Cera perdida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Exemplo de molde de cera perdida

Cera perdida ou microfundição é um método de escultura de peças metálicas por moldagem. Consiste em fazer um modelo em cera que é revestido com refratário para formar um molde e então aquecido até a cera derreter e sair do molde. Na sequência, se derrama o metal líquido no molde vazio.[1] O exemplar mais conhecido de peça produzida por esse método é um amuleto do Calcolítico de 6 000 anos encontrado em Mergar, no Paquistão.

Embora o processo hoje possa variar, as etapas utilizadas para criar esculturas pequenas em bronze é sobretudo estandardizada (no uso industrial atual, adquiriu o nome de fundição por investimento). Variações do processo incluem: molde perdido, que utiliza outros materiais além da cera (resina, tecido, sebo, alcatrão);[2] e processo de perda de cera (ou fundição por perda de molde), pois o molde é destruído para remover o item moldado.[3][4]

Uso têxtil[editar | editar código-fonte]

No processo, a cera e o tecido são trocados pelo metal no processo de fundição, em que o reforço de tecido permite um modelo mais fino, e assim reduz a quantidade de metal expandido no molde. Evidência desse processo é visto pelo relevo têxtil no verso em objetos e é às vezes referido como "cera perdida, tecido perdido". Esse relevo têxtil é visível em ornamentos de ouro de moldes sepulcrais no sul da Sibéria das antigas tribos equestres, tal como o distintivo grupo de placas de ouro no Museu Hermitage, São Petersburgo.[5] Ela pode ter sua origem no Extremo Oriente, como indicado por alguns exemplos Han, e a fivela de bronze e placas de metal encontradas no cemitério Xiongnu em Xigou.[6] Até pode ter sido usada para fazer alguns broches ovais da Era Viquingue, indicado por vários exemplares como os de Castletown, Escócia.[7]

Evidência arqueológica[editar | editar código-fonte]

Réplica do cetro de bronze de Naal Mismar

Ásia Meridional[editar | editar código-fonte]

O mais antigo exemplar da técnica provém de um amuleto de cobre moldado em roda de 6 000 anos encontrado em Mergar, Paquistão.[8] A fundição da Civilização do vale do Indo começou cerca de 3 500 a.C. na área de Moenjodaro e produziu um dos mais antigos exemplares, uma figurinha indiana em bronze chamada de Garota Dançarina que é datada de quase 5 000 anos.[9] Outros incluem o búfalo, touro e cachorro encontrados em Moenjodaro e Harapa,[10][11] duas figuras em cobre de Lotal no distrito de Amedabade de Guzerate [12] e provavelmente um carrinho coberto com as rodas faltando e um carrinho completo com um condutor encontrado em Chanhundaro.[2][13]

Do período pós-harapano, tesouros de implementos de cobre e bronze feitos com cera perdida são conhecidos de Utar Pradexe, Biar, Madia Pradexe, Orissa, Andra Pradexe e Bengala Ocidental. Ornamentos de ouro e cobre, aparentemente em estilo helenístico, foram achados nas ruínas em Sircape. Um exemplar dessa arte indo-grega data do século I a.C., a figurinha juvenil de Harpócrates escavada em Taxila. Ícones de bronze foram produzidos durante os séculos III-IV, tal como a imagem de Buda em Amaravati e as imagens de Rama e Escanda no distrito de Guntur de Andra Pradexe. Outras duas imagens de bronze de Parsvanata e um pequeno touro oco de Saribalol, em Gandara, e um Tirtancara de pé (século II-III) de Chausa em Biar também podem ser citados. Outras figuras e imagens notáveis foram achadas em Rupar, Matura (em Utar Pradexe) e Bramapura em Maarastra.[14]

Figuras de bronze guptas e pós-guptas foram achados nos seguintes sítios: Saranate, Mirpur Cas (no Paquistão), Sirpur (distrito de Raipur), Balaigate (próximo de Maastangar em Bangladexe), Acota (próximo de Vadodara, Guzerate), Vasantagade, Chatari, Barmer e Chambi (no Rajastão). A produção de imagens pelo processo de cera perdida alcançou seu pico de 750 a 1100, e ainda permaneceu prevalente no sul da Índia entre 1500 e 1850.[14] A técnica foi usada por toda a Índia, bem como nos países vizinhos no Nepal, Tibete, Ceilão, Birmânia e Tailândia.[11]

