Wikipédia:AFI para português e galego

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os gráficos abaixo mostram a maneira pela qual o Alfabeto Fonético Internacional (AFI) representa as pronunciações do Português e Galego nos artigos da Wikipédia. Existem dois padrões principais de Português (P) —o de Portugal (PE) e o do Brasil (PB)— mais o Galego, na Galícia (G).

Para um maior aprofundamento sobre os sons da língua portuguesa, ver Fonologia da língua portuguesa.

AFI Consoantes
Galícia (Espanha) Portugal Brasil Exemplos
b b besta
β β bado [1]
v cavalo; livre (P); libre (G) [2]
ð d rapadura [1]
d dedo
digo, desminto[3]
f fase; café
ɡ ɡ gato; guerra
ɣ magarefe; trigo [1]
k cores; laca; quente; kelvin
l l lua; calor [4]
ɫ w mal; principal [5] [4]
ʎ velho (P); vello (G)
m mesa; comer [4]
n nata; ano [4]
ŋ unha; inglesa; can; álbum (G) [4]
ɲ manhã (P); mañá (G)
p peito; topo
r ʁ ʁ raro; carro; enrascado [6]
ɾ lar; morte; por favor [6]
ɾ raro; caro; bravo; por acaso
ʃ ʒ ʒ já; gente (P); xa; xente (G)
z z rasgado; portas brancas[7]
s z casa; existir; portas abertas
θ zona; azul
ʃ s dez; foz
s cimeira; braço (P); brazo (G)
s saco; máximo; isso (P); iso (G)
ʃ escola; portas fechadas
ʃ ʃ xarope; baixo
chave; achar
tchau
t tipo; ponte[3]
t tempo; átomo
AFI Consoantes marginais
Galícia (Espanha) Portugal Brasil Exemplos
ħ ghato; trigho (G) [8]
x kharxa
AFI Vogais
Galícia (Espanha) Portugal Brasil Exemplos
a a a taça; lá; às; Camões; alface
ɐ baixada; cabide; as
ɐ taça; manhã
cama; banho; câmera;[9] e também
anglicismos como rush, bug
ɛ ɛ meta, sé
e prémio/prêmio[9] incrível
e e meto; sê; acepção [10]
ɨ semáforo
i pente; pequeno; se
i meandro; e
i cima[9] si; dia; país
ɔ ɔ formosa; formosos; avó
o bónus/bônus[9] hospital
o o formoso; avô; oliveira
u Portugal
u boneco; voo; vi-o; frio [11]
u lume[9] rua; saúde
AFI Vogais nasais
Galícia (Espanha) Portugal Brasil Exemplos
ɐ̃ canto; ângulo; âmbar; lã
cento; sempre; essência
ĩ cinto; sim; ímpar
õ conto; cônscio; cômputo
ũ fungo; algum; cúmplice
 
AFI Semivogais
Galícia (Espanha) Portugal Brasil Exemplos
j pais; saia; cães; corações
w quando; guarda; frequente; quão
AFI Supra-segmentais
Galícia (Espanha) Portugal Brasil Exemplos Explicação
ˈ livre [ˈlivɾɨ] ~ [ˈlivɾi] Sílaba tônica
ˌ contramão [ˌkõtɾɐˈmɐ̃w] Sílaba subtônica
. dia [ˈdi.ɐ] ~ [ˈdʒi.ɐ] Divisão silábica

Observações[editar | editar código-fonte]

Português brasileiro

  • O fonema /S/, presente apenas na coda silábica e representando qualquer som sibilante não-africado em tal posição, assume vários fones surdos e sonoros de acordo com a situação, que inclui as posições alveolar simples, alveolar apical retraído ("alveolar retroflexo"), alveolar laminal palatalizado, palato-alveolar laminal e alvéolo-palatal laminal (além de alvéolo-palatal dorsal entre falantes nativos de, por exemplo, línguas japonesa, coreana e chinesa), além de em formas coloquiais vernaculares da língua, poder haver debucalização para [h, ɦ] e deletamento.

