Tartaruga-das-galápagos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTartaruga-das-galápagos
Galapagos giant tortoise Geochelone elephantopus.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Testudinata
Família: Testudinidae
Género: Chelonoidis
Espécie: C. nigra
Nome binomial
Chelonoidis nigra
(Quoy & Gaimard, 1824)
Subespécies
Ver texto.
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Tartaruga-das-galápagos


A tartaruga-das-galápagos ou tartaruga-gigante-de-galápagos, cujo nome científico é Chelonoidis nigra (Quoy & Gaimard, 1824), é uma espécie de tartaruga da família Testudinidae, endêmica do arquipélago de Galápagos, no Equador.

É a maior espécie de tartaruga existente e o 10º réptil mais pesado do mundo, podendo chegar a 400 kg, com um comprimento de mais de 1,8 m. É também um dos vertebrados de vida mais longa. Um exemplar mantido em um zoológico australiano, chamado Harriet, atingiu a idade de 170 anos. São conhecidas várias subespécies, embora sua classificação seja polêmica. São herbívoras e se alimentam de ervas, frutas, líquens, folhas e cactos.

Desde o descobrimento do arquipélago no século XVI elas foram caçadas intensamente para alimentação, especialmente de marinheiros, e seu número original, que se calcula em torno de 250 mil indivíduos, decaiu para pouco mais de 3 mil na década de 1970. Outros fatores também contribuíram para o declínio acentuado, como a introdução de novos predadores pelo homem e a destruição de seu habitat. Em breve começaram a ser realizados projetos de recuperação das populações, e hoje o total de indivíduos chega a quase 20 mil. Mesmo assim ainda é considerada uma espécie vulnerável pela IUCN. Pelo menos duas subespécies já foram extintas - C. n. abingdoni e C. n. nigra - e somente dez das cerca de quinze originais ainda existem em liberdade.

As características morfológicas da carapaça óssea das tartarugas-das-galápagos variam de acordo com o ambiente de cada ilha. Esta variabilidade permite subdividir a espécie em vários subtipos, cada um característico de uma ilha, ou de uma parte dela. Esta diversidade morfológica foi reconhecida por Charles Darwin, durante a sua visita ao arquipélago em 1835, e foi um dos argumentos para a sua teoria da evolução das espécies.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

As Ilhas Galápagos foram descobertas em 1535, mas só foram incluídas nos mapas em torno de 1570.[2] Foram desde logo denominadas Insulae de los Galopegos (Ilhas das tartarugas) por causa da presença desses animais.[3] Inicialmente as tartarugas gigantes do oceano Índico e das Galápagos foram consideradas pertencer à mesma espécie, e pensava-se que os marinheiros haviam causado a sua dispersão.[4] Em 1783 Johann Gottlob Schneider classificou todas as tartarugas gigantes como Testudo indica,[5] mas no século XIX outros cientistas propuseram outros nomes, como Testudo gigantea (Schweigger, 1812),[6] Testudo nigra (Quoy & Gaimard, 1824)[7] Testudo californiana (Quoy & Gaimard, 1824)[8] e Testudo elephantopus (Harlan, 1827).[9] A identificação da tartaruga-das-galápagos como espécie distinta foi feita em 1834 por André Marie Constant Duméril e Gabriel Bibron, que lhe atribuíram o nome Testudo nigrita.[10] Ao longo do tempo outros nomes foram propostos: Testudo planiceps (Gray, 1853);[11] Testudo clivosa (Garman, 1917);[12] Testudo typica (Garman, 1917);[12] Testudo (Chelonoidis) elephantopus (Williams, 1952);[13] Geochelone (Chelonoidis) elephantopus (Pritchard, 1967);[14] Chelonoidis elephantopus (Bour, 1980)[15]

O nome específico nigra foi ressuscitado em 1984.[16] Poucos anos depois o subgênero Chelonoidis foi elevado ao status de gênero, a partir da descoberta de evidência filogenética que o colocou em um novo clade.[17] Sua taxonomia exata é bastante disputada, especialmente no que tange às subespécies,[18] [19] [20] [21] [22] Além disso ela tem uma extensa sinonímia, há pouco citada, mas o nome científico Chelonoidis nigra (Quoy & Gaimard, 1824), é atualmente aceito por várias autoridades, incluindo a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) e a Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES).[1] [23] [24] [25]

O último exemplar da subespécie C. n. abingdoni, chamado "Jorge Solitário". Morreu em 2012, extinguindo consigo a subespécie
Exemplar da subespécie G. n. becki
Exemplar da subespécie G. n. porteri
Exemplar da subespécie G. n. chathamensis

