Língua gótica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gótico (*Gutisk)
Falado em: Europa continental
Extinção: Século X
Família: Indo-europeia
 Germânica
  Oriental
   Gótico
Escrita: Alfabeto gótico
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: got
ISO 639-3: got

A língua gótica (*gutiska razda), sendo uma língua germânica, faz parte da família de línguas indo-europeias, constituindo de maneira atestada a mais antiga das línguas germânicas, apesar de não ter tido nenhum descendente moderno. Os mais antigos documentos em língua gótica datam do século IV.

O uso da língua sofreu um declínio pela metade do século VI, devido em parte à derrota militar dos Godos para os Francos, à eliminação dos Godos da Itália, à conversão em grande escala ao Catolicismo romano (que utilizava primariamente o latim) e ao isolamento geográfico.

A língua sobreviveu na Península Ibérica até o século VIII, tendo o autor franco Valafrido Estrabão relatado que ainda era falada na área do baixo Danúbio e em regiões montanhosas isoladas da Crimeia no início do século IX. Os termos parecendo pertencer ao gótico encontrados em manuscritos posteriores (século XVI) na Crimeia não parecem pertencer à mesma língua. A existência atestada deste corpus arcaico torna a língua gótica um objeto de interesse em Linguística comparada.

História[editar | editar código-fonte]

O gótico foi a língua de dois povos germânicos: os visigodos e os ostrogodos. Os mais antigos textos germânicos, excetuando-se umas poucas inscrições rúnicas, são fornecidos por esta língua. Esses textos são procedentes da tradução que Úlfilas fez da Bíblia no século IV e de outros materiais do século VI.

A história primitiva dos godos é obscura. Tradicionalmente o historiador do século VI Procópio afirma que se deslocaram a partir de Gotlândia no leste da Suécia até a região costeira próxima à desembocadura do rio Vístula no século I a.C.; Tácito informa a existência dos gutões até o ano 98 na mesma região. Até o ano 200 emigraram até a região meridional da Rússia, alcançando o Mar Negro, na região do Mar de Azov. Pode-se distinguir dois grupos: os visos (visi; "bons") e os ostrogodos (godos orientais). Posteriormente a designação visigodos se introduziu e foi interpretada como “godos ocidentais”, pois geograficamente estavam localizados no lado oriental do Império Romano e após a queda dos romanos na Península Ibérica a partir do século V junto com outros grupos germânicos, de cujas línguas só são conhecidos os nomes (burgúndios, vândalos, etc.). Os godos e sua língua são enquadrados entre os germânicos orientais, em contraste com os povos germânicos setentrionais e suas línguas da Escandinávia e os germânicos ocidentais da Europa central.

No século IV os godos estavam em estreito contato com o Império Romano Oriental; os cativos das batalhas eram cristianizados e a nova religião era introduzida por outros meios também. Os avós de Úlfilas foram feitos cativos em uma incursão romana no povoado de Sadagoltina, na Capadócia, no ano de 264 o que leva a supor que Úlfilas foi educado na fé cristã. No ano de 336 viajou como parte de uma delegação à corte imperial e ali abraçou a doutrina ariana em sua forma homoiana. Por esta razão, quando Úlfilas retorna ele leva consigo esta forma de cristianismo, do que pode-se supor que os godos se fizeram arianos e quando invadiram o Império Romano, fundaram reinos cuja inspiração religiosa é desta índole. O fim político e militar dos godos ocorre em 555 quando os ostrogodos são derrotados pelo general Belisário e no ano de 711 quando os visigodos na Espanha são derrotados pelos exércitos muçulmanos.


Portal A Wikipédia possui o portal:



Fontes[editar | editar código-fonte]