Colostro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O colostro (conhecido coloquialmente como beestings,[1] bisnings [2] ou primeiro leite ) é uma forma de leite de baixo volume secretado pela maioria dos mamíferos nas 72 horas de amamentação pós-parto, e também está presente na gema de ovos que segundo alguns autores " "imunoglobulinas derivadas de aves podem fornecer um nível mais alto de especificidade e uma quantidade reduzida de efeitos colaterais indesejáveis ​​em comparação com imunoglobulinas derivadas de soro de mamífero."[3][4]. È composto de vários fatores para o desenvolvimento e proteção como imunoglobulinas, água, leucócitos, proteínas, carboidratos e outros. O colostro vai se transformando gradativamente em leite maduro nos primeiros quinze dias pós-parto. Também são identificados componentes, como fatores de crescimento, lactoferrina, citocinas anti-inflamatórias, oligossacarídeos, antioxidantes, pré e pró-bióticos, leucócitos e anticorpos.

O colostro tem uma importante função na imunidade passiva de algumas espécies de animais. Nele existem uma grande quantidade de imunoglobulinas, que em determinadas espécies não conseguem passar pela placenta, ficando a cargo total do colostro transferir da mãe para o filho (como o caso do bezerro que é totalmente dependente e morre se não tomar). Além da quantidade de imunoglobulinas, o colostro se difere do leite pela quantidade de sólidos totais, proteínas e demais fatores. Com o tempo, essas diferenças vão diminuindo e essa secreção vai se transformando em leite.[5] Colostro é a primeira forma de leite produzida pelas glândulas mamárias de mamíferos (incluindo humanos) imediatamente após o parto do recém-nascido.[6] A maioria das espécies começa a gerar colostro pouco antes do parto. O colostro tem uma quantidade especialmente elevada de compostos bioativos em comparação com o leite maduro para dar ao recém-nascido o melhor início de vida possível. Especificamente, o colostro contém anticorpos para proteger o recém-nascido contra doenças e infecções, e fatores imunológicos e de crescimento e outros bioativos que ajudam a ativar o sistema imunológico do recém-nascido, impulsionar a função intestinal e semear um microbioma intestinal saudável nos primeiros dias de vida. Os bioativos encontrados no colostro são essenciais para a saúde, o crescimento e a vitalidade de um recém-nascido.[7] Essa transição exige muito do trato gastrointestinal do recém-nascido, pois o intestino desempenha um papel importante tanto no sistema digestivo quanto no sistema imunológico.[8] O colostro evoluiu para cuidar de neonatos mamíferos altamente sensíveis e contribui significativamente para a defesa imunológica inicial, bem como para o crescimento, desenvolvimento e maturação do trato gastrointestinal do recém-nascido, fornecendo nutrientes essenciais e fatores bioativos.[9][10] . O colostro também tem um efeito laxante suave, estimulando a eliminação das primeiras fezes do bebê, chamadas de mecônio . Isso elimina o excesso de bilirrubina, um produto residual dos glóbulos vermelhos mortos, que é produzido em grandes quantidades no nascimento devido à redução do volume sanguíneo do corpo do bebê e ajuda a prevenir a icterícia .

Componentes bioativos no colostro[editar | editar código-fonte]

Os recém-nascidos têm sistemas digestivos pequenos e muito imaturos, e o colostro fornece seus bioativos em uma forma de baixo volume muito concentrada. O colostro é conhecido por conter células do sistema imunológico (como linfócitos ) [11][12] e muitos anticorpos, como IgA, IgG e IgM[13] . Esses são alguns dos componentes do sistema imunológico adaptativo. Outros componentes imunológicos do colostro incluem os principais componentes do sistema imunológico inato, como lactoferrina,[14] lisozima,[15] lactoperoxidase,[16] complemento,[17] e polipeptídeos ricos em prolina (PRP).[18] Uma série de citocinas (pequenos peptídeos mensageiros que controlam o funcionamento do sistema imunológico) também são encontradas no colostro,[19] incluindo interleucinas,[19] fator de necrose tumoral,[20] quimiocinas [21] e outros.

O colostro também contém vários fatores de crescimento, como fatores de crescimento semelhantes à insulina I (IGF-1),[22] e II,[23] fatores de crescimento transformadores alfa,[24] beta 1 e beta 2,[25][26] fatores de crescimento de fibroblastos,[27] fator de crescimento epidérmico,[28] fator de crescimento estimulador de granulócitos-macrófagos,[29] fator de crescimento derivado de plaquetas,[29] fator de crescimento endotelial vascular,[30] e fator estimulador de colônias 1 [31]

Durante o aleitamento, imunoglobulinas (IgA, IgG, IgM, IgD, IgE) são transferidas pelo colostro para o recém nascido[32], havendo passagem de imunidade passiva da mãe para o filho, que ainda apresenta um sistema imune imaturo e precisa de proteção. A importância das imunoglobulinas, em especial, a IgA, como anticorpo, que favorece a saúde da criança, tem a função de inibir a adesão de vírus e bactérias. Assim, evita inflamações e infecções, tais como: diarreia, problemas respiratórios e otite média.

Consumo humano de colostro bovino[editar | editar código-fonte]

Embora já se tenha entendido que o colostro que uma mãe produz é vital para a saúde de um recém-nascido nos primeiros dias de vida, a pesquisa mostrou que o colostro bovino (vaca) e seus componentes podem continuar a suportar atividades biológicas importantes quando administrado a crianças mais maduras. e adultos, de modo que os benefícios do colostro podem se estender muito além do período de desenvolvimento neonatal.

No decorrer da lactação, mesmo com o declínio da secreção de IgA no leite materno, a atividade biológica de inibição da adesão bacteriana permanece inalterada. Esse dado explica por que as crianças permanecem protegidas contra gastrenterites durante todo o período de aleitamento. Diarreias são mais frequentes após o desmame, independente da idade da criança. Esses dados reforçam a importância do leite materno para recém-nascidos prematuros e pequenos para a idade gestacional.

O colostro é também a única substância capaz de eliminar todos os resíduos de mecônio do trato gastrointestinal do bebê, ajudando o intestino a amadurecer e funcionar de maneira eficiente, além de prevenir o aparecimento de alergias, infecções e diarréia, pelo adequado controle e equilíbrio das bactérias que se desenvolvem no seu intestino. No dia do parto o colostro se apresenta ainda mais rico, daí as primeiras horas de vida serem chamadas por especialistas de "golden hours".