A primeira pesquisa sistemática sobre esses animais foi realizada em 1875 por Albert Günther, associado ao Museu Britânico. Ele identificou pelo menos cinco populações diferentes nas ilhas Galápagos, e três nas ilhas do oceano Índico. Em 1877 a sua lista foi expandida para cinco populações nas Galápagos, quatro nas ilhas Seychelles e quatro nas ilhas Mascarenhas. Günther imaginava que todas derivavam de uma única população ancestral que havia se dispersado através de pontes de terra mais tarde submersas.[26] Sua teoria foi refutada quando se compreendeu que as Galápagos, bem como as Seychelles e as Mascarenhas, eram ilhas de formação vulcânica recente, e jamais haviam sido interligadas por pontes de terra. Hoje se acredita que as tartarugas-das-galápagos provêm de um ancestral sulamericano,[27] enquanto que as do oceano Índico descendem de um ancestral de Madagascar.[28] [29] No fim do século XIX Georg Baur e Walter Rothschild reconheceram a existência de mais cinco populações.[30] [31] [32] [33] Em 1906 a Academia de Ciências da Califórnia coletou espécimens os confiou a John Van Denburgh para que os estudasse, resultando identificadas quatro populações adicionais e postulando a existência de quinze espécies diferentes.[34] [35] Sua lista ainda orienta a taxonomia moderna.[23]

Hoje sobrevivem na natureza apenas cerca de dez subespécies - o número exato também é polêmico. Charles Darwin visitou as ilhas em 1835, a tempo de ver cascos dos últimos representantes da subespécie Chelonoidis nigra nigra, supostamente extinta na década de 1850. Em 24 de junho de 2012 a subespécie Chelonoidis nigra abingdoni foi extinta com a morte do último exemplar, conhecido como "Jorge Solitário".[36] [37] [38]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

História evolutiva[editar | editar código-fonte]

Todas as subespécies evoluíram de ancestrais que vieram da América do Sul cruzando o mar.[27] A sobrevivência à travessia aquática pode ter sido possibilitada pela boa flutuabilidade das tartarugas e pela sua capacidade de passarem meses sem comer ou beber. A corrente de Humboldt também pode ter facilitado a viagem, uma vez que corre do sul para o norte ao longo da costa ocidental da América do Sul e na altura do Equador se volta para oeste, atingindo diretamente as ilhas. Um processo semelhante é o imaginado para a dispersão dos ancestrais do gênero Chelonoidis, que vieram da África para a América do Sul no período Oligoceno.[17] Seu parente moderno mais próximo é a tartaruga Chelonoidis chilensis, que tem um tamanho muito menor. Ambas as espécies provavelmente derivaram de um ancestral comum cerca de 6 a 12 milhões de anos atrás, antes de as ilhas Galápagos terem se formado.[39] Análise do DNA mitocondrial revelou que a população das ilhas de Española e San Cristóbal são as mais antigas, e foram a origem dos subtipos das outras ilhas.[40] [41] Um fluxo gênico reduzido entre os grupos colonizadores resultou na sua evolução independente, aparecendo as atuais subespécies.[27]

O seu gigantismo provavelmente é uma evolução anterior à sua fixação nas ilhas, e não uma consequência evolutiva do seu isolamento. Tartarugas grandes teriam mais chances de sobreviver à primitiva travessia marítima; seus pescoços são mais longos, possibilitando que respirem mais facilmente sobre a água, e sua superfície corporal é pequena em relação ao volume do seu corpo, reduzindo a perda de água corporal por osmose no contato com a água salgada do oceano. Elas podem também acumular grandes reservas de água e gordura em seus corpos, fazendo com que resistam à fome e à sede por longo tempo, além de facilitarem sua adaptação ao novo ambiente, consideravelmente árido. O grande tamanho também possibilitou que tolerassem bem os extremos de temperatura que se registram nas ilhas.[42]

As tartarugas-das-galápagos são a única linhagem conhecida de tartarugas gigantes que apresentam diferentes formas de casco,[43] uma característica que pode ser tanto uma adaptação aos ambientes distintos das diferentes ilhas como uma especialização morfológica que poderia favorecer certos indivíduos em disputas de dominância entre os machos, dando-lhes ainda maior atratividade sexual nas épocas de acasalamento.[44] [22] [45] [46]

Descrição[editar | editar código-fonte]

As tartarugas têm grandes carapaças de uma cor marrom opaca, cujas placas se fundem ao esqueleto, dando-lhes uma sólida estrutura de proteção, para dentro da qual podem retrair e esconder o pescoço e a cabeça, bem como os membros. As placas possuem um padrão característico, embora as suas faixas de crescimento não sejam úteis para determinar sua idade, pois as exteriores se desgastam com o tempo. As pernas são grandes e as patas, quadradas, semelhantes às dos elefantes. As patas dianteiras têm cinco unhas, e as traseiras, quatro. Sua pele é seca e recoberta de duras escamas.[47] [48]

