Arctic Monkeys

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2012).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Arctic Monkeys
Arctic Monkeys - Orange Stage - Roskilde Festival 2014.jpg
Arctic Monkeys em 2014.
Informação geral
Origem Sheffield, Inglaterra
País  Reino Unido
Gênero(s) Indie rock
Rock alternativo
Post-punk revival
Rock de garagem
Período em atividade 2002 - atualmente
Gravadora(s) Reino Unido Domino
Estados Unidos Warner
Afiliação(ões) The Last Shadow Puppets
Mongrel
Reverend and the Makers
The Dodgems
The Rascals
Página oficial www.arcticmonkeys.com
Integrantes Alex Turner
Jamie Cook
Nick O'Malley
Matt Helders
Ex-integrantes Andy Nicholson
Glynn Jones
A banda se apresentando em 17 de setembro de 2007.

Arctic Monkeys é uma banda britânica de rock formada em 2002 nos subúrbios da cidade de Sheffield, na Inglaterra.

A banda é geralmente considerada parte da cena indie rock[1] assim como as bandas contemporâneas The Libertines, The Futureheads e Franz Ferdinand. Atingiram o sucesso através de fitas demo e compartilhamento de arquivos.[2] Os Arctic Monkeys alcançaram o sucesso com seu segundo single, "I Bet You Look Good on the Dancefloor", que alcançou o número um no UK Singles Chart.[3] Seu álbum de estréia Whatever People Say I Am, That's What I'm Not, lançado em janeiro de 2006, tornou-se o álbum de estreia vendido mais rápido na história da música britânica, ultrapassando Definitely Maybe do Oasis e continua a ser o álbum de estréia mais rapidamente vendido de uma banda no Reino Unido.[4] e tendo recebido elogios da crítica, vencendo o Mercury Prize 2006 [5] , o Brit Award for Best British Album em 2007 e eleito pela NME o 5º melhor álbum da música britânica. Ele também foi nomeado para o Grammy de Melhor Álbum de Música Alternativa. O segundo álbum da banda, Favourite Worst Nightmare, foi lançado em 23 de abril de 2007, vendeu mais de 225.000 cópias em sua primeira semana, e foi nomeado para o Mercury Prize 2007. O grupo também recebeu o prêmio de Melhor Álbum Britânico e Melhor Grupo Britânico, no Brit Awards 2008. Seu terceiro álbum, Humbug, foi lançado em 24 de agosto de 2009. Suck It and See é o quarto álbum da banda e foi lançado no dia 6 de junho de 2011. Em 24 de junho de 2013, o Arctic Monkeys anunciou o lançamento de seu quinto álbum de estúdio, AM, para 9 de setembro de 2013.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Após ganharem suas guitarras no natal de 2001, os vizinhos Alex Turner e Jamie Cook montaram uma banda com seus amigos da escola, Andy Nicholson, que tocava baixo, e Matt Helders, que se tornou o baterista.

Sob o nome "Bang Bang", eles tocavam covers de bandas como Led Zeppelin e cantavam com sotaque de Sheffield. Após Alex assumir o vocal e a tarefa de escrever canções (ele na verdade já tinha algumas), eles mudaram o nome da banda para "Arctic Monkeys", tirado de um grupo do qual o pai do baterista Matt Helders fez parte nos anos 70. Segundo Turner, o nome foi passado de geração em geração, como uma receita.[7]

Após alguns dos primeiros concertos, em 2003, eles começaram a gravar CD demos e distribuí-los para o público. Como a oferta era limitada, os fãs copiaram as canções e as disponibilizaram pela Internet. Até um perfil da banda no site MySpace foi criado, tudo sem que os próprios membros estivessem cientes. Graças a essa divulgação viral pela grande rede, logo não apenas os amigos, mas centenas de pessoas cantavam todas as letras nos concertos.

Em 2004, sua popularidade chamou a atenção da BBC Radio One e da imprensa britânica. Mark Bull, um fotógrafo amador local filmou uma apresentação ao vivo e fez o videoclipe para "Fake Tales Of San Francisco", lançando-o no seu site, juntamente com a coletânea Beneath The Boardwalk.

Em maio de 2005 a banda lançou seu primeiro EP, Five Minutes with Arctic Monkeys, com apenas 1500 cópias em CD e 2000 em Vinyl de 7", mas também disponível na iTunes Music Store. Em junho assinaram contrato com a Domino Records e logo depois, tocaram no Carling Stage, palco dos festivais de Reading e Leeds reservado para bandas menos conhecidas.

Em outubro, o primeiro lançamento pela Domino, "I Bet You Look Good on the Dancefloor", foi direto para o primeiro lugar nas vendas de compacto simples do Reino Unido, com 38.962 cópias. No mesmo mês, estamparam sua primeira capa da revista New Musical Express.