Além de prevenir doenças no início da vida, o leite materno parece reduzir o risco de certas doenças crônicas ligadas ao sistema imunológico, como doenças autoimunes, doença celíaca, doença de Crohn, colite ulcerativa, diabetes mellitus e linfoma.

Como o colostro é rico em células imunologicamente ativas, anticorpos e proteínas protetoras, funciona como uma primeira vacina, protegendo o bebê contra várias infecções. O colostro bovino e o colostro humano são altamente semelhantes em sua composição, ambos contendo muitos dos mesmos anticorpos, fatores imunológicos e de crescimento e outros nutrientes.[33] Como eles compartilham muitos dos mesmos componentes, a maneira como funcionam no corpo também é muito semelhante. O benefício do colostro bovino para a saúde humana tem sido estudado em muitas áreas, incluindo:

  • Saúde imunológica: o colostro é composto de uma combinação poderosa de bioativos que oferecem suporte à saúde imunológica, incluindo imunoglobulinas, moduladores imunológicos e oligossacarídeos. Esses bioativos trabalham juntos para apoiar não apenas o sistema imunológico, mas também comprovadamente apoiam a saúde respiratória em adultos e crianças.[34][35][36]
  • Saúde digestiva: o colostro é composto de uma combinação benéfica de bioativos que auxiliam na saúde digestiva, incluindo imunoglobulinas, fatores de crescimento e oligossacarídeos. Esses bioativos trabalham juntos para manter e apoiar a integridade intestinal e melhorar a absorção de nutrientes, enquanto seus prebióticos de ocorrência natural alimentam bactérias benéficas e sustentam um intestino equilibrado em adultos e crianças [37][38][39].[40][41][42][43][44] Ao estimular os movimentos intestinais para que o mecônio seja rapidamente eliminado, ajuda na prevenção da icterícia.
  • Nutrição na primeira infância: Embora o colostro e o leite materno sejam uma parte crítica da nutrição do recém-nascido, a pesquisa mostrou que o colostro tem benefícios contínuos em crianças com mais de um ano de idade. Como um componente da nutrição na infância, o colostro pode ajudar a apoiar o sistema imunológico das crianças, aliviar problemas digestivos e, de outra forma, apoiar a saúde digestiva das crianças.[36][40][41][43][45] . É rico em vitamina A que ajuda a proteger os olhos e a reduzir as infecções. Vem em volumes pequenos, de acordo com a capacidade gástrica de um recém-nascido.
  • Nutrição Esportiva: O colostro bovino contém vários bioativos que ajudam a apoiar a nutrição esportiva, incluindo imunoglobulinas e fatores de crescimento. Esses bioativos se combinam para ajudar a manter um sistema imunológico saudável durante o estresse durante o treinamento atlético, enquanto apoiam a proliferação e restituição celular, bem como a síntese de proteínas e o reparo de tecidos moles.[46][47][48][49]

Uso de colostro na pecuária[editar | editar código-fonte]

O colostro é crucial para animais de fazenda recém-nascidos. Eles não recebem transferência passiva de imunidade através da placenta antes do nascimento, portanto, quaisquer anticorpos de que necessitem devem ser ingeridos (a menos que sejam fornecidos por injeção ou outros meios artificiais). Os anticorpos ingeridos são absorvidos pelo intestino do recém-nascido.[50][51][52][53][54] O animal recém-nascido deve receber colostro dentro de 6 horas após o nascimento para que ocorra a absorção máxima de anticorpos colostrais. Estudos recentes indicam que o colostro deve ser fornecido aos bovinos nos primeiros trinta minutos para maximizar as taxas de absorção de IgG.O papel do colostro para os animais recém-nascidos é o fornecimento de nutrição e também proteção essencial contra infecções, enquanto os sistemas imunológico e digestivo estão se desenvolvendo e amadurecendo. O colostro bovino fornece macro e micronutrientes, bem como fatores de crescimento, citocinas, nucleosídeos, oligossacarídeos, antimicrobianos naturais, antioxidantes e uma variedade de imunoglobulinas como IgG, IgA, IgD, IgM e IgE. Está bem estabelecido que os níveis mínimos de IgG são essenciais para prevenir a falha da transferência passiva. As glicoproteínas lactoferrina e transferrina que se ligam ao ferro no colostro bovino auxiliam no ataque de patógenos ao impactar sua membrana celular e torná-los mais suscetíveis ao ataque do sistema imunológico por neutrófilos. As citocinas presentes no colostro bovino aumentam a maturação das células B e T e aumentam a produção de anticorpos endógenos. Eles também desempenham um papel importante na regulação do crescimento e desenvolvimento de células epiteliais, proliferação e restituição. Os fatores de transferência aumentam a atividade das células T. Outros fatores de crescimento e imunológicos, como IGF-1, IGF-2, FGF, EGF, TGF, PDGF, etc.[55]

Os componentes do colostro bovino beneficiam a saúde imunológica e digestiva de animais de todas as idades e espécies. A vasta gama de componentes bioativos do colostro bovino aumenta coletivamente a resistência a infecções e doenças causadas por uma ampla gama de patógenos, incluindo bactérias e vírus. A qualidade do colostro é fundamental para proporcionar os benefícios essenciais. Tanto o colostro bovino precoce contaminado no nível da fazenda quanto o leite ou leite de transição tardia são fontes pobres de importantes componentes do colostro necessários para manter a vida e atingir e manter a maturação animal saudável e a homeostase. O colostro bovino também é benéfico para reparar ou curar danos intestinais, bem como aumentar a absorção de nutrientes do trato gastrointestinal. Essas propriedades e benefícios são consistentes entre as espécies humanas e animais.

A transição do fetal para o neonatal e a mudança da dependência materna para a ambiental requer uma mudança imunológica abrupta. Em bezerros, por exemplo, o colostro fornece um benefício significativo no desenvolvimento do intestino neonatal. Isso inclui a área de vilosidade, circunferência, altura e relação altura / cripta. O colostro é extremamente importante para bezerros e potros, a fim de prevenir falha na transferência passiva e morte. Bezerros, potros e leitões com baixos níveis de IgG apresentam risco aumentado de morbidade e mortalidade. O colostro bovino pode ser usado para reduzir a duração e a gravidade das infecções, portanto, pode ser uma ferramenta útil a ser incluída na redução do uso de antibióticos. Finalmente, outro benefício importante e valioso do colostro é a redução da diarreia e o aumento do ganho de peso médio diário, o que traz um benefício significativo para o agricultor e, por fim, para o consumidor. 

