Casarotas apresentam inscrições de lugares da actual freguesia de Cibões, nomeadamente Cutelo e Gilbarbedo.

Moinhos[editar | editar código-fonte]

Moinho-de-Vento, Gilbarbedo (Cibões)

Para os amantes da Molinologia, o Moinho-de-Vento de Gilbarbedo, na freguesia de Cibões, requer uma visita obrigatória. Situa-se num vale enredado por campos agrícolas, proporcionando aos visitantes o contacto com uma estrutura tradicional de valor patrimonial e etnográfico, permitindo-lhes a observação, ao vivo, do seu funcionamento e de todo o mecanismo de moagem. Para além das características físicas, o Moinho-de-vento apresenta uma envolvente de extraordinária beleza natural e paisagística.

Uma paragem obrigatória são os 29 Moinhos-de-Água de Rodízio de Stª Isabel do Monte, recuperados na sua traça original, espalham-se pelas aldeias de Campos Abades, Seara, Rebordochão, Ventozelo e Alecrimes, nas encostas e ribeiros da Ponte e de Rebordochão. Além do uso para moagem, estes moinhos representam pequenos museus, e pelo seu potencial etnológico e histórico servem de sítios de interesse nas actividades pedagógicas e de animação cultural e turística.

Furnas de Carvão[editar | editar código-fonte]

Furna do Carvoeiro (Rio Caldo)

A população do vale do Cávado faz referência às Furnas de Carvão, que favoreceram economicamente a região, sobretudo de Rio Caldo. De construção tosca em granito, de formato arredondado e de cúpula abobadada, ligeiramente aberta para empilhar a lenha, as furnas, durante décadas, garantiram o fabrico de carvão a partir de vegetação lenhosa predominante na serra (carvalho,medronheiro, urze e carqueja), que viria a ser vendido no próprio local aos carvoeiros de Braga.

Ambiente[editar | editar código-fonte]

Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG)[editar | editar código-fonte]

O PNPG é a única área protegida nacional que possui a categoria de Parque Nacional, o nível mais elevado de classificação das áreas protegidas. Engloba sítios de riqueza natural distintos cuja biodiversidade dos seus habitats endémicos importa preservar. A Mata de Albergaria corresponde a um desses sítios e está distinguida pelo Conselho da Europa, como uma das Reservas Biogenéticas do Continente Europeu, tendo o Plano de Ordenamento do PNPG classificado de Zona de Protecção Parcial da Área de Ambiente Natural - o "coração" do Parque.

"Porta" do Parque Nacional da Peneda-Gerês[editar | editar código-fonte]

A "Porta" do Parque Nacional da Peneda-Gerês funciona no edifício do Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna, constituindo um local onde os visitantes acedem para obter informações gerais do Concelho e do Parque Nacional.

Centro de Educação Ambiental do Vidoeiro[editar | editar código-fonte]

Na vila do Gerês encontra-se o Centro de Educação Ambiental do Vidoeiro, uma estrutura de educação ambiental do Parque Nacional da Peneda-Gerês, localizada no Vidoeiro, nas Caldas do Gerês. Dispõe de um conjunto de espaços, designadamente de recepção, sala de exposições, auditório, oficinas temáticas, laboratórios e Jardim das Plantas Aromáticas e Medicinais, onde presta informações aos visitantes e turistas, grupos de escolas e outros grupos organizados.

Miradouros[editar | editar código-fonte]

Miradouro da Pedra Bela (Vila do Gerês)

As serras, Gerês e Amarela, as cascatas e lagoas, os miradouros, a fauna, flora e geologia interligados numa autenticidade espontânea e natural, fazem desta região uma forte herança patrimonial no vector ambiental e turístico.

Os miradouros são janelas abertas para apreciar a imensidão paisagística deste património natural, destacando-se os Miradouros da Junceda, Boneca, Fraga Negra, Penedo da Freira, Pedra Bela, Mirante Novo e Velho e o miradouro de Bom Jesus das Mós que, na sua maioria, são visitáveis pelos pedestrianistas e visitantes que percorrem o Trilho dos "Miradouros" e Trilho "Silha dos Ursos".

Rede de Trilhos Pedestres "Na senda de Miguel Torga"[10] [editar | editar código-fonte]

Uma das formas de admirar as paisagens naturais do concelho de Terras de Bouro passa pela prática de uma cultura pedestrianista.