Oriente Médio[editar | editar código-fonte]

Alguns dos mais antigos exemplos da técnica de cera perdida são objetos descobertos no tesouro da Caverna do Tesouro (Naal Mismar) no sul do Iraque, e que pertence ao Calcolítico (4500 3500 a.C.). Estudos com Carbono 14 estimam que os itens foram produzidos antes de 3 500 a.C., o que os faz ter mais de 5 500 anos.[15]

Na Mesopotâmia, de ca. 3 500–2 750 a.C., a técnica foi usada em pequena escala, mas mais tarde foi utilizada em larga escala para estátuas de cobre e bronze.[16] Um dos mais antigos exemplares é uma pequeno pingente de leão de Uruque IV. Metalúrgicos sumérios praticaram essa técnica desde aproximadamente ca. 3 500–3 200 a.C.. Exemplares muito tardios do nordeste da Mesopotâmia/Anatólia incluem o Grande Túmulo em Górdio (final do século VIII a.C.),[17] bem como outros tipos Acessórios de caldeirão urartianos.[18]

Egito[editar | editar código-fonte]

Os egípcios utilizaram-a desde meados do III milênio a.C., como é possível atestar em braceletes e jóias de ouro da Época Tinita.[19] Bicos inseridos para jarros (vasos d'água de cobre) da IV dinastia (Reino Antigo) foram feitas com esse método. Fundições vazias, como a estatueta do Louvre de Faium, apareceram durante o Reino Médio, seguidas por estatuetas sólidas (como a mãe de cócoras e lactante no Brooklyn) do Segundo Período Intermediário/Reino Novo Inicial.[20] O molde oco das estátuas é representado no Reino Novo pela estátua ajoelhada de Tutemés IV (Museu Britânico, Londres) e o fragmento principal de Ramessés V (Museu Fitzwilliam, Cambrígia).[21] Fundições vazias tornam-se mais detalhadas e continuam na XVIII dinastia, mostrado pela figura ajoelhada de bronze preto de Tutancâmon (Museu de Arqueologia e Antropologia da Universidade da Pensilvânia). [22] Cera perdida é usada durante a Época Baixa e períodos Greco-Romano quando figuras de divindades foram fundidas para devoção pessoal oferendas votivas em templos. Alças em forma de mulheres nuas em espelhos de bronze também foram moldadas pelo processo de cera perdida.[23]

Mediterrâneo[editar | editar código-fonte]

A técnica era conhecida no mar Egeu durante a Idade do Bronze, particularmente no II milênio a.C.. Imitações diretas e derivações locais de figurinhas siro-palestinas, orientais e cipriotas são encontradas na Sardenha do Bronze Tardio, com uma produção local de figurinhas do século XI ao X a.C..[24] Alguns sítios do Bronze Tardio no Chipre produziram figurinhas em bronze de homens e animais, uma delas a figura masculina encontrada em Encomi. 3 objetos do Chipre (uma borda de ânforas, um tripé da haste e um tripé fundido) mantidos no Museu Metropolitano de Arte em Nova Iorque foram feitos com a técnica entre os séculos XIII e XII a.C..[25] As sepulturas de cremação (sobretudo nos séculos VIII-VII a.C., mas continuando até o início do IV d.C.) da necrópole de Paularo (Alpes Orientais Italianos) continham fíbulas, pingentes e outros objetos de cobre feitos em tal técnica.[26] Também há exemplos etruscos, como a alça de bronze antropomórfica da coleção Bocchi (Museu Arqueológico Nacional de Adria), datados dos séculos VI e V a.C.; há várias alças na coleção, bem como alguns vasos de bronze encontrados em Adria (Rovigo).[27] Os melhores itens conhecidos do mundo clássico produzidos com cera perdida incluem o Garoto Orante de ca. 300 a.C. (no Museu de Berlim) e a estátua de Hera de Vulcos (Etrúria), que, como muitas estátuas, foi fundida em várias partes que foram então unidas.[28] Outros exemplares anteriores que mostram essa união de peças fundidas separadamente incluem uma cabeça de bronze de Apolo Chatsworth e a cabeça de bronze de Afrodite de Satala (Turquia) do Museu Britânico.[29] Bronzes geométricos como os quatro cavalos de cobre de São Marcos (Veneza, provavelmente do século II) são outros exemplos de estátuas produzidas em partes.[30]

