Aeroperú

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Aeroperú
Aeroperu-2.svg
IATA PL
ICAO PLI
Indicativo de chamada AEROPERU
Fundada em 22 de março de 1973
Encerrou atividades em 18 de agosto de 1999 (Incomporada a LAN Airlines, para se formar a LAN Perú)
Principais centros
de operações
Aeroporto Internacional Jorge Chávez
Outros centros
de operações
Aeroporto Internacional El Dorado
Companhia
administradora
Aeroméxico (1993-1999)
Sede Lima,  Peru
Sítio oficial www.aeroperu.com

Empresa de Transporte Aéreo del Perú S.A., geralmente conhecida como Aeroperú, era uma companhia aérea peruana, servindo como a principal linha aérea do Peru de 1973 a 1999. A empresa era sediada em Lima, com o Aeroporto Internacional Jorge Chávez servindo como o hub principal. Além de uma ampla rede de rotas domésticas, a Aeroperú ofereceu voos internacionais para lugares na América Latina e nos Estados Unidos. A empresa tinha cerca de 1.500 funcionários.

História[editar | editar código-fonte]

A Aeroperú foi formada em 22 de maio de 1973, após a reorganização da SATCO, uma companhia aérea que foi controlada pelo Exército Peruano. Inicialmente uma empresa totalmente estatal com uma frota de três Fokker F28 Fellowships adquiridas da SATCO, os voos foram iniciados em outubro na rota Lima-Cusco. Logo, um Boeing 727 se juntou a frota, e a Aeroperú colocou uma ordem para dois Fokker F27 Friendships. Em 1974, dois Douglas DC-8 foram adquiridos da VIASA, que permitiu o lançamento de rotas internacionais. O voo inaugural, em 29 de julho, foi a rota Lima-Buenos Aires, seguido logo por um serviço programado a Miami. Em 1978, a Aeroperú creseu e incluiu um monte de destinos na América Latina e também nas cidades de Nova York e Los Angeles com suas populações latinas importantes.

Em julho de 1981, a Aeroperú foi gradualmente privatizada, com o governo peruano mantendo uma participação minoritária de 20%. Em 1982, foram feitos planos para uma fusão com a Faucett Perú, uma outra grande companhia aérea de passageiros do Peru naquela época. Como medida preparatória, os despedimentos nas redes de rotas das duas companhias aéreas foram removidos, de modo que a Aeroperú teve que suspender voos para um número de destinos, incluindo Rio de Janeiro, São Paulo, Nova York e Los Angeles. Não foram tomadas outras medidas no sentido da fusão das duas companhias aéreas, pelo que em 1983, os voos para vários destinos recomeçaram. Um acordo bilateral de tráfego aéreo entre o Peru e os Estados Unidos expirou em 11 de novembro de 1983. Por causa de desacordos sobre a concessão de direitos de quinta liberdade, todos os voos entre os dois países foram suspensos em maio de 1984 até meados de 1985, Lima-Miami.

Em 1993, a Aeroméxico adquiriu 70% das ações no valor de 54 milhões de dólares, tornando a Aeroperú sua subsidiária. Subsequentemente, dois aviões Boeing 757-200 foram transferidos, permitindo à Aeroperú substituir seus Douglas DC-8 antigos. Em 1996, 47% da Aeroperú foi transferida para a Cintra, empresa controladora da Aeroméxico e a Mexicana de Aviación. As três companhias aéreas entraram em acordos de codeshare sob o nome de Alas de Americas, com Aeroperú que juntou-se ao clube Permier, o programa de passageiro frequente da Aeroméxico. Entre 1996 e 1997, Aeroperú manteve uma segunda base em Aeroporto Internacional El Dorado, Bogotá, Colômbia, onde foram oferecidos voos regionais. Em 1998 a Delta Air Lines tornou-se um dos principais acionistas da Aeroperú, quando adquiriu uma participação de 35% na companhia aérea. O acordo permitiu que a Cintra reduzisse sua participação para 35%.

Devido a dificuldades financeiras que haviam perturbado a companhia aérea durante a maior parte de sua existência, a Aeroperú foi forçada a suspender todas as operações de voo em 10 de março de 1999. Vários planos para um relançamento foram feitos, o que inclui uma possível aquisição da Continental Airlines ou uma aquisição por parte de um grupo de investidores estrangeiros. Nenhum deles se interessou e a Aeroperú foi liquidada em 18 de agosto de 1999. A maior parte de sua frota e destinos foi assumido pela recém-fundada LAN Perú.

O hino da Aeroperú[editar | editar código-fonte]

A Aeroperú se vangloriou de um hino bem conhecido, o "Coro de Aeroperú", que consiste em um conjunto de cantores pilotos da Aeroperú e outros funcionários. Outros hinos lançou dois álbuns que também se tornaram artigos promocionais para a Aeroperú como: "El Canto del Peru para la gente de las Americas" ("Canções do Peru para a gente das Américas") e "Musica en la ruta del Sol" ("Música na rota do Sol").

Destinos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Destinos da Aeroperú

Com o Aeroporto Internacional Jorge Chávez sendo seu mais importante hub, a Aeroperú manteve uma extensa rede de rotas domésticas. Os voos internacionais foram oferecidos a um número de cidades em América Latina, assim como os Estados Unidos.

Frota[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos anos, a Aeroperú operou os seguintes tipos de aeronaves:

Avião Introduzido Retirado
Boeing 727-100/200
1974
1999
Boeing 737-200
1998
1999
Boeing 757-200
1994
1999
Douglas DC-8
1974
1994
Douglas DC-10
1993
1997
Fokker F27
1974
1984
Fokker F28
1973
1998
Lockheed L-1011
1978
1991
1985
1998

Acidentes e Incidentes[editar | editar código-fonte]

N52AW, a aeronave envolvida no acidente, no Aeroporto Internacional de Miami, em janeiro de 1996.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma companhia aérea é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aeroperú