A rede de Trilhos Pedestres "Na senda de Miguel Torga" disponibiliza um conjunto percursos sinalizados que possibilitam uma maior independência e segurança aos praticantes. Nesta actividade ao ar livre existem dois tipos de percurso: pequena rota (PR) e grande rota (GR), cada um marcado com cores que assinalam a tipologia do percurso, que servem de orientação aos pedestrianistas.

Os percursos envolvem temáticas e características diferenciadas, quanto à distância, grau de dificuldade e local, com a intenção de serem atractivos e acessíveis a todos os praticantes.

  • PR 1 - Trilho da Cidade de Calcedónia
  • PR 2 - Trilho do Castelo
  • PR 3 - Trilho dos Currais
  • PR 4 - Trilho dos Moinhos e Regadios Tradicionais
  • PR 5 - Trilho da Águia do Sarilhão
  • PR 6 - Trilho dos Miradouros
  • PR 7 - Trilho de S. Bento
  • PR 8 - Trilho do Couto do Souto
  • PR 9 - Trilho da Geira
  • PR 10 - Trilho da Preguiça
  • PR 11 - Trilho da Silha dos Ursos
  • PR 12 - Trilho dos Moinhos de St.ª Isabel do Monte
  • GR – Trilho das Casarotas

Cascata do Arado[editar | editar código-fonte]

A Cascata do Arado surge dos cursos de água de montanha, derivados do rios do Camalhão e da Teixeira que vão desaguar no rio Arado. Nesse percurso, que vence um forte desnível, gera uma sucessão de cascatas e lagoas, mais ou menos profundas sendo constante a água límpida.

Serras[editar | editar código-fonte]

A Serra do Gerês está incluída no Parque Nacional da Peneda-Gerês e representa a segunda maior elevação nacional, em que a cota mínima atinge os 50m e a máxima vai até aos 1548 metros. Esta serra, que faz limite com a fronteira da Galiza/Espanha e prossegue nesse território com o Parque Natural da Baixa Limia - Serra do Xurés. Além do potencial geológico e geomorfológico, a fauna e flora domina, de forma privilegiada, a vasta área da serra do Gerês. Se a parte florestal é dominada por carvalhos, azevinho, azereiro, vidoeiro, pinheiro e medronheiro e por espécies autóctones, entre elas o Teixo, nas herbáceas, sem esquecer o lírio-do-gerês e o feto-do-gerês, destaca-se um conjunto de plantas aromáticas e medicinais autóctones, em especial o hipericão-do-gerês, a uva-do-monte e a betónica-bastarda.

A Serra Amarela, situada entre a Serra do Soajo (Arcos de Valdevez) e a Serra do Gerês (Terras de Bouro), atinge os 1362 metros de altitude e representa a nona maior elevação de Portugal Continental. Neste sistema montanhoso que faz parte do Parque Nacional da Peneda-Gerês, predomina a vegetação rasteira, constituída por urze, carqueja e matos que na Primavera se reveste de amarelo, a cor que lhe dá nome. As mariolas que orientam os pedestrianistas, as casarotas na Chã do Salgueiral, o fojo-do-lobo no Poulo do Vidoal, a Chã do Muro e a Chã da Fonte/Casa da Neve, dão uma beleza distinta a esta serra.

Albufeiras[editar | editar código-fonte]

Albufeira da Caniçada (Rio Caldo)

As albufeiras da Caniçada e de Vilarinho das Furnas resultaram da construção de barragens em décadas diferentes, 1955 e 1972 respectivamente, constituindo ambientes singulares numa paisagem de beleza natural exuberante. Pelas potencialidades naturais e paisagísticas que as envolvem, estas albufeiras asseguram condições privilegiadas de atracção turística, principalmente a albufeira da Caniçada com a prática de desportos náuticos.

Náutico[editar | editar código-fonte]

Embarcação "Rio Caldo"(Rio Caldo)

A Albufeira da Caniçada dispõe de serviços e condições atractivas para a prática de um conjunto de actividades náuticas. A embarcação "Rio Caldo" é um barco de recreio que dispõe de 46 lugares sentados, navega todo o ano pelos 689ha de espelho de água, num passeio de 1:30 horas, numa vertente turística e pedagógica.

O Centro Náutico e a Marina de Rio Caldo são estruturas turísticas muito procuradas, quer pela sua beleza paisagística, quer pelas excelentes condições de prática desportiva que oferece. A Marina de Rio Caldo proporciona actividades desportivas aos visitantes e turistas, promovidas na albufeira da Caniçada pelas empresas de Animação Turística locais, acrescentando mais-valias na oferta turística. As empresas de animação turística, por sua vez, disponibilizam programas, equipamentos e serviços para a prática de desportos náuticos a funcionar todo o ano.