Mesa para vasos cerimoniais, escavada na tumba do rei Zuangue de Zou
Estátuas de bronze do novo mosteiro tibetano próximo a Culu, na Índia
Cobra em bronze de Ibo-Ucu

Ásia Oriental[editar | editar código-fonte]

Há grande variedade de usos da cera perdida na Ásia Oriental. A fundição de bronze nas dinastias Xangue e Zou (ca. 1500–250 a.C.) foi comumente assumida como tendo sido feita com cera perdida,[31] mas mais investigações revelaram que a técnica de moldagem era a principal técnica usada para manufatura de vasos de bronze na China.[32] A cera perdida não aparece no norte da China até o século VI a.C..[33] A cera perdida é conhecida como rogata em japonês e remonta ao período Iaioi, ca. 200 a.C..[34] A mais famosa peça feita com essa técnica é a imagem de Buda Vairocana no templo do mosteiro de Todaiji em Nara,[35] produzido em seções entre 743 e 749,[36] alegadamente usando sete toneladas de cera.[37]

Sudeste Asiático[editar | editar código-fonte]

Os habitantes de Bã Na Di usaram a cera perdida de ca. 1 200 a.C. até 200 d.C. para fabricar pulseiras e essa técnica é característica do norte da Tailândia. Algumas das pulseiras de Bã Na Di revelam uma substância cinza escura entre o núcleo de argila e o metal, que numa análise química se constatou ser uma forma não refinada de cera de inseto.[33][38] É provável que itens decorativos, como anéis e braceletes, foram feitos com cera perdida em Nom Noque Ta e Bã Chiangue.[39] Há paralelos tecnológicos e materiais entre o norte da Tailândia e o Vietnã em relação à cera perdida. Os sítios exibem artefatos feitos com cera perdida no Vietnã, como os tambores da Cultura de Dongue Som e uma foice e uma figura de um indivíduo sentado de Go Mum (próximo de Fungue Neguiem, em Tonquim), datando da fase Go Mum (fim do Período Geral B até o século VII a.C.) da Cultura de Fungue Neguiem.[38][40]

Norte da Europa[editar | editar código-fonte]

Os ganchos de carne de Dunaverney (1050–910 a.C.) e Little Thetford (1000–701 a.C.) foram feitos com cera perdida. Aquele de Little Thetford, em particular, foi manufaturado com o emprego de métodos de construção distintivos.[41] O intrincado Castiçal de Gloucester (1104–1113) foi feito como um modelo de cera de peça única e em seguida foi usado complexo sistema de válvulas e aberturas antes de ser investido em um molde.[42]

África Ocidental[editar | editar código-fonte]

Bronzes fundidos foram produzidos na África Ocidental no século IX na Ibolândia (Ibo-Ucu) e no século XII na Iorubalândia (Ifé), ambas na Nigéria, e no século XV no Reino do Benim. Alguns retratam restos de cabeças.[43]

América Latina[editar | editar código-fonte]

A técnica foi desenvolvida por povos da Nicarágua, Costa Rica, Panamá, Colômbia, noroeste da Venezuela, América andina e a porção oeste da América do Sul.[44] Com essa técnica se criou parte da típica cerâmica em ouro da região e delicados ornamentos cerâmicos, como os ornamentos para alças. O processo foi empregado desde tempos pré-hispânicos nas zonas culturais dos muíscas e zenús na Colômbia.[45] Dois moldes em cera perdida, um completo e um parcialmente quebrado, foram achados num túmulo de poço e câmara na vereda de Povo Tapado no município de Montenegro (departamento de Quindio) e foram datados grosseiramente do período pré-colombiano.[46] A técnica não apareceu no México até o século X[47] e foi depois usada no México Ocidental para produção de ampla gama de formas de sino.[48]

História literária[editar | editar código-fonte]

Evidência indireta[editar | editar código-fonte]

Algumas obras literárias antigas aludem à técnica. Columela, um escritor romano do século I, cita o processamento de cera de colmeia no Da Coisa Rústica, talvez para fundição, como faz Plínio, o Velho, que detalha sofisticado processo para fazer cera púnica.[49] Uma inscrição grega se refere ao pagamento de artesãos por seu trabalho no Erecteu em Atenas (408/407–407/406 a.C.). Os modeladores de argila podem usar moldes de argila para fazer negativos de terracota para fundição ou produção de positivos de cera.[50] Plínio pôs Zenodoro como um artista bem-reputado que produzia estátuas de bronze[51] e descreve Lisístrato de Sicião, que usava moldes de gesso de rostos para criar moldes de cera usando o processo indireto.[52]

