Daphne du Maurier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Daphne du Maurier
A jovem Daphne du Maurier
Nascimento 13 de maio de 1907
Londres, Inglaterra, Reino Unido
Morte 19 de abril de 1989 (81 anos)
Cornwall, Inglaterra, Reino Unido
Nacionalidade britânica
Cônjuge Frederick Browning
Filho(s) 3
Ocupação Romancista
Principais trabalhos Rebecca
The Scapegoat
"The Birds"
Prémios National Book Award (1938)
Carreira musical
Período musical 1931–1989

Daphne du Maurier, DBE (Londres, 13 de maio de 1907Cornwall, 19 de abril de 1989) foi uma escritora britânica.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filha de Gerald Du Maurier, famoso ator inglês, e neta de George Du Maurier, escritor de renome franco-britânico, autor de Trilby e Peter Ibbetson. Aos dezoito anos viajou para Paris, onde permaneceu durante seis meses, aprendendo a língua e literatura francesa. Na adolescência, escrevia contos e poemas, revelando influências de Katherine Mansfield, Mary Webb e Guy de Maupassant.[1]

Em 1931 publicou o seu primeiro romance, The Loving Spirit (O Espírito Amante), que foi muito bem aceito pela critica. Foi por causa desse primeiro livro que conheceu seu futuro marido, Frederick Arthur Montague Browning, jovem oficial do exército inglês que, impressionado com o romance, quis conhecer a autora. Apaixonaram-se e casaram em 1932, passando a viver numa elegante casa de campo em Hampshire. Em Hampshire, continuou a escrever seus romances, a maioria deles best-sellers românticos que lhe trouxeram fama e fortuna.[1]

Ao longo de sua carreira, escreveu mais de vinte obras, entre as quais se destacaram: Jamaica Inn (A Pousada da Jamaica), em 1936; Rebecca, em 1939, uma deliciosa história de amor e mistério que já vendeu mais de um milhão de exemplares; The King's General (O General do Rei), em 1946; e The Parasites (Os Parasitas), em 1949, dentre outros.[1]

Nos últimos anos de vida, deixando de lado os temas basicamente sentimentais, procurou desenvolver outros gêneros. Assim, dentro da ficção científica, escreveu o conto The Birds (Os Pássaros), onde as aves se organizam e questionam o domínio do homem sobre a natureza, e The House on the Strand (O Espião do Passado), onde utiliza o tema da viagem através do tempo.[1]

Grande parte da sua obra foi adaptada para o cinema, principalmente pelo mestre do suspense Alfred Hitchcock, que filmou Jamaica Inn, The Birds e Rebecca , pelo qual ganhou um Oscar de melhor argumento adaptado.

Daphne du Maurier foi nomeada Dama do Império Britânico.

Morte[editar | editar código-fonte]

Daphne morreu em 19 de abril de 1989, aos 81 anos, em sua casa na Cornualha, cenário de muitos de seus livros. Seu corpo foi cremado e as cinzas espalhadas nas colinas em Fowey.[2]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Suspeitas de plágio da trama de Rebecca, escrito por Daphne em 1938 foram levantadas no Brasil, alegando que a história guardaria "muitas semelhanças" com um romance brasileiro publicado quatro anos antes: A Sucessora, de Carolina Nabuco, obscuro livro que só ganhou notoriedade por ocasião de uma adaptação em forma de novela exibida pela Rede Globo em 1978. O livro fez muito sucesso na época. Exatamente pelo sucesso, a autora brasileira - que escrevia também em inglês - resolveu traduzir e enviá-lo para agentes nos EUA e Inglaterra.[3][4]

Bibliografia selecionada[editar | editar código-fonte]

  • 1931 - Apaixonados - no original The Loving Spirit
  • 1932 - I'll Never Be Young Again
  • 1933 - Julius
  • 1936 - A Pousada da Jamaica ou A estalagem maldita - no original Jamaica Inn
  • 1938 - Rebeca - no original Rebecca (ver filme Rebecca (filme))
  • 1941 - A enseada do francês - no original Frenchman's Creek
  • 1943 - Hungry Hill
  • 1946 - The King's General
  • 1949 - Os parasitas - no original The Parasites
  • 1951 - A prima Raquel - no original My Cousin Rachel
  • 1952 - Os Pássaros e outros contos macabros - no original The Birds
  • 1954 - Mary Anne
  • 1957 - O outro eu - no original The Scapegoat
  • 1962 - Castle Dor (com Sir Arthur Quiller-Couch)
  • 1965 - O voo do falcão - no original The Flight of the Falcon
  • 1969 - A casa na praia - no original The House on the Strand
  • 1971 - Aquele Inverno em Veneza - no original Not after midnight (ver filme Don't Look Now)
  • 1972 - Vanishing Cornwall
  • 1972 - A sorrir também se vence - no original Rule Britannia

Referências

  1. a b c d Richard Kelly (ed.). «Daphne du Maurier Mystery & Detective Fiction Analysis». Punch Magazine. Consultado em 18 de outubro de 2020 
  2. «Du Maurier , Dame Daphne (1907–1989)». Oxford Dictionary of National Biography. Consultado em 18 de outubro de 2020 
  3. «Rebecca e o plágio de uma obra brasileira». Lady Hollywood. Consultado em 18 de outubro de 2020 
  4. Leonardo Neto (ed.). «Foi plágio ou não foi plágio, mr. Hitchcock?». Publishnews. Consultado em 18 de outubro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]