Darío Alberto Gigena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Darío Alberto Gigena
Informações pessoais
Nome completo Darío Alberto Gigena
Data de nasc. 1 de setembro de 1978 (40 anos)
Local de nasc. Arroyito,  Argentina
Altura 1,82 m
Informações profissionais
Clube atual aposentado
Posição Atacante
Clubes de juventude
1995 Argentina Belgrano
Clubes profissionais12
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1996-1997
1997-1998
1998-1999
1999-2000
2000-2002
2003
2003
2004
2004-2005
2005
2006
2006-2007
2007
2008
2008-2009
2009
2010
2010
2010
2011
2012
Argentina Belgrano
Espanha Rayo Vallecano
Argentina Unión de Santa Fe
Argentina Talleres
Argentina Colón
Argentina Huracán
Brasil Ponte Preta
Argentina Colón
Argentina Racing de Córdoba
Colômbia Cortuluá
Colômbia Deportivo Pereira
Colômbia Once Caldas
Venezuela Guaros de Lara
Chile Everton
Argentina Nueva Chicago
Equador LDU de Portoviejo
Argentina San Telmo
Argentina Almagro
Peru Universitário
Brasil Ponte Preta
Argentina Sarmiento de Leones
0028 000(14)
0009 0000(1)
0038 000(10)
0034 000(15)
0066 000(19)
0011 0000(1)
0021 000(14)
0007 0000(0)
0039 000(11)
0015 0000(5)
0016 0000(9)
0034 0000(9)
0016 0000(4)
0014 0000(3)
0035 000(16)
0012 0000(2)
0016 0000(3)
0000 0000(0)
0015 0000(1)
0002 0000(0)
000? 0000(?)


1 Partidas e gols pelo clube profissional
contam apenas partidas das ligas nacionais,
atualizados até 04 de agosto de 2014.
2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 04 de agosto de 2014.

Darío Alberto Gigena (Arroyito, Argentina, 21 de janeiro de 1978), também conhecido como Darío Gigena ou Gigena, é um ex-futebolista argentino que atuava como atacante.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Conquistou seu maior título, a Copa Conmebol, com a equipe argentina Talleres em 1999 tendo, inclusive, marcado um gol na final.

Ficou famoso no futebol brasileiro por ter feito três gols pela Ponte Preta em um Derby Campineiro, em 2003, no qual seu time ganhou do Guarani por 3x1. Havia 60 anos que um jogador não anotava um hat-trick em um Derby Campineiro, sendo Átis, o último a conseguir tal proeza em 1953. O feito o transformou em herói da torcida pontepretana.

Em 2007 foi contratado pelo Fortaleza para jogar a Série B, mas foi embora antes mesmo de estrear.[1] Em 2008 foi campeão chileno com o Everton.

Após anos passando em vários clubes pela América do Sul, Gigena assina novamente contrato com a Ponte Preta até o final de 2011 à pedido da torcida que o tem como um dos maiores ídolos da história do clube.[2] Em 21 de maio de 2011, foi apresentado à torcida no intervalo do jogo contra o ASA de Arapiraca no qual a Ponte venceu por 5x0.

Em 2012, foi para a equipe argentina Sarmiento de Leones e, depois, encerrou a carreira.

Ponte Preta[editar | editar código-fonte]

Chega a Ponte Preta para a disputa do Campeonato Brasileiro e contribui de maneira significativa com gols pontuais criando grande identificação com a torcida por sua entrega em campo e maneira efusiva de comemorar os gols utilizando uma mascara de macaco (simbolo do time). Marca pela Ponte Preta em grandes estádios como o lendário Maracana e cai no gosto da torcida pontepretana definitivamente ao marcar 3 gols no dérbi campineiro em cima de seu maior rival Guarani, sendo carregado nos ombros da torcida apos o feito.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Argentina Talleres
Chile Everton

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Bandeira de ArgentinaSoccer icon Este artigo sobre um futebolista argentino é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.