Vila Verde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vila Verde
Brasão de Vila Verde Bandeira de Vila Verde
Brasão Bandeira
Biblioteca vila verde.jpg
Biblioteca Municipal de Vila Verde
Localização de Vila Verde
Gentílico vila-verdense[1]
Área 228,67 km2
População 47 888 hab. (2011)
Densidade populacional 209,42 hab./km2
N.º de freguesias 33
Presidente da
Câmara Municipal
António Vilela (PSD)
Fundação do município
(ou foral)
1855
Região (NUTS II) Norte
Sub-região (NUTS III) Cávado
Distrito Braga
Antiga província Não disponível
Feriado municipal 13 de Junho
Código postal 4730
Sítio oficial cm-vilaverde.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Vila Verde é uma vila portuguesa pertencente ao distrito de Braga, região Norte e sub-região do Cávado, com cerca de 4 300 habitantes.

É sede de um município com 228,67 km² de área[2] e 47 888 habitantes (2011[3] ), subdividido em 33 freguesias.[4] O município é limitado a norte pelo município de Ponte da Barca, a leste por Terras de Bouro, a sueste por Amares, a sul por Braga, a oeste por Barcelos e a noroeste por Ponte de Lima.

Demografia[editar | editar código-fonte]

População do concelho de Vila Verde (1864 – 2013)
1864 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011 2012 2013
31 442 32 053 36 990 42 256 44 432 44 056 46 579 47 888 47 901 47 774

História[editar | editar código-fonte]

Vila Verde é um concelho com pouco mais de 150 anos de existência e, um dos maiores da província do Minho.

Foi fundado em 24 de Outubro de 1855, com a extinção de outros concelhos como, Pico de Regalados, Vila Chã e Larim, Penal e Prado, cujas origens remontam aos tempos da Pré-História e da Idade Média. Pico de Regalados, primitivamente, foi couto dado por D. Afonso Henriques ao Arcebispo de Braga, D. Paio Mendes. Foi tido como um dos mais antigos e aristocráticos do país. D. Manuel I concedeu-lhe foral em 13 de Novembro de 1513.

Vila Chã e Larim foi o primeiro foral concedido por D. Afonso III. Teve a sua sede primitiva no lugar com o mesmo nome da atual freguesia de Carreiras S. Tiago. Mais tarde mudou a sua sede para o lugar de Revenda da freguesia de Travassós, transitando, posteriormente, para a freguesia de S. Paio de Vila Verde.

Penal, também conhecido por Portela de Penal ou Portela das Cabras, foi-lhe concedido foral por D. Manuel I, em 6 de Outubro de 1514.

Prado, recebeu foral de D. Afonso III, concedido em 1260. D. Manuel I confirmá-lo-ia em 1510. Teve a sua sede na freguesia do mesmo nome.

A primeira notícia sobre Vila Verde remonta ao século X e constitui, talvez, a mais antiga documentação do topónimo Vila Verde, ou um dos raríssimos casos em que este topónimo surge antes da nacionalidade, pois quase na totalidade dos casos revela-se posterior ao século XI.

Nessa altura, boa parte do território do atual concelho aparece na posse da poderosa família da condessa Mumadona Dias, tanto por si própria como pela do marido desta, o conde Hermenegildo Gonçalves, cujo pai, o conde Gonçalo Afonso Betote era já muito herdado no século IX desde o Douro ao Minho.

Durante o século XI nota-se no território do atual concelho uma espécie de logradouro da alta nobreza portucalense, na correspondência da estirpe da condessa Mumadona, no século anterior.

Relativamente à atual vila, sede de concelho, há um documento pré-nacional de 1089 que diz respeito à venda, que fez à igreja de Santo António, uma dama de nome Eldara Eriz. Outro documento dos princípios da nacionalidade, de 1120, fala da doação que D. Maior Mides faz à Sé bracarense de herdamentos eclesiásticos e laicais herdados por ela de seus pais, Mido Vermudes e «donna» Godo Pais e outros por ela adquiridos.

O mais relevante da vida documentada nos séculos X a XII no território do atual concelho concentra-se à roda do velho castro ou «civitas» originária, o mesmo é dizer-se nas imediações de Vila Verde dos nossos dias.

Até ao século XVII a freguesia de Vila Verde não se distinguiu das outras do concelho a que pertencia. Porém, nos princípios do século XVIII parece que estava já nela a sede do concelho de Vila Chã, com uma importante feira mensal e, desde aí, em progresso contínuo, veio mesmo a adquirir, em 1855, com os governos liberais, o estatuto de sede de um populoso e vasto concelho.

Vila Verde mantém os seus traços eminentemente agrícolas, para cuja fertilização contribuem, de maneira decisiva, os muitos cursos de água que o atravessam em todas as direções. À atividade agrícola anda associada a exploração pecuária, pelo que uma e outra marcam lugar de relevo na economia regional.

Dos seus produtos se abastece a população, sendo os restantes comercializados nas feiras do concelho ou canalizados para os mercados de Braga. De entre esses produtos merece especial destaque o vinho verde que beneficia das excelentes condições para o seu cultivo.

A parte industrial é reduzida mas, ainda assim, a especificidade de uma cultura técnica, acumulada ao longo dos tempos, evidencia-se na produção do mais variado artesanato de elevada qualidade.

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Vila Verde.

O concelho de Vila Verde está dividido em 33 freguesias:

Património[editar | editar código-fonte]

Igreja
Ponta nova (praia)
Ponte nova
Torre de Penegate

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vila Verde

Referências

  1. Dicionário de Gentílicos e Topónimos Portal da Língua Portuguesa. Visitado em 23 de junho de 2010.
  2. Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013 (ficheiro Excel zipado). Acedido a 28/11/2013.
  3. INE (2012) – "Censos 2011 (Dados Definitivos)", "Quadros de apuramento por freguesia" (tabelas anexas ao documento: separador "Q101_NORTE"). Acedido a 27/07/2013.
  4. Diário da República, Reorganização administrativa do território das freguesias, Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro, Anexo I. Acedido a 19/07/2013.