O segundo compacto simples, "When The Sun Goes Down", saiu em 6 de janeiro de 2006 e vendeu 38.922 cópias, novamente alcançando o topo das vendas.

Mesmo com o vazamento na Internet e o intenso compartilhamento de arquivos, o álbum de estréia Whatever People Say I Am, That's What I'm Not, lançado em 2006, alcançou cifras recordes de venda. As 120 mil cópias no Reino Unido só no primeiro dia ultrapassavam a soma de todos os outros álbuns do "top 20" do país nessa data, e a primeira semana foi fechada como 363.735 cópias.

Sem deixar a poeira baixar, em abril de 2006 lançaram um EP com cinco faixas, Who the Fuck Are Arctic Monkeys?. Apesar das altas vendas, o linguajar sujo das canções resultou em baixas execuções no rádio, o que não incomodou a banda. Logo após o lançamento do EP, a banda apresentou um novo baixista, Nick O'Malley. Incialmente, Nick apenas substituiria Andy na turnê pelos Estados Unidos, mas depois foi anunciado que ele tinha deixado a banda em definitivo.

A banda em concerto, 2006.

Em agosto, lançaram "Leave Before The Lights Come On", o primeiro compacto simples a não alcançar o primeiro lugar de vendas. Pouco depois, o álbum Whatever People Say I Am, That's What I'm Not ganhou o Mercury Music Prize,[8] deixando para trás álbuns como The Eraser de Thom Yorke, The Back Room dos Editors e Black Holes and Revelations dos Muse.

Em abril de 2007 lançaram o seu segundo álbum, Favourite Worst Nightmare, o qual no dia 29 do mesmo mês já apareceu na primeira posição nas paradas britânicas. Deste álbum surgiram três singles, "Brianstorm", lançado em abril, "Fluorescent Adolescent", em julho e "Teddy Picker" em dezembro, encerrando a digressão do álbum.

Em 2008, Alex Turner, o compositor e também vocalista da banda teve seu "caderninho" de músicas roubado, o que atrasou o inicio das gravações do terceiro álbum da banda. O vocalista conta que ao tentar lembrar das letras das músicas roubadas, ele acabava criando composições completamente novas, o que segundo o proprio, resultou em um trabalho único. No final do ano de 2008, já com alguns riffs de guitarra e as canções prontas, o grupo iniciou as gravações do terceiro álbum. Contando com a produção de James Ford, que já havia trabalhado com Alex em The Age of the Understatement do The Last Shadow Puppets e de Josh Homme, muito procurado para produzir trabalhos de diversas bandas e também vocalista do Queens of The Stone Age, a banda gravou Humbug que foi lançado em 19 de agosto de 2009 no Japão, 21 de agosto no Brasil, Irlanda, Australia e Alemanha, dia 24 no Reino Unido e dia 25 nos Estados Unidos. Em 6 de junho de 2011 a banda lançou seu quarto álbum de estúdio intitulado Suck It and See, que vendeu mais de 100 mil cópias no Reino Unido.

Em 26 de fevereiro de 2012, em meio a rumores da gravação de um novo álbum, a banda lançou uma nova canção intitulada "R U Mine?" e em 18 de abril lançaram seu b-side, "Electricity".

Ainda em 2012, a banda foi convidada pelo duo americano The Black Keys para abrir os shows da turnê do álbum El Camino nos Estados Unidos.[9]

Em 28 de julho, o Arctic Monkeys tocou na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres de 2012,[10] e desde então seu cover da música "Come Together", dos Beatles, disparou nas paradas britânicas, bem como seu álbum de estréia, Whatever People Say I Am, That's What I'm Not, atingindo o topo de vendas seis anos após seu lançamento.[11] [12]

Em 9 de setembro de 2013, o álbum intitulado AM foi lançado. O primeiro single deste disco foi a canção "Do I Wanna Know?", lançada em 18 de junho do mesmo ano.[13]

Em 19 de Fevereiro de 2014, o Arctic Monkeys ficou com os prêmios de melhor grupo e melhor disco do ano, com o AM, no Brit Awards.[14]

Influências[editar | editar código-fonte]

A banda cita como influência conjuntos como Oasis, The Strokes e Queens of the Stone Age. Em entrevista para a Pitchfork, Alex Turner diz ter impersonado o Oasis em apresentações na escola, juntamente com Matt Helders. "Matt e alguns amigos colocaram (What's the Story) Morning Glory? e nós 'tocamos' com raquetes de tênis, fingindo ser o Oasis." Ainda sobre o Oasis, Turner diz que "com eles, é a atitude, como se resistissem contra todas as outras coisas que acontecem no mundo da música. Não sei se dá pra entender isso completamente... é como um impulso, certo? Principalmente quando se é tão jovem, você não raciocina, apenas pensa "isso é demais".[15]

Sobre os Strokes, Turner afirma que a banda o fez mudar completamente sua perspectiva das coisas, e foi responsável por introduzi-los a vários outros artistas.[16] O Arctic Monkeys também fazia muitos covers dos Strokes durante o início de sua carreira.