Seu grande tamanho impressionou os primeiros exploradores,[49] e quando Charles Darwin conheceu as ilhas disse que "esses animais podem crescer até tamanhos enormes... diversas são tão grandes que precisam de seis homens para erguê-las do chão".[50] O maior indivíduo registrado tinha mais de 400 kg e um comprimento de 1,87 m.[51] [7] [52]

As várias subespécies mostram todas um formato de casco diferenciado, que vai de estruturas semiesféricas mais ou menos regulares até cascos cheios de protuberâncias e uma grande projeção sobre o pescoço. Nas ilhas mais úmidas, com vegetação baixa mais abundante, como a de Santa Cruz, os cascos tendem a ser mais regulares e maiores, com pernas e pescoço mais curtos. Ao contrário, nas ilhas mais secas, os cascos tendem a ser mais irregulares.[22] [53]

O dimorfismo sexual é mais pronunciado nas subespécies com cascos mais irregulares, onde os machos exibem projeções frontais mais angulosas e elevadas.[54] Os machos de todas as populações geralmente são maiores e têm a cauda mais longa que as fêmeas, e ventralmente seu casco apresenta uma concavidade que auxilia no ajuste dos pares durante o acasalamento. Os machos adultos pesam em média 272 a 317 kg, enquanto que as fêmeas pesam em média 136 a 181 kg.[55]

Biologia e ecologia[editar | editar código-fonte]

Machos da subespécie C. n. hoodensis em disputa

As tartarugas são seres pecilotérmicos (de sangue frio), e portanto precisam se aquecer ao sol durante uma ou duas horas no início de toda manhã, a fim de obterem energia suficiente para permitir-lhes ficarem ativas durante 8 ou 9 horas.[56] Seus deslocamentos diários se fazem cedo pela manhã ou no fim da tarde, quando buscam outras áreas de forrageio. Alcançam uma velocidade de 0,3 km/h.[50]

Nas ilhas mais úmidas ocorre migração sazonal das populações das áreas mais altas para as mais baixas, acompanhando a mudança na vegetação durante a estação seca e a úmida. As migrações acontecem sempre através dos mesmos caminhos, que, usados há milênios, são perfeitamente demarcados no terreno, sendo conhecidos como "avenidas das tartarugas".[53] Nas ilhas mais úmidas as populações são mais gregárias e podem ser encontradas juntas em grandes números; nas mais secas, a tendência é para o individualismo.

Às vezes são encontradas mergulhadas em poças de lama e lagoas formadas pela chuva, que podem exercer um papel de auxiliar na sua termorregulação. Esses banhos podem também ajudá-las a se livrar de parasitas e mosquitos.[53] Tomam banhos de areia com os mesmos objetivos. Algumas buscam abrigo sob rochas durante a noite.[57] Outras já foram vistas a dormir em depressões no solo, usando sempre os mesmos locais.[58]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

As tartarugas são herbívoras, consumindo cactos, gramíneas, folhas, líquens e frutas.[59] Cada indivíduo precisa de 32 a 36 kg de comida diária, mas sua digestão pouco eficiente expele grande parte dos nutrientes sem absorvê-los.[60]

Obtêm água principalmente lambendo o orvalho nas rochas e consumindo vegetais, especialmente o cacto Opuntia, e podem passar até 18 meses sem ingerir água e comida,[61] sobrevivendo de reservas de gordura e água acumuladas em seu próprio corpo. Quando sedentas podem ingerir grandes quantidades de água de uma só vez, conservando-a em bolsas em torno de seu pescoço.[56] Essa capacidade as tornou úteis depósitos vivos de água e fontes de boa carne para as longas viagens dos antigos marinheiros.[61]

Essas tartarugas mantém uma relação mutualística com algumas espécies de pássaros, que as limpam de ectoparasitas.[62] No entanto, já foi observado que algumas tartarugas enganam as aves, e as atraem para baixo de seu corpo como se o oferecessem para ser limpo. Quando a ave está embaixo, a tartaruga subitamente recolhe as pernas e cai com todo o peso sobre ela, esmagando-a, e depois a come. Presume-se que isso seja uma forma de a tartaruga suplementar sua dieta com proteína.[63]

Reprodução e crescimento[editar | editar código-fonte]

