Ricardo Semler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

Ricardo Frank Semler (São Paulo, 1959) é um empresário brasileiro, chefe-executivo (CEO) e sócio majoritário da empresa Semco S/A, empresa brasileira conhecida pela sua implementação radical dos conceitos da democracia industrial e reengenharia corporativa. Suas políticas de gestão empresarial inovadoras foram difundidas entre empresas ao redor do mundo. Sob sua gestão, os rendimentos cresceram de quatro milhões de dólares, em 1982, para 212 milhões de dólares em 2003.

A revista TIME o apontou entre os "100 Jovens Líderes Globais", em uma série de reportagens sobre perfis de executivos publicada em 1994. O Fórum Econômico Mundial também o apontou em trabalhos semelhantes. Também foi citado em publicações do Wall Street Journal America Economia e revista "Wall Street Journal Latin America" como "Empresário do Ano na América Latina", em 1990 e "Empresário do Ano no Brasil", em 1992.

Ricardo Semler formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo e estudou Administração de Empresas em Harvard, escola em que, ironicamente, só conseguiu ingressar depois de escrever uma carta criticando a instituição. Ricardo Semler também escreveu livros que se tornaram sucesso em vendas no Brasil e exterior, como o Virando a Própria Mesa, seu primeiro livro, publicado em 1988, e Seven-days Weekend, publicado em 2003.

Foi ainda vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e o fundador da Fundação SEMCO, cujo objetivo inicial é criar escolas de ensino básico voltadas para a educação infantil, com uso das técnicas inovadoras de participação democrática. Atualmente Ricardo Semler é diretor da FIESP e articulista do jornal Folha de S. Paulo e Sócio da Tarpon Investimentos em São Paulo, Brasil.

Semco 1982-1990[editar | editar código-fonte]

Semler iniciou sua carreira na empresa de seu pai, originalmente chamada Semler & Company, que atuava no ramo de suprimentos na construção naval em São Paulo. Entrou em conflito com seu pai, Antônio Semler, que mantinha uma estrutura autocrática tradicional na gestão dos negócios. Ricardo era a favor da descentralização e de uma gestão participativa. Favoreceu, ainda, sob oposição de seu pai, a diversificação dos negócios da empresa.

Com o aumento dos atritos com seu pai, Semler ameaçou deixar a companhia. Antônio Semler preferiu renunciar a liderança da SEMCO, permitindo que Ricardo chegasse a presidência aos 22 anos. Em seu primeiro dia como CEO, Ricardo Semler demitiu sessenta porcento de toda alta-gerência. Começou a trabalhar em um programa de diversificação e salvamento da companhia. Uma síncope aos 25 anos o inspirou a querer mais qualidade de vida para si e seus empregados.

As tentativas de introduzir uma Departamentalização Matricial em 1986 não conseguiram melhorias desejadas. No final da década de 1980, três engenheiros da SEMCO propuseram a formação de núcleos de Inovação Tecnológica para o desenvolvimento de novas linhas de produtos, com o apoio de Semler. Após o sucesso desta iniciativa, unidades satélites foram encorajadas por toda a SEMCO e em pouco tempo passou a responder por dois terços dos empregados e novos produtos.

Semco 1990-2004[editar | editar código-fonte]

Após as restrições econômicas impostas pelo Plano Collor, a economia brasileira entrou em uma severa recessão, forçando muitas companhias à falência. Trabalhadores da SEMCO concordaram com cortes de 40% nos salários e passaram a ter o direito de aprovar cada item de despesa da empresa.

Gerir muitas regras durante o período de crise deu aos trabalhadores grande conhecimento em suas operações e possibilitou uma série de sugestões de como melhorar os resultados da empresa. Reestruturações implementadas neste período permitiram a redução em 65% de patrimônio, redução dos prazos de entrega e praticamente a eliminação do índice de produtos defeituosos. Estas medidas melhoraram sensívelmente o perfil e o rendimento da SEMCO.

Em 2003, SEMCO teve rendimento anual de 212 milhões de dólares americanos, frente aos US$ 35 milhões, em 1994 e US$ 4 milhões de dólares em 1982. A quantidade de empregados aumentou dos 90 em 1982 para 3 mil em 2003. As unidades da empresa incluem:

  • Unidade de Máquinas Industriais, que hoje fabrica um mix de produtos ao invés de apenas bombas
  • Sembobac, parceria com a Baltimore Air Cooler para torres de refrigeração
  • Cushman and Wakefield SEMCO, uma parceria com a Cushman and Wakefield para gerenciamento de propriedades no Brasil e América Latina.
  • Semco Johnson Controls, parceria com a empresa norte-americana Johnson Controls, gerenciando facilidades em larga escala para aeroportos e hospitais.
  • ERM, parceria com Environmental Resources Management, uma das maiores consultorias ambientais.
  • Semco Ventures, oferecendo soluções em alta-tecnologia e serviços de internet.
  • SemcoHR, firma de recursos humanos.
  • Semco-RGIS, firma de controle de patrimônio

Com o crescimento da SEMCO, Ricardo Semler recebeu grande reconhecimento pelo seu trabalho. Foi nomeado "Empresário Brasileiro do Ano" em 1990 e 1992. O Fórum Econômico Mundial o nomeou um dos "Líderes Globais de Amanhã". Um colegiado de especialistas, através da CIO Magazine, apontou a SEMCO como o caso de maior sucesso no mundo em re-engenharia de companhias.

Outras atividades[editar | editar código-fonte]

Semler reduziu seu envolvimento na SEMCO a partir da década de 1990 para se dedicar a outras atividades. Escreveu um livro, Virando a própria mesa, contando sua experiência na SEMCO, que se tornou um sucesso mundial. Seu segundo livro, The Seven Day Weekend: Changing the Way Work Works foi editado em 2003.

Tem feito aparições na mídia em vários paises e é palestrante em cursos de negócios e grupos que promovem a filosofia da "Democracia Industrial". Também é professor visitante na Harvard Business School.

Ricardo Semler se tornou Vice-Presidente da FIESP, Federação das Indústras do Estado de São Paulo, e membro da ONG SOS Mata Atlântica - referência em defesa ambiental no Brasil. Através da Fundação Ralston-Semler, fundou a escola Lumiar, aplicando a filosofia da "Democracia Industrial" à educação básica de crianças.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SEMLER, Ricardo. Virando a própria mesa. São Paulo : Best Seller, 1988.
  • SEMLER, Ricardo. The Seven Day Weekend: Changing the Way Work Works. 2003
  • SEMLER, Ricardo. Você está louco!: uma Vida Administrada de outra forma. 2006

Ligações externas[editar | editar código-fonte]