José Fanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Fanha
José Fanha, convidado na Escola Básica e Secundária de Santa Maria (Vila do Porto, ilha de Santa Maria, Açores), como parte do evento "Festejar Abril em Maio" promovido pelo Clube Asas do Atlântico.
Nascimento
Lisboa, Portugal
Gênero literário masculino

José Fanha (José Manuel Krusse Fanha Vicente, Lisboa, 19 de fevereiro de 1951) é um arquiteto, poeta e escritor de literatura infanto-juvenil português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um oficial do Exército Português e de uma professora de música. Fez o Ensino Primário no Colégio Marista de Lisboa e no Colégio da Luz (de padres Franciscanos). Fez os seus estudos liceais no Colégio Militar em Lisboa entre 1961 e 1968.

Em 68/69 frequentou o Curso de Formação Artística da Sociedade Nacional de Belas Artes , onde foi aluno de Rolando Sá Nogueira, Fernando Conduto, António Sena, José Ernesto de Sousa, Rui Mário Gonçalves, José Augusto França entre outros.

Em 1969 entrou para o curso de Arquitectura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa.

Entre 1969 e 1976, enquanto estudava, trabalhou como jornalista no Record e na "Mosca", suplemento humorístico do Diário de Lisboa, como desenhador de Arquitetura no Ministério das Obras Públicas e nos ateliers dos arquitetos Maurício de Vasconcelos, Frederico George e Manuel Vicente. Fez ainda alguns trabalhos como "copy" de publicidade.

Licenciou-se em Arquitectura pela Escola Superior de Belas-Artes da de Lisboa (ESBAL) em 1976.

De 1974 a 1977 trabalhou como Arquitecto na empresa ESTIL.

Foi professor do ensino secundário entre 1978 e 2009, tendo lecionado diversas disciplinas, entre as quais "História das Artes Visuais", "História da Arte em Portugal", "Teoria do Design", "Geometria Descritiva", "Técnicas de Expressão e Práticas de Representação", e "Educação Visual".

Foi orientador pedagógico na formação de professores da área de Estudos Artísticos na Escola Superior de Educação de Lisboa, entre 1986 e 1989.

Tem o estatuto de formador de formadores, concedido pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua da Universidade do Minho.

É Mestre na área de Educação e Leitura pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa com uma tese sobre Comunidades de Leitores intitulada "NOVOS MODOS DE LEITURA – NOVAS IDENTIDADES”.

Cumpriu a parte curricular do doutoramento na área de "História da Educação e da Cultura Escrita" na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa e prepara a tese intitulada “A LEITURA E AS ESTRATÉGIAS EDITORIAIS NO ESTADO NOVO DURANTE O PERÍODO DE 1958/74”

Começou a dizer poesia em público no ano de 1969. e continua a atuar frequentemente como poeta, divulgador de poesia e declamador. Como tal, e desde essa data, tem participado em milhares de sessões de animação cultural, sozinho ou acompanhando o grupo dos chamados baladeiros ou cantores de protesto como José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Manuel Freire, Francisco Fanhais e outros.

Guionista de televisão e cinema, dramaturgo e dramaturgista de teatro, autor de letras para canções e textos para rádio.

Possui participações pontuais como ator em teatro, televisão e cinema.

É sócio da Associação Portuguesa de Escritores e da Sociedade Portuguesa de Autores.

Obras[editar | editar código-fonte]

Ficção

Autor em conjunto com Alice Vieira, João Aguiar, José Jorge Letria, Luísa Beltrão, Mário Zambujal e Rosa Lobato Faria dos romances:

  • “Os novos mistérios de Sintra” (Ed. Oficina do Livro, 2005)
  •           “O código d’Avintes” (Ed. Oficina do Livro, 2006)
  •           “Eça agora” (Ed. Oicina do Livro, 2007)

          Autor em conjunto com Afonso Cruz, Alice Vieira, André Gago, Catarina Fonseca, David Machado, Isabel Stilwell do romance:

  • “A misteriosa Mulher da Ópera” (Ed. Casa das Letras, 2013)

Poesia

  • "Cantigas da dúvida e do perguntar" (1970)
  • Olho por olho (1976);
  • "Busca" (1977)
  • "Cartas de marear" (1985)
  • "O riso das aves" (1987)
  • "Breve tratado das coisas da arte e do amor" (1995);
  • "Eu sou português aqui" (1995);
  • "Elogio dos peixes das pedras e dos simples" (1999);
  • "Tempo azul" (2003);
  • "Poemas da linha da frente: a guerra" em conjunto com José Jorge Letria(2003);
  • "Poesia" (2012)
  • "Francisco", com colagens de João Abel Manta (2015)