Par em acasalamento
Um filhote recém-nascido e um ovo

O acasalamento ocorre a qualquer tempo, mas picos sazonais ocorrem entre fevereiro e junho, durante a estação úmida.[53] Os machos competem pelo direito de acasalar em demonstrações ritualizadas e agressivas, onde emitem vocalizações como grunhidos e silvos, mas raramente ocorre contato físico entre eles e geralmente o macho maior vence simplesmente exibindo seu tamanho.[64] [54] O macho vencedor então obriga a fêmea a acasalar batendo em seu casco e mordendo suas pernas.[65] Montar na fêmea é um processo complicado para os machos, sendo criaturas com pouca flexibilidade e equilíbrio, mas uma concavidade em seu plastrão facilita o encaixe do par. Durante o coito o macho também pode vocalizar grunhidos rítmicos.[57] [53]

As fêmeas fertilizadas viajam vários quilômetros para alcançar as áreas de nidificação nas praias arenosas. Ali chegando, escavam na areia um buraco cilíndrico de cerca de 30 cm de profundidade, processo que pode levar de horas a dias. Nele colocam até 16 ovos esféricos, de casca dura, que pesam de 82 a 157 g e têm o tamanho de uma bola de bilhar.[53] [56] [47] O ninho é então coberto com areia compactada com urina. Elas podem fazer até quatro posturas em um ano. Os ovos são incubados pelo calor do sol, e a temperatura obtida no ninho influi na proporção de machos e fêmeas nascidos. Temperaturas mais baixas produzem mais machos. O calor disponível também influi na duração da incubação; posturas realizadas mais cedo na estação reprodutiva, quando a temperatura atmosférica ainda é menor, precisam de mais dias para eclodir.[66] Assim, desde a postura, pode levar de quatro a oito meses para que as crias emerjam à superfície, e ao fazerem isso medem 6 cm e pesam apenas 50 g.[53] Mas, de fato, o nascimento ocorre antes. Ao saírem dos ovos as tartaruguinhas precisam escavar sozinhas seu caminho através da areia até a superfície, e podem levar semanas nisso. Durante este tempo sua nutrição vem das reservas acumuladas no saco vitelino.[47] Se, por condições de aridez excepcional, o solo que cobre o ninho se compacta demais, as crias recém saídas dos ovos podem morrer soterradas sem jamais verem a luz do dia, incapazes de remover a areia endurecida que as cobre. Condições opostas, de inundação, também podem matá-las. Ao nascerem, os filhotes de todas as subespécies são indistinguíveis entre si.[56]

Os jovens permanecem nas terras baixas litorâneas por cerca de dez ou quinze anos. Seu crescimento é ameaçado por inúmeros fatores, e muitos não atingem a maturidade. Podem sofrer acidentes, ser mortos por escassez de alimentos e extremos climáticos, e cair vítimas de inimigos naturais. Entre estes, originalmente tinham apenas um rapineiro nativo das ilhas, o falcão-das-galápagos, que preda os filhotes. Darwin relatou que os recém-nascidos eram devorados em quantidade pelas aves assim que emergiam dos ninhos. O falcão hoje é raro, mas o homem também introduziu nas ilhas várias espécies exóticas, como o porco, o gato, o rato e o cachorro, que se tornaram invasoras e importantes predadoras de ovos e filhotes. Os adultos não têm inimigos salvo o homem. Ao longo da exploração e colonização do arquipélago o homem caçou os adultos em grande número para alimento, quase dizimando a espécie.[50] [67]

A maturidade sexual é atingida aos 20-25 anos em cativeiro, mas pensa-se que em liberdade só a atinjam aos 40 anos, quando seu tamanho máximo se fixa. Estima-se que possam viver mais de cem anos naturalmente, e um exemplar, conhecido como Harriet, mantido em um zoo na Austrália, viveu mais de 170 anos.[68] [69] [70]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Estima-se que a população original chegava a 250 mil indivíduos, mas a contínua exploração dessas tartarugas como fonte de alimento, conjugada a outros fatores, levou a um declínio acentuado. No censo de 1974 foram contados apenas 3.060 exemplares. Os esforços recentes de conservação levaram a população a um patamar de quase 20 mil indivíduos, na estimativa de 1995-2009.[69] [71] Já foram extintas pelo menos duas subespécies: C. n. nigra e C. n. abingdoni.[72]

