Assurnadinsumi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Assurnadinsumi
Rei da Babilônia
Relevo mostrando um príncipe herdeiro assírio, possivelmente seja Assurnadinsumi
Rei da Babilônia
(vassalo do Império Neoassírio)
Reinado 700–694 a.C.
Antecessor(a) Belibni
Sucessor(a) Nergalusezibe
 
Morte 694 a.C.
  Elão
Nome de nascimento Aššur-nādin-šumi
Dinastia sargônida
Pai Senaqueribe
Irmãos Adrameleque, Assaradão, entre outros

Assurnadinsumi (em acádio: Ashur-nadin-shumi in Akkadian2.png; romaniz.: Aššur-nādin-šumi[1][2] , lit. 'Assur dá um nome')[3]  era filho do rei neoassírio Senaqueribe e foi nomeado por ele como o rei da Babilônia, governando o sul da Mesopotâmia de 700 a.C. até sua captura e execução pelos elamitas em 694 a.C.. Assurnadinsumi foi provavelmente o filho primogênito de Senaqueribe e seu primeiro príncipe herdeiro e, portanto, o sucessor designado ao trono assírio.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Confirmação pelo mais tarde rei babilônico Samassumauquim, sobrinho de Assurnadinsumi, de uma concessão originalmente feita por Assurnadinsumi. 670–650 a.C.. A tabuleta está atualmente guardado no Museu Britânico.

A Babilônia foi conquistada pelo Império Neoassírio por Tiglate-Pileser III (r. 745–727 a.C.) menos de trinta anos antes de Assurnadinsumi se tornar seu rei.[4] Durante esses trinta anos, a Babilônia tentou repetidamente se tornar um reino independente mais uma vez. As revoltas babilônicas se tornaram um incômodo especialmente frequente durante o reinado de Senaqueribe, que teve que derrotar inúmeras revoltas do sul durante seu reinado.[5]

Depois de derrotar os levantes em 700 a.C., Senaqueribe nomeou seu próprio filho, Assurnadinsumi, como o novo rei da Babilônia. Assurnadinsumi também foi intitulado como māru rēštû, um título que poderia ser interpretado como o "filho preeminente" ou o "filho primogênito". Sua nomeação como rei da Babilônia e o novo título sugerem que Assurnadinsumi estava sendo preparado para também seguir Senaqueribe como rei da Assíria após sua morte. Assurnadinsumi sendo intitulado como o māru rēštû provavelmente significa que ele era o príncipe herdeiro de Senaqueribe; se significa "preeminente", tal título seria adequado apenas para o príncipe herdeiro e se significa "primogênito", também sugere que Assurnadinsumi era o herdeiro, pois os assírios na maioria dos casos seguiam o princípio da primogenitura (o filho mais velho herda).[2] Mais evidências a favor de Assurnadinsumi ser o príncipe herdeiro é a construção de um palácio para Senaqueribe na cidade de Assur,[6] algo que Senaqueribe também faria pelo mais tarde príncipe herdeiro Assaradão.[7]

Como um rei assírio da Babilônia, a posição de Assurnadinsumi era politicamente importante e altamente delicada e teria garantido uma experiência valiosa a ele como o herdeiro de todo o Império Neoassírio. No entanto, o mandato de Assurnadinsumi como rei da Babilônia não duraria muito e ele foi incapaz de lidar com a situação política volátil no sul.[7] Em 694 a.C., Senaqueribe fez campanha contra Elão (atual sul do Irã) para perseguir os rebeldes caldeus que haviam fugido para lá. Em resposta a esta incursão em seu território, os elamitas invadiram as partes do sul do Império Neoassírio e em 694 a.C., provavelmente encorajados pelos próprios babilônios, capturaram com sucesso Assurnadinsumi na cidade de Sipar. O príncipe foi levado de volta para Elão e provavelmente executado.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bertin 1891, p. 49.
  2. a b Porter 1993, p. 14.
  3. Tallqvist 1914, p. 42.
  4. Porter 1993, p. 41.
  5. Glassner 2004, p. 197.
  6. Porter 1993, p. 15.
  7. a b Porter 1993, p. 16.
  8. Bertman 2005, p. 79.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]