Adir Assad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adir Assad
Adir Assad sendo preso pela PF
Nascimento 14 de fevereiro de 1953 (66 anos)
São Paulo, SP  Brasil
Residência São Paulo, SP  Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Nazira Elias Muhamad
Ocupação Empresário
Adir Assad
Crime(s) lavagem de dinheiro e associação criminosa[1]
Pena 10 anos e 10 meses de prisão[1]
Situação preso desde 19 de agosto de 2016,[2] e com novo mandado de prisão preventiva expedido pela justiça na Operação Dragão

Adir Assad (São Paulo, 14 de fevereiro de 1953) é um empresário e lobista brasileiro envolvido na CPI do Cachoeira[3], no escândalo da construtora Delta[4], no escândalo do Petrolão, investigado como operador de propina pela Operação Lava Jato, no escândalo da Transposição do São Francisco, investigado a partir de um desdobramento da Lava Jato,[5] no escândalo investigado pela Operação Saqueador, que investiga lavagem de dinheiro em 370 milhões de reais, na Operação Que País é esse, que investiga lavagem de dinheiro ao ex-diretor da Petrobras, Renato Duque[6], e no departamento de propina pelo setor de operações estruturadas, investigado pela Operação Dragão, a 36ª fase da Lava Jato.[7][8]

O empresário é conhecido pela promoção de shows e eventos no Brasil. Assad trouxe a banda U2, a cantora Amy Winehouse e Beyonce para o país[9]

De acordo com o MPF, Adir Assad usou as empresas Rock Star Marketing, Power to Ten Engenharia e Legend Engenheiros Associados para lavar 40 milhões de reais desviados da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), da Petrobras, e destinar a contas de Renato Duque e Pedro Barusco.[10] Adir foi preso na 10º fase da Lava Jato.[6]

Em maio de 2015, Adir Assad foi convocado para prestar depoimentos à CPI da Petrobras.[11] Em setembro de 2015, Assad foi condenado a 10 anos e 10 meses por lavagem de dinheiro e associação criminosa.[1] Em março de 2016, a CPI dos Fundos de Pensão quebrou os sigilos de Adir Assad.[12] Entre prisões e liberações, Assad foi preso ao menos três vezes em operações da Polícia Federal, duas pela Lava Jato, e uma pela Saqueador.[2] Em 10 de novembro de 2016, Assad teve um novo pedido de prisão preventiva decretado pela Justiça. Assad já se encontrava preso, foi alvo da 36ª fase da Lava Jato junto com o operador Rodrigo Tacla Duran.[7][13] Em 2016, o Ministério Público Federal identificou por meio de delação premiada de Vinicius Borin, executivo da Odebrecht, e por meio da quebra de sigilos bancários e fiscal, com autorização da Justiça, que Adir Assad por empresas de fachada de sua propriedade, praticou lavagem de dinheiro em mais de 150 milhões de reais[14] para distribuir propinas a funcionários da Petrobras, agentes políticos e empreiteiros.[15] Em 2018, foi investigado por repasses de propina na Operação Integração.[16]

Esquema pela construtora Delta[editar | editar código-fonte]

A prisão de Assad revigora outro escândalo já esquecido: o esquema da Construtora Delta e do bicheiro Carlinhos Cachoeira. O doleiro aparece principalmente nas histórias de desvios de obras no estado São Paulo, governado pelo PSDB. Um relatório de análise do Ministério Público Federal que enumera uma série de tabelas de pagamentos a cinco companhias. Segundo a PF, trata-se de empresas de fachada criadas para lavar o pagamento de propinas intermediadas por Assad. Entre elas aparece a Legend Engenheiros, responsável por movimentar 631 milhões de reais sem nunca ter tido um único funcionário.[17]

A contabilidade da empresa exibe polpudos pagamentos de consórcios e empresas que realizaram obras bilionárias no governo de São Paulo durante a ultima década. Entre eles, um depósito de 37 milhões de reais ao Consórcio Nova Tietê, consórcio liderado pela Construtora Delta. O consórcio levou as principais obras de alargamento das pistas da principal via da capital paulista em 2009, durante o governo de José Serra. O valor inicial do contrato previa gastos de 1 bilhão de reais, mas subiu para 1,75 bilhão, um acréscimo de 75 por cento.[17]

Envolvimentos com a construção do Rodoanel e a Concessionária do Sistema Anhanguera Bandeirantes apontam o desvio de mais de 139 milhões de reais para empresas de fachada de Assad. O Ministério Público Federal ainda investiga operações realizadas pelas supostas cinco empresas de fachada, onde foram encontradas movimentações de 1,2 bilhão de reais em operações financeiras.[17]

