Monte Aprazível

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Monte Aprazível
Bandeira de Monte Aprazível
Brasão de Monte Aprazível
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 10 de março de 1929[1]
Gentílico monte-aprazivelense
Prefeito(a) Mauro Paschoalão (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Monte Aprazível
Localização de Monte Aprazível em São Paulo
Monte Aprazível está localizado em: Brasil
Monte Aprazível
Localização de Monte Aprazível no Brasil
20° 46' 22" S 49° 42' 50" O20° 46' 22" S 49° 42' 50" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião São José do Rio Preto IBGE/2008[2]
Microrregião Nhandeara IBGE/2008[2]
Municípios limítrofes Tanabi, Sebastianópolis do Sul, Nhandeara, Macaubal, União Paulista, Nipoã, Neves Paulista, Bálsamo, Poloni
Distância até a capital 484 km
Características geográficas
Área 496,9 km² [3]
Distritos Engenheiro Balduíno, Itaiúba, Junqueira
População 21 746 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 43,76 hab./km²
Altitude 475 m
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,808 muito alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 439 778 mil IBGE/2009[5]
PIB per capita R$ 20 926,87 IBGE/2009[5]
Página oficial

Monte Aprazível é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 20º46'21" sul e a uma longitude 49º42'51" oeste, estando a uma altitude de 475 metros. A cidade tem uma população de 21.746 habitantes (IBGE/2010)[3] . Monte Aprazível pertence à Microrregião de Nhandeara. Possui uma área de 496,9 km².

História[editar | editar código-fonte]

Origem do nome: Nome arbitrário ou arbitrativo, talvez por estar situada em pequena elevação (lugar sagrado) com perene brisa, visto que o fundador era beato rezador de terços.

Foi fundada por Capitão Porfírio de Alcântara Pimentel, natural de Areias, Estado de São Paulo, nascido em 1843. Faleceu em Monte Alto, a 1º de setembro de 1919. Mas deixou lembranças na terra por onde passou. Exerceu a profissão de farmacêutico. Foi nomeado capitão, cirurgião-mor do Imperador, por Decreto de 1864.

Era homem trabalhador, profundamente religioso, era Católico assíduo e dado à exploração de novas terras.

Capitão Porfírio, que levou vida de homem simples e bom, tenha sua biografia simples e boa como tudo o que é magnífico e sublime.

Brasileiro, com todas as virtudes raciais de ingênuo e sertanejo, mesmo sem saber e sem propósito deu à sua obra a mesma diretriz original da formação da nossa raça e do nosso país.

Em 1º de Julho de 1898, foram cortados e loteados terrenos (glebas de terras), sítios e fazendas no chamado Sertão de Rio Preto, na região do Estado de São Paulo, época em que também veio residir nestas paragens o Capitão Porfírio de Alcântara Pimentel.

A Região onde se tornou o Patrimônio de Água Limpa, pertencia a Rio Preto e era formada pelos seguintes rios e riachos: São José dos Dourados, Córrego Água Limpa, Córrego Fortaleza, Córrego do Taquarussú, Córrego da Cachoeira e muitos outros. Uma estrada Boiadeira, com demanda ao Sertão rumo a Porto Taboado, passava pelo Patrimônio Água Limpa, ponto de pouso de boiadas e comitivas que por aqui transitavam.

Com a venda de glebas de terra aqui aportaram desbravadores que deram início a derrubada das matas e o plantio de café, cereais etc, daí ter início a formação do povoado que recebeu a denominação de Patrimônio Água Limpa, a mesma que hoje abastece a cidade de Monte Aprazível. O doador do loteamento urbano foi o cidadão João Busto Moreno.

Como ocorria em muitas localidades, naquela época os lotes eram oferecidos gratuitamente para aqueles que tinham condições de construir, e parte do loteamento foi doado à igreja, tendo a mesma plena liberdade de fazer com os mesmos o que bem quisesse, tal como vender, doar, etc.

A 8 de fevereiro de 1912, o Patrimônio Água Limpa, foi elevado a categoria de Distrito Policial, com ajuda do povo da cidade e região e houve a venda de terrenos foreiros.

Em 1914 o povoado é elevado a categoria de Distrito de Paz, pela Lei nº 1438. As primeiras edificações que muito contribuíram para a formação do povoado tomaram vulto a partir do ano de 1920.

A 6 de agosto de 1919, foi lançada a pedra fundamental da Igreja e a Paróquia do Senhor Bom Jesus, foi criada e instalada em 20 de dezembro de 1920, Padroeiro da Cidade, tendo como primeiro vigário o Padre Ângelo Laguna, sendo o Pároco atual Frei Francisco Aparecido Rodrigues. Construída com a ajuda do povo do Patrimônio e região, tendo também havido a venda de terrenos foreiros.

Na época da formação do povoado as atividades sócio-econômicas se fundavam na abertura de sítios, fazendas, bem como no plantio de cereais e a criação de gado bovino, etc.

Em 1924 um grupo de homens abnegados e progressistas, tendo as vistas voltadas para o progresso sócio-econômico da cidade e região trabalhavam para a elevação do Distrito à Município.

Em 23 de Dezembro de 1924 era elevado a categoria de Município pela Lei Nº 2008 com o nome de Monte Aprazível que foi instalado em 10 de Março de 1925, sendo o primeiro Prefeito o Sr. Amador de Paula Bueno e o primeiro Presidente da Câmara Municipal o Sr. José de Andrade Junqueira.

Salientamos que a origem do topônimo (nome do município) deve-se a que o fundador do município de Monte Aprazível era simpático, e daí as denominações dadas os municípios de Monte Alto, Monte Azul e Monte Aprazível, cidades fundadas pelo Capitão Porfírio de Alcântara Pimentel, cidades que tiveram seu início de construção em terrenos de colinas e elevações, mesmo que pequenas, como o caso de Monte Aprazível.

Em 13 de dezembro de 1927, pela Lei 2222, foi elevada a Categoria de Comarca, sendo instalada em 26 de maio de 1928, tendo como Magistrado o Dr. Benedito Alípio Bastos, primeiro Juiz de Direito de Monte Aprazível.

O maior surto do progresso notou-se a partir de 1950 ano em que as atividades sócio econômicas, educativas, comerciais, industriais e agrícolas mais se desenvolveram, aqui tivemos a instalação de duas indústrias de grande porte que foram a Sambra – Sociedade Algodoeira do Noroeste Brasileiro, e a Agroindústria ou como foi chamada a “A Fábrica de Cola e Gelatina”.

Isto se deve a que região era prestativa a instalação destas indústrias, a primeira tendo em vista, a vasta região de terras de primeira qualidade para o cultivo do algodão, a outra localizada as margens da Rodovia asfaltada e distante 9 quilômetros da Estrada de Ferro, Estação de Engenheiro Balduíno, bem como o aproveitamento das águas do Rio São José dos Dourados, para a lavagem e tratamento da matéria-prima necessária aquela indústria.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010[3]

População total: 21.746

  • Urbana: 19.803
  • Rural: 1.943
  • Homens: 10.814[6]
  • Mulheres: 10.932

Densidade demográfica (hab./km²): 43,76

Taxa de alfabetização: 94,3%[7]

Dados do Censo - 2000

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 12,19

Expectativa de vida (anos): 73,31

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 1,92

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,808

  • IDH-M Renda: 0,739
  • IDH-M Longevidade: 0,805
  • IDH-M Educação: 0,880

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-310 - Feliciano Sales Cunha
  • João Pedro de Rezende (Vicinal que liga a Nipoã)

Administração[editar | editar código-fonte]

  • Prefeito: Mauro Vaner Pascoalão Período: 2013-2016

Partido: PSB

Partido: PT

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Erro de citação: existem marcas <ref>, mas falta adicionar a predefinição {{referências}} no final da página