Muitas estátuas ou partes de estátua de bronze na Antiguidade foram fundidas usando-a. Teodoro de Samos é comumente associado com essa técnica.[53] Plínio também cita o uso de chumbo, que é conhecido por ajudar o fluxo de bronze derretido em todas as áreas e partes de moldes complexos.[54] Quintiliano documenta a fundição de estátuas em partes, cujos moldes podem ter sido produzidos com essa técnica. Cenas do começo do século V a.C. na Taça da Fundição de Berlim descreve a criação de estátuas, provavelmente pelo uso indireto da cera perdida.[55]

Evidência direta[editar | editar código-fonte]

Índia[editar | editar código-fonte]

Busto do rei de Ifé. Ca. 1300

O método é bem documentado na fontes literárias indianas antigas. Os Xilpa Xastras, um texto do período gupta (320–550), contem informação detalhada sobre produção de imagens em metal. O Vixenusamita do século V, um apêndice do Vixenu Purana, refere-se indiretamente à modelagem de cera para fazer objetos de metal no capítulo XIV: "se uma imagem é para ser feita de metal, se deve primeiro fazer a cera." O capítulo LXVIII do antigo texto sânscrito Manaxara Xilpa detalha a produção de ídolos em cera e é intitulado Maduchchhista vidhānam ou "método de cera perdida". O Manasolassa (também conhecido como Abilasitarta Chintamani), alegadamente escrito pelo rei Somexevara III do Império Chaluquia Ocidental em 1124-1125, também fornece detalhes sobre a técnica e outros processos de fundição. O tratado do século XVI, o Utarabaga de Xilparatna escrito por Sericumara, do verso 32 ao 52 do capítulo 2 (Linga laquexanam), dá instruções detalhadas de como fazer uma fundição oca.[56][57]

Teófilo Presbítero[editar | editar código-fonte]

Um escritor da Baixa Idade Média Teófilo Presbítero, que se acredita ter sido o monge beneditino e metalúrgico Rogério de Helmarshausen, escreveu um tratado no começo ou meados do século XII que inclui material original e informação copiada de outras fontes, como o Mappae clavicula e Heráclio, De coloribus et artibus Romanorum.[58] Ele fornece procedimentos passo a passo para fazer vários artigos, alguns por vazamento de cera perdida: "O Peito de Cobre e Seu Condutor" (Capítulo 84); "Galetas de Estanho" (Capítulo 88) e "Sinos Fundidos" (Capítulo 85), que exigem o uso de "sebo" em vez de cera; e "O Incensário Fundido". Nos capítulos 86 e 87, Teófilo detalha como dividir a cera em diferentes proporções antes de moldar e fundir para obter pequenos sinos musicais ajustados com precisão. O escultor florentino do século XVI, Benvenuto Cellini, pode ter usado os escritos de Teófilo quando lançou seu Perseu de bronze.[59]

América[editar | editar código-fonte]

