A Pata da Gazela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A Pata da Gazela
Autor(es) José de Alencar
Idioma português brasileiro
País  Brasil
Gênero Romance
Linha temporal século XIX
Lançamento 1870 (1.ª edição)
Cronologia
O Gaúcho
O Tronco do Ipê
Wikisource
O Wikisource possui esta obra:
A Pata da Gazela

A Pata da Gazela é um romance do escritor brasileiro José de Alencar, publicado em 1870.

Enredo[editar | editar código-fonte]

A história gira em torno de Horácio, Leopoldo, Laura e Amélia.

Horácio, rapaz jovem e sedutor, vê quando o lacaio das lindas garotas derruba um pé de um par de botinas de pelica e seda, pequeninas e mimosas e apaixona-se pela dona dos pés desconhecidos. Leopoldo, que estava na mesma rua, vê de relance Amélia e apaixona-se pelo seu sorriso, mesmo após um vislumbre dos pés disformes que ele pensa serem os dela. A partir deste acaso, a trama se desenvolve num triângulo amoroso entre Horácio, Amélia e Leopoldo.

A pata da gazela é uma obra de Alencar que demonstra como o amor deve ser guiado pela alma, como Leopoldo e não pela aparência, como Horácio[1].

Temas[editar | editar código-fonte]

Escrito mais de 10 anos depois de Cinco Minutos e A Viuvinha, A Pata da Gazela retoma o tema do romance urbano, porém com um amadurecimento que revela a assimilação, por parte do autor, de parte da crítica que recebeu dos autores realistas. O próprio Alencar (em Como e por que Sou Romancista) aponta o livro como o início de sua fase madura, inclusive tendo adotado o pseudônimo de "Sênio"[2]

Ao explorar a indefinição de Amélia entre o tímido Leopoldo e o sedutor Horácio, Alencar inverte a trama do conto A Cinderela: no seu romance, é a jovem, cobiçada por seu pé formoso, quem vai escolher o mais adequado entre seus pretendentes. Ajudada pela amiga Laura, ela põe os dois à prova para identificar aquele que tem a virtude de amá-la por suas características morais, e não apenas pela beleza física[3].

O autor cita explicitamente uma outra referência clássica: a fábula O leão amoroso de Jean de La Fontaine. Horácio, o "leão" da Rua do Ouvidor, se vê domado pela sua paixão[4]."O leão deixou que lhe cerceassem as garras; foi esmagado pela pata da gazela."[5]

Influência[editar | editar código-fonte]

O romance foi revisitado por Glauco Mattoso na paródia A Planta da Donzela (2005), em que a história é reescrita de forma a salientar a atração fetichista de Horácio e Leopoldo pelos pés de Amélia[6].

Referências

  1. ANJOS, Priscila C. R. L. Triângulo amoroso em A Pata da Gazela: Entre o amor fetiche por um pezinho mimoso e o amor romântico de uma alma pura. 2016. 44 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Licenciatura em Letras Português-Inglês. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Pato Branco, 2016
  2. SOUSA, Izaura Vieira Mariano de. O estilo gracioso e o realismo poético de José de Alencar em Cinco minutos, A viuvinha e A pata da gazela. Revista Garrafa, Rio de Janeiro, número 32, outubro-dezembro, p. 58-69
  3. BRASIL, Francisca Patrícia Pompeu. Romances de Alencar, contos de fadas e a educação da mulher para o casamento. Caderno Espaço Feminino, v.18, n.2, Ago./Dez. 2007. P. 290
  4. COCCO, Cristina Soco. A presença de Victor Hugo em José de Alencar: o grotesco hugoano em A Pata da Gazela. Dissertação (Mestrado em Língua e Literatura Francesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. P. 70
  5. José de Alencar, A Pata da Gazela, Cap. XIX.
  6. BARROSO FILHO, Wilton. Elementos de intertextualidade en la prosa ficcional de Glauco Mattoso. Esferas Ano 1, no 2, janeiro a junho de 2013. P. 92

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.