Uso de colostro em animais domésticos[editar | editar código-fonte]

Assim como em humanos e animais de produção, a sobrevivência dos animais domésticos no estágio de vida do recém-nascido depende em grande parte do colostro. O sistema imunológico dos animais domésticos requer várias semanas a vários meses para se desenvolver completamente. Os anticorpos maternos fornecem benefícios por um período de tempo relativamente curto, então existe uma lacuna com a suficiência imunológica quando um animal está em risco de infecção. Como os humanos, a resposta imune dos animais domésticos muda com a idade, sendo que o início da vida e as fases posteriores da vida apresentam semelhanças. Ou seja, um viés imunológico pelo qual o animal tem menos capacidade de evitar infecções e maior prevalência de alergia em ambas as extremidades do espectro de idade. O estresse também afeta o sistema imunológico de um animal de companhia, incluindo mudanças no ambiente, dieta, etc. Manter o equilíbrio microbiano intestinal é a chave para manter um sistema imunológico saudável, bem como a integridade da mucosa, semelhante ao dos humanos. Foi demonstrado que o colostro bovino beneficia a imunidade dos animais domésticos e a saúde digestiva.

O colostro bovino desempenha um papel no aumento dos níveis de Ig, aumentando a atividade de estimulação da proliferação de linfócitos e aumentando a atividade de fagocitose. Estes são apoiados por outros componentes do colostro que aumentam ainda mais a atividade da resposta imunológica. As glicoproteínas lactoferrina e transferrina que se ligam ao ferro no colostro bovino auxiliam no ataque de patógenos ao impactar sua membrana celular e torná-los mais suscetíveis ao ataque do sistema imunológico por neutrófilos. As citocinas presentes no colostro bovino aumentam a maturação das células B e T e aumentam a produção de anticorpos endógenos. Eles também desempenham um papel importante na regulação do crescimento e desenvolvimento de células epiteliais, proliferação e restituição. Os fatores de transferência aumentam a atividade das células T. Outros fatores de crescimento e imunológicos, como IGF-1, IGF-2, FGF, EGF, TGF, PDGF, etc. O colostro contém glicomacropeptídeos que ajudam a regular o apetite.

Foi demonstrado que o colostro bovino aumenta a resposta imune em modelos animais, incluindo animais caninos, felinos e equinos, incluindo a manutenção de um nível mais alto de resposta de anticorpos à vacina ao longo do tempo e por um período mais longo do que a vacina sozinha. Os animais alimentados com colostro apresentaram um status imunológico local significativamente maior, resultando em maior IgA por meio da estimulação GALT. O colostro também desempenha um papel fundamental na redução ou prevenção da diarreia e redução das doenças respiratórias.

História de estudo do colostro bovino e potenciais aplicações futuras[editar | editar código-fonte]

O gado leiteiro está naturalmente exposto a patógenos e produzem imunoglobulinas contra eles. Esses anticorpos estão presentes na corrente sanguínea da vaca e no colostro. Essas imunoglobulinas são específicas para muitos patógenos humanos, incluindo Escherichia coli, Cryptosporidium parvum, Shigella flexneri , espécies de Salmonella , espécies de Staphylococcus [56] e rotavírus (que causa diarréia em bebês). Antes do desenvolvimento dos antibióticos, o colostro era a principal fonte de imunoglobulinas usadas no combate às bactérias. Na verdade, quando Albert Sabin fez sua primeira vacina oral contra a poliomielite, a imunoglobulina que ele usou veio do colostro bovino.[57] Quando os antibióticos começaram a aparecer, o interesse pelo colostro diminuiu, mas, agora que as cepas de patógenos resistentes aos antibióticos se desenvolveram, o interesse está mais uma vez voltando às alternativas naturais aos antibióticos, a saber, o colostro.[58]

Embora o colostro bovino tenha sido consumido por humanos durante séculos,[59] apenas nas últimas décadas vimos um aumento nos ensaios clínicos randomizados para apoiar as afirmações de benefícios à saúde. É provável que ocorra pouca absorção de fatores de crescimento intactos e anticorpos na corrente sanguínea, devido à digestão no trato gastrointestinal. No entanto, a presença de caseína e outras proteínas tamponadoras permite que fatores de crescimento e outras moléculas bioativas passem intactos para o lúmen do intestino delgado, onde podem estimular o reparo e inibir micróbios, agindo por meio de efeitos locais.[60] Isso fornece um mecanismo provável que explica os resultados positivos do colostro na saúde intestinal de adultos em vários estudos publicados recentemente bem controlados.[61][62][63][64] As evidências do efeito benéfico do colostro nos problemas extra-gastrointestinais são menos desenvolvidas, em parte devido ao número limitado de estudos randomizados duplo-cegos publicados, embora uma variedade de usos possíveis tenham sido sugeridos.[65][66][67]

O intestino desempenha vários papéis importantes, incluindo atuar como a principal via de absorção de fluidos, eletrólitos e nutrientes, ao mesmo tempo que atua como uma barreira aos agentes tóxicos presentes no lúmen intestinal, incluindo ácido, enzimas digestivas e bactérias intestinais. É também um importante mecanismo de defesa imunológica, detectando comensais naturais e desencadeando a resposta imunológica quando micróbios tóxicos estão presentes. A falha da homeostase devido a trauma, drogas e micróbios infecciosos não apenas danifica o intestino, mas pode levar ao influxo de agentes prejudiciais para a corrente sanguínea. Esses mecanismos são relevantes para várias condições que afetam todas as áreas do mundo e grupos socioeconômicos, como úlceras, inflamação e diarreia infecciosa.[68] Atualmente, há muito interesse no valor potencial do colostro para a prevenção e tratamento dessas condições, pois é derivado de fontes naturais e pode influenciar fatores prejudiciais por meio de várias vias, incluindo suporte nutricional, intervenção imunológica (por meio de sua imunoglobulina e outros fatores antimicrobianos ) e constituintes do fator de crescimento / cura.[69] Como apontado por Kelly, a inconsistência entre os resultados em alguns estudos publicados pode ser devido em parte à variação na dose administrada e ao momento da coleta de colostro sendo testada (primeira ordenha versus colostro coletado até o dia 5 após o parto).[70]