Termas[editar | editar código-fonte]

Termas do Gerês[editar | editar código-fonte]

Edifício das águas termais (Vila do Gerês)

Viver e respirar saúde, tirando partido das excelentes qualidades terapêuticas das águas da Estância Termal do Gerês, uma tradição secular na zona que remonta à época dos romanos. Construído no século XVIII, o primeiro Estabelecimento Termal do Gerês dá agora lugar a um edifício recentemente remodelado, dotado de equipamentos e técnicas termais modernas, que disponibilizam tratamentos de hidroterapia, fisioterapia e electroterapia. Alguns espaços e valências desportivas de lazer complementam este serviço, num local de eleição para dias tranquilos e revitalizantes.

Centro de Animação das Caldas do Gerês[editar | editar código-fonte]

Valências do Centro de Animação (Vila do Gerês)

O Centro de Animação das Caldas do Gerês situa-se no centro da vila do Gerês, oferecendo aos seus habitantes e a todos os visitantes e turistas espaços, equipamentos e modalidades diversificadas de lazer e bem-estar. Este Centro encontra-se equipado com serviços de lazer e bem-estar, nomeadamente piscina aquecida, jacuzzi, banho turco, duche escocês, sauna, hidromassagem. Integra, ainda, um auditório com 150 lugares, projecção audiovisual para a realização de conferências, seminários/congressos, teatro, cinema e concertos.

Religião[editar | editar código-fonte]

Santuário de São Bento da Porta Aberta[editar | editar código-fonte]

Interior da Cripta de S. Bento da Porta Aberta(Rio Caldo)

Milhares de peregrinos e devotos visitam, ao longo de todo o ano, o recinto do Santuário de São Bento da Porta Aberta, situado à entrada da serra do Gerês, para cumprirem as mais variadas promessas e rogarem por novas benesses àquele que é tido como o maior santo milagreiro do Norte do País. O Santuário de São Bento da Porta Aberta popularizou-se até terras mais recônditas. As caminhadas e as romarias dos peregrinos nos dias de Festa, 21 de Março, 11 de Julho e, principalmente, 12 e 13 de Agosto fazem com que o religioso e o profano se cruzem numa simbiose rica e natural.

Monumento de Bom Jesus das Mós[editar | editar código-fonte]

Bom Jesus das Mós (Carvalheira)

Outra referência em termos de turismo religioso é o monumento de Bom Jesus das Mós, estrategicamente situado no alto de Carvalheira, ou monte das Mós de onde se vislumbra uma paisagem rural aberta, alcançando toda a freguesia e aldeias circundantes. A construção deste monumento, que invoca o Sagrado Coração de Jesus, começou em 1902 e concluiu-se em 1912. A bênção Apostólica do Papa Pio X, dada para o dia 13 de Julho de 1913, aos milhares de peregrinos do Bom Jesus das Mós, marcou um momento relevante na vida de fé do povo, elegendo este local num monumento soberano da região. Na actualidade, todos os anos este monumento acolhe fiéis de todo o Concelho, num encontro profícuo de convívio social e sagrado.

Capela Nossa Senhora do Livramento[editar | editar código-fonte]

Capela Nossa Senhora do Livramento (Vilar)

Um outro ponto de interesse religioso é a Capela N.ª Sr.ª do Livramento, localizada na freguesia de Vilar, construída entre o século XVII e XVIII. Trata-se de um pequeno santuário onde se realiza uma grande romaria, no primeiro Domingo de Julho. Uma das curiosidades é a existência de uma caixa de morteiros – pequena peça de artilharia – de pólvora seca, que serve para anunciar as festividades aos povos vizinhos.

Rural[editar | editar código-fonte]

A montanha e a ruralidade são componentes bem evidentes no concelho de Terras de Bouro. No que respeita às características do homem, do seu quotidiano e do meio ambiente, todo o território revela marcas do potencial endógeno. Preserva-se, ainda hoje, como região eminentemente agrícola no vale do Homem e turística no vale do Cávado, com um viver, um sentir, um construir e um laborar extremamente moldado à riqueza das suas paisagens. As tradições, a modalidade de alojamento de Turismo em Espaço Rural e as múltiplas actividades de animação turística são algumas das potencialidades naturais e culturais deste território de montanha.

