Rebelião Dhofar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Rebelião Dhofar
Data 1962-1975
Local Omã, Oriente Médio
Desfecho Derrota dos insurgentes
Modernização de Omã
Combatentes
Flag of Oman.svg Omã
Flag of Iran.svg Irã
Flag of the United Kingdom.svg Reino Unido
Flag of Jordan.svg Jordânia
Frente de Libertação de Dhofar
Frente Popular de Libertação do Golfo Árabe Ocupado
Flag of the Popular Front for the Liberation of Oman.svg Frente Popular de Libertação de Omã

A Rebelião Dhofar (em árabe: ثورة ظفار) foi um conflito ocorrido na província de Dhofar contra o Sultanato de Mascate e Omã, que contou com o apoio britânico, de 1962 a 1975. O conflito terminou com a derrota dos rebeldes, mas o estado de Omã teve de ser radicalmente reformado e modernizado para lidar com a campanha.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 1962, Omã era um país relativamente subdesenvolvido no Oriente Médio. O sultão Said bin Taimur, o soberano absoluto, tinha banido quase todos os aspectos do desenvolvimento do século XX, e contou com o apoio da Inglaterra para manter as funções rudimentares do Estado. Dhofar em si foi uma dependência de Omã e foi submetida a exploração econômica severa. Além disso, a população de Dhofar, foi submetida a restrições ainda maiores do que outros Omanis.

Os primeiros anos da rebelião[editar | editar código-fonte]

Em 1962, um líder tribal insatisfeito, Mussalim bin Nafl, formou a Frente de Libertação de Dhofar e obteve armas e veículos da Arábia Saudita. Omã e Arábia Saudita anteriormente discordavam sobre a propriedade de Al Buraimi, e os sauditas já haviam apoiado duas insurreições que falharam em Jebel Akhdar no interior de Omã, em 1957-1959. A FLD também recebeu apoio do Imã Ghalib Bin Ali, exilado de Omã, que havia liderado estas revoltas anteriores.

Bin Nafl e seus homens fizeram uma épica travessia do Quadrante Vazio para chegar em Dhofar. Já em dezembro de 1962, o bando guerrilheiro de Bin Nafl realizou operações de sabotagem na base aérea britânica em Salalah e emboscado veículos da indústria do petróleo; no entanto, se retiraram, tendo sido enviados pela Arábia Saudita para o Iraque, para receber mais treinamento de guerrilha.

A partir de 1964, a FLD começou uma campanha de ataques de hit-and-run em instalações de empresas petrolíferas e também do governo. Muitos eram ex-soldados das forças armadas de Omã, ou dos Escoteiros Truciais de Omã nos Emirados Árabes Unidos.

O sultão se baseou na "Força Dhofar", uma unidade irregular de recrutados localmente com apenas 60 homens, para manter a ordem na região. Em abril de 1966, os membros desta unidade tentaram assassinar o sultão. Este evento aparentemente mudou a natureza do conflito. O sultão retirou-se para seu palácio em Salalah, para nunca mais ser visto em público novamente. Isso só serviu para acrescentar aos rumores de que os britânicos estavam governando Omã através de um "sultão fantasma". O sultão também lançou uma ofensiva militar em larga escala contra a FLD, em oposição aos conselhos de seus conselheiros britânicos. Missões de busca e destruição foram lançadas em Dhofar, aldeias foram queimadas e poços foram concretados ou explodidos. Um membro das forças armadas informou que após receber forte resistência, ele "provou que a posição era inatingível, e depois de explodir os poços das aldeias, foram evacuados do campo".

Um movimento encorajador[editar | editar código-fonte]

Desde os primeiros dias da rebelião, o Nasserismo e outros movimentos de esquerda no Iêmen e Áden também estavam envolvidos. Em 1967, dois eventos combinado deram a rebelião uma tez mais revolucionária. Um deles foi a Guerra dos Seis Dias, que radicalizou a opinião em todo o mundo árabe. A outra foi a retirada britânica de Áden e o estabelecimento da República Democrática Popular do Iêmen (RDPY). A partir deste ponto, os rebeldes tinham uma fonte de armas, suprimentos e instalações de treinamento junto a Dhofar, e novos recrutas entre os grupos na RPDY. Campos de treinamento, bases logísticas e outras instalações foram criadas na cidade costeira de Hauf, apenas a alguns quilômetros da fronteira com Omã.

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.