Um estudo piloto com crianças autistas demonstrou benefícios principalmente de melhora no funcionamento gastrointestinal.[71][72] diminuir o tempo de recuperação [73] e prevenir doenças durante os níveis de pico de desempenho.[74][75] A suplementação com colostro bovino, 20 gramas por dia (g / d), em combinação com o treinamento físico por 8 semanas pode aumentar a massa magra livre de ossos em homens e mulheres ativos.[72]

Níveis baixos de IGF-1 podem estar associados à demência em idosos, embora a causa não tenha sido estabelecida.[76] A desnutrição pode causar baixos níveis de IGF-1,[77] como a obesidade.[78] A suplementação com colostro, que é rico em IGF-1, pode ser uma parte útil de um programa de redução de peso.  Embora o IGF-1 não seja absorvido intacto pelo corpo, alguns estudos sugerem que estimula a produção de IGF-1 quando tomado como suplemento [79] enquanto outros não

O colostro também possui componentes antioxidantes, como a lactoferrina [80] e a hemopexina, que se ligam ao heme livre no corpo.

A Ilha de Man tinha uma iguaria local chamada "Groosniuys", um pudim feito com colostro.[81] Na Finlândia, um queijo assado chamado Leipäjuusto é tradicionalmente feito com colostro de vaca ou leite de rena.

Uma iguaria doce semelhante a um queijo chamada 'Junnu' ou 'Ginna' é feita com colostro nos estados de Karnataka, Andhra Pradesh e Telangana, no sul da Índia. É feito com leite de vaca e de búfala; em ambos os casos, o leite produzido no segundo dia após o parto é considerado o melhor para fazer essa iguaria parecida com um pudim. O colostro é muito procurado nesses estados, resultando na adulteração do produto.

Colostro hiperimune[editar | editar código-fonte]

O colostro hiperimune é o colostro bovino natural coletado de uma população de vacas imunizadas repetidamente com um patógeno específico. O colostro é coletado 24 horas após o parto da vaca. Os anticorpos para os patógenos ou antígenos específicos que foram usados na imunização estão presentes em níveis mais elevados do que na população antes do tratamento. Embora alguns artigos tenham sido publicados afirmando que patógenos humanos específicos eram tão elevados quanto no colostro hiperimune, o colostro natural quase sempre tinha títulos de anticorpos mais altos do que a versão hiperimune.[56] Ensaios clínicos [82] demonstraram que se a imunização for por antígenos de superfície da bactéria, o Colostro Bovino em Pó [83] pode ser usado para fazer comprimidos capazes de se ligar à bactéria para que sejam excretados nas fezes. Isso evita a colonização bem-sucedida do intestino, o que, de outra forma, levaria à liberação de bactérias enterotoxigênicas.

Polipeptídeos ricos em prolina[editar | editar código-fonte]


Esses pequenos peptídeos de sinalização imunológica (PRPs) foram descobertos de forma independente no colostro e em outras fontes, como plasma sanguíneo, nos Estados Unidos,[84] Tchecoslováquia e Polônia.[85] Por isso, aparecem sob vários nomes na literatura, incluindo Colostrinina, CLN, fator de transferência e PRP. Eles funcionam como moléculas transdutoras de sinal que têm o efeito único de modular o sistema imunológico, ativando-o quando o corpo é atacado por patógenos ou outros agentes de doenças e amortecendo-o quando o perigo é eliminado ou neutralizado.[86] A princípio pensado para realmente transferir imunidade de um sistema imunológico para outro, agora parece que os PRPs simplesmente estimulam a imunidade mediada por células.