Entrada da Estação Científica Charles Darwin, no Parque Nacional Galápagos

Além se terem sido historicamente caçadas em grande número para alimento humano, especialmente por marinheiros, que as estocavam vivas nos porões de seus navios, onde podiam resistir por mais de um ano sem comida ou água,[56] [73] as tartarugas enfrentaram outros desafios para sua sobrevivência. Também foram caçadas para obtenção de óleo, muito valorizado no Equador.[74] A colonização das ilhas pelo homem as expulsou de muitas áreas, tomadas pela urbanização e pela agropecuária. Com isso a oferta de alimentos para elas diminuiu. Também passaram a sofrer com os ataques de espécies exóticas introduzidas pelo homem, antes citadas, que além de se tornarem predadoras destruíam seus locais de nidificação.[75] Em anos recentes ainda são ameaçadas pelo crescimento do turismo - elas são uma atração popular - e pela urbanização das ilhas.[76]

A IUCN a classifica, diante deste contexto, como espécie vulnerável.[1] Apesar de hoje protegidas por lei, seu futuro ainda é incerto. A baixa taxa de crescimento da população, a maturidade sexual tardia e o endemismo da espécie são fatores que a deixam particularmente ameaçada de extinção no futuro se não tiver a ajuda do homem.[25] [43] [77] [78]

Neste sentido, foi criado um parque de preservação integral para protegê-la, que cobre praticamente toda a superfície das ilhas (97%)[79] [80] e vários projetos têm sido desenvolvidos para fomentar sua preservação e o repovoamento das ilhas.[67] [71] Já foram conseguidos resultados importantes, como o salvamento da subespécie hoodensis, que em 1977 estava reduzida a 3 machos e 12 fêmeas e hoje conta com mais de 1.200 exemplares, embora ainda seja considerada em ameaça crítica de extinção.[81] [82] [83] Também são feitas campanhas sistemáticas de erradicação de espécies exóticas predadoras.[84] [67] Outros projetos procuram recuperar áreas degradadas, devolvendo-as às tartarugas.[84]

