Macaca silenus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaMacaco-cauda-de-leão[1]
Lion-tailed macaque with baby.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Cercopithecidae
Género: Macaca
Espécie: M. silenus
Nome binomial
Macaca silenus
(Linnaeus, 1758)[3]
Distribuição geográfica
Lion-tailed Macaque area.png
Sinónimos

O macaco-cauda-de-leão (Macaca silenus), é um Macaco do Velho Mundo da subfamília Cercopithecinae e gênero Macaca, endêmico dos Gates Ocidentais, na Índia do Sul.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Macho exibindo seus caninos

O pelo do macaco-cauda-de-leão é preto. Possui uma juba de cor cinzenta-prateada caraterística, que cobre todo o redor da face, dando a este primata, o nome popular em alemão: Bartaffe - ou "grande macaco barbado".A face é sem pelos e de cor preta. O comprimento do corpo é entre 41 e 62 cm e pesa entre 2 e 10 kg, sendo o menos de todos os integrantes do gênero Macaca. A cauda é de porte médio, tendo até 25 cm, e possui um tufo preto na ponta, similar à cauda de um leão. Esse tufo na cauda é mais desenvolvido nos machos.

A gestação é de aproximadamente seis meses e o filhote é cuidado por cerca de um ano. A maturidade sexual é alcançada com quatro anos, pelas fêmeas, e seis anos pelos machos. A expectativa de vida em liberdade é de aproximadamente 20 anos, mas em cativeiro podem viver até 30 anos.[4]

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

É um animal diurno que habita florestas chuvosas. É um bom escalador e passa a maior parte do tempo na copa das árvores, na floresta ombrófila densa. Ao contrário de outros do mesmo gênero, evita seres humanos. O comportamento dentro do grupo é como de outros do gênero Macaca: são grupos com hierarquia, com 10 a 20 animais, que consistem de poucos machos para muitas fêmeas. São territoriais, e defendem o território com vocalizações.

Dieta[editar | editar código-fonte]

Se alimentam de frutos, e mantêm grandes distância entre os indivíduos enquanto se alimenta, e gastam bastante tempo do dia forrageando e se alimentando.[5] Ingere principalmente frutos, folhas, insetos, e pequenos vertebrados em florestas primárias, mas podem se adaptar a áreas perturbadas pelo homem, como corte seletivo de madeira, mudando as escolhas na hora de se alimentar.[5]

M. silenus nas Colinas Anamalai

Conservação[editar | editar código-fonte]

Um recente trabalho da IUCN reporta que existem entre 3000 e 3500 animais vivendo em áreas isoladas de Karnataka, Kerala e Tamil Nadu.[6] É um dos mais primatas mais ameaçados e raros do mundo. Sua distribuição geográfica foi se tornando fragmentada por conta da expansão da agricultura de chá, café e cinchona, construção de represas para irrigação e geração de energia, e surgimento de assentamentos humanos. Não se alimentam ou vivem em plantações. Destruição de seu habitat e sua evitação da proximidade com humanos levou a uma rápida diminuição das populações.

Entre 1977 e 1980, a preocupação pública a cerca do estado de conservação da espécie tornou-se foco da associação Save Silent Valley. Entre 1993 e 1996, 14 grupos foram observados no Parque Nacional Silent Valley, Kerala, um dos habitats menos perturbados pelo homem.[7]

Uma população autossustentável de 32 grupos ocorre em A self-sustainable single population of 32 groups of lion-tailed macaques occurred in Sirsi-Honnavara, Karnataka, a população mais ao norte conhecida da espécie.[8] Um censo local concluído em 2007, conduzido no Distrito de Theni de Tamil Nadu, estimou cerca de 250 indivíduos, o que foi encorajador, já que pensava-se que não havia nenhum indivíduo da espécie no local.[9] Muitos zoológicos mantêm programas de reprodução que asseguram a sobrevivência da espécie. Cerca de 338 indivíduos vivem em zoológicos.[4]

Referências

  1. Groves, C.P.. Order Primates. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 164 p. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. Kumar, A., Singh, M. & Molur, S. (2008). Macaca silenus (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 05 de abril de 2013.
  3. Linne´, Carl von. Systema naturæ. Regnum animale. 10 ed. [S.l.: s.n.], 1758. p. 26. 19 November 2012 
  4. a b Lion-tailed Macaque «Article - World Association of Zoos and Aquariums (WAZA), Virtual Zoo» Verifique valor |url= (ajuda) 
  5. a b Singh Mewa and Kaumanns Werner (2005-10-10). «Behavioural studies: A necessity for wildlife management» (PDF): 1233 
  6. Molur S, D Brandon-Jones, W Dittus, A. Eudey, A. Kumar, M. Singh, M.M. Feeroz, M. Chalise, P. Priya & S. Walker (2003). Status of South Asian Primates: Conservation Assessment and Management Plan (C.A.M.P.) Workshop Report, 2003. Zoo Outreach Organization/CBSG-South Asia, Coimbatore
  7. Ramachandran, K. K.; Joseph, Gigi, K. (2001). «Distribution and demography of diurnal primates in Silent Valley National Park and adjacent areas, Kerala, India»: 191–196 
  8. Singh Mewa and Kaumanns Werner (October 2004). «Distribution and Abundance of Primates in Rain Forests of the Western Ghats, Karnataka, India and the Conservation of Macaca silenus»: abstract. doi:10.1023/B:IJOP.0000043348.06255.7f 
  9. «Article-"Nilgiri Tahr, lion-tailed macaque sighted in Theni district"». The Hindu. Chennai, India [s.n.] 9 May 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Macaca silenus
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Macaca silenus


Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Velho Mundo ou Hominoidea, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.