Caixa 2 para campanha de Dilma Rousseff[editar | editar código-fonte]

Em 15 de março de 2016, foi homologada a delação de Delcídio do Amaral no âmbito da Lava Jato. Em uma Comissão parlamentar de inquérito (CPI), conhecida como CPI dos bingos, encerrada em 2006, segundo Delcídio, teria agido para proteger a presidente Dilma Rousseff. A declaração vem de uma revelação que compromete a campanha da presidente em 2010. No anexo 29 da delação, Delcídio afirmou que "uma das maiores operações de caixa 2 para a campanha de Dilma em 2010 foi feita através do empresário Adir Assad".[18][19]

Prisão e condenação[editar | editar código-fonte]

Em 16 de março de 2015, foi preso na Operação Que País é esse, uma fase da Operação Lava Jato.[20] No dia 21 de setembro de 2015, Assad foi condenado a 10 anos e 10 meses por lavagem de dinheiro e associação criminosa.[1] Em 16 de dezembro do mesmo ano,[21] a segunda turma do Supremo Tribunal Federal concedeu prisão domiciliar à Adir Assad com restrições de não poder deixar o País e usar tornozeleira eletrônica.[22]

Em 30 de junho de 2016, Adir Assad voltou a ser preso pela Polícia Federal, na Operação Saqueador. As investigações apontam que os envolvidos, dentre eles Adir Assad e Carlinhos Cachoeira, usaram empresas fantasmas para transferir 370 milhões de reais obtidos pela empreiteira Delta. O dinheiro foi captado por meio de crimes contra a administração pública para repassar propina a agentes públicos.[23]

No dia 16 de agosto de 2016, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) soltou os acusados investigados na Operação Saqueador, o que incluiu Adir Assad, fixando sete medidas cautelares, dentre elas, entregar o passaporte sendo proibido de deixar o País. Entretanto em 19 de agosto de 2016 foi preso novamente pela justiça, na Operação Lava Jato, que, segundo esta investigação, teria recebido 18 milhões de reais do Consórcio Interpar, fornecedor da Petrobrás, para repasse a executivos da Diretoria de Serviços da estatal.[21] Além disto, a soltura não poderia estender a sua condenação na Lava Jato. O juiz Moro o classificou como "um profissional da lavagem de dinheiro, envolvido reiterada e sistematicamente em diversos esquemas criminosos, evidenciando risco à ordem pública".[2]

Em 10 de novembro de 2016, teve o pedido de prisão preventiva decretado pela Justiça, na 36ª fase da Lava Jato. Assad já estava preso desde agosto pela condenação em outra fase da operação.[7]

Em 13 de dezembro de 2017 foi condenado a 13 anos de prisão pelo juiz Marcelo Bretas por lavagem de dinheiro e pertinência à organização criminosa no âmbito da Operação Irmandade.[24]

Delação premiada[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2017, afirmou em depoimento, ter gerado 370 milhões de reais em dinheiro para a Delta Construções entre 2008 e 2012, usado para a empresa fazer caixa dois. O operador disse que um dos destinos desses recursos foi para o pagamento de propina para o ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho.[25]

Em fevereiro de 2018, a Folha de S.Paulo publicou que Adir Assad afirmou em sua delação premiada que operou para o grupo CCR, empresa responsável pelas rodovias em vários estados, por indicação do ex-diretor da DERSA, Paulo Preto. Segundo Assad, foram repassados 46 milhões aos executivos da CCR em espécie.[26]

Alvo de investigações[editar | editar código-fonte]

Comissão Parlamentar de Inquérito[editar | editar código-fonte]

Adir Assad foi alvo das Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI):

Operações da PF[editar | editar código-fonte]

Adir Assad foi alvo das seguintes operações da Polícia Federal:

