Partido Republicano Brasileiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Partido Republicano Brasileiro
Presidente Marcos Pereira
Fundação 25 de agosto de 2005
Sede Brasília, DF
Deputados Federais
9 / 513
Senadores
1 / 81
Deputados Estaduais
18 / 1 060
Cores Verde e Amarelo.
Site PRB Nacional

Partido Republicano Brasileiro (PRB) é um partido político brasileiro. Em organizção desde 2003, o registro definitivo foi emitido em 25 de agosto de 2005. É presidido por Marcos Antônio Pereira desde dia 9 de maio de 2011. Seu código eleitoral é 10.[1] Até o início de 2006, o partido chamava-se Partido Municipalista Renovador (PMR).

Pequeno partido fundado por partidários do falecido vice-presidente da República José Alencar Gomes da Silva, então presidente honorário do Partido Liberal, o PRB é considerado por alguns o paravento político da Igreja Universal do Reino de Deus[2] devido ao grande número de dirigentes ligados à instituição.

Em 2010, o PRB manteve seu apoio à coalizão de centro-esquerda liderada pelo Partido dos Trabalhadores. Nas eleições de 2010, ele progrediu sensivelmente na Câmara dos Deputados, onde ganhou oito cadeiras contra uma precedentemente, enquanto perdeu uma cadeira no Senado (1 contra 2).

História[editar | editar código-fonte]

Em 16 de dezembro de 2003, com o apoio de mais de 457.702 eleitores, foi aprovado, por unanimidade e em Convenção Nacional, a criação do Partido Municipalista Renovador – PMR, cuja ata foi registrada no Cartório Marcelo Ribas, em 2 de janeiro de 2004, e obteve seu registro sob o número 00055915.

Em 5 de maio de 2005, tendo reunido todos os documentos necessários, o PMR, por seu representante nacional, Vitor Paulo Araújo dos Santos, requereu ao Tribunal Superior Eleitoral – TSE, mediante petição protocolizada sob o n°. 3956/2005, o pedido de registro do partido, o qual originou o Processo de Registro n° 301.

No dia 9 de maio de 2011, em sua Convenção Nacional, elege, por unanimidade dos participantes, o advogado Marcos Antônio Pereira como o seu novo presidente nacional.

Nos termos da Resolução n°. 22.072/75, no dia 25 de agosto de 2005, atendidos os requisitos da Lei 9.096/95, resolvem os ministros do Tribunal Superior Eleitoral – TSE, por unanimidade, deferir o registro definitivo do Partido Municipalista Renovador – PMR.

O partido evoluiu para um novo paradigma político, com ênfase nos princípios republicanos. Em Convenção Nacional, realizada no dia 25 de outubro de 2005, foi aprovadao por unanimidade a alteração da sua denominação e respectiva sigla para Partido Republicano Brasileiro (PRB). Com petição protocolizada no TSE sob o nº 13318/2005, requereu a mudança de denominação e sigla, a qual foi deferida em sessão de 11 de março de 2006, nos termos da Resolução/TSE nº 22.167.

O partido tem como propósitos declarados: defender um conceito integral de cidadania (direitos políticos, civis e sociais), os direitos humanos, da criança, do adolescente, do idoso, da mulher e das gerações futuras. A organização também se declara comprometida com a preservação do meio ambiente e defende a realização de investimentos em escolas, estradas, hospitais e moradias. Também defende a liberdade de expressão, a valorização da família e afirma lutar pela transformação da Administração Pública em um instrumento voltado para atender exclusivamente aos interesses do povo brasileiro.

O falecido vice-presidente da República José Alencar foi um de seus membros mais destacados. Por inúmeras vezes ocupou a presidência durante as viagens oficiais ao exterior do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Alencar também foi o presidente de Honra do partido.

No Senado Federal, o PRB conta com o senador Eduardo Lopes (RJ) que substitui o titular Marcelo Crivella (RJ) - hoje Ministro da Pesca. Na Câmara dos Deputados, integram a bancada os deputados federais George Hilton (MG) - líder do partido na Casa, Acelino Popó (BA), Antônio Bulhões (SP), Beto Mansur (SP), César Halum (TO), Cleber Verde (MA), Jhonatan de Jesus (RR), Márcio Marinho (BA), Otoniel Lima (SP) e Vitor Paulo (RJ).

