SRCSEBFS Barroca Zona Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Barroca Zona Sul
Fundação 7 de agosto de 1974 (39 anos)
Escola-madrinha Mangueira[1]
Cores

Verde

Rosa
Símbolo Crioulinho (Bebê Negro)
Bairro Água Funda[1]
Presidente Ewerton Rodrigo Ramos Sampaio (Cebolinha)[2]
Presidente de honra Sebastião Eduardo do Amaral (In Memorian)
Carnavalesco Danilo Dantas
Comissão de carnaval Geraldo Sampaio Neto (Borjão)
Neide
Ivan Bate-Cabeça
Danilo Dantas[3]
Intérprete oficial Luizinho
Diretor de carnaval Marcus Paulo (Marcão)
Diretor de harmonia João Neguinho
Antônio Carlos (Torão)
Jorge Arruda
Diretor de bateria Mestre Acerola
Rainha da bateria Daniela Orcisse
Mestre-sala e porta-bandeira Cleydson Ferreira e Vanderleia Franco[2]
Coreógrafo Fábio Souzack
Desfile de 2015
Enredo Estou de volta pro meu aconchego
Site Oficial

A Sociedade Recreativa Cultural Social Esportiva Beneficente Faculdade do Samba Barroca Zona Sul é uma escola de samba da cidade de São Paulo.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A Barroca Zona Sul tem sua origem no bairro da Vila Mariana, onde residia o sambista Sebastião Eduardo do Amaral, conhecido como “Pé Rachado”, que era o presidente da Vai-Vai, escola do bairro do Bixiga.[1] Após abandonar sua escola, Pé Rachado passou por Nenê de Vila Matilde e Camisa Verde e Branco, além de ser amigo do carioca Cartola, desfilando também na Estação Primeira de Mangueira, sempre que podia.[1]

Estando no Rio de Janeiro, o ex-presidente da escola alvi-negra foi incentivado por Cartola a montar sua própria escola. Na noite de 7 de Agosto de 1974, em sua casa, Pé Rachado reuniu seus filhos, sobrinhos e jovens seguidores como Edney, Zé Carlinhos, Chiquinho, Gregório, Dona Lurdes, entre tantos outros, para a fundação da nova agremiação. Muitos dos presentes ficaram acompanhando a reunião pela janela do quarto, uma vez que nem todos cabiam dentro do cômodo. O nome completo foi sugerido por Valter Japão, e suas cores, verde e rosa, foram uma homenagem à escola de Cartola, que iria mais tarde a São Paulo para batizar a nova agremiação. O nome "Barroca" era uma referência ao Campo Barroca, do time de futebol Portuguesinha da Vila Mariana, que era um campo de terra batida, onde os batuqueiros do bairro se reuniam em rodas de samba nos finais de semana.[1]

São considerados fundadores da Barroca Zona Sul aqueles que estavam dentro da casa de Pé Rachado as 20h do dia 7 de Agosto de 1974, alguns nomes estiveram desde o início da escola assinaram a ata de fundação mas na hora do registro existia um limite de nomes e ai a ata principal registrada é a seguinte:

Sebastião Eduardo do Amaral (Pé Rachado), Lourdes do Amaral (Dona Lourdes), Edney Pedro Mariano (Dinei mestre sala), José Carlos Ferreira (Zé Carlinhos), Ubiapaba do Amaral (Mestre Binha), Aracendi Amaral (Nena), Carlos Alberto Amaral (Galocha), José Francisco, Francisco Fabiano Júnior (Chiquinho), Gregório, Sebastião Eduardo do Amaral Junior (Lobão), Pedro Paulo Camilo, Ubirajara do Amaral (Bira), Eneida Novaes, Miguel Lopes Filho, Maria Aparecida Amaral e Vera Lucia Amaral e Norberto Amaral Filho

E os outros nomes citados são de muitos ritmistas como: Tornadão, Ceia, Valcir, João Marcio, Tamborim, Célio entre outros. Dorinho Marques, Mario Milonga, Dona Conceição, Pedro Carneiro, Dona Neuza, Sr. Valdemar, Sr. Reis, Zé Lobinho, Timbagi, Dona Bia, Valter Japão, Louco e Jacó. Pé Rachado foi eleito com unanimidade presidente da escola, mas como não podia assinar por problemas pessoais na Justiça, quem assinava pela escola era Lobão, seu filho mais velho.

A notícia do surgimento da “escola do Pé” mobilizou sambistas de outras grandes escolas da época, que ajudaram a agremiação nascente. Inscrita na União das Escolas de Samba Paulistanas, a Barroca faria seu primeiro desfile no bairro da Lapa pelo III Grupo (que seria hoje o grupo 1 da UESP eram apenas 3 grupos em 1974).