Referências

  1. a b c . Tortoise & Freshwater Turtle Specialist Group 1996. Chelonoidis nigra. In: IUCN 2012. IUCN Red List of Threatened Species. Version 2012.1
  2. Stewart, P. D. Galápagos: the islands that changed the world. Yale University Press, 2006, p.43
  3. Jackson, Michael Hume. Galápagos, a natural history. University of Calgary Press, 1993, p. 1
  4. Chambers, Paul. "The origin of Harriet". In: New Scientist, nº 2464, p. 27
  5. Schneider, Johann Gottlob. Allgemeine Naturgeschischte der Schildkröten nebs einem systematischen Verzeichnisse der einzelnen Arten und zwey Kupfen. Leipzig, 1783, pp. 355–356
  6. Schweigger, August Friedrich. "Prodromi monographiae chelonorum sectio prima". In: Archivfur Naturwissenschaft und Mathematik, volume 1, 1812, pp. 271–368; 406–462
  7. a b Quoy, J. R. C.; Gaimard, J. P. "Sous-genre tortue de terre – testudo. brongn. tortue noire – testudo nigra". In: De Freycinet, M. L. Voyage autour du Monde ... exécuté sur les corvettes de L. M. "L'Uranie" et "La Physicienne," pendant les années 1817, 1818, 1819 et 1820. Paris, 1824,pp. 174–175
  8. Quoy, J.R.C.; Gaimard, J.P.. (1824). "Description d'une nouvelle espèce de tortue et de trois espèces nouvelles de scinques" (em French). Bulletin des Sciences Naturelles et de Géologie 1: 90–91.
  9. Harlan, Richard. "Description of a land tortoise, from the Galápagos Islands, commonly known as the Elephant Tortoise". In: Journal of the Academy of Natural Sciences of Philadelphia, volume 5, 1827, pp. 284–292
  10. Duméril, André Marie Constant & Bibron, Gabriel. Erpétologie générale; ou, histoire naturelle complète des reptiles. Librarie Encyclopédique de Roret, 1834
  11. Gray, John Edward (1853). "Description of a new species of tortoise (Testudo planiceps), from the Galapagos Islands". Proceedings of the Zoological Society of London 21 (1): 12–13. DOI:10.1111/j.1469-7998.1853.tb07165.x.
  12. a b Garman, Samuel (1917). "The Galapagos tortoises". Memoirs of the Museum of Comparative Zoology at Harvard College 30 (4): 261–296.
  13. Williams, Ernest E.; Anthony, Harold Elmer; Goodwin, George Gilbert. (1952). "A new fossil tortoise from Mona Island West Indies and a tentative arrangement of the tortoises of the world". Bulletin of the American Museum of Natural History 99 (9): 541–560. Predefinição:Hdl.
  14. Pritchard, Peter Charles Howard. Living turtles of the world. New Jersey: TFH Publications, 1967. p. 156.
  15. Bour, R.. (1980). "Essai sur la taxinomie des Testudinidae actuels (Reptilia, Chelonii)" (em French). Bulletin du Muséum National d'Histoire Naturelle 4 (2).
  16. Pritchard, Peter Charles Howard. "Further thoughts on Lonesome George". In: Noticias de Galápagos, volume 39, 1984, pp. 20–23
  17. a b Le, Minh et alii. "A molecular phylogeny of tortoises (Testudines:Testudinidae) based on mitochondrial and nuclear genes". In: Molecular Phylogenetics and Evolution, volume 40, nº 2, 2006, pp. 517–531
  18. Pritchard 1996, p. 63
  19. Swingland, I.R. (1989). "Geochelone elephantopus. Galapagos giant tortoises". In: Swingland I.R. and Klemens M.W. (eds.) The conservation biology of tortoises. Occasional Papers of the IUCN Species Survival Commission (SSC), No. 5, pp. 24–28. Gland, Switzerland: IUCN
  20. Fritts, Thomas H. (1984). "Evolutionary divergence of giant tortoises in Galapagos". In: Biological Journal of the Linnean Society 21 (1–2): 165–176
  21. De Vries, T. J. The giant tortoises: a natural history disturbed by man. Pergamon Press, 1984, pp. 145–156
  22. a b c Caccone, Adalgisa et alii. "Phylogeography and history of the giant Galapagos tortoises". In: Evolution, volume 56, nº 10, 2002, pp. 2052–2066
  23. a b Rhodin, A. G. J.; van Dijk, P. P. "Turtles of the world, 2010 update: Annotated checklist of taxonomy, synonymy, distribution and conservation status". In: Iverson, J.B.; Shaffer, H.B. Turtle taxonomy working group. Chelonian Research Foundation, 2010, pp. 33–34
  24. Fritz, U. & Havaš, P. "Checklist of Chelonians of the World". In: Vertebrate Zoology, volume 57, nº 2, 2007, pp. 149–368
  25. a b CITES Appendices I, II and III 2011. 22 dez 2011
  26. Günther, Albert. "Description of the living and extinct races of gigantic land-tortoises. parts I. and II. introduction, and the tortoises of the Galapagos Islands". In: Philosophical Transactions of the Royal Society of London, Biological Sciences, vol. 165, 1875, pp. 251–28
  27. a b c Caccone, Adalgisa et alii. "Origin and evolutionary relationships of giant Galapagos tortoises". In: Proceedings of the National Academy of Sciences. Volume 96, nº 23, 1999, pp. 13223–13228
  28. Austin, Jeremy & Arnold, E. Nicholas. "Ancient mitochondrial DNA and morphology elucidate an extinct island radiation of Indian Ocean giant tortoises (Cylindraspis)". In: Philosophical Transactions of the Royal Society of London, série B, volume 268, nº 1485, 2001, pp. 2515–2523