Um breve relato de 1596 do escritor espanhol Releigh refere-se a fundição asteca.[43]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Agrawal, D. P. (2000). Ancient Metal Technology and Archaeology of South Asia. A Pan-Asian Perspective. Nova Déli: Aryan Books International. ISBN 978-81-7305-177-7 
  • Aldred, G. (1980). Egyptian Art in the Days of the Pharaohs 3100 - 320 BC. Londres: Thames and Hudson 
  • Auboyer, Jeannine (1980). Grammaire des formes et des styles. Nova Iorque: Rizzoli 
  • Azarpay, Guitty (1968). Urartian art and artifacts: a chronological study. Berkeley: University of California Press 
  • Bonomi, S.; Martini, G.; Poli, G.; Prandstraller, D. (2003). «Modernity of Early Metallurgy: Studies on an Etruscan Anthropomorphic Bronze Handle». Archaeometallurgy in Europe: International Conference : 24-25-26 September 2003, Milan, Italy : Proceedings. Roma: Associazione Italiana di Metallurgia 
  • Bruhns, K. O. (1972). «Two Prehispanic Cire Perdue Casting Moulds from Colombia». Instituto Real Antropológico da Grã-Bretanha e Irlanda. Man: 308-311 
  • Bowman, Sheridan; Needham, Stuart (2007). «The Dunaverney and Little Thetford Flesh-Hooks: history, technology and their position within the Later Bronze Age Atlantic Zone feasting complex». The Antiquaries Journal. 87: 53-108 
  • Bunker, E. C. (1988). «Lost Wax and Lost Textile: An Unusual Ancient Technique for Casting Gold Belt Plaques». In: Maddin, Robert. The beginning of the use of metals and alloys: papers from the Second International Conference on the Beginning of the Use of Metals and Alloys, Zhengzhou, China, 21–26 October 1986. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: MIT Press 
  • Giumlia-Mair, A.; Vitre, S.; Corazza, S. (2003). «Iron Age Copper-Based Finds from the Necropolis of Paularo in the Italian Oriental Alps». Archaeometallurgy in Europe: International Conference : 24-25-26 September 2003, Milan, Italy : Proceedings. Roma: Associazione Italiana di Metallurgia 
  • Higbie, Carolyn. Collectors, Scholars, and Forgers in the Ancient World: Object Lessons. Oxônia: Oxford University Press 
  • Higham, C. (1988). «Prehistoric Metallurgy in Southeast Asia: Some New Information from the Excavation of Ban Na Di». In: Maddin, Robert. The beginning of the use of metals and alloys: papers from the Second International Conference on the Beginning of the Use of Metals and Alloys, Zhengzhou, China, 21–26 October 1986. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: MIT Press 
  • Hodges, H. (1970). Technology in the Ancient World. Londres: The Penguin Press 
  • Hosler, D. (1988). «The Metallurgy of Ancient West Mexico». In: Maddin, Robert. The beginning of the use of metals and alloys: papers from the Second International Conference on the Beginning of the Use of Metals and Alloys, Zhengzhou, China, 21–26 October 1986. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: MIT Press 
  • Isager, Jacob. Pliny on Art and Society: The Elder Pliny's Chapters on the History of Art. Londres: International Specialized Book Service Incorporated 
  • Kenoyer, J. M.; Miller, H. M.-L. (1999). «Metal Technologies of the Indus Valley Tradition in Pakistan and Western India». In: Pigott, V. C. The Archaeometallurgy of the Asian Old World. Filadélfia: The University of Pennsylvania Museum 
  • Krishnan, M. V. (1976). Cire perdue casting in India. Nova Déli: Kanak Publications 
  • Kuppuram, Govindarajan (1989). Ancient Indian Mining, Metallurgy, and Metal Industries. Déli: Sundeep Prakashan. ISBN 978-81-85067-28-5 
  • Kuppuram, Govindarajan (1990). History of Science and Technology in India: Metals and metal technology. Déli: Sundeep Prakashan. ISBN 8185067376 
  • Lechtman, H. (1988). «Traditions and Styles in Central Andean Metalworking». In: Maddin, Robert. The beginning of the use of metals and alloys: papers from the Second International Conference on the Beginning of the Use of Metals and Alloys, Zhengzhou, China, 21–26 October 1986. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: MIT Press 
  • Lightfoot, Chris S. (2007). Ancient Glass in National Museums Scotland. Edimburgo: National Museums Scotland 
  • LoSchiavo, LoSchiavo (1988). «Early Metallurgy in Sardinia». In: Maddin, Robert. The beginning of the use of metals and alloys: papers from the Second International Conference on the Beginning of the Use of Metals and Alloys, Zhengzhou, China, 21–26 October 1986. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: MIT Press 
  • M. D. (1944). «Cire Perdue». The Scientific Monthly. 58 (2) 