Helders aponta o Queens of the Stone Age como a maior influência no seu desenvolvimento como baterista, dizendo: "A coisa que mais me marcou foi assistir ao Queens of the Stone Age em um festival... assim que eles saíram do palco, pensei: 'preciso começar a tocar mais pesado'."[17]

Além dessas bandas, o Arctic Monkeys também cita como forte influência o rap e o hip hop. "Ganhei minha guitarra quando tinha 15 anos, mas eu não escutava muito rock na época. Tenho certeza que havia ótimas bandas, mas elas não chegavam até o nosso pequeno bairro a 20 minutos do centro de Sheffield. Nós gostávamos muito de ouvir Hip Hop", diz Turner.[15] Matt Helders afirmou que o rap ainda o influencia na bateria,[18] e também inspirou bastante Alex Turner liricamente em suas composições.

Outra grande influência que Turner cita para as letras da banda é o poeta inglês John Cooper Clarke, que o inspirou a compor sobre situações de seu cotidiano através de descrições detalhadas, algo muito presente nas letras do Arctic Monkeys.[7] O poema de Clarke "Out of Control Fairground" foi impresso dentro do single Fluorescent Adolescent do Arctic Monkeys, lançado em 9 de julho de 2007, e foi escrito especialmente para o lançamento, tendo como inspiração a personagem da música. O clipe do single, que retrata uma briga entre palhaços, foi baseado no poema.[19] [20] [21] Em 2013, o Arctic Monkeys incluiu em seu álbum AM o poema “I Wanna Be Yours” de Clarke, faixa que encerra seu quinto álbum de estúdio.[6]

Membros[editar | editar código-fonte]

Formação atual
Antigos membros
  • Andy Nicholson – baixo (2002–2006)
  • Glyn Jones – vocal, guitarra rítmica (2002)
Membros de turnê
  • John Ashton – teclados, guitarra, vocal de apoio (2009–2011)
  • Ben "Goldfingers" Parsons – teclados (2011–presente)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

Referências

  1. "Monkeys let music do the talking", BBC News, 24 de fevereiro de 2006.(em inglês)
  2. "Review: Arctic Monkeys". Matt Dyson, BBC. 5 de junho de 2006.(em inglês)
  3. "Arctic Monkeys make chart history", BBC News Online, 29 January 2006. Página visitada em 5 June 2006.
  4. Susan Boyle beats Leona Lewis, Arctic Monkeys to 'biggest first week sales for UK debut album' title. NME (29 November 2009). Página visitada em 30 November 2009.
  5. "Arctic Monkeys win Mercury Prize", BBC News, 6 September 2006. Página visitada em 2009-07-21.
  6. a b "Arctic Monkeys release their fifth album, entitled 'AM', on Monday 9th September 2013". Página acessada em 24 de junho de 2013.
  7. a b http://www.guardian.co.uk/music/2005/sep/30/popandrock.arcticmonkeys?CMP=twt_gu
  8. "Arctic Monkeys win Mercury Prize", BBC News, 6 de setembro de 2006.(em inglês)
  9. http://rockline.mtv.uol.com.br/turne-conjunta-do-black-keys-com-o-arctic-monkeys-ganha-novas-datas
  10. Arctic Monkeys play London 2012 Olympics opening ceremony. NME. Página visitada em 28 de julho de 2012.
  11. Arctic Monkeys Climb iTunes Chart After Olympics Opening Ceremony
  12. Arctic Monkeys' Olympic cover of The Beatles' 'Come Together' climbs download charts
  13. Arctic Monkeys announce new album 'AM'. Página acessada em 24 de junho de 2013.
  14. "Arctic Monkeys e One Direction são maiores vencedores do Brit Awards ". Página acessada em 9 de março de 2014.
  15. a b http://pitchfork.com/features/5-10-15-20/8832-alex-turner/
  16. http://stereogum.com/715661/progress-report-arctic-monkeys/franchises/progress-report/
  17. Usinger, Mike. "Arctic Monkeys' Nightmare lives up to the hype", straight.com. Página visitada em 4 de maio de 2007.
  18. "Bring on the backlash", The Village Voice, 8 de junho de 2006.
  19. http://www.nme.com/news/arctic-monkeys/29463
  20. "Arctics go for poetry". Retrieved on 20 August 2007.
  21. "Lyrical Genius". Alex Turner also has "John Cooper Clarke" tattooed on his arm.< Retrieved on 20 August 2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arctic Monkeys