  29. Austin, Jeremy; Arnold, E. Nicholas; Bour, Roger. "Was there a second adaptive radiation of giant tortoises in the Indian Ocean? Using mitochondrial DNA to investigate speciation and biogeography of Aldabrachelys". In: Molecular Ecology, volume 12, nº 6, 2003, pp. 1415–1424
  30. Baur, G. "The Gigantic Land Tortoises of the Galapagos Islands". In: The American Naturalist, volume 23, nº 276, 1889, pp. 1039–1057
  31. Rothschild, Walter. "On a new land-tortoise from the Galapagos Islands". In: Novitates Zoologicae, volume 8, 1901, p. 372
  32. Rothschild, Walter. "Description of a new species of gigantic land tortoise from Indefatigable Island". In: Novitates Zoologicae, volume 10, 1903, p. 119
  33. Rothschild, Walter. "Description of a new species of gigantic land tortoise from the Galápagos Islands". In: Novitates Zoologicae, volume 9, 1902, p. 619
  34. Van Denburgh, J. "The gigantic land tortoises of the Galapagos archipelago". In: Proceedings of the California Academy of Sciences, série 4, volume 2, nº 1, 1914, pp. 203–374
  35. Van Denburgh, John. "Preliminary descriptions of four new races of gigantic land tortoises from the Galapagos Islands". In: Proceedings of the California Academy of Sciences, série 4, volume 1, 1907, pp. 1–6
  36. Broom, R. "On the extinct Galápagos tortoise that inhabited Charles Island". In: Zoologica, volume 9, nº 8, 1929, pp. 313–320
  37. Steadman, David W. "Holocene vertebrate fossils from Isla Floreana, Galápagos". In: Smithsonian Contributions to Zoology, volume 413, nº 413, 1986, pp. 1–103
  38. Sulloway, F. J. (1984). Darwin and the Galápagos. In Berry, R. J. "Evolution in the Galápagos Islands". Biological Journal of the Linnean Society 21 (1–2): 29–60
  39. White, William M.; McBirney, Alexander R.; Duncan, Robert A. (1993). "Petrology and geochemistry of the Galápagos Islands: portrait of a pathological mantle plume". In: Journal of Geophysical Research 98 (B11): 19533–19564
  40. Nicholls, Henry. Lonesome George: The life and loves of a conservation icon. Hampshire, England: Palgrave Macmillan, 2006, p. 68
  41. Beheregaray, Luciano B. et alii (2004). "Giant tortoises are not so slow: rapid diversification and biogeographic consensus in the Galápagos". In: Proceedings of the National Academy of Sciences 101 (17): 6514–6519
  42. Pritchard, p. 18
  43. a b Chiari, Ylenia et alii. "Morphometrics Parallel Genetics in a Newly Discovered and Endangered Taxon of Galápagos Tortoise". In: PLoS ONE, volume 4, nº 7, 2009,pp.6272
  44. De Vries, pp. 145-146
  45. Dawson, E. Y. "Cacti in the Galápagos islands, with special reference to their relations with tortoises". In: Bowman, R. I. The Galápagos. University of California Press, 1966, pp. 209–214
  46. Fritts, Thomas H. "Evolutionary divergence of giant tortoises in Galapagos". In: Biological Journal of the Linnean Society, volume 21, nº 1–2, 1984, pp. 165–176
  47. a b c MacFarland, C.G.. (1972). "Giant tortoises, goliaths of the Galapagos". National Geographic Magazine 142: 632–649.
  48. Van Denburgh, J.. (1914). "The gigantic land tortoises of the Galapagos archipelago". Proceedings of the California Academy of Sciences, Series 4 2 (1): 203–374.
  49. de Berlanga, Tomás. Letter to His Majesty ... describing his voyage from Panamá to Puerto Viejo (em Spanish). Madrid: Manuel G. Hernandez, 1535. 538–544 p. vol. 41.
  50. a b c Darwin 1839, pp. 462–466
  51. Ebersbach, V. K. |year=2001 |title=Zur Biologie und Haltung der Aldabra-Riesenschildkröte (Geochelone gigantea) und der Galapagos-Riesenschildkröte (Geochelone elephantopus) in menschlicher Obhut unter besonderer Berücksichtigung der Fortpflanzun. Tese de doutorado. Hannover: Tierärztliche Hochschule
  52. Fritts, T.H.. Patterns of evolution in Galapagos organisms. San Francisco: American Association for the Advancement of Science, 1983. 107–122 p. ISBN 0-934394-05-9
  53. a b c d e f g De Vries, T.J.. The giant tortoises: a natural history disturbed by man. Oxford: Pergamon Press, 1984. 145–156 p. ISBN 0-08-027996-1
  54. a b Schafer, Susan F.; Krekorian, C. O'Neill. (1983). "Agonistic behavior of the Galapagos tortoise, Geochelone elephantopus, with emphasis on its relationship to saddle-backed shell shape". Herpetologica 39 (4): 448–456.
  55. Fritts, Thomas H.. (1984). "Evolutionary divergence of giant tortoises in Galapagos". Biological Journal of the Linnean Society 21 (1–2): 165–176. DOI:10.1111/j.1095-8312.1984.tb02059.x.
  56. a b c d e Swingland, I.R. (1989). Geochelone elephantopus. Galapagos giant tortoises. In: Swingland I.R. and Klemens M.W. (eds.) The conservation biology of tortoises. Occasional Papers of the IUCN Species Survival Commission (SSC), No. 5, pp. 24–28. Gland, Switzerland: IUCN. ISBN 2-88032-986-8.
