The Strokes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
The Strokes
The Strokes in concert.jpg
The Strokes em concerto, 2006
Informação geral
Origem Nova Iorque, Nova Iorque
País  Estados Unidos
Gênero(s) Indie rock, rock alternativo, post-punk revival, rock de garagem[1]
Período em atividade 1998 - atualmente
Gravadora(s) RCA, Rough Trade, Sony Music
Página oficial Site oficial
Integrantes
Julian Casablancas
Albert Hammond Jr
Nick Valensi
Nikolai Fraiture
Fabrizio Moretti

The Strokes é uma banda de indie rock dos Estados Unidos formada em 1998 na cidade de Nova Iorque. A banda é formada pelos membros: Julian Casablancas (vocal), Albert Hammond Jr (guitarra), Nick Valensi (guitarra), Nikolai Fraiture (baixo) e Fabrizio Moretti (bateria e percussão).[1]

História[editar | editar código-fonte]

O baixista Nikolai Fraiture e o vocalista Julian Casablancas (filho do empresário John Casablancas) são amigos desde a infância. O guitarrista Nick Valensi e o baterista Fabrizio Moretti começaram a tocar juntos quando ambos estudavam na Escola Dwight em Manhattan. Mais tarde, Casablancas foi mandado para o Instituto Le Rosey, uma tradicional escola na Suíça, com intuito de melhorar seu comportamento; ele havia desenvolvido problemas alcoólicos. Lá, conheceu Albert Hammond Jr., ambos americanos, apesar de não serem muito amigos. Anos mais tarde, Casablancas se encontrou sem querer com Hammond Jr. nas ruas de Nova Iorque.

The Modern Age (1998-2001)[editar | editar código-fonte]

The Modern Age (EP) foi lançado em 2001 e acarretou numa guerra de interesses entre gravadoras pela maior banda de rock and roll em anos. Posteriormente, foram bastante divulgados, causando uma divisão entre os seguidores do rock e revistas independentes: procurava-se saber se eles eram realmente os salvadores do rock ou um punhado de jovens ricos com nomes legais e cópia do Velvet Underground. As duas bandas eram bastante parecidas tanto pelo estilo vocal de Casablancas, similar a de Lou Reed, quanto pela alternância entre Hammond e Nick Valensi como guitarrista principal, o que lembra Lou Reed e Sterling Morrison.

Is This It (2001-2002)[editar | editar código-fonte]

O primeiro disco da banda, Is This It, é uma das referências do rock de garagem do início da década de 2000. A faixa "NY City Cops" não fez parte do álbum lançado nos Estados Unidos por conta dos ataques de 11 de Setembro de 2001. Posteriormente, Slash (Guns N' Roses) tocou a canção com a banda. A relação com o Guns continuou no vídeo musical de "Someday", que mostra rapidamente Duff, Slash e Matt. O vídeo começa com Duff conversando com o vocalista Casablancas e todo o Strokes sentado na mesa de um bar conversando com Slash. Para o vídeo musical de "Last Nite", os Strokes fizeram uma apresentação única, sem dublagem e tocando, aparentemente ao vivo, num programa de auditório de estilo anos 1960. Apesar de, eventualmente, terem lançado vídeos, a banda assinou com a RCA justamente porque foi a única gravadora que respeitou a decisão da banda de não fazer um vídeo musical. Apesar de não se importarem em tocar ao vivo diante de câmeras de televisão, eles se opunham em gravar um vídeo.

Em novembro de 2009, o Is This It foi eleito o melhor disco da década de 2000 segundo a revista NME.[carece de fontes?]

Room on Fire (2002-2005)[editar | editar código-fonte]

The Strokes lançaram o seu segundo álbum, Room on Fire, em Outubro de 2003. Recebeu elogios porém foi menos bem sucedido, mesmo sendo ouro nos Estados Unidos, comercialmente falando. O som do álbum tem influencias de bandas como: The Cars, The Ramones e Blondie.

First Impressions Of Earth e parada extensiva (2006-2009)[editar | editar código-fonte]

Seu terceiro álbum, First Impressions of Earth, foi lançado em Janeiro de 2006. No Japão, recebeu disco de ouro na primeira semana de lançamento. Foi também o álbum mais baixado durante duas semanas no iTunes. Fraiture alegou que o álbum foi "como uma descoberta científica." Em Janeiro de 2006, a banda então fez sua segunda aparição no Saturday Night Live, cantando "Juicebox" e "You Only Live Once".

Angles (2009-2011)[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2009, o vocalista Julian Casablancas e o guitarrista Nick Valensi começaram a escrever material para o 4º álbum da banda, a intenção era começarem a gravar em fevereiro. Julian comentou na revista Rolling Stone que eles tinham completado cerca de 3 músicas e que o som parecia uma mistura entre rock dos anos 70 e "música do futuro".