Referências

  1. Gottstein, Michael. Colostrum is vital ingredient to keep newborn lambs alive. Irish Independent. 3 March 2009.
  2. Peter Bird, Northamptonshire ACRE 'Village Voices' oral history recordings, Northamptonshire ACRE and Northamptonshire County Archives
  3. Yolken, Robert H.; Leister, Flora; Wee, Siok-Bi; Miskuff, Robin; Vonderfecht, Steven (1 de fevereiro de 1988). «Antibodies to Rotaviruses in Chickens' Eggs: A Potential Source of Antiviral Immunoglobulins Suitable for Human Consumption». Pediatrics (em inglês) (2): 291–295. ISSN 0031-4005. PMID 2829106. Consultado em 13 de abril de 2021 
  4. Method for purifying egg yolk immunoglobulins (em inglês), 9 de setembro de 1993, consultado em 13 de abril de 2021 
  5. Hurley, Walter L.; Theil, Peter K. (14 de abril de 2011). «Perspectives on Immunoglobulins in Colostrum and Milk». Nutrients (4): 442–474. ISSN 2072-6643. PMC 3257684Acessível livremente. PMID 22254105. doi:10.3390/nu3040442. Consultado em 13 de abril de 2021 
  6. Ballard, Olivia; Morrow, Ardythe L. (fevereiro 2013). «Human Milk Composition: Nutrients and Bioactive Factors». Pediatric Clinics of North America. 60: 49–74. ISSN 0031-3955. PMC 3586783Acessível livremente. PMID 23178060. doi:10.1016/j.pcl.2012.10.002 
  7. Sangild, P. T.; Thymann, T.; Schmidt, M.; Stoll, B.; Burrin, D. G.; Buddington, R. K. (1 de outubro de 2013). «Invited Review: The preterm pig as a model in pediatric gastroenterology». Journal of Animal Science. 91: 4713–4729. ISSN 0021-8812. PMC 3984402Acessível livremente. PMID 23942716. doi:10.2527/jas.2013-6359 
  8. Newburg, David S.; Walker, W. Allan (janeiro 2007). «Protection of the neonate by the innate immune system of developing gut and of human milk». Pediatric Research. 61: 2–8. ISSN 0031-3998. PMID 17211132. doi:10.1203/01.pdr.0000250274.68571.18 
  9. Stelwagen, K.; Carpenter, E.; Haigh, B.; Hodgkinson, A.; Wheeler, T. T. (abril 2009). «Immune components of bovine colostrum and milk». Journal of Animal Science. 87: 3–9. ISSN 1525-3163. PMID 18952725. doi:10.2527/jas.2008-1377 
  10. Rathe, Mathias; Müller, Klaus; Sangild, Per Torp; Husby, Steffen (abril de 2014). «Clinical applications of bovine colostrum therapy: a systematic review». Nutrition Reviews (4): 237–254. ISSN 1753-4887. PMID 24571383. doi:10.1111/nure.12089. Consultado em 13 de abril de 2021 
  11. «It's Only Natural». 9 de junho de 2017 
  12. Bertotto, A; Castellucci, G; Fabietti, G; Scalise, F; Vaccaro, R (1 de novembro de 1990). «Lymphocytes bearing the T cell receptor gamma delta in human breast milk». Arch Dis Child. 65: 1274–5. PMC 1792611Acessível livremente. PMID 2147370. doi:10.1136/adc.65.11.1274-a 
  13. Monteiro, Renata de Araujo (16 de janeiro de 2017). «Evolução neonatal e aquisição passiva de anticorpos IgG séricos e IgA no colostro reativos com Streptococcus B, anti-LPS de Klebsiella pneumoniae e Pseudomonas aeruginosa em gêmeos». Consultado em 13 de abril de 2021 
  14. Groves, ML (1960). «The isolation of a red protein from milk». Journal of the American Chemical Society. 82: 3345–3360. doi:10.1021/ja01498a029 
  15. Paulík S, Slanina L, Polácek M (janeiro 1985). «[Lysozyme in the colostrum and blood of calves and dairy cows]». Vet Med (Praha) (em eslovaco). 30: 21–8. PMID 3918380 
  16. Reiter B (1978). «The lactoperoxidase-thiocyanate-hydrogen peroxide antibacterium system». Ciba Found. Symp. Novartis Foundation Symposia: 285–94. ISBN 9780470715413. PMID 225143. doi:10.1002/9780470715413.ch16 
  17. Brock, JH; et al. (1975). «Bactericidal and hemolytic activity of complement in bovine colostrum and serum: effect of proteolytic enzymes and ethylene glycol tetraacetic acid (EGTA)». Annales d'Immunologie. 126C: 439–451 
  18. Zabłocka A, Janusz M, Rybka K, Wirkus-Romanowska I, Kupryszewski G, Lisowski J (2001). «Cytokine-inducing activity of a proline-rich polypeptide complex (PRP) from ovine colostrum and its active nonapeptide fragment analogs». Eur. Cytokine Netw. 12: 462–7. PMID 11566627 
  19. a b Hagiwara K, Kataoka S, Yamanaka H, Kirisawa R, Iwai H (outubro 2000). «Detection of cytokines in bovine colostrum». Vet. Immunol. Immunopathol. 76: 183–90. PMID 11044552. doi:10.1016/S0165-2427(00)00213-0 
  20. Rudloff HE, Schmalstieg FC, Mushtaha AA, Palkowetz KH, Liu SK, Goldman AS (janeiro 1992). «Tumor necrosis factor-alpha in human milk». Pediatr. Res. 31: 29–33. PMID 1375729. doi:10.1203/00006450-199201000-00005 
  21. Maheshwari A, Christensen RD, Calhoun DA (novembro 2003). «ELR+ CXC chemokines in human milk». Cytokine. 24: 91–102. PMID 14581003. doi:10.1016/j.cyto.2003.07.002 
  22. Xu RJ (1996). «Development of the newborn GI tract and its relation to colostrum/milk intake: a review». Reprod. Fertil. Dev. 8: 35–48. PMID 8713721. doi:10.1071/RD9960035 
  23. O'Dell SD, Day IN (julho 1998). «Insulin-like growth factor II (IGF-II)». Int. J. Biochem. Cell Biol. 30: 767–71. PMID 9722981. doi:10.1016/S1357-2725(98)00048-X 
  24. Okada M; Ohmura E; Kamiya Y; et al. (1991). «Transforming growth factor (TGF)-alpha in human milk». Life Sci. 48: 1151–6. PMID 2002746. doi:10.1016/0024-3205(91)90452-H 
  25. Saito S, Yoshida M, Ichijo M, Ishizaka S, Tsujii T (outubro 1993). «Transforming growth factor-beta (TGF-beta) in human milk». Clin. Exp. Immunol. 94: 220–4. PMC 1534356Acessível livremente. PMID 8403511. doi:10.1111/j.1365-2249.1993.tb06004.x 
  26. Tokuyama Y, Tokuyama H (fevereiro 1993). «Purification and identification of TGF-beta 2-related growth factor from bovine colostrum». J. Dairy Res. 60: 99–109. PMID 8436667. doi:10.1017/S0022029900027382 