Referências

  1. a b c d e Thais Kaniak e Bibiana Dionísio (21 de setembro de 2015). «Vaccari e Duque são condenados por corrupção e lavagem de dinheiro». G1. Globo. Consultado em 25 de maio de 2016 
  2. a b c d «Lava Jato prende lobista Adir Assad». UOL. 19 de agosto de 2016. Consultado em 19 de agosto de 2016 
  3. a b Radar Online (14 de julho de 2012). «Família do barulho». VEJA. Abril. Consultado em 25 de maio de 2016. Arquivado do original em 12 de março de 2016 
  4. «Se procurar, acha». VEJA. Abril. 12 de agosto de 2012. Consultado em 25 de maio de 2016. Arquivado do original em 12 de março de 2016 
  5. «PF investiga desvio de R$ 200 mi da transposição do São Francisco». G1. Globo. 11 de dezembro de 2015. Consultado em 9 de julho de 2016 
  6. a b «MPF denuncia João Vaccari e Duque por corrupção e lavagem de dinheiro». G1. Globo. 16 de março de 2015. Consultado em 25 de maio de 2016 
  7. a b c d e Larissa Quixabeira (10 de novembro de 2016). «Polícia Federal cumpre dois mandados de prisão em nova fase da Lava Jato». Jornal Opção. Consultado em 10 de novembro de 2016 
  8. «Nova fase da Lava Jato mira operadores que lavaram mais de R$ 50 milhões». UOL. 10 de novembro de 2016. Consultado em 10 de novembro de 2016 
  9. Bibiana Dionísio (16 de dezembro de 2015). «Condenado na Lava Jato, empresário Adir Assad sai da cadeia do Paraná». G1. Globo. Consultado em 25 de maio de 2016 
  10. «Doações de Assad». VEJA. Abril. Consultado em 25 de maio de 2016. Arquivado do original em 12 de março de 2016 
  11. a b Ricardo Brandt (11 de maio de 2015). «Doleiro da Lava Jato começa a depor na CPI da Petrobrás». Estadão. Consultado em 25 de maio de 2016 
  12. a b «CPI dos Fundos de Pensão quebra sigilos de empresário Adir Assad». Câmara dos Deputados. 17 de março de 2016. Consultado em 25 de maio de 2016 
  13. Adriana Justi (10 de novembro de 2016). «Polícia Federal cumpre mandados da 36ª fase da Lava Jato no PR, SP e CE». G1. Globo.com. Consultado em 10 de novembro de 2016 
  14. «Assad lavou quase R$ 160 milhões». O Angatonista. 10 de novembro de 2016. Consultado em 10 de novembro de 2016 
  15. «Operadores Adir Assad e Tacla Duran são alvos de nova fase da Lava-Jato». Zero Hora. 10 de novembro de 2016. Consultado em 10 de novembro de 2016 
  16. a b «Moro prorroga prisão temporária de seis alvos da Operação Integração». Estadão. Consultado em 15 de março de 2018 
  17. a b c Henrique Beirangê (30 de Julho de 2015). «Adir Assad, o doleiro das obras tucanas». CartaCapital. Consultado em 10 de agosto de 2016 
  18. «A delação de Delcídio». IstoÉ. Consultado em 25 de maio de 2016 
  19. Eduardo Rodrigues, Beatriz Bulla e Gustavo Aguiar. «Adir Assad fez caixa 2 para Dilma em 2010, diz Delcídio». Aqui noticias. Consultado em 25 de maio de 2016. Arquivado do original em 16 de agosto de 2016 
  20. a b Adriana Justi (16 de março de 2015). «10ª fase da Operação Lava Jato cumpre 18 mandados no RJ e SP». G1. Globo.com 
  21. a b c «Lava Jato prende lobista Adir Assad». Uol. 19 de agosto de 2016 
  22. Renan Ramalho (15 de dezembro de 2015). «STF concede prisão domiciliar para operador condenado na Lava Jato». G1. Globo.com 
  23. «Adir Assad é preso em SP». CBN. Globo. 30 de junho de 2016. Consultado em 30 de junho de 2016 
  24. «Bretas condena Adir Assad a 13 anos de prisão». Estadão. 13 de dezembro de 2017. Consultado em 15 de março de 2018 
  25. «Adir Assad diz ter gerado R$ 370 mi para a Delta e cita propina a Cabral». Agência Estado. R7. 9 de agosto de 2017. Consultado em 2 de junho de 2018 
  26. «Delator diz que operou para concessionária de rodovias de São Paulo». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 2 de junho de 2018 
  27. «OPERAÇÃO LAVA JATO». Inograficos. Estadão. Consultado em 6 de fevereiro de 2017 
  28. «PF investiga desvio de R$ 200 mi da transposição do São Francisco». G1. Globo. Consultado em 6 de fevereiro de 2017 
  29. Mateus Coutinho, Julia Affonso e Ricardo Brandt (7 de julho de 2016). «Adir Assad, o lobista da Petrobrás, da Eletronuclear, da Delta…». Estadão. Consultado em 6 de fevereiro de 2017 
  30. «Operação Pripyat: MPF/RJ aprofunda investigação de corrupção e lavagem de dinheiro na construção de Angra 3». MPF. 6 de julho de 2016. Consultado em 6 de fevereiro de 2017 
  31. a b «PROCESSO Nº 0502834-85.2016.4.02.51011» (PDF). Estadão. Consultado em 6 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]