O primeiro ensaio aconteceu no "Campo do Brahma", na Rua Padre Machado esquina com a Rua Santo Irineu[1] (onde hoje é uma fabrica de tintas) onde Mestre Binha reuniu a molecada da área para formar a bateria que foi considerada a melhor de São Paulo sendo formado apenas pôr garotos somados a experientes batuqueiros de São Paulo como o grande sambista cantor e percussionista Branca de Neve, Moacir da Lavapés, Carlos Alberto Tobias do Camisa Verde e Branco entre muitos outros. Era tudo muito difícil os ensaios aconteciam inicialmente aos domingos a tarde e toda vez Pé Rachado tinha que ir ao 16º batalhão de policia pedir autorização.

Certas vezes era autorizado, mas horas depois chegavam viaturas mandando parar tudo, mas tudo foi se organizando e os ensaios já reuniam coisa de três mil pessoas naquela época que ficavam admirados com o trabalho da jovem escola. E ai a Barroca já saiu de dentro do bairro com espírito de campeã do seu bairro, embalada pelo compositor Ary Baianinho que cantava um samba-embalo para animar o início dos ensaios e o término onde a escola subia a Padre Machado de terra até quase onde hoje é a Rua Domingos de Moraes próximo ao Metro Santa Cruz.

A Barroca conquistou o campeonato no primeiro desfile em 1975[1] . Em 1976 a escola transferiu seus ensaios para o campo da Portuguesinha e conquistou o II grupo desfilando na Avenida São João.[1] No ano de 1977, já estava entre as grandes escolas no I Grupo, hoje Grupo Especial.

Em 1977 a escola construiu sua quadra na Rua Paulo Figueiredo com a Avenida Água Funda (hoje Ricardo Jafet) que teve como ponto de partida o seu batizado com a presença do padrinho Cartola com sua esposa Dona Zica e claro a Estação Primeira de Mangueira.

Após o carnaval de 1978 a Barroca passou a ser dirigida por Osmar César de Carvalho, que mais tarde fundaria a FESEC e presidiria a UESP; a bateria também teve mudanças para o lugar de Mestre Binha, Fubá que ficaria no comando da bateria até 1990. Desse período até 1982 a Barroca se firmou no grupo principal, com seu ápice no ano de 1983 com o enredo “75 Anos de Imigração Japonesa” ficando em quinto lugar empatado com o Camisa Verde e Branco e em 1985 com o enredo “Chico Rei esplendor de uma raça” onde foi penalizada com seis pontos por atraso na concentração (sendo 1 ponto por minuto a escola atrasou 6 minutos) fez seu melhor desfile inovando com uso de matérias primas como palha e sizal. Se não tivesse perdido os pontos a Barroca teria sido a grande campeã do carnaval paulistano e teria obtido o direito de desfilar na Marquês de Sapucaí, no lugar da campeã Nenê de Vila Matilde.

Depois disso a escola acabou não renovando o aluguel da quadra, que ficava de frente para a Arno, ao lado do metrô Imigrantes. Com muitas dívidas, acabou tendo que devolver o espaço ao dono. Para o carnaval de 1986, a escola passa a ensaiar na Rua Santo Irineu.

Em 1987, já sob a presidência de Eumar Meireles Barbosa, com o enredo "Asas para a Liberdade" (Nação Odara) a Barroca é campeã do II Grupo e retorna em 1988 para o grupo especial, permanecendo até 1994. Nesse período a escola teve muitas conquistas: em 1990 conseguiu o espaço da atual quadra, no bairro da Água Funda, e no mesmo ano alcança sua melhor colocação no grupo especial com o enredo “Segredos do Amor”, já tendo como presidente Geraldo Sampaio Neto (Borjão), o quarto lugar.

Após o carnaval, diversos de seus integrantes faleceram, entre eles Pé Rachado, Mestre Fubá, Mario Milonga, Dona Lurdes e Beth (Porta Bandeira), o que desestruturou a escola. Após cair novamente para o grupo de acesso, retornou ao grupo principal em 2002, com o enredo “A Magia dos Jardins da Verde e Rosa”. Com isso, atrai empresários e nomeia como presidente Luis Paulo dos Santos, que transformou a quadra da escola, trouxe muitos eventos e shows de grupos de pagode, como Revelação, Fundo de Quintal, e outros artistas como Arlindo Cruz, Belo entre outros.