  27. Hironaka, T; et al. (1997). «Identification and partial purification of a basic fibroblast growth factor-like growth factor derived from bovine colostrum». Journal of Dairy Science. 80: 488–495. PMID 9098798. doi:10.3168/jds.s0022-0302(97)75961-7 
  28. Xiao X, Xiong A, Chen X, Mao X, Zhou X (março 2002). «Epidermal growth factor concentrations in human milk, cow's milk and cow's milk-based infant formulas». Chin. Med. J. 115: 451–4. PMID 11940387 
  29. a b Playford RJ, Macdonald CE, Johnson WS (julho 2000). «Colostrum and milk-derived peptide growth factors for the treatment of gastrointestinal disorders». Am. J. Clin. Nutr. 72: 5–14. PMID 10871554. doi:10.1093/ajcn/72.1.5 
  30. Vuorela P, Andersson S, Carpén O, Ylikorkala O, Halmesmäki E (novembro 2000). «Unbound vascular endothelial growth factor and its receptors in breast, human milk, and newborn intestine». Am. J. Clin. Nutr. 72: 1196–201. PMID 11063449. doi:10.1093/ajcn/72.5.1196 
  31. Flidel-Rimon, Orna; Roth, Philip (1 de novembro de 1997). «Effects of milk-borne colony stimulating factor-1 on circulating growth factor levels in the newborn infant». The Journal of Pediatrics (em inglês) (5): 748–750. ISSN 0022-3476. PMID 9403658. doi:10.1016/S0022-3476(97)70105-7. Consultado em 13 de abril de 2021 
  32. Soares, Rita de Cássia Santos; Machado, João Paulo (20 de julho de 2015). «IMUNIDADE CONFERIDA PELO LEITE MATERNO». ANAIS SIMPAC (1). ISSN 2237-2490. Consultado em 13 de abril de 2021 
  33. McGrath, Brian A.; Fox, Patrick F.; McSweeney, Paul L. H.; Kelly, Alan L. (1 de março de 2016). «Composition and properties of bovine colostrum: a review». Dairy Science & Technology (em inglês). 96: 133–158. ISSN 1958-5594. doi:10.1007/s13594-015-0258-x 
  34. Ulfman, Laurien H.; Leusen, Jeanette H. W.; Savelkoul, Huub F. J.; Warner, John O.; van Neerven, R. J. Joost (22 de junho de 2018). «Effects of Bovine Immunoglobulins on Immune Function, Allergy, and Infection». Frontiers in Nutrition. 5: 52. ISSN 2296-861X. PMC 6024018Acessível livremente. PMID 29988421. doi:10.3389/fnut.2018.00052 
  35. Cesarone, Maria Rosaria; Belcaro, Gianni; Di Renzo, Andrea; Dugall, Mark; Cacchio, Marisa; Ruffini, Irma; Pellegrini, Luciano; Del Boccio, Gilberto; Fano, Filiberto (abril 2007). «Prevention of Influenza Episodes With Colostrum Compared With Vaccination in Healthy and High-Risk Cardiovascular Subjects: The Epidemiologic Study in San Valentino». Clinical and Applied Thrombosis/Hemostasis (em inglês). 13: 130–136. ISSN 1076-0296. PMID 17456621. doi:10.1177/1076029606295957 
  36. a b Saad, Khaled; Abo-Elela, Mohamed Gamil M.; El-Baseer, Khaled A. Abd; Ahmed, Ahmed E.; Ahmad, Faisal-Alkhateeb; Tawfeek, Mostafa S. K.; El-Houfey, Amira A.; Aboul_Khair, Mohamed Diab; Abdel-Salam, Ahmad M. (16 de setembro de 2016). «Effects of bovine colostrum on recurrent respiratory tract infections and diarrhea in children». Medicine. 95: e4560. ISSN 0025-7974. PMC 5402550Acessível livremente. PMID 27631207. doi:10.1097/MD.0000000000004560 
  37. Filipescu, Iulia Elena; Leonardi, Leonardo; Menchetti, Laura; Guelfi, Gabriella; Traina, Giovanna; Casagrande-Proietti, Patrizia; Piro, Federica; Quattrone, Alda; Barbato, Olimpia (23 de agosto de 2018). «Preventive effects of bovine colostrum supplementation in TNBS-induced colitis in mice». PLOS ONE. 13: e0202929. ISSN 1932-6203. PMC 6107273Acessível livremente. PMID 30138385. doi:10.1371/journal.pone.0202929 
  38. «Dairy in Human Health and Disease Across the Lifespan | ScienceDirect». www.sciencedirect.com. Consultado em 30 de setembro de 2020 
  39. Playford, R. J. (1 de junho de 2001). «Peptide therapy and the gastroenterologist: colostrum and milk-derived growth factors». Clinical Nutrition. Proceedings of the 11th Nutricia Symposium Recent Developments in Clinical Nutrition (em inglês). 20: 101–106. ISSN 0261-5614. doi:10.1054/clnu.2001.0434 
  40. a b Barakat, Sana Hosny; Meheissen, Marwa Ahmed; Omar, Omneya Magdy; Elbana, Doaa Ali (1 de fevereiro de 2020). «Bovine Colostrum in the Treatment of Acute Diarrhea in Children: A Double-Blinded Randomized Controlled Trial». Journal of Tropical Pediatrics (em inglês). 66: 46–55. PMID 31168590. doi:10.1093/tropej/fmz029 
  41. a b Patel, Kamlesh; Rana, Rajiv (julho 2006). «Pedimune in recurrent respiratory infection and diarrhoea--the Indian experience--the pride study». Indian Journal of Pediatrics. 73: 585–591. ISSN 0973-7693. PMID 16877852. doi:10.1007/BF02759923 
  42. Pakkanen, R.; Aalto, J. (1 de maio de 1997). «Growth factors and antimicrobial factors of bovine colostrum». International Dairy Journal (em inglês). 7: 285–297. ISSN 0958-6946. doi:10.1016/S0958-6946(97)00022-8 
  43. a b Gopal, Pramod K.; Gill, H. S. (novembro 2000). «Oligosaccharides and glycoconjugates in bovine milk and colostrum». British Journal of Nutrition (em inglês). 84: 69–74. ISSN 1475-2662. PMID 11242449. doi:10.1017/S0007114500002270 
  44. Mehra R, Sing R, Kumar N, et al. UGC Sponsored National Conference on Food Safety, Nutritional Security and Sustainability. 2020. ISBN 978-81-942875-0-
  45. Huppertz HI, Rutkowski S, Busch DH, Eisebit R, Lissner R, Karch H. Journal of pediatric gastroenterology and nutrition. 1999;29(4):452-6.
  46. Buckley, J. D.; Abbott, M. J.; Brinkworth, G. D.; Whyte, P. B. D. (junho 2002). «Bovine colostrum supplementation during endurance running training improves recovery, but not performance». Journal of Science and Medicine in Sport. 5: 65–79. ISSN 1440-2440. PMID 12188088. doi:10.1016/s1440-2440(02)80028-7 