No dia 31 de março, a banda declarou em seu MySpace: "Depois de um longo e necessário período de hibernação em que vimos muitos outros projetos musicais surgirem, estamos satisfeitos em anunciar que o The Strokes voltou a todo vapor em sua área em Nova York, compondo e ensaiando novo material para um novo 4º álbum". O disco, intitulado Angles foi lançado oficialmente dia 22 de março de 2011, apesar de várias músicas pudessem ser encontradas na internet antes dessa data. O lançamento dividiu os fãs da banda, já que muitos atestavam que as músicas não se pareciam com os outros cds da banda.[carece de fontes?] Foi, porém, um sucesso de crítica.

O primeiro single do novo álbum, "Under Cover of Darkness" foi lançado em 09 de fevereiro de 2011.[2]

Comedown Machine (2011-presente)[editar | editar código-fonte]

Em meados de março de 2011, em uma entrevista a Shortlist Magazine, Strokes revelou que já tinha começado a trabalhar em seu quinto álbum de estúdio. No entanto, as sessões foram adiadas devido ao processo de mixagem de Angles. Julian Casablancas, Nick Valensi confirmaram que há material novo, bem como a abundância de restos de material.

Em 25 de abril, o baixista Nikolai Fraiture postou um tweet anunciando que a banda estava indo para o estúdio para trabalhar em algumas ideias novas.

Em entrevista à TV Fuse, o guitarrista Albert Hammond Jr. afirmou que a banda estava trabalhando no quinto álbum de estúdio em Los Angeles.

Em 25 de janeiro de 2013, a música "One Way Trigger" foi publicada no site oficial da banda.[3] Em 30 de janeiro, foi anunciado o nome do quinto álbum, Comedown Machine.[4] No dia 13 de fevereiro, a segunda música do álbum, a canção "All the time", foi publicada no site oficial e no facebook da banda.

O álbum foi oficialmente lançado em 23 de março de 2013 e foi bem recebido pela crítica.[5] [6]

Membros[editar | editar código-fonte]

Estilo de som e influência[editar | editar código-fonte]

O som feito pela banda são diversas a partir de cada disco. Enquanto em Is This It a banda mostra um som mais abafado, com traços de rock de garagem, apesar de extremamente melódico. No segundo álbum Room on Fire a banda mostra uma sonoridade mais acelerada em algumas músicas, mantendo melodias constantes. Em First Impressions of Earth a banda começa a experimentar com outros estilos de rock, diferenciando totalmente as ideias lo-fi dos álbuns anteriores, aderindo ao Indie, de uma maneira em que o álbum não possui um estilo musical constante em todas as faixas. Já em Angles, há pequenos traços da música new age junto com o Indie, fazendo com que o álbum também não tenha estilo definido, por ser uma soma de opostos, o new age, que é um estilo musical antigo, com o Indie, que já por sua vez é bem recente.

A banda tem como grande influência bandas como Velvet Underground, Television, Buzzcocks, Pearl Jam, The Beatles e principalmente Ramones. A maneira de cantar de Julian é muito comparado com a de Lou Reed, do Velvet Underground. Muitas bandas foram influenciadas pelo som dos dois primeiros álbuns da banda. Alguns exemplos são Arctic Monkeys, The Kooks e The Cribs.

Foram elogiados por Noel Gallagher (Oasis) e Brandon Flowers (The Killers). Este se considera um fã incondicional dos Strokes: algumas das famosas canções do The Killers, Brandon utiliza o mesmo efeito da voz de Julian Casablancas. Quando o The Killers começou através de anúncios de jornais feitos pelo guitarrista Dave Keuning, citavam os Strokes como influência clara.

Ao contrário de muitas bandas, mas seguindo a tradição do Television, ambos os guitarristas dos Strokes tocam tanto guitarra ritmo como solo. Por exemplo, o solo de "You Talk Way Too Much" é tocado por Nick Valensi, ao passo que em Last Nite quem sola é Albert. Em algumas canções como "Reptilia" Albert executa o riff enquanto Nick Valensi sola. Embora toquem guitarras diferentes (Nick usa uma Epiphone Riviera assinada por ele e Albert usa uma Fender Stratocaster) a configuração das guitarras é similar, usando os mesmos modelos de amplificador e pedal de distorção.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b The Strokes Biography, Allmusic.
  2. http://www.nme.com/news/the-strokes/54874
  3. NME (25 de janeiro de 2013). The Strokes unveil new song 'One Way Trigger' – listen. 25 de janeiro de 2013. Página visitada em 25 de janeiro de 2013.
  4. NME (30 de janeiro de 2013). The Strokes confirm March release of new album 'Comedown Machine'. 30 de janeiro de 2013. Página visitada em 30 de janeiro de 2013.
  5. The Strokes' new album Comedown Machine released 25 March 2013
  6. Comedown Machine - The Strokes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]