Em 2003 onde homenageou o Rei Pelé e só não foi novamente rebaixada pois houve uma virada de mesa devido ao incêndio nos carros alegóricos da Unidos do Peruche. Devido a isso, a Liga decidiu que ninguém cairia. Em 2005, quando Borjão tinha retomado a presidência da Barroca, a escola inovou com uso de materiais reciclados com o enredo “Mãos” um desfile que marcou pela presença da comunidade e a reação do público. Naquele ano Thiago Praxedes tornou-se o mais novo mestre de bateria da história. Com problemas de harmonia, a escola acabou novamente rebaixada.

No ano seguinte pelo grupo de acesso bateu na trave ficando em terceiro lugar com o enredo Carmem Miranda este foi o último ano que a bateria obteve a nota máxima foi sob o comando de Mestre Thiago. De 2007 a 2010 a Barroca passou por um período de fortes mudanças. Luis Paulo tornou-se novamente presidente, remodelando todos os segmentos e levando a diversas mudanças na bateria, no comando das baianas, na quadra e também no estatuto social. Em 2008 a bateria dirigida por Barroquinha ganhou Troféu nota 10. Mas no carnaval de 2010 com o enredo sobre o “beijo”, a agremiação acabou rebaixada ao terceiro grupo.

Em 7 de Abril de 2010 foi realizado o pleito eleitoral pela velha guarda. Com uma chapa única, Sérgio Moreti foi aclamado presidente, mas passou o cargo posteriormente nvoamente para Borjão, ficando apenas como presidente do Conselho Deliberativo. Em 2013 falando do Jabaquara caiu para o grupo 2, 4ª divisão do samba paulista. Obteve nova ascensão, no entanto, em 2014.

Dissidência[editar | editar código-fonte]

Thiago Praxedes, neto de Pé Rachado, fundou a GRES Quilombo[4] , uma escola de samba nos mesmos moldes da Quilombo carioca, fundada por Candeia. A escola nunca chegou a se filiar à UESP, para participar de desfiles oficiais.

Segmentos[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Gerado Sampaio Neto "Borjão" abril de 2010-abril de 2014 [5]
Everton Sampaio "Cebolinha" abril de 2014-atualidade [3]

Diretores[editar | editar código-fonte]

Ano Diretor de Carnaval Diretor geral de harmonia Mestre de bateria Ref.
2014 Marcão João Neguinho , Antonio Carlos(Torão) e Jorge Arruda Acerola [5]

Coreógrafo[editar | editar código-fonte]

Ano Nome Ref.
2014 Fabio Souzack [5]

Casal de Mestre-sala e Porta-bandeira[editar | editar código-fonte]

Ano Nome Ref.
2014 João Paulo Lemos e Edna Guimarães "Loloka" [5]
2015 Cleydson Ferreira e Vanderleia Franco [2]

Corte de bateria[editar | editar código-fonte]

