Terrence Malick

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Terrence Malick
Malick em 2011.
Nome completo Terrence Frederick Malick
Nascimento 30 de novembro de 1943 (70 anos)
Ottawa, Illinois ou Waco, Texas,
 Estados Unidos
Ocupação Diretor
Roteirista
Produtor
Cônjuge Jill Takes (1970-1976)
Michele Morette (1985-1998)
Alexandra Wallace (1998-presente)
Festival de Cannes
Melhor Diretor
1979 – Days of Heaven
Palma de Ouro
2011 – The Tree of Life
IMDb: (inglês) (português)

Terrence Frederick Malick (30 de novembro de 1943) é um diretor, roteirista e produtor de cinema norte-americano. Com uma carreira de mais de quarenta anos, Malick dirigiu apenas seis filmes.

Muitos críticos de cinema consideram seus filmes obras-primas.[1] [2] Malick já foi indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado, e venceu um Urso de Ouro do Festival de Berlim por The Thin Red Line. Em 2011, seu filme The Tree of Life venceu a Palma de Ouro no Festival de Cannes.

Vida[editar | editar código-fonte]

Terrence Malick nasceu em Ottawa, Illinois[3] [4] [5] ou em Waco, Texas,[6] [7] filho de Emil Malick, um geólogo de ascendência assíria-libanesa cristã, e Irene Malick.[8] Waco foi uma das locações usadas em seu filme The Tree of Life.[9] Malick cursou a St. Stephen's Episcopal School, em Austin, Texas, enquanto sua família vivia em Bartlesville, Oklahoma.[3]

Ele estudou filosofia na Universidade de Harvard, se formando com a maior das honras e Phi Beta Kappa em 1965. Ele então foi para o Magdalen College, Oxford, porém saiu antes de ganhar um doutorado. Em 1969, a Northwestern University Press publicou a tradução de Malick de um dos trabalhos de Martin Heidegger. Voltando para os Estados Unidos, Malick ensinou filosofia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts enquanto no tempo livre trabalhava como jornalista. Ele escreveu artigos para a Newsweek, The New Yorker e LIFE.[7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Malick começou sua carreira em filmes depois de ganhar um MFA do AFI Conservatory em 1969, dirigindo Lanton Mills. Na AFI ele entrou em contato com pessoas como Jack Nicholson e o agente Mike Medavoy, que procurou Malick para trabalhos independentes como revisor de roteiros. Ele é creditado pelo roteiro do filme Pocket Money, e escreveu os primeiros rascunhos de Dirty Harry e Great Balls of Fire!.[10]

Depois de um de seus roteiros, Deadhead Miles, ser considerado pela Paramount Pictures como algo que não poderia lançar, Malick decidiu dirigir seus próprios roteiros.[11] Seu primeiro filme foi Badlands, de 1973, estrelado por Martin Sheen e Sissy Spacek como um jovem casal em uma onda de crimes na década de 50. Depois de uma produção tumultuada, Badlands estreou no Festival de Cinema de Nova Iorque, levando a Warner Bros. a comprar os direitos de distribuição do filme pelo triplo de seu orçamento.[11]

A Paramount produziu o filme seguinte de Malick Days of Heaven, em 1978, sobre um triângulo amoroso que se desenvolve nos campos de plantação do Panhandle do Texas, no início do século XX. O filme passou dois anos em pós-produção, tempo em que Malick e sua equipe experimentaram técnicas não-convencionais de edição e narração.[12] Days of Heaven venceu o Oscar de Melhor Fotografia, assim como o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes de 1979.

Após o lançamento de Days of Heaven, Malick começou a desenvolver um projeto para a Paramount chamado Q, que exploraria as origens da vida na Terra. Durante a pré-produção, ele de repente se mudou para Paris e desapareceu da vida pública.[13] Durante esse tempo, ele escreveu um grande número de roteiros, incluindo The English Speaker, sobre a análise de Josef Breuer sobre Anna O.; adaptações de The Moviegoer, de Walker Percy, e The Desert Rose, de Larry McMurtry;[13] um roteiro sobre Jerry Lee Lewis; uma adaptação de Sanshō Dayũ' que seria dirigida por Andrzej Wajda, além de continuar a trabalhar no roteiro de Q.[14] O trabalho de Malick em Q eventualmente se tornaria a base para seu filme de 2011, The Tree of Life.[15]

Vinte anos depois de Days of Heaven, Malick retornaria a dirigir um filme em 1998 com The Thin Red Line, uma adaptação do livro de mesmo nome escrito por James Jones, reunindo um grande elenco composto por grandes estrelas do cinema. O filme foi indicado para sete Oscars, vencendo o Urso de Ouro em 1999 no Festival de Berlim.

Depois de descobrir sobre o trabalho de Malick em um artigo sobre Che Guevara na década de 1960, Steven Soderbergh deu à Malick a chance de escrever e dirigir um filme sobre Guevara que ele estava desenvolvendo com Benicio del Toro. Malick aceitou e produziu um roteiro focado na mal sucedida tentativa de revolução de Guevara na Bolívia.[16] Depois de um ano e meio, o financiamento ainda não havia sido totalmente garantido, e Malick recebeu a oportunidade de dirigir The New World,[17] um roteiro que ele começou a desenvolver na década de 1970.[18] Consequentemente, ele deixou o projeto de Guevara em 2004.[17] Soderbergh acabou dirigindo Che.