  47. Brinkworth, Grant D.; Buckley, Jonathan D.; Slavotinek, John P.; Kurmis, Andrew P. (janeiro 2004). «Effect of bovine colostrum supplementation on the composition of resistance trained and untrained limbs in healthy young men». European Journal of Applied Physiology. 91: 53–60. ISSN 1439-6319. PMID 14504943. doi:10.1007/s00421-003-0944-x 
  48. Duff, Whitney R. D.; Chilibeck, Philip D.; Rooke, Julianne J.; Kaviani, Mojtaba; Krentz, Joel R.; Haines, Deborah M. (junho 2014). «The effect of bovine colostrum supplementation in older adults during resistance training». International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism. 24: 276–285. ISSN 1543-2742. PMID 24281841. doi:10.1123/ijsnem.2013-0182 
  49. Kotsis, Yiannis; Mikellidi, Anastasia; Aresti, Cleopatra; Persia, Eleni; Sotiropoulos, Aristomenis; Panagiotakos, Demosthenes B.; Antonopoulou, Smaragdi; Nomikos, Tzortzis (abril de 2018). «A low-dose, 6-week bovine colostrum supplementation maintains performance and attenuates inflammatory indices following a Loughborough Intermittent Shuttle Test in soccer players». European Journal of Nutrition (3): 1181–1195. ISSN 1436-6215. PMC 5861165Acessível livremente. PMID 28285432. doi:10.1007/s00394-017-1401-7. Consultado em 13 de abril de 2021 
  50. Balfour, W. E.; Comline, R. S. (1962). «Acceleration of the absorption of unchanged globulins in the new-born calf by factors in colostrum». J. Physiol. 160: 234–257. PMC 1359530Acessível livremente. PMID 16992118. doi:10.1113/jphysiol.1962.sp006844 
  51. Bush, L. J.; Staley, T. E. (1980). «Absorption of colostral immunoglobulins in newborn calves». J. Dairy Sci. 63: 672–680. PMID 6991559. doi:10.3168/jds.s0022-0302(80)82989-4 
  52. Staley, T. E.; Bush, L. J. (1985). «Receptor mechanisms of the neonatal intestine and their relationship to immunoglobulin absorption and disease». J. Dairy Sci. 68: 184–205. PMID 3884680. doi:10.3168/jds.s0022-0302(85)80812-2 
  53. Jensen, A. R.; Elnif, J.; Burrin, D. G.; Sangild, P. T. (2001). «Development of intestinal immunoglobulins absorption and enzyme activities in neonatal pigs is diet dependent». J. Nutr. 131: 3259–3265. PMID 11739877. doi:10.1093/jn/131.12.3259 
  54. Sawyer, M.; Willadsen, C. H.; Osburn, B. I.; McGuire, T. C. (1977). «Passive transfer of colostral immunoglobulins from ewe to lamb and its influence on neonatal lamb mortality». J. Am. Vet. Med. Assoc. 171: 1255–1259. PMID 604324 
  55. Playford, Raymond J; Macdonald, Christopher E; Johnson, Wendy S (1 de julho de 2000). «Colostrum and milk-derived peptide growth factors for the treatment of gastrointestinal disorders». The American Journal of Clinical Nutrition (1): 5–14. ISSN 0002-9165. doi:10.1093/ajcn/72.1.5. Consultado em 13 de abril de 2021 
  56. a b McConnell, M. A.; Buchan, G.; Borissenko, M. V.; Brooks, H. J. L. (2001). «A comparison of IgG and IgG1 activity in an early milk concentrate from non-immunised cows and a milk from hyperimmunised animals». Food Research International. 34: 255–261. doi:10.1016/S0963-9969(00)00163-0 
  57. SABIN, AB. (novembro 1950). «Antipoliomyelitic substance in milk of human beings and certain cows». AMA Am J Dis Child. 80: 866–7. PMID 14777169 
  58. Pallasch, Thomas J. (outubro de 2003). «Antibiotic prophylaxis: problems in paradise». Dental Clinics of North America (4): 665–679. ISSN 0011-8532. PMID 14664458. doi:10.1016/s0011-8532(03)00037-5. Consultado em 13 de abril de 2021 
  59. Buttar, H. S., Bagwe, S. M., Bhullar, S. K., & Kaur, G. (2017). Health benefits of bovine colostrum in children and adults. In R. R. Watson, R. J. Collier & V. R. Preedy (Eds.), Dairy in human health and disease across the lifespan (pp. 3-20). London: Academic Press.
  60. Playford, R. J.; Woodman, A. C.; Clark, P.; Watanapa, P.; Vesey, D.; Deprez, P. H.; Williamson, R. C.; Calam, J. (3 de abril de 1993). «Effect of luminal growth factor preservation on intestinal growth». Lancet. 341: 843–848. ISSN 0140-6736. PMID 8096559. doi:10.1016/0140-6736(93)93057-8 
  61. Davison, Glen; Marchbank, Tania; March, Daniel S.; Thatcher, Rhys; Playford, Raymond J. (1 de agosto de 2016). «Zinc carnosine works with bovine colostrum in truncating heavy exercise-induced increase in gut permeability in healthy volunteers». The American Journal of Clinical Nutrition. 104: 526–536. ISSN 1938-3207. PMID 27357095. doi:10.3945/ajcn.116.134403 
  62. Marchbank, Tania; Davison, Glen; Oakes, Jemma R.; Ghatei, Mohammad A.; Patterson, Michael; Moyer, Mary Pat; Playford, Raymond J. (1 de março de 2011). «The nutriceutical bovine colostrum truncates the increase in gut permeability caused by heavy exercise in athletes». American Journal of Physiology. Gastrointestinal and Liver Physiology. 300: G477–484. ISSN 1522-1547. PMID 21148400. doi:10.1152/ajpgi.00281.2010 
  63. Playford, R. J.; MacDonald, C. E.; Calnan, D. P.; Floyd, D. N.; Podas, T.; Johnson, W.; Wicks, A. C.; Bashir, O.; Marchbank, T. (1 de junho de 2001). «Co-administration of the health food supplement, bovine colostrum, reduces the acute non-steroidal anti-inflammatory drug-induced increase in intestinal permeability». Clinical Science. 100: 627–633. ISSN 0143-5221. PMID 11352778. doi:10.1042/cs1000627 
  64. Khan, Z.; Macdonald, C.; Wicks, A. C.; Holt, M. P.; Floyd, D.; Ghosh, S.; Wright, N. A.; Playford, R. J. (1 de novembro de 2002). «Use of the 'nutriceutical', bovine colostrum, for the treatment of distal colitis: results from an initial study». Alimentary Pharmacology & Therapeutics. 16: 1917–1922. ISSN 0269-2813. PMID 12390100. doi:10.1046/j.1365-2036.2002.01354.x 
  65. Uruakpa, F; Ismond, M.A.H; Akobundu, E.N.T (2002). «Colostrum and its benefits: a review». Nutrition Research. 22: 755–767. doi:10.1016/S0271-5317(02)00373-1 