  • Maryon, Herbert (1912). Metalwork and Enamelling, a Practical Treatise on Gold and Silversmiths' Work and Their Allied Crafts (3rd ed.). Londres: Chapman & Hall 
  • Maryon, Herbert (1956). «Fine Metal-Work». In: Singer, E. J. H. Charles; Hall, A. R.; Williams, Trevor I. The Mediterranean Civilizations and The Middle Ages c. 700 BC. to c. AD. 1500. A History of Technology. II. Oxônia: Clarendon Press. ISBN 978-019858106-2 
  • Mattusch, C. C. «The Berlin Foundry Cup: The Casting of Greek Bronze Statuary in the Early Fifth Century B.C.». American Journal of Archaeology. 84 (4): 435–444. doi:10.2307/504071 
  • McCreight, Tim (1991). The Complete Metalsmith: An Illustrated Handbook. Worcester, MA: Davis Publications. ISBN 978-0-87192-240-3 
  • Meyers, P. (1988). «Characteristics of Casting Revealed by the Study of Ancient Chinese Bronzes». In: Maddin, Robert. The beginning of the use of metals and alloys: papers from the Second International Conference on the Beginning of the Use of Metals and Alloys, Zhengzhou, China, 21–26 October 1986. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: MIT Press. pp. 28–34 
  • Moorey, P. R. S. (1988). «Early Metallurgy in Mesopotamia». In: Maddin, Robert. The beginning of the use of metals and alloys: papers from the Second International Conference on the Beginning of the Use of Metals and Alloys, Zhengzhou, China, 21–26 October 1986. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: MIT Press. pp. 28–34 
  • Moorey, P. R. S. (1988). «The Chalcolithic hoard from Nahal Mishmar, Israel, in context». World Archaeology. 20 (2): 171-189 
  • Neuburger, A. (1930). The Technical Arts and Sciences of the Ancients. Londres: Methuen & Co. Ltd. 
  • Ogden, Jack (1982). Jewelry of the Ancient World. Nova Iorque: Rizzoli 
  • Ogden, Jack (2000). «Metals». In: Nicholson, P. T.; Shaw, Ian. Ancient Egyptian Materials and Technology. Cambrígia: Cambridge University Press 
  • Scheel, B. (1989). Egyptian Metalworking and Tools. Princes Risborough: Shire Publications. ISBN 978-0-7478-0001-9 
  • Schorsch, D.; Hendrix, E. (2003). «The Production of Relief Ornament on Cypriot Bronze Castings of The Late Bronze Age». Archaeometallurgy in Europe: International Conference : 24-25-26 September 2003, Milan, Italy : Proceedings. Roma: Associazione Italiana di Metallurgia 
  • Scott, D. A. (1991). «Technical Examination of Some Gold Wire from Pre-Hispanic South America». Studies in Conservation. 36 (2): 65-75. doi:10.1179/sic.1991.36.2.65 
  • Sherwood, Andrew N.; Nikolic, Milo; Humphrey, John W.; Oleson, John P. (2003). Greek and Roman Technology: A Sourcebook: Annotated Translations of Greek and Latin Texts and Documents. Londres e Nova Iorque: Routledge 
  • Silverman, David P. (1997). Searching for Ancient Egypt - Art, Architecture and Artifacts from the University of Pennsylvania Museum of Archaeology and Anthropology. Museu Dalas de Arte; Museu da Universidade da Pensilvânia: Cornell University Press 
  • Singh, Upinder (2008). A History of Ancient and Early Medieval India: From the Stone Age to the 12th Century. Déli, Chenai, Chandigar, Boston, Londres, Sidnei, Singapura, Honcongue, Toronto, Tóquio: Pearson Education India 
  • Smith, M. H. (2005). «Breaking the Mould: A Re-evaluation of Viking Age Mould-making Techniques for Oval Brooches». In: Bork, R. O. De Re Metallica: The Uses of Metal in the Middle Ages. AVISTA studies in the history of medieval technology, science and art. 4. Farnham, Reino Unido: Ashgate. ISBN 978-0-7546-5048-5 
  • Stratford, Noel (1984). Zarnecki, George et all., ed. English Romanesque Art, 1066-1200, no. 247. Londres: Weidenfeld and Nicolson. ISBN 0-7287-0386-6 
  • Teófilo Presbítero (1979). Hawthorne, John G.; Smith, Cyril Stanley, ed. On Divers Arts: The Foremost Medieval Treatise on Painting, Glassmaking, and Metalwork. Nova Iorque: Dover Publications, Inc. 
  • Thoury, M.; Mille, B.; Séverin-Fabiani, T.; Robbiola, L.; Réfrégiers, M.; Jarrige, J-F; Bertrand, L. (2016). «High spatial dynamics-photoluminescence imaging reveals the metallurgy of the earliest lost-wax cast object». Nature Communications. doi:10.1038/ncomms13356 
  • Warner, Langdon; Plumer, James Marshall. Japanese sculpture of the Tempyo period: masterpieces of the eighth century. Cambrígia: Harvard University Press 
  • White, J.C. (1988). «Early East Asian Metallurgy: The Southern Tradition». In: Maddin, Robert. The beginning of the use of metals and alloys: papers from the Second International Conference on the Beginning of the Use of Metals and Alloys, Zhengzhou, China, 21–26 October 1986. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: MIT Press