    Nenhuma delas é completamente dominante em nenhum país lusófono e é um erro dizer que a pronúncia alveolar simples é dominante por completo na fala do Brasil, e portanto atenção deve ser dada. Ao transcrevê-la no caso de vocábulos e nomes no português brasileiro que não remetem a dialeto nenhum, deve-se usar alveolar [s, z] ao transcrevê-la antes de sons bilabiais (/b/, /p/, /m/), labiodentais (/f/, /v/), velares (/k/, /g/), róticos e uma pausa (nas citadas situações, a palatalização semi-completa é pontual e presente em poucos sotaques, como o carioca, o florianopolitano e o beleense, entretanto nestes, embora fones alveolares sejam ausentes ou próximos disso, também pode ocorrer debucalização ou deletamento, especialmente entre homens, jovens e a população menos escolarizada), enquanto usa-se pós-alveolar [ʃ, ʒ] antes de sons denti-alveolares (/t/, /d/, /l/, /n/), pós-alveolares ([tʃ], [dʒ]) ou palatalizados ([nj ~ nʲi] → [ɲ ~ ɲi], [lj] → [ʎ], da mesma maneira [ki], [gi], [mi]), forma usada principalmente pelos dialetos fluminense (~25 milhões, incluindo-se sotaques como os de Florianópolis, Distrito Federal, litoral norte paulista, mineiro da Zona da Mata e capixaba), baiano (~6-10 milhões), nordestino (~50 milhões) e nortista (~10 milhões). No caso das outras nações lusófonas, assume-se a pronúncia comum lusitana.

    Nos dialetos nordestino, recifense, sulista e florianopolitano usa-se de forma limitada, e não por todos os falantes, os fonemas pós-alveolares [tʃ] e [dʒ] antes do som de i em sílabas "de", "di", "te" e "ti", mas em seu lugar se usam sons dentialveolares assim como na língua castelhana (apenas nos dialetos nordestino e recifense) ou completamente alveolares como na língua inglesa (no caso de todos os dialetos, mas particularmente sulista e floriapolitano), mas a palatalização das pausas coronais é um fenômeno linguístico pertinente ao Brasil inteiro então deve-se dar preferência a transcrições que usem a mesma.

Referências

  1. a b c Na maior parte da língua portuguesa, mas de forma mais atenciosa no norte e no centro de Portugal, /b/, /d/ e /ɡ/ são lenizadas para fricativas do mesmo ponto de articulação (β, ð, e ɣ, respectivamente), exceto após de uma pausa ou de uma vogal nasal (ou na sílaba tônica no caso do Brasil), onde são oclusivas [b, d, ɡ], não diferentes dos "b", "d" e "g" do inglês e do francês. (Mateus & d'Andrade 2000:11).
  2. No galego e em alguns sotaques rurais nortistas do português europeu, /v/ se fundiu com /b/ ([b ~ β]). Isso existe também em zonas rurais do Brasil, mas é um fenômeno de registros ostracizados da língua e pontual.
  3. a b Para a maioria dos falantes do português brasileiro /d, t/ são africadas para [ʲ, ʲ] quando antecedem vogais anteriores altas /i, ĩ/. Esse fenômeno pode ser completo, como excepcionalmente em todo o dialeto fluminense – variante de prestígio em muito do Brasil – com exceção do sotaque de Florianópolis, ou recente, como em alguns sotaques sulistas e nordestinos.
  4. a b c d e No galego, consoantes nasais e laterais só se contrastam quando antecedem vogais. Antes de consoantes, são assimiladas para o ponto de articulação da consoante. Em final de palavras são ou /ŋ/ ou /l/.
  5. No português europeu, /l/ no final das sílabas são velarizadas para ɫ, e para a maioria dos brasileiros, foram semivocalizadas para w nas codas silábicas.
  6. a b A consoante rótica representada como /ʁ/ possui consideráveis variações, sendo pronunciada como x, h, χ, ʁ, etc., no Brazil; e como ʁ, ʀ, r, etc., em Portugal; e como r na Galícia.
  7. Alofone de /s/ em galego.
  8. Em alguns dialetos galego /ɡ/ é faringealizado ħ ou glotalizado h em um processo fonológico conhecido como gheada.
  9. a b c d e As 5 cinco vogais mais altas /ɐ, e, i, o, u/, podem assimilar a nasalização da consoante seguinte.
  10. No dialeto de Lisboa, /e/ se funde com /ɐ/ quando antecede sons palatais (e.g. abelha, venho, jeito).
  11. Algumas vogais pós-tônicas em conjugações verbais constranstam com hiatos, como em eu rio [ˈew ˈʁi.u] e ele riu [ˈelɨ ˈʁiw]; e algumas vogais pós-tônicas alternam com semivogais, como em frio [ˈfɾi.u ~ ˈfɾiw].