Videoclipe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Vídeo musical)
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Videoclipe (português brasileiro) ou teledisco (português europeu) [1] é um filme curto e em suporte eletrônico (analógico ou digital). Devido à preponderância quase total dos vídeos musicais e publicitários na produção mundial de vídeos curtos, e porque os vídeos publicitários têm uma designação própria, durante algum tempo "videoclipe" foi quase sinónimo de vídeo musical, mas com o advento da internet de banda larga e a difusão de ficheiros de vídeo através dela, a palavra tem vindo a regressar ao seu sentido original.

Nos dias atuais, os estudiosos do "videoclipe musical", já identificam como o começo desse tipo de vídeo na década de 1950, como as cenas de Gene Kelly em Cantando na Chuva de 1952 e Elvis Presley em Jailhouse Rock de 1957.

História[editar | editar código-fonte]

O videoclipe tem antecedentes diretos no cinema de vanguarda dos anos 1920, como as experimentações de Dziga Vertov e Walther Ruttmann. Já naquela época, estes cineastas tentavam articular montagem, música e efeitos para criar um novo tipo de narrativa, própria do meio audiovisual e livre dos cânones de até então na literatura e no teatro, como a linearidade. Suas respectivas obras-primas O Homem com a Câmera e Berlim: Sinfonia da Metrópole, guardam muitas semelhanças com a estética do videoclipe atual.

Um dos primeiros videoclipes que se tem notícia é o da música Jailhouse Rock do cantor Elvis Presley. O videoclipe começou a ser amplamente utilizado a partir da anos 1960, pela banda The Beatles, pois não podiam ir a todos os lugares para que se apresentassem ao vivo, daí gravavam-nos cantando e então passavam a ser exibidos na televisão. Mais tarde, os vídeos da banda começaram a já tomar forma similar aos de hoje.

O advento do videotape (fita de vídeo), nos anos 1970, e do videocassete doméstico (aparelho reprodutor de vídeo), nos anos 1980, permitiram reproduzir a experiência cinematográfica (até então coletiva, feita dentro de salas de exibição para centenas de pessoas) de forma íntima, privativa, residencial. Com isso, os produtores passaram aproximar a forma dos filmes às linguagens da televisão.

Elementos e aspectos[editar | editar código-fonte]

Os elementos básicos constituintes do videoclipe são a música, a letra e a imagem, que, manipulados, interagem para provocar a produção de sentido.

Os aspectos (características) de como estes elementos são construídos incluem a montagem, o ritmo, os efeitos especiais (visuais e sonoros), a iconografia, os grafismos, e os movimentos de câmera, entre outros.

A montagem é o processo de justaposição de imagens diferentes filmadas separadamente. A mudança de uma imagem para outra é chamada de "corte", e cada intervalo entre um corte e outro recebe o nome de "plano". Na montagem de videoclipes, este intervalo costuma ser muito curto.

A iconografia diz respeito à origem das imagens usadas como referência cultural, ao repertório visual utilizado no clipe. Muitos videoclipes fazem referências a figuras de outras expressões culturais, como a literatura, o teatro, as artes plásticas e o cinema, entre outros. Às vezes esse tipo de referência é feito sob a forma de paródia ou pastiche.

O grafismo é a introdução de elementos gráficos, como tipografia (letras e algarismos), desenhos, animações e formas geométricas, ou quaisquer elementos não-filmados, na imagem final.

Estética videoclipe[editar | editar código-fonte]

Os vídeos musicais da indústria cultural contemporânea desenvolveram, principalmente a partir dos anos 80 do século XX, uma estética e uma linguagem próprias, chamadas de Estética Videoclipe. Essa forma é, geralmente, caracterizada por uma montagem fragmentada e acelerada, com planos (imagens) curtos, justapostos e misturados, narrativa não-linear, multiplicidade visual, riqueza de referências culturais e forte carga emocional nas imagens apresentadas.

