Macaco-de-gibraltar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMacaco-de-gibraltar
Macaca sylvanus

Macaca sylvanus
Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Subreino: Eumetazoa
Superfilo: Deuterostomia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Superfamília: Cercopithecoidea
Família: Cercopithecidae
Subfamília: Cercopithecinae
Tribo: Papionini
Género: Macaca
Espécie: M. sylvanus
Nome binomial
Macaca sylvanus
(Linnaeus, 1758)
Distribuição geográfica
 Vermelho (nativo, população tunisina atualmente extinta)  Rosa (introduzido)
Vermelho (nativo, população tunisina atualmente extinta)
Rosa (introduzido)

O macaco-de-gibraltar (Macaca sylvanus), também conhecido como macaco-berbere, é um macaco do Velho Mundo que se encontra actualmente em algumas zonas reduzidas dos Montes Atlas no norte de África e no Rochedo de Gibraltar, em Gibraltar. É o único primata, além do homem, que pode encontrar-se actualmente em liberdade na Europa, e o único membro do género Macaca que vive fora da Ásia.

Descrição[editar | editar código-fonte]

um pequeno quadrúpede, nunca superior a 75 centímetros de comprimento e 13 quilogramas de peso. O corpo está coberto de pêlo pardo-amarelado, ligeiramente acinzentado em alguns indivíduos. O rosto, pés e mãos são de cor rosada, e a cauda é apenas um vestígio pouco visível à distância. Os machos são maiores que as fêmeas.

Ecologia[editar | editar código-fonte]

São animais diurnos e omnívoros, que vivem em bosques mistos até mais de 2100 metros de altitude, em grupos de entre 10 e 30 indivíduos de estrutura matriarcal dirigidos por uma fêmea. Após quatro ou cinco meses de gestação, as fêmeas dão à luz uma cria (duas em casos raros) cuidada tanto pelo pai como pela mãe. São adultos aos 3 a 4 anos e vivem até 20.

Dieta[editar | editar código-fonte]

Movem-se constantemente em busca de frutas, folhas, raízes ou insectos.

Conservação[editar | editar código-fonte]

Como parte do património de Gibraltar, a alimentação e sobrevivência dos macacos tem sido responsabilidade da Royal Navy até ter sido cedida ao governo gibraltino em 1991. A tradição popular diz que enquanto os macacos persistirem em Gibraltar, este continuará sob domínio britânico, pelo que se chegou ao ponto de, durante a Segunda Guerra Mundial, quando se temia uma possível invasão Hispano-Germânica, o próprio primeiro-ministro britânico Winston Churchill ordenar trazer várias dezenas de exemplares do norte de África para assegurar a sobrevivência da sua exígua população.

Imagens[editar | editar código-fonte]

M sylvanus BarbaryApe.jpg
Pés e mãos de um macaco-de-gibraltar (Macaca sylvanus)
El Aouana algeria.jpg

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Macaco-de-gibraltar
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Macaco-de-gibraltar

Referências

  1. Butynski, T. M., Cortes, J., Water, S., Fa, J., Hobbelink, M. E., van Lavieren, E., Belbachir, F., Cuzin, F., de Smet, K., Mouna, M., de Iongh, H., Menard, N. & Camperio-Ciani, A. (2008). Macaca sylvanus (em Inglês). IUCN 2013. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2013 Versão 2. Página visitada em 10 de março de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Velho Mundo ou Hominoidea, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.