Ficção infanto-juvenil

  • "A porta" (1990);
  • "A noite em que a noite não chegou" (2001);
  • "Cantigas e cantigos" (2004);
  • "Diário inventado de um menino já crescido" (2004);
  • "Poemas com animais" - antiologia de poemas portugueses sobre animais (2004)
  • "O dia em que o mar desapareceu" (2005);
  • "Poemas da natureza" - antologia de poemas portugueses sobre a natureza (2006)
  • "Alex ponto com: uma aventura virtual" (2006);
  • "Poemas para um dia feliz" - antologia de poemas felizes portugueses (2007)
  • "O dia em que a mata ardeu" (2007)
  • "Alex Ponto Com - Joe Silicone vai à escola" (2007)
  • "Zulaida e o poeta" (2007)
  • "Missão em Happy-Cosmos", em conjunto com Luísa Beltrão (2008)
  • "Os sapatos do Pai Natal" (2008)
  • "Alex ponto com: Mary Lob, a lagosta assassina"(2009);
  • "O dia em que a barriga rebentou" (2009);
  • "Sol negro" em conjunto com Luísa Beltrão (2009)
  • "Histórias para contar em noites de luar" (2010);
  • "Esdrúxulas, graves e agudas, magrinhas e barrigudas" (2010);
  • "O meu amigo Zeca Tum-Tum e os outros" (2010);
  • "Era uma vez a República" (2010)
  • "Cantigas e cantigos para formigas e formigos" (2010);
  • "Dentinho dentola dentão" (2011);
  • "A namorada japonesa do meu avô" (2011);
  • "Quando o sol está a brilhar" (2013);
  • "As orelhas voadoras" (2013);
  • "Mão no chão e pé no ar" em conjunto com Daniel Completo (2014);
  • "Era uma vez o 25 de Abril" (2014)
  • "Histórias na ponta de um sorriso" (2014)
  • "Ailé ailé - Zeca Afonso cantado e contado às crianças" em conjunto com Daniel Completo (2015)
  • "Era uma vez eu" (2015)
  • "Alfredo Keil - A Pátria acima de tudo" (2015)
  • "A mulher árvore" (2015)
  • "O Baile do Bê-Á-Bá" em conjunto com Daniel Completo (2016)

Textos para televisão

  • "Zarabadim" (RTP/84)
  • "Rua Sésamo" participação em cerca de 5oo episódios (RTP/88/94)
  • "Histórias como o diabo gosta" série de 3 3pisódios em conjunto com António Torrado e Mário de Carvalho (RTP/89)
  • Giras e pirosas” 12 episódios (SIC/92)
  • "Procura-se" 6 episódios em conjunto com Doc Comparato (RTP/92)
  • "Clube Disney" 3ª série (RTP/93/94)
  • "Na Paz dos Anjos", telenovela, 160 episódios, com a colaboração de Jorge Paixão da Costa e assessoria criativa de Doc Comparato, produção CCA (RTP/93/94)
  • “Docas” 13 episódios, produção CCA (TVI/96)
  •           “Nós os ricos” 114 episódios, ideia original de Mário Zambujal, produção CCA (RTP 96/99)
  •           “Meu querido avô”  13 episódios,produção CCA (RTP/97)
  •           “Docas 2”     26 episódios, produção CCA (RTP/98/99)
  •           “CRIANÇAS SOS”, 26 episódios, produçã NBP (TVI, 2000)
  •           Elsa uma mulher assim” 13 episódios, produção Miragem (RTP/2000/2001)
  •           “ANA e os sete”, adaptação das 1ª e 2ª séries, produção NBP (TVI/2003/2004)
  •           “O Bando dos 4”, adaptação dos romances juvenis de João Aguiar, (produção da NPE para a TVI, 2006).

Cinema

  •           "Ilhéu de Contenda", adaptação do romance do romancista caboverdeano Teixeira de Sousa, realizado por Leão Lopes, 1993.
  •           "Damas do Longe", co-autoria do guião com Maria Velho da Costa.
  •           "Viúva rica solteira não fica", do-autor do guião com José Fonseca e Costa, realização de José Fonseca e Costa. 2006.
  •           "Os dois irmãos", adaptação do romance do escritor caboverdeano Germano de Almeida com apoio do ICAM para realização de Francisco Manso, 2015/2016.

Teatro

  • "Ubu português" em conjunto com Vera San Payo Lemos e João Lourenço , encenação de João Lourenço no Teatro Aberto em 84
  • “Conversa da treta”, com José Pedro Gomes e António Feio em 1997.
  • "O Mar é azul azul" sobre canções de Bertolt Brecht, em conjunto com Vera San Payo Lemos e João Lourenço ,encenação de João Lourenço no Teatro Aberto em 98
  • Tem a palavra a revista” co-autoria com Nuno Nazareth Fernandes e Mário Rainho, com Maria João Abreu e José Raposo no Teatro Maria Vitória em /2000/2001
  • "O trombone", encenação de Maria Henrique, com Jorge Mourato e Rui Quintas em 2002
  • "A Porta", encenação de João Mota, Teatro Nacional D. Maria, 2014

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.