Um exemplo forte desta nova estética é o videoclipe da canção Bizarre Love Triangle, da banda inglesa New Order, que entremeia imagens em movimento e estáticas de cenas urbanas (luzes néon e de postes, automóveis, pessoas caminhando nas ruas, em aeroportos e em pontes sobre o Tâmisa) com situações oníricas: pessoas engravatadas em queda livre contra um céu azul ao fundo.

Além dos clipes musicais propriamente ditos, o termo "Estética Videoclipe" se estende também para certos tipo de produções audiovisuais que seguem valores da televisão musical, ilustrativa e sincronizada com sucessos da música pop. A mídia canônica desta vanguarda é a MTV (Music Television), canal de televisão por assinatura internacional lançado nos Estados Unidos em 1981 e que, por suas produções próprias e pela seleção de vídeos que fazia, disseminou e consolidou novos gostos para as gerações seguintes. Por este motivo, determinados autores, como o marxista estadunidense Fredric Jameson, também se referem ao fenômeno como "Estética MTV".

Esta estética está intimamente ligada aos valores e às ideologias do fenômeno cultural conhecido como pós-modernidade.

A pesquisadora Juliana Zucolotto (2002) relaciona a velocidade e a multiplicidade imagética da “Estética Videoclipe” ao ritmo próprio das culturas urbanas contemporâneas, justificando o advento da linguagem visual como linguagem cosmopolita pela “necessidade de uma representação de fácil e rápida assimilação com alto nível de abrangência e grande poder de sedução pelos estímulos que produz”[2] .

Influência em outras mídias[editar | editar código-fonte]

A estética videoclipe influenciou outras manifestações audiovisuais, como a produção de TV, Cinema e videoarte. Vários diretores de videoclipes viraram diretores de cinema e TV. Um dos primeiros foi o inglês Derek Jarman, que fez clipes para os Pet Shop Boys, os Smiths e Marianne Faithfull, entre outros, realizou filmes inovadores na década de 1980.

Mais recentemente, dos final dos anos 1990 em diante, diversos diretores de clipes musicais têm se tornado cineastas e realizado filmes que inspiram inovações de forma e linguagem na indústria cinematográfica. Nos Estados Unidos, tais diretores criaram uma nova safra do cinema independente norte-americano. Alguns destes são Spike Jonze, Michel Gondry, Mike Mills, David Fincher, Mark Romanek, Wes Anderson, Jonas Åkerlund, Roman Coppola e McG, entre outros.

Outras produções que têm chamado a atenção por causa das novas formas com que tratam a imagem cinematográfica e a aplicação da "estética videoclipe" à construção fílmica são, ainda, "Corra, Lola, Corra" (Lola Rennt), "Clube da Luta" (Fight Club), "Europa" (Europa), "Amores Brutos" (Amores Perros), "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain" (Amélie Poulain) e "Cidade de Deus" (idem). Há, entre eles, muitas distinções, porém um fato em comum: trazem uma nova plasticidade imagética, como montagem acelerada e grafismos.

A estética videoclipe também exerceu forte influência sobre o mercado publicitário, levando os profissionais de propaganda a buscar anúncios cada vez mais impactantes e sintonizados com tendências estéticas mais recentes quanto possível.

Há, ainda, influência considerável do videoclipe dos (e nos) jogos eletrônicos (videogames).

Lyric video[editar | editar código-fonte]

Os lyric videos são vídeos utilizados pelos artistas como forma de divulgação de uma música. Ele possui a letra da canção. O primeiro vídeo deste tipo foi lançado em 1987, da música "Sign o' the Times".[3] [4]

Notas

  1. Produto cinematográfico que ilustra uma peça de música para a sua teledifusão audiovisual.
  2. ZUCOLOTTO, Juliana. “O Paradigma da Imagem”, in: Semiosfera, nº 3, Rio de Janeiro: ECO/UFRJ, 2002.
  3. Keazor, Henry; Wübbena, Thorsten. In: Henry. Rewind, Play, Fast Forward: The Past, Present and Future of the Music Video. [S.l.]: transcript Verlag, 2010. p. 20. ISBN 383761185X.
  4. Buckley, David. R.E.M. | Fiction: An Alternative Biography. [S.l.]: Random House, 2012. p. 146. ISBN 1448132460.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]