Turn! Turn! Turn!

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Turn! Turn! Turn!"
Single de The Byrds
do álbum Turn! Turn! Turn!
Lado B "She Don't Care About Time"
Lançamento 29 de outubro de 1965
Gravação 1, 10, 14, 15 e 16 de setembro de 1965, no Columbia Studios, em Hollywood, Califórnia
Gênero(s) Folk rock
Duração 3:49
Gravadora(s) Columbia Records
Composição Pete Seeger
Letrista(s) Eclesiastes
Produção Terry Melcher
Cronologia de singles de The Byrds
Último
Último
"All I Really Want to Do"
(1965)
"Set You Free This Time"
(1966)
Próximo
Próximo

"Turn! Turn! Turn! (to Everything There is a Season)" é uma canção de música folk composta pelo músico estadunidense Pete Seeger em 1959. Sua letra é quase toda retirada do Livro de Eclesiastes da Bíblia. Seeger só gravou a canção em 1962, no álbum The Bitter and The Sweet, lançado pela Columbia Records.

Letra[editar | editar código-fonte]

A letra da canção, com exceção do último verso, é retirada palavra por palavra do terceiro capítulo do Livro de Eclesiastes da Versão do Rei James da Bíblia (1611). Eclesiastes é tradicionalmente designado como sendo o Rei Salomão e, por um tempo, seu livro foi proibido pelos rabinos, que o consideravam demasiadamente cínico e depressivo. Os versos da canção, retirados do terceiro capítulo do livro, são os seguintes[1] :

Eclesiastes

A passagem bíblica postula a existência de um tempo e um local para todas as coisas. Os versos estão abertos a uma possibilidade infinita de interpretações, mas na canção são interpretados como base para a paz mundial, como demonstra o verso final: "tempo de paz, juro que não é tarde demais". Esta frase e o título da canção são as únicas partes da letra escritas pelo próprio Seeger.

A letra original da canção esteve entre os documentos doados pelo Partido Comunista dos Estados Unidos da América à Universidade de Nova Iorque em março de 2007.[2] Cerca de 45% dos royalties da canção foram doados ao Comitê Israelense contra Demolição de Casas Palestinas, pois, de acordo com Seeger, ele também escreveu seis palavras, em adição à melodia da canção.[3]

Primeiras versões[editar | editar código-fonte]

A primeira versão da canção foi gravada apenas alguns meses após a original pela banda de folk The Limeliters, sob o tíulo "To Everything There Is a Season" no álbum Folk Matinee, lançado pela RCA Records. Um dos backing vocals da banda, Jim McGuinn, iria mais tarde trabalhar com a cantora de folk Judy Collins, readaptando a canção, agora intitulada "Turn! Turn! Turn! (To Everything There Is a Season)", ao estilo dela. A versão de Collins foi lançada no álbum Judy Collins #3, de 1963.

Versão dos Byrds[editar | editar código-fonte]

A versão mais conhecida da canção foi lançada pela banda de folk rock The Byrds, da qual McGuinn era vocalista e guitarrista, em outubro de 1965. Esta versão atingiu a primeira posição na Billboard Hot 100 e mais tarde, em dezembro do mesmo ano, deu nome ao segundo álbum de estúdio da banda. A canção também atingiu a vigésima sexta posição no UK Singles Chart.

Esta versão, devido ao seu sucesso, foi incluída na trilha-sonora dos filmes Forrest Gump (1994) e In America (2002). Também foi incluída no primeiro episódio do seriado de televisão The Wonder Years e no episódio "Time To Hate" de Cold Case.

A versão dos Byrds deu à canção o recorde de número um com a letra mais antiga do mundo. Muitos teólogos, entretanto, acreditam que Rei Salomão é o verdadeiro autor do livro, e não Eclesiastes, dando assim a Salomão o recorde de compositor mais antigo de um número um.

Outras versões[editar | editar código-fonte]

A canção foi gravada por vários artistas desde seu lançamento, entre eles:

  • Em 1966, a banda australiana The Seekers gravou a canção para o álbum Come the Day.
  • Em 1968, a cantora escocesa Mary Hopkin lançou a canção como lado B de seu sucesso "Those Were the Days".
  • Em 1969, a cantora e pianista Nina Simone gravou duas versões da canção, uma delas incluída no álbum To Love Somebody.
  • Em 1984, a cantora de música country Dolly Parton gravou a canção para seu álbum The Great Pretender. Mais tarde gravaria a canção para o álbum Those Were the Days, de 2005.
  • Em 1998, Larry Norman gravou a canção para seu álbum Copper Wires.
  • Em 1999, o grupo japonês de rock Plastic Tree gravou a canção com nova letra, escrita pelo vocalista Ryutaro Arimura.
  • Em 2003, Aoife Ní Fhearraigh gravou a canção para seu álbum Turning of the Tide.
  • Em 2004, o trio Wilson Phillips gravou a canção no álbum California.
  • Em 2006, durante a turnê de seu álbum We Shall Overcome, um tributo à obra de Seeger, Bruce Springsteen interpretou a canção. Em 2008, Springsteen interpretou a canção com Jim McGuinn em Orlando.[4]
  • Em 2008, Amy Grant terminou cada show da turnê comemorando os vinte anos do lançamento de seu álbum Lead Me On cantando a canção.
  • A banda escocesa Belle & Sebastian frequentemente canta a canção ao vivo em seus shows.
  • Em 2008, Chris de Burgh gravou a canção para seu álbum Footsteps, uma compilação de clássicos da música folk das décadas de 1950, 1960 e 1970.
  • Em 2014, Sara Niemietz gravou uma versão da música que foi ao ar no episódio ''Turn'' da série americana Under the Dome

Referências

  1. Bíblia Sagrada, Versão do Rei James, Livro de Eclesiastes, 3:1-8
  2. COHEN, Patricia. "Communist Party USA Gives Its History to N.Y.U". The New York Times, 20 de março de 2007. Acessado em 1 de maio de 2009.
  3. Hasson, Nir (2009-11-08). "Pete Seeger's role in ending Israeli house demolitions". Haaretz.
  4. "Lebanese Tribute To Bruce Springsteen". Acessado em 1 de maio de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]