  66. Playford, RJ.; Floyd, DN.; Macdonald, CE.; Calnan, DP.; Adenekan, RO.; Johnson, W.; Goodlad, RA.; Marchbank, T. (maio 1999). «Bovine colostrum is a health food supplement which prevents NSAID induced gut damage». Gut. 44: 653–8. PMC 1727496Acessível livremente. PMID 10205201. doi:10.1136/gut.44.5.653 
  67. Carver, J. D.; Barness, L. A. (1 de junho de 1996). «Trophic factors for the gastrointestinal tract». Clinics in Perinatology (2): 265–285. ISSN 0095-5108. PMID 8780905. Consultado em 13 de abril de 2021 
  68. Baumgart, Daniel C.; Dignass, Axel U. (1 de novembro de 2002). «Intestinal barrier function». Current Opinion in Clinical Nutrition and Metabolic Care. 5: 685–694. ISSN 1363-1950. PMID 12394645. doi:10.1097/00075197-200211000-00012 
  69. Playford, R. J.; Macdonald, C. E.; Johnson, W. S. (1 julho de 2000). «Colostrum and milk-derived peptide growth factors for the treatment of gastrointestinal disorders». The American Journal of Clinical Nutrition. 72: 5–14. ISSN 0002-9165. PMID 10871554. doi:10.1093/ajcn/72.1.5 
  70. Kelly, Gregory S. (novembro de 2003). «Bovine colostrums: a review of clinical uses». Alternative Medicine Review: A Journal of Clinical Therapeutic (4): 378–394. ISSN 1089-5159. PMID 14653766. Consultado em 13 de abril de 2021 
  71. Angkustsiri, Kathleen; Smilowitz, Jennifer T.; Mills, David A.; Ashwood, Paul; Slupsky, Carolyn M.; German, J. Bruce; Tancredi, Daniel J.; Yang, Houa T.; Rose, Destanie R. (9 de janeiro de 2019). «Pilot study of probiotic/colostrum supplementation on gut function in children with autism and gastrointestinal symptoms». PLOS ONE (em inglês). 14 (1): e0210064. ISSN 1932-6203. doi:10.1371/journal.pone.0210064 
  72. a b Hofman, Z.; Smeets, R.; Verlaan, G.; Lugt, R.; Verstappen, PA. (dezembro 2002). «The effect of bovine colostrum supplementation on exercise performance in elite field hockey players». Int J Sport Nutr Exerc Metab. 12: 461–9. PMID 12500989. doi:10.1123/ijsnem.12.4.461 
  73. Buckley, JD.; Abbott, MJ.; Brinkworth, GD.; Whyte, PB. (junho 2002). «Bovine colostrum supplementation during endurance running training improves recovery, but not performance». J Sci Med Sport. 5: 65–79. PMID 12188088. doi:10.1016/S1440-2440(02)80028-7 
  74. Ray Playford et al. (2011). The nutriceutical, bovine colostrum, truncates the increase in gut permeability caused by heavy exercise in athletes. American Journal of Physiology. Gastrointestinal and Liver Physiology, (March 2011).
  75. Berk, LS.; Nieman, DC.; Youngberg, WS.; Arabatzis, K.; Simpson-Westerberg, M.; Lee, JW.; Tan, SA.; Eby, WC. (abril 1990). «The effect of long endurance running on natural killer cells in marathoners». Med Sci Sports Exerc. 22: 207–12. PMID 2355818 
  76. Arai, Yasumichi; Hirose, Nobuyoshi; Yamamura, Ken; Shimizu, Ken-ichirou; Takayama, Michiyo; Ebihara, Yoshinori; Osono, Yasunori (1 de fevereiro de 2001). «Serum Insulin-like Growth Factor-1 in Centenarians: Implications of IGF-1 as a Rapid Turnover Protein». The Journals of Gerontology: Series A (2): M79–M82. ISSN 1079-5006. doi:10.1093/gerona/56.2.M79. Consultado em 14 de abril de 2021 
  77. Caregaro, L.; Favaro, A.; Santonastaso, P.; Alberino, F.; Di Pascoli, L.; Nardi, M.; Favaro, S.; Gatta, A. (junho 2001). «Insulin-like growth factor 1 (IGF-1), a nutritional marker in patients with eating disorders». Clin Nutr. 20: 251–7. PMID 11407872. doi:10.1054/clnu.2001.0397 
  78. Rasmussen, MH.; Frystyk, J.; Andersen, T.; Breum, L.; Christiansen, JS.; Hilsted, J. (março 1994). «The impact of obesity, fat distribution, and energy restriction on insulin-like growth factor-1 (IGF-1), IGF-binding protein-3, insulin, and growth hormone». Metabolism. 43: 315–9. PMID 7511202. doi:10.1016/0026-0495(94)90099-X 
  79. Mero, A.; Kähkönen, J.; Nykänen, T.; et al. (agosto 2002). «IGF-I, IgA, and IgG responses to bovine colostrum supplementation during training». J Appl Physiol. 93: 732–9. PMID 12133885. doi:10.1152/japplphysiol.00002.2002 
  80. Wakabayashi, H.; Matsumoto, H.; Hashimoto, K.; Teraguchi, S.; Takase, M.; Hayasawa, H. (maio 1999). «Inhibition of iron/ascorbate-induced lipid peroxidation by an N-terminal peptide of bovine lactoferrin and its acylated derivatives». Biosci Biotechnol Biochem. 63: 955–7. PMID 10380640. doi:10.1271/bbb.63.955 [ligação inativa]
  81. «Cooking and Food» (PDF). Manx Farming and Country Life. 9. 1991. Consultado em 3 de agosto de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 15 de fevereiro de 2010 
  82. Otto, W; Najnigier, B; Stelmasiak, T; Robins-Browne, RM (2011). «Randomized control trials using a tablet formulation of hyperimmune bovine colostrum to prevent diarrhea caused by enterotoxigenic Escherichia coli in volunteers». Scand J Gastroenterol. 46: 862–8. PMC 3154584Acessível livremente. PMID 21526980. doi:10.3109/00365521.2011.574726 
  83. TGA guidance BCP
  84. Lawrence HS (agosto 1949). «The cellular transfer of cutaneous hypersensitivity to tuberculin in man». Proc. Soc. Exp. Biol. Med. 71: 516–22. PMID 18139800. doi:10.3181/00379727-71-17242 
  85. Janusz, Maria; Lisowski, Józef; Franěk, Frantisěk (1974). «Isolation and characterization of a proline-rich polypeptide from ovine colostrum». FEBS Letters (em inglês) (2): 276–279. ISSN 1873-3468. doi:10.1016/0014-5793(74)80529-6. Consultado em 14 de abril de 2021 
  86. Zimecki M (2008). «A proline-rich polypeptide from ovine colostrum: colostrinin with immunomodulatory activity». Bioactive Components of Milk. Col: Advances in Experimental Medicine and Biology. 606. [S.l.: s.n.] pp. 241–50. ISBN 978-0-387-74086-7. PMID 18183932. doi:10.1007/978-0-387-74087-4_9 
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências