Cercocebus agilis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCercocebus agilis[1]
C agilis, no topo.
C agilis, no topo.
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Cercopithecidae
Gênero: Cercocebus
Espécie: C. agilis
Nome binomial
Cercocebus agilis
(Milne-Edwards, 1886)
Distribuição geográfica
Agile Mangabey area.png

Cercocebus agilis é um macaco do Velho Mundo encontrado nas florestas pantanosas da África Central, na Guiné Equatorial, Camarões, Gabão, República Centro-Africana, Congo e República Democrática do Congo.[1] Até 1978, era considerado uma subespécie de Cercocebus galeritus.[3] Mas recentemente, Cercocebus chrysogaster tem sido considerado uma espécie separada de C. agilis, em vez de uma subespécie.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

C agilis possui a pelagem de cor cinza-oliva escuro.[4] A face sem pelos e os pés, são pretos.[5] Machos possuem entre 51 e 60 cm de comprimento e pesam entre 7 e 13 kg, enquanto as fêmeas pesam entre 5 e 7 kg e possuem entre 44 e 55 cm de comprimento.[4]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Como os outros macacos do gênero Cercocebus, são diurnos.[3] Embora sejam geralmente arborícolas, passam uma porção significativa do tempo no chão (entre 12 e 22%), especialmente na estação seca.[5] é mais fácil ouvi-los do que vê-los,[4] e os machos possuem vocalizações poderosas, que provavelmente servem na demarcação de território.[3] Outras vocalizações são emitidas para manter a coesão do grupo e alarmar contra predadores.[5] O tamanho do grupo pode ser de até 18 membros, com apenas um macho. Os encontros entre os grupos são amigáveis e podem envolver trocas de membros. Machos adultos sem grupo geralmente se deslocam sozinho.[4]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Frutos forma a maior parte da dieta de C. agilis. Eles são conhecidos por comer pelo menos 42 espécies diferentes.[5] A estrutura dos dentes e suas mandíbulas permitem abrir cascas duras que muitos macacos não conseguem ter acesso.[5]

Referências

  1. a b c Groves, C.P. (2005). Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.), ed. Mammal Species of the World 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. 153 páginas. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  2. (em inglês) Hart, J., Butynski, T. M. & Kingdon, J. (2008). Cercocebus agilis. 2008 Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN. IUCN 2008. Obtido em 15 de dezembro de 2013.
  3. a b c Rowe, Noel (1996). The Pictorial Guide to the Living Primates. [S.l.: s.n.] p. 144. ISBN 0-9648825-0-7 
  4. a b c d Kingdon, Jonathan (1997). The Kingdon Field Guide to African Mammals. [S.l.: s.n.] p. 44. ISBN 0-12-408355-2 
  5. a b c d e «Agile Mangabey - Mangabey Species Survival Plan». Consultado em 19 de julho de 2008. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2008 
Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Velho Mundo ou Hominoidea, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.