Problema difícil da consciência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O problema difícil da consciência é o problema de explicar como e o porquê temos experiências fenomenológicas qualitativas1

David Chalmers2 contrasta este problema com os "problemas fáceis", como explicar a habilidade de discriminar, integrar informação, reportar estados mentais, focar atenção etc. Estes problemas são fáceis porque tudo o que é requerido para a sua solução é especificar um mecanismo que possa executar a função. Isto é, as suas explicações propostas, não importando quão complexas ou pobremente conhecidas possam ser, podem ser inteiramente consistentes com a concepção materialista moderna dos fenómenos naturais. Chalmers afirma que o problema da experiência é distinto deste conjunto, e argumenta que o problema da experiência "persistirá mesmo quando o desempenho de todas as funções relevantes forem explicadas".3

A existência do "problema difícil" é controvérsia e vem sido disputado por alguns filósofos 4 . Fornecer uma resposta para tal questão pode estar no entendimento dos papéis que os processos físicos desempenham em criar consciência e na medida que esses processos criam nossas qualidades subjetivas de experiência.5

Várias questões sobre consciência devem ser resolvidas a fim de adquirirmos um entendimento completo dela. Tais questões incluem, mas não estão limitadas a, se consciência pode ser inteiramente descrita em termos físicos, como a agregação de processos neurais no cérebro. Segue-se que se a consciência não pode ser inteiramente explicada por eventos físicos no cérebro, então deve exceder as capacidades de sistemas físicos e requerer uma explicação dos significados não físicos. Para filósofos que afirmam que consciência é não-física, resta uma questão sobre o que além da teoria física é necessário para explicar a consciência.

Formulação do problema[editar | editar código-fonte]

Várias formulações do "problema difícil":

  • "Por que o processamento físico deveria dar origem a qualquer vida interior?"
  • "Como é que alguns organismos estão sujeitos a experiência?"
  • "Por que existe conscientização da informação sensorial?"
  • "Por que existe qualia?"
  • "Por que há um componente subjetivo de experiência?"
  • "Por que não somos zumbis filosóficos?"

Chalmers colocou o problema como "por que o sentimento que acompanha consciência de informação sensorial existe?" em The Conscious Mind (1996) e na publicação "Facing Up to the Problem of Consciousness" (The Journal of Consciousness Studies, 1995).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Harnad, Stevan (1995) "Why and How We Are Not Zombies. Journal of Consciousness Studies 1:164-167
  2. The Place of Mind, ed. Brian Cooney
  3. "Facing Up to the Problem of Consciousness", David Chalmers, Journal of Consciousness Studies 2 (3), 1995, pp. 200–219.
  4. Dennett, Daniel. "Commentary on Chalmers: Facing Backwards on the Problem of Consciousness"
  5. "Facing Up to the Problem of Consciousness", David Chalmers, Journal of Consciousness Studies 2 (3), 1995, pp. 200–219.
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.