  57. a b Carpenter, Charles C.. (1966). "Notes on the behavior and ecology of the Galapagos tortoise on Santa Cruz island". Proceedings of the Oklahoma Academy of Science 46: 28–32.
  58. Jackson, M.H.. Galápagos, a natural history. [S.l.]: University of Calgary Press, 1993. p. 107. ISBN 1-895176-07-7
  59. Cayot,Linda Jean. Ecology of giant tortoises (Geochelone elephantopus) in the Galápagos Islands. Syracuse University, 1987
  60. Hatt, Jean-Michel; Class, Marcus; Gisler, Ricarda; Liesegang, Annette; Wanner, Marcel. (2005). "Fiber digestibility in juvenile Galapagos tortoises (Geochelone nigra) and implications for the development of captive animals". Zoo Biology 24 (2): 185–191. DOI:10.1002/zoo.20039.
  61. a b Porter, David. Journal of the cruise made to the Pacific Ocean by Captain Porter in the United States Frigate Essex in the years 1812, 1813, 1814. New York: Wiley & Halsted, 1815. p. 151.
  62. MacFarland, Craig G.; Reeder, W.G.. (1974). "Cleaning symbiosis involving Galápagos tortoises and two species of Darwin's finches". Zeitschrift für Tierpsychologie 34 (5): 464–483. DOI:10.1111/j.1439-0310.1974.tb01816.x.
  63. Bonin, Franck; Devaux, Bernard; Dupré, Alain. Turtles of the world. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2006. ISBN 0-8018-8496-9
  64. Hayes, Floyd E.; Beaman, Kent R. Beaman; Hayes, William K.; Harris, Lester E. Jr.. (1988). "Defensive behavior in the Galapagos tortoise (Geochelone elephantopus), with comments on the evolution of insular gigantism". Herpetologica 44 (1): 11–17.
  65. DeSola, Ralph. (1930). "The liebespiel of Testudo vandenburghi, a new name for the mid-Albemarle Island Galápagos tortoise". Copeia 1930 (3): 79–80. DOI:10.2307/1437060.
  66. Ciofi, Claudio; Swingland, Ian R.. (1995). "Environmental sex determination in reptiles". Applied Animal Behaviour Science 51 (3): 251–265. DOI:10.1016/S0168-1591(96)01108-2.
  67. a b c Cayot, L.J.. Captive management and conservation of amphibians and reptiles. Ithaca: Society for the Study of Amphibians and Reptiles, 1994. 297–305 p. vol. 11. ISBN 0-916984-33-8
  68. Galápagos tortoise Geochelone elephantophus. National Geographic Society. Página visitada em 2012-01-12.
  69. a b Giant tortoises of the Galápagos. American Museum of Natural History. Página visitada em 2012-01-12.
  70. Chambers, Paul. (2004). "The origin of Harriet". New Scientist (2464).
  71. a b Reproduction, breeding, repatriation, and monitoring of tortoises. Galapagos National Park (2009-06-29). Página visitada em 2010-09-04.
  72. Footman, T.. Guinness World Records 2001. [S.l.]: Guinness Records, 2000. p. 182. ISBN 0-85112-102-0
  73. Townsend, Charles Haskins. (1925). "The Galapagos tortoises in their relation to the whaling industry: a study of old logbooks". Zoologica 4: 55–135.
  74. Beck, RH.. (1903). "In the home of the giant tortoise". 7th Annual Report of the New York Zoological Society: 1–17.
  75. MacFarland; Craig G.; Villa, José; Toro, Basilio. (1974). "The Galápagos giant tortoises (Geochelone elephantopus). I. Status of the surviving populations". Biological Conservation 6 (2): 118–133. DOI:10.1016/0006-3207(74)90024-X.
  76. Watkins, Graham; Cruz, Felipe (2007). Galapagos at risk: a socioeconomic analysis. Charles Darwin Foundation.
  77. Ecuador (1970). Ley de Protección de la Fauna Silvestre y de los Recursos Ictiológicos, Registro Oficial No. 104 (1970) Quito, 20 de Noviembre 1970
  78. United States 1969. Endangered Species Conservation Act. 83 Stat. 275; 16 USC 668 cc-1 to 668 cc-6 (1969)
  79. Ecuador (1959). Decreto ley de emergencia, por el cual se declaran parques nacionales de reserva de exclusivo dominio del estado, para la preservación de la fauna y flora, todas las tierras que forman las islas del Archipiélago de Colón o Galápagos, Registro Oficial No. 873 (1959) Quito, 20 de Julio, 1959
  80. Ecuador (1971). Decreto Supremo No. 1306 (1971) Quito, 27 de Agosto 1971
  81. Corley Smith, G.T.. (1977). "The present status of the giant tortoise Geochelone elephantopus on the Galapagos islands". International Zoo Yearbook 17 (1): 109–112. DOI:10.1111/j.1748-1090.1977.tb00877.x.
  82. Pritchard 1996, p. 59
  83. Milinkovitch, Michel C.; Monteyne, Daniel; Gibbs, James P.; Fritts, Thomas H.; Tapia, Washington; Snell, Howard L.; Tiedemann, Ralph; Caccone, Adalgisa; Powell, Jeffrey R.. (2004). "Genetic analysis of a successful repatriation programme: giant Galapagos tortoises". Proceedings of the Royal Society of London B 271 (1537): 341–345. DOI:10.1098/rspb.2003.2607.
  84. a b Carroll, R.. "Galápagos giant tortoise saved from extinction by breeding programme", The Observer, 2010-06-26. Página visitada em 2012-01-11.