Casa dos Bernardos[editar | editar código-fonte]

Espigueiro, Casa dos Bernardos (Santa Isabel do Monte)

A Casa dos Bernardos apresenta-se como uma construção em alvenaria tradicional, estrategicamente edificada, protegida do Norte, voltada a Sul e dominando toda a produtiva veiga de Campos Abades. Situa-se na freguesia de Santa Isabel do Monte, a 10 quilómetros da vila de Terras de Bouro.

A casa, ao longo dos tempos, foi sofrendo obras de ampliação e adaptação, servindo como local de repouso e descanso dos monges (breuitas). Assim, além de um celeiro e de um canastro (espigueiro), dotaram-na de uma capelinha que devotaram a S. João Baptista.

Interior, Casa dos Bernardos (Santa Isabel do Monte)

Hoje recuperada e adaptada ao turismo em espaço rural, com a sua capela decorada em estilo ‘naïf’, o regato que atravessa o terreiro, o maior espigueiro do concelho com cerca de 16 metros de comprimento, 6 quartelas (empenas) e com capacidade para arrecadar 18 carros de pão (espigas de milho), é o local ideal para uns dias de repouso ou para sessões de trabalho que exijam isolamento. Instalar-se na casa dos Bernardos é conhecer um espaço de eleição onde a natureza se combina na perfeição com o viver tradicional do homem minhoto.

Aldeias típicas[editar | editar código-fonte]

Casa de Turismo Rural, Cutelo (Cibões)

A aldeia típica de Cutelo faz parte das Aldeias de Portugal. Situada na freguesia de Cibões, Cutelo proporciona a descoberta de um turismo diferente, convidando para uma estadia de total independência em plena natureza. É uma oportunidade para desfrutar, não só de alojamento típico, mas também de paisagens naturais e de um ambiente sereno, aliando o contacto entre o Homem, a natureza, a cultura e a vida quotidiana das suas gentes.

Outras aldeias típicas de referência são, a aldeia de Brufe, St.ª Isabel do Monte, Covide e Ermida.

Dentro do vasto património rural avultam, quer em número, quer em importância, a arquitectura rural, desde moinhos de água e de vento, lagares, casas rurais, espigueiros, eiras, parcelamento agrícola, aos regadios e levadas num sistema de irrigação típico do Norte de Portugal. Os Moinhos de água com sistema de rodízio, construídos nas proximidades dos cursos de água, são frequentemente de utilização sazonal. No verão, com a diminuição dos caudais, a força da água não é suficiente para fazer movimentar os rodízios, mas as estruturas continuam nos seus lugares, dando lugar a sítios de visita turística (Trilho dos Moinhos), cujos traçados se encontram marcados e assinalados.

Imagens[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013 (ficheiro Excel zipado)
  2. INE (2012) – "Censos 2011 (Dados Definitivos)", "Quadros de apuramento por freguesia" (tabelas anexas ao documento: separador "Q101_NORTE").
  3. Diário da República, Reorganização administrativa do território das freguesias, Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro, Anexo I.
  4. Diário da República, I Série-A, n.º 20, Lei n.º 31/2005, de 28 de Janeiro.
  5. Referente às Inquirições Gerais,ano de 1258
  6. Município de Terras de Bouro, Geminação com Saint-Arnoult
  7. Veja Antonio Rodríguez Colmenero, Santiago Ferrer Sierra, Rubén D. Álvarez Asorey, Miliarios e outras inscricións viarias romanas do Noroeste hispánico (conventos bracarense, lucense e asturicense) [MiliariHispanico], Santiago de Compostela, Consello da Cultura Galega, Sección de Patrimonio Histórico, 2004, inscr. 277 p. 431 (CIL II, 04805 (p 994) = EE-08-02, p 465 = MiliariHispanico 00277, Epigraphik-Datenbank Clauss-Slaby).
  8. Manuel de Azevedo Antunes, Vilarinho da Furna, memórias do passado e do futuro, CEPAD/ULHT, Lisboa, 2005.
  9. Manuel de Azevedo Antunes, Vilarinho da Furna, uma aldeia afundada', A Regra do Jogo, Edições, Lisboa, 1985.
  10. [http://www.cm-terrasdebouro.pt/trilhos/trilhos.htm Trilhos
    Cascata do Arado (Vila do Gerês)

    Pedestres na senda de Miguel Torga], Informações relativas à rede de trilhos, sinalização, distâncias, etc.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Terras de Bouro