The New World, que apresenta uma interpretação romântica da história de John Smith e Pocahontas, foi lançado em 2005. Mais de 300 km de filme foram gravados, e três cortes de diferentes durações foram lançados. Ele foi indicado ao Oscar de Melhor Fotografia, porém recebeu resenhas geralmente mistas da crítica especializada em seu lançamento,[19] apesar de desde então ter sido apontado por alguns como um dos melhores filmes da década.[20] [21] [22]

O quinto filme de Malick, The Tree of Life, foi filmado em Smithville no Texas e em outras locações, durante o ano de 2008. Estrelado por Brad Pitt e Sean Penn, conta o drama de uma família em múltiplos periodos da história e se foca na reconciliação de um indivíduo com o amor, misericórdia e beleza em coexistência com mortes e sofrimento. Estreou no Festival de Cannes de 2011 vencendo a Palma de Ouro antes de ser lançado nos Estados Unidos, em 27 de maio do mesmo ano. Dois dos produtores do filme, Bill Pohlad e Sarah Green, aceitaram o prêmio em nome do reclusivo Malick.[23] O presidente do júri de Cannes, Robert De Niro, explicou que a escolha de The Tree of Life foi difícil, porém "Tinha o tamanho, a importância, a intenção, o que quer que você fale, parecia se adequar ao prêmio".[24]

Seu sexto filme, To the Wonder, foi filmado em Bartlesville e Pawhuska, Oklahoma, e na França no final de 2010 e início de 2011.[25] [26] Estrelado por Ben Affleck, Olga Kurylenko, Rachel McAdams e Javier Bardem, o filme foi descrito como "uma exploração do amor em suas muitas formas".[27] Ele teve sua estreia no Festival de Veneza de 2012.[28]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Malick é famoso por aparecer muito pouco na mídia.[29] Seus contratos estipulam que sua imagem não deve ser usada para fins promocionais, e ele frequentemente recusa pedidos para entrevistas.[13]

Ele já se casou três vezes. Sua primeira esposa foi Jill Takes, de 1970 a 1976. A segunda foi Michelle Morette, de 1985 até 1998. Sua atual esposa é Alexandra Wallace, tendo se casado em 1998. Os dois vivem em Austin, Texas.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ebert, Roger (15 de outubro de 1973). Badlands. RogerEbert.SunTimes.com. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  2. Ebert, Roger (7 de dezembro de 1997). Days of Heaven. RogerEbert.SunTimes.com. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  3. a b Solomons, Jason (3 de julho de 2011). Terrence Malick: The return of cinema's invisible man. The Guardian. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  4. Robey, Tim (9 de abril de 2011). Terrence Malick: Hollywood’s poet returns. The Telegraph. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  5. Walsh, David (23 de janeiro de 1999). A horrible state of war. World Socialist Web Site. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  6. Terrence Malick. The New York Times. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  7. a b Bowles, Scott (15 de dezembro de 2005). The Terrence Malick file. USA Today. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  8. Michaels, Lloyd. Terrence Malick. [S.l.]: University of Illinois Press, 2008. p. 14. ISBN 0-252-07575-7
  9. Hoover, Carl (9 de setembro de 2010). Waco native Terrence Malick's 'Tree of Life' set for 2011 debut. Waco Tribune. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  10. B., Scott (19 de fevereiro de 2002). Featured Filmmaker: Terrence Malick. IGN. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  11. a b Stafford, Jeff (2008). Badlands. TCM. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  12. Biskind, Peter. Easy Riders, Raging Bulls: How the Sex-Drugs-and-Rock 'N' Roll Generation Saved Hollywood. Nova York: Simon & Schuster, 1999. 296-297 p. ISBN 0-684-85708-1
  13. a b c Biskind, Peter (agosto de 1999). The Runaway Genius. Vanity Fair. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  14. Gillis, Joe. (dezembro de 1995). "Waiting for Godot". Los Angeles.
  15. Uhlich, Keith (24 de maio de 2011). The Tree of Life. Time Out New York. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  16. Taubin, Amy (setembro/outubro de 2008). GUERRILLA FILMMAKING ON A EPIC SCALE. Film Society of Lincoln Center. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  17. a b Tartaglione, Nancy (10 de amrço de 2004). Malick's Che decision deals morale-denting blow to indie sector. Screen Daily. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  18. Sterritt, David (2006). Film, Philosophy, and Terrence Malick. Undercurrent. FIPRESCI. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  19. The New World (2005). Rotten Tomatoes. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  20. Reichert, Jeff. Best of the Decade #2: The New World. Reverse Shot. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  21. The TONY top 50 movies of the decade. Time Out New York (25 de novembro de 2009). Página visitada em 28 de julho de 2011.
  22. LaSalle, Mick (1 de janeiro de 2010). Top films of the decade. San Francisco Chronicle. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  23. Shoard, Catherine (22 de maio de 2011). Cannes 2011: live blog - the awards. The Guardian. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  24. Gritten, David (23 de maio de 2011). Cannes 2011: 'The Tree of Life' demands to be seen and experienced. The Telegraph. Página visitada em 28 de julho de 2011.
  25. Malick Movie Confirmed for Oklahoma, Shooting Begins. Rockville Music Magazine. Página visitada em 21 de janeiro de 2013.
  26. Polacca, Benny (19 de outubro de 2010). Untitled film starring Ben Affleck shot in downtown Pawhuska. Osage News. Página visitada em 21 de janeiro de 2013.
  27. Wells, Jeffrey (19 de agosto de 2012). Wonder Based On Malick's Romantic Past. Página visitada em 21 de janeiro de 2013.
  28. 2 September. La Biennale di Venezia. Página visitada em 21 de janeiro de 2013.
  29. Rosy-Fingered Dawn - Terrence Malick. Sky Arts. Página visitada em 28 de julho de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]