Ano Rainha Ref.
2014 Daniela Orcisse [5]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Barroca Zona Sul
Ano Colocação Grupo Enredo Carnavalesco Intérprete Referências
1975 Campeã Grupo 1-UESP A Chegada dos Escravos Negros ao Brasil
1976 Campeã Acesso Sonho dos Palmares
1977 7ºlugar Especial Folclore em Passarela
1978 7ºlugar Especial Cantos e Danças de um Povo
1979 7ºlugar Especial Do Jeito que o Rei Mandou
1980 8ºlugar Especial Monopata o Reino Bantu no Brasil Gloria Brasil
1981 6ºlugar Especial Uma Hora na Amazônia Dedé Badaró
1982 5ºlugar Especial Futebol no Carnaval Jeremias
1983 6ºlugar Especial 75 Anos de Imigração Japonesa no Brasil (O Reino do Sol Nascente) Orlando da Barroca
1984 6ºlugar Especial O Novo Paraíso Édson Machado
1985 5ºlugar Especial Louvação a Chico Rei (Esplendor de Uma Raça) Édson Machado Joel de Castro
1986 9ºlugar Especial Foi Assim e aí Vem Mais Raul Diniz Abner
1987 Campeã Acesso Asas Para a Liberdade
1988 7º lugar Especial No Centenário da Abolição Barroca Novamente Zé Maria
1989 8º lugar Especial Um Novo Sol para a América do Sul Zé Maria
1990 5º lugar Especial Os Segredo do Amor Zé Maria
1991 6ºlugar Especial Que Moda é Essa? Trhu
1992 7º lugar Especial Roma Negra Trhu
1993 9º lugar Especial O Senhor dos Elementos Grupo Arte Final
1994 9ºlugar Especial Nas Ocas da Barroca o Índio Viu Quem Invadiu Bernadete
1995 3ºlugar Acesso Eu Sou Boy, E Chego Lá Raul Diniz Bernadete
1996 3ºlugar Acesso O Pão Nosso de Cada Dia Bernadete
1997 4ºlugar Acesso Quem não Samba, Dança Comissão de Carnaval
Paulo Trindade, Tereza Santos e Dorinho Marques
Bernadete
1998 4ºlugar Acesso Ibirapuera, a Felicidade se Disfarçou de Parque
1999 3ºlugar Acesso Viagens Extraordinárias André Machado
2000 4ºlugar Acesso Saga de Reis em Terras Brasileiras André Machado
2001 3ºlugar Acesso Maravilhas e Mistérios do Fundo do Mar Mauro de Oliveira, Horácio Rabaça e Jorge Luiz Marques Agnaldo Amaral
2002 Campeã Acesso A Magia dos Jardins da Verde e Rosa Mauro de Oliveira e José Maria Zolesi Agnaldo Amaral
2003 14ºlugar Especial De Três Corações a Coroação. Quem Sou Eu? Rei Pelé Rosa Magalhães e Mauro de Oliveira Agnaldo Amaral
2004 14ºlugar Especial 450 Anos de Fé, Um Encontro no Coração do Brasil Augusto de Oliveira Gilsinho
2005 16ºlugar Especial Participei da Criação, Colaborei para o Progresso, às Vezes me Utilizam para Destruição, Quando me Uno a Outra, Selo a Paz e a União! Mãos! Babú Energia André Pantera
2006 3ºlugar Acesso No Balançar dos Balangandãs Babú Energia Alécio Reis
2007 4ºlugar Acesso Cana-de-açúcar - O Doce Sabor do Prazer Armando Barbosa Agnaldo Amaral
2008 3ºlugar Acesso Artistas Viajantes Num País Romântico Lucas Pinto Agnaldo Amaral
2009 6ºlugar Acesso Alô São Paulo! Eis a fantástica e fabulosa história desse paraíso do pecado... Um verdadeiro Jardim das Delícias. A Selva de Pedra da América latina que ama Gregos e Troianos... Aqui tudo acontece
Compositores:Wagner, Júnior ABC, Leonardo Trindade e Fumaça.
Sidinho Ramos Agnaldo Amaral
2010 7ºlugar Acesso O beijo
Compositores:Lello Garoto, Mydras, Ramos e Marquinhos Quebra Corda.
Sidinho Ramos Ferinha e Lello Garoto
2011 4ºlugar 1-UESP O menino de 74 Armando Barbosa Tuca Maia
2012 4º Lugar 1-UESP Triunfante Marrom, Alcione em Verde e Rosa! André Machado Tuca Maia
2013 12º Lugar 1-UESP No caminho do progresso, Yababa kuara. Templo de Quilombo... Jabaquara, Raízes de um Povo Guerreiro! Hernani Siqueira Douglas
2014 Vice-campeã 2-UESP Em um canto de fé e devoção, Barroca celebra as religiões nos seus 40 anos de samba e tradição Horácio Rabaça Thiago de Xangô
2015 1-UESP Estou de volta pro meu aconchego Danilo Dantas Luizinho [2] [3]

Títulos e enredos[editar | editar código-fonte]

  • 1975 (Grupo 3 atual Grupo 1) - Primeira Chegada dos Escravos
  • 1976 (Grupo 2 atual Grupo de acesso) - O Sonho de Palmares
  • 1987 (Grupo 2 atual Grupo de Acesso) - Nação Odara dos Quilombos (Asas Para a Liberdade)
  • 2002 (Grupo de Acesso) A Magia nos Jardins da Verde e Rosa

Referências

  1. a b c d e f g h i Sasp. História. Página visitada em 20/05/2014. Cópia arquivada em 20/05/2014.
  2. a b c d O Carnaval de SP (11/04/2014). Barroca Zona Sul apresenta sua nova diretoria para Carnaval 2015.
  3. a b c SRZD-SP (20/05/2014). Barroca Zona Sul de 'cara nova' para 2015. 01h06.
  4. Cinthia Gomes, 4ºano de Jornalismo e Gabriela Watson, 3º ano de Rádio e Televisão, para a Fundação Casper Líbero. Samba e resistência. Página visitada em 20/05/2014. Cópia arquivada em 10/12/2007.
  5. a b c d e Sasp. Carnaval 2014. Página visitada em 20/05/2014. Cópia arquivada em 20/05/2014.