Santiago (Rio Grande do Sul)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde abril de 2010). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Município de Santiago
"Terra dos poetas"
Bandeira de Santiago
Brasão de Santiago
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 4 de janeiro de 1884 (130 anos)
Gentílico santiaguense
CEP 97700-000
Prefeito(a) Júlio Ruivo (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Santiago
Localização de Santiago no Rio Grande do Sul
Santiago está localizado em: Brasil
Santiago
Localização de Santiago no Brasil
29° 11' 31" S 54° 52' 01" O29° 11' 31" S 54° 52' 01" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Ocidental Rio-grandense IBGE/2008[1]
Microrregião Santiago IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Bossoroca, Capão do Cipó, Tupanciretã, Jari, Jaguari, Nova Esperança do Sul, São Francisco de Assis, Unistalda e Itacurubi
Distância até a capital 450 km
Características geográficas
Área 2 413,075 km² [2]
População 49 082 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade Erro de expressão: Número inesperado hab./km²
Altitude 409 m
Clima subtropical úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,816 muito alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 476 382,447 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 324,74 IBGE/2008[5]
Página oficial

Santiago é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

Santiago é conhecida como "a terra dos poetas" pela tradição literária e berço de diversos escritores, como Caio Fernando Abreu, Ramiro Frota Barcelos, José Santiago Naud, Silvio Gomes Wallace Duncan, Túlio Piva, Ayda Bochi Brum, Oracy Dornelles, entre outros.

História[editar | editar código-fonte]

Povoamento da cidade[editar | editar código-fonte]

As referências sobre o local onde situa-se o Município de Santiago, datam desde a época em que ocorreu a ampliação das Missões do Paraguai, quando os Jesuítas, alcançando a margem oriental do rio Uruguai, fundaram povoações em territórios do Rio Grande do Sul, no século XVIII.

Com a introdução do gado em 1534 pelos Jesuítas, organizaram-se pequenos currais nas cercanias dos povoados. Para transportar o gado das grandes estâncias até as aldeias, distribuídas no Planalto Meridional, utilizavam-se os desfiladeiros em Santa Maria da Boca do Monte e de Santiago do Boqueirão.

Assim, a Coxilha Seca que se prolonga até as terras baixas de São Francisco de Assis e que começa na elevação das nascentes dos rios Itu e Curuçu - o chamado Boqueirão - era uma passagem natural do gado procedente das estâncias missioneiras.

Já em 1753, as partidas de demarcação, organizadas para dar cumprimento ao estabelecido pelo Tratado de Madri, foram impedidas de dar prosseguimento ao seu trabalho por uma barreira formada no posto avançado de São Tiago, da Estância de Santo Antônio, que pertencia ao povo de São Miguel.

Conta-se, também, que em 1756 foi erguida uma capela pelos padres jesuítas em homenagem ao Santo Apóstolo Tiago, decorrendo daí o nome do Município.

Em torno de 1860 iniciou o processo que acelerou modificações na paisagem humana das Missões. Funda-se a quatro léguas do povo de São Luís das Missões, uma colônia que assentou 350 alemães, 14 belgas, 5 franceses e 4 suíços.

O coronel José Maria Pereira de Campos foi encarregado de organizar a colônia de Ijuí que traria mais europeus à região.

Os Polacos começaram a chegar no final da década de 1890 do século passado, com o estabelecimento da colônia de Jaguari, estendendo-se até as localidades de Sanga da Areia e Ernesto Alves.

Em 1834, Arsène Isabelle, diplomata francês radicado em Montevidéu, em viagem pelas regiões missioneiras, refere-se à localidade de Boqueirão de Santiago, onde registra a existência de três ou quatro chácaras e estâncias, constatando a escassez de habitantes.

Se os alemães e os italianos foram predominantes no fluxo de imigração européia na região missioneira, elementos de outras nacionalidades também trouxeram sua valiosa contribuição, como suíços, belgas, poloneses e franceses. Em síntese, as colônias estabelecidas a partir de 1860 na região missioneira proporcionaram diversificação de tipos humanos no Município de Santiago, como nos Municípios vizinhos, de procedência predominantemente européia.

Origem do nome do município[editar | editar código-fonte]

Santiago foi um território habitado pelos marroquinos e se constituía numa parte da Estância Jesuítica de São Miguel. Era a Estância de São Tiago ou Santiago.

Foi construída no Município a Capela de São Tiago, que pertencia a essa Estância de São Miguel e que se situava, de acordo com pesquisas de historiadores, no local que é hoje a Fazenda da Forqueta, de propriedade da sucessão de Dona Joaquina Lopes, a 15 km da cidade.

Neste local, até 1930 podia-se constatar a existência de paredes de pedras. Em 1756, houve a Batalha de Caiboaté, em que faleceu Sepé Tiaraju. Essa batalha aconteceu no interior do Município de São Gabriel e os índios, após a chacina que ocorreu lá, regressaram às Missões, que se chamava El Boquerón de Las Sierras.[6] [7] [8]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 29º11'30" sul e a uma longitude 54º52'02" oeste, estando a uma altitude de 409 metros.

Possui uma área de 2413,075 km² e sua população estimada em 2008 era de 58 088 habitante.

Educação[editar | editar código-fonte]

Santiago possui um campus da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) e quatro polos universitários da modalidade EAD/Conectado: Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Universidade do Norte do Paraná (UNOPAR) e Universidade Internacional de Curitiba (UNINTER) e o Sistema Educacional Galileu (SEG). Possui ainda, uma unidade da Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes, especializada em cursos preparatórios para concursos públicos, exame da OAB, pós-graduação, entre outros.

Futebol[editar | editar código-fonte]

Santiago possui o Cruzeiro Esporte Clube, tendo revelado o jogador pentacampeão do mundo pela Seleção Brasileira Ânderson Polga, que também atuou como zagueiro no Grêmio Football Porto-Alegrense e atuou 10 anos no Sporting clube Portugal. Hoje joga no Sport Club Corinthians Paulista.

Outro jogador oriundo da cidade é Adailton Martins Bolzan, que disputou a Copa do Mundo Sub-20 de 1997 pela seleção brasileira, e foi o artilheiro da competição. Após esse feito foi imediatamente vendido para o Parma da Itália e desde então jogou apenas por equipes europeias, entre elas Paris Saint-Germain (França), Hellas Verona (Itália), Genoa (Itália), Bologna (Itália) e atualmente joga no FC Vaslui (Romênia).

A cidade também sedia a Copa Santiago de Futebol Juvenil, conhecida como Torneio Internacional de Futebol Juvenil Romeu Goulart Jacques, que é uma competição internacional de futebol Sub-17. Disputada desde 1989, foi reconhecida pela CBF, em 1993, e pela FIFA, no ano seguinte.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. Vd. “As Missões Orientais e seus antigos domínios”, - Porto Alegre, 1910
  7. Vd. “Viagem ao Rio da Prata e ao Rio Grande do Sul”, 1949
  8. Fontes pesquisadas : Biblioteca Municipal e Biblioteca Central da URI - Universidade Regional Integrada.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]