António Feio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
António Feio
António Feio
Nome completo António Jorge Peres Feio
Nascimento 6 de dezembro de 1954
Lourenço Marques
Moçambique Moçambique
Nacionalidade moçambicano
português
Morte 29 de julho de 2010 (55 anos)
Lisboa
Portugal Portugal
Ocupação Ator, Encenador, Dobrador

António Jorge Peres Feio[1] ComIH (Lourenço Marques, 6 de Dezembro de 1954Lisboa, 29 de Julho de 2010) foi um actor, encenador e dobrador português.

Viveu em Moçambique até aos sete anos, idade com que veio para Lisboa com a família. Aos 11 estreou-se no teatro, com a peça de Miguel Torga, O Mar, dirigida por Carlos Avilez, no Teatro Experimental de Cascais.[2] A essa experiência no teatro segue-se a televisão e o cinema, participando ainda em folhetins na rádio e campanhas publicitárias quando era ainda adolescente. Em 1969, já ator profissional na companhia Laura Alves, volta a Moçambique, em digressão com a peça Comprador de Horas.

Decide retirar-se dos palcos no início da década de 1970, tendo trabalhado como desenhador num atelier de arquitectos. Porém, em 1974, após o 25 de abril, decide voltar ao Teatro Experimental de Cascais, de onde sairá logo a seguir, para formar, com Fernando Gomes, o Teatro Aquarius. Passa sucessivamente para a Cooperativa de Comediantes Rafael de Oliveira e para o Teatro Popular-Companhia Nacional I (sob a direcção de Ribeirinho), Casa da Comédia e Teatro Aberto.

Casou com a jornalista Lurdes Feio, de quem teve duas filhas: Bárbara Gonzalez Feio e Kiki (Catarina) Gonzalez Feio. Mais tarde, fruto da relação de 18 anos que teve com a atriz Cláudia Cadima, nasceram também Sara Cadima Feio e Filipe Cadima Feio.

Começa a encenar com o espectáculo Pequeno Rebanho Não Desesperes de Christian Giudicelli, na Casa da Comédia. Segue-se Vincent de Leonard Nimoy, no Teatro Nacional D. Maria II e O Verdadeiro Oeste de Sam Shepard, no Auditório Carlos Paredes. Faz, como actor, Inox-Take 5 (1993) com José Pedro Gomes e é o início de um trabalho em conjunto e de uma "dupla" que dura até ao fim da sua vida. Começa a dirigir cursos de formação de actores no Centro Cultural de Benfica e forma com vários alunos alguns grupos, O Esquerda Baixa e o Pano de Ferro, e com eles faz alguns espectáculos. Seguem-se muitas outras encenações sendo as mais importantes: A Partilha de Miguel Falabela e O que diz Molero de Dinis Machado (Teatro Nacional D. Maria II); Perdidos em Yonkers de Neil Simon e Duas Semanas com o Presidente de Mary Morris (CCB e Teatro Nacional S. João); Conversa da Treta de José Fanha (Auditório Carlos Paredes); O Aleijadinho do Corvo de Martin McDonagh (Visões Úteis/ Teatro Rivoli); Arte de Yasmina Reza (Teatro Nacional S. João); Bom Dia Benjamim de Nuno Artur Silva, Luís Miguel Viterbo e Rui Cardoso Martins (CCB e Expo98); Portugal Uma Comédia Musical de Nuno Artur Silva e Nuno Costa Santos (Teatro São Luiz); Popcorn de Ben Elton ao lado de Helena Laureano, Deixa-me Rir de Alistair Beaton,Jantar de Idiotas e O Chato de Francis Veber (Teatro Villaret).

Para além do teatro fez televisão popularizando-se em séries como Conversa da Treta ou programas como 1, 2, 3. Em 2001, juntamente com Rui Paulo, apresentou o programa televisivo Mulher Não Entra[3]; algum cinema (com Alfredo Tropa, Eduardo Geada, Luís Filipe Costa e Fernando Fragata), traduções e muitas dobragens. Mantinha-se na rádio com uma crónica humorística na TSF.

A 26 de Março de 2010 o Presidente da República Aníbal Cavaco Silva agraciou-o como comendador da Ordem do Infante D. Henrique.[4][5].

Morte[editar | editar código-fonte]

Acabou por falecer no dia 29 de Julho de 2010, às 23h40, na unidade de Cuidados Paliativos do Hospital da Luz, vítima de um cancro no pâncreas contra o qual lutava há largos meses.[6]

Referências

  1. «Lista de associados da Audiogest» (PDF). Actividades Culturais / Ministério da Cultura. 25 de Julho de 2007. Consultado em 24 de Dezembro de 2013 
  2. «Morreu António Feio». Pt.euronews.net. 30 de Julho de 2010 Euronews.net. Consultado em 31 de Julho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. «António Feio». Infopédia. Consultado em 2 de Dezembro de 2013 
  4. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António Feio". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 19 de abril de 2015 
  5. «Como vai recordar António Feio?». Diario.iol.pt. Consultado em 30 de Julho de 2010 
  6. «O homem que levava o teatro às pessoas». Jornal Público. Jornal.publico.pt. 30 de Julho de 2010. Consultado em 31 de Julho de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]