Colostro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Colostro é uma forma de leite de baixo volume secretado pela maioria dos mamíferos nos primeiros dias de amamentação pós-parto. Composto de vários fatores para o desenvolvimento e proteção como água, leucócitos, proteínas, carboidratos e outros. O colostro vai se transformando gradativamente em leite maduro nos primeiros quinze dias pós-parto.

O colostro tem uma importante função na imunidade passiva de algumas espécies de animais. Nele existem uma grande quantidade de imunoglobulinas, que em determinadas espécies não conseguem passar pela placenta, ficando a cargo total do colostro transferir da mãe para o filho. Além da quantidade de imunoglobulinas, o colostro se difere do leite pela quantidade de sólidos totais, proteínas e demais fatores. Com o tempo, essas diferenças vão diminuindo e essa secreção vai se transformando em leite.[1]

O colostro é também a única substância capaz de eliminar todos os resíduos de mecônio do trato gastrointestinal do bebê, ajudando o intestino a amadurecer e funcionar de maneira eficiente, além de prevenir o aparecimento de alergias, infecções e diarréia, pelo adequado controle e equilíbrio das bactérias que se desenvolvem no seu intestino. No dia do parto o colostro se apresenta ainda mais rico, daí as primeiras horas de vida serem chamadas por especialistas de "golden hours".

Como o colostro é rico em células imunologicamente ativas, anticorpos e proteínas protetoras, funciona como uma primeira vacina, protegendo o bebê contra várias infecções.

Colostro ajuda a regular o próprio sistema imunológico em desenvolvimento:

  • É rico em vitamina A que ajuda a proteger os olhos e a reduzir as infecções.
  • Ao estimular os movimentos intestinais para que o mecônio seja rapidamente eliminado, ajuda na prevenção da icterícia.
  • Vem em volumes pequenos, de acordo com a capacidade gástrica de um recém-nascido.

Um estudo piloto com crianças autistas demonstrou benefícios principalmente de melhora no funcionamento gastrointestinal.[2]

Referências

  1. «Walter L. Hurley and Peter K. Theil. Perspectives on immunoglobulins in colostrum and milk. Nutrients. 2011 Apr;3(4):442-74. Epub 2011 Apr 14.» (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2012 
  2. Angkustsiri, Kathleen; Smilowitz, Jennifer T.; Mills, David A.; Ashwood, Paul; Slupsky, Carolyn M.; German, J. Bruce; Tancredi, Daniel J.; Yang, Houa T.; Rose, Destanie R. (9 de janeiro de 2019). «Pilot study of probiotic/colostrum supplementation on gut function in children with autism and gastrointestinal symptoms». PLOS ONE (em inglês). 14 (1): e0210064. ISSN 1932-6203. doi:10.1371/journal.pone.0210064 


Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.