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Apesar de ser um partido político novo, já desperta polêmicas. Alguns analistas políticos afirmam que uma das intenções do PRB seria reunir todos os atuais deputados evangélicos, sobretudo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), em uma mesma legenda. Para muitos o partido se transformou em uma espécie de "braço político" daquela igreja: em julho de 2012, sete dos nove deputados federais do partido eram da IURD: Antonio Bulhões (SP), Vitor Paulo (RJ), Heleno Silva (SE), Márcio Marinho (BA), Otoniel Lima (SP), George Hilton (MG) e Zacarias Vilharba, conhecido como "Vilalba de Jesus" (PE). As exceções são Jonathan de Jesus (RR), que é da Igreja Batista, e o ex-pugilista Acelino Freitas, o Popó (BA), da Igreja Batista Caminho das Águas. Cleber Verde (MA), que se licenciou do mandato em maio deste ano, é da Assembleia de Deus. De todos eles, apenas Vilalba não aparece na lista de integrantes da Frente Parlamentar Evangélica. [3] . Outras acusações se referem ao método de coleta de assinaturas, a qual foi denunciada em comunidades não-cristãs como provinda de cultos nos templos da Universal. Sabe-se que houve o apoio Bispo Robson Rodovalho, atualmente deputado federal pelo DF, que liderou uma campanha para obtenção das assinaturas necessárias à criação do partido. Contudo, ele mesmo se elegeu pelo DEM, não havendo a sonhada reunião dos parlamentares evangélicos sob uma mesma sigla.

Outra polêmica é em relação ao estatuto do partido. Algumas pessoas afirmam que a redação dele é bastante parecida com a do PL, o que poderia ser comprovado ao observar o 43º art. do estatuto do PRB, onde por um lapso aparece a sigla do PL.

Art. 43 - As bancadas do PL nas Câmaras Municipais de Vereadores, nas Assembleias Legislativas e Senado Federal constituirão suas lideranças de acordo com as normas regimentais das respectivas Casas Legislativas e com as normas baixadas pela respectiva Comissão Executiva, podendo, inclusive, adotar as regras estabelecidas para a eleição do Líder do Partido na Câmara dos Deputados, abaixo discriminadas[2][3]

O membro mais destacado do PRB é José Alencar, ex-vice-presidente. Seu Líder no Senado é o Senador fluminense Marcelo Crivella, que obteve quase 20% dos votos para Governador do RJ, e no mesmo pleito de 2006, elegeu apenas um deputado federal, Leo Vivas, também pelo Estado do Rio de Janeiro.

Durante o ano de 2007 o Partido Republicano Brasileiro veiculou uma série de programas e propagandas (em rádio e televisão) enaltecendo as qualidades da república e destacando possíveis falhas/defeitos da época da monarquia, quando o Brasil ainda não era república. Grupos monarquistas têm indagado qual seria a intenção dessas propagandas[carece de fontes?], uma vez que o assunto "república x monarquia" não está mais em discussão no Brasil desde o Plebiscito de 1993, no qual a república venceu com 66% das intenções contra 10,2% das intenções de voto em prol da monarquia.

Bancada na Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Composição atual[editar | editar código-fonte]

Deputados AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO
10 0 0 0 0 2 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 1 0 0 1 2 1

Fonte: Portal da Câmara dos Deputados - Conheça os Deputados - Selecione "Partido..." e "UF...", e clique no segundo botão "Pesquisar".

Bancada eleita para a legislatura[editar | editar código-fonte]

Legislatura Eleitos  % AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO Diferença
54ª (2011-2015)
8 1,56 0 0 0 0 1 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 1 0 0 1 2 0 +7
53ª (2007-2011)
1 0,19 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0

Fonte: Portal da Câmara dos Deputados - Bancada na Eleição.

Participação do partido nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Candidato(a) a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos  % Colocação
2010 Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) PT, PMDB, PR, PSB, PDT, PCdoB, PSC, PRB, PTC e PTN 55.752.529 56,05
2006 Luiz Inácio Lula da Silva (PT) José Alencar (PRB) PT, PRB e PCdoB 58.295.042 60.83

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]