Denebola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
β Leonis
Dados observacionais (J2000)
Constelação Leo
Asc. reta 11h 49m 03,6s[1]
Declinação +14° 34′ 19,4″[1]
Magnitude aparente 2,113[2]
Características
Tipo espectral A3 V[3]
Cor (U-B) +0,153[2]
Cor (B-V) +0,107[2]
Variabilidade δ Scuti[4]
Astrometria
Velocidade radial -0,2 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -497,68 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) -114,67 mas/a[1]
Paralaxe 90,91 ± 0,52 mas[1]
Distância 35,9 ± 0,2 anos-luz
11,00 ± 0,06 pc
Magnitude absoluta 1,92
Detalhes
Massa 1,75[5] M
Raio 1,728[5] R
Gravidade superficial 4,0 (log g)[6]
Luminosidade 15[5] L
Temperatura 8 500[6] K
Metalicidade [Fe/H] +0,00[5]
Rotação 128 km/s[7]
Idade (1–3,8) × 108[5] anos
Outras denominações
β Leonis, Deneb Aleet, 94 Leo, GJ 448, HR 4534, BD +15°2383, HD 102647, SAO 99809, FK5 444, HIP 57632.[1]
Denebola
Leo constellation map.png

Denebola (Beta Leonis, β Leo, β Leonis) é a terceira estrela mais brilhante da constelação de Leo. É uma estrela de classe A da sequência principal com 75% mais massa que o Sol e doze vezes a luminosidade solar. Com base em medições de paralaxe feitas pelo satélite Hipparcos, está localizada a aproximadamente 35,9 anos-luz (11 parsecs) da Terra.[1] Tem uma magnitude aparente de 2,113,[2] sendo facilmente visível a olho nu. Denebola é uma estrela variável do tipo Delta Scuti, o que significa que sua luminosidade varia levemente em um período de algumas horas.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Denebola é a versão encurtada de Deneb Alased, da frase árabe ذنب الاسد ðanab al-asad "cauda do leão", uma vez que representa a cauda do leão na constelação.[8]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Denebola é uma estrela relativamente jovem com uma idade estimada em menos de 400 milhões de anos. Observações interferométricas dão um raio de aproximadamente 173% o do Sol. A alta taxa de rotação deixa a estrela achatada, com um raio equatorial maior que o polar. Tem uma massa 1,75 vezes maior que a do Sol, o que resulta em uma luminosidade muito maior e um tempo de vida menor na sequência principal.[5]

O espectro desta estrela corresponde a uma classificação estelar de A3 V,[3] com a classe de luminosidade 'V' indicando que é uma estrela da sequência principal que está gerando energia através da fusão nuclear de hidrogênio em seu núcleo. A temperatura efetiva da atmosfera externa de Denebola é 8 500 K,[6] o que dá a ela a coloração branca típica de estrelas de classe A.[9] Denebola tem uma alta velocidade de rotação projetada de 128 km/s,[7] o que é apenas o limite mínimo da verdadeira velocidade de rotação. O Sol por comparação tem uma velocidade de rotação de 2 km/s. Esta estrela é uma variável Delta Scuti que exibe variações de 0,025 na magnitude cerca de dez vezes por dia.[4]

Denebola apresenta uma forte emissão infravermelha, que é causada por um disco de detritos circunstelar.[10] Como o Sistema Solar se formou num disco como esse, Denebola e outras estrelas similares como Vega e Beta Pictoris podem ser bons candidatos a abrigar exoplanetas. O disco tem uma temperatura de cerca de 120 K (−153 °C). Observações com o Observatório Espacial Herschel forneceram imagens que mostram que o disco está localizado a uma distância de 39 UA da estrela, ou 39 vezes a distância entre a Terra e o Sol.[11]

Estudos cinemáticos mostraram que Denebola é parte de uma associação estelar chamada de o superaglomerado de IC 2391. Todas as estrelas desse grupo compartilham um movimento comum pelo espaço, embora não estejam ligadas gravitacionalmente. Isso sugere que elas tenham nascido no mesmo lugar, e talvez inicialmente compunham um aglomerado aberto. Outras estrelas nessa associação incluem Alpha Pictoris, Beta Canis Minoris e o aglomerado estelar IC 2391. No total mais que 60 possíveis membros foram identificados.[12]

Referências

  1. a b c d e f g h «SIMBAD query result - V* bet Leo». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 24 de outubro de 2012 
  2. a b c d Gutierrez-Moreno, Adelina; et al. (1966), A System of photometric standards, 1, Publicaciones Universidad de Chile, Department de Astronomy, pp. 1–17, Bibcode:1966PDAUC...1....1G 
  3. a b Cowley, A.; et al. (abril de 1969), «A study of the bright A stars. I. A catalogue of spectral classifications», Astronomical Journal, 74: 375–406, Bibcode:1969AJ.....74..375C, doi:10.1086/110819 
  4. a b c Mkrtichian, D. E.; Yurkov, A. (5–7 de novembro de 1997), β Leo - Back to Delta Scuti Stars?, Brno, Czech Republic: Dordrecht, D. Reidel Publishing Co., p. 172, Bibcode:1998vsr..conf..143M, ISBN 80-85882-08-6 
  5. a b c d e f Di Folco, E.; et al. (2004), «VLTI near-IR interferometric observations of Vega-like stars», Astronomy and Astrophysics, 426 (2): 601–617, Bibcode:2004A&A...426..601D, doi:10.1051/0004-6361:20047189 
  6. a b c Acke, B.; Waelkens, C. (2004), «Chemical analysis of 24 dusty (pre-)main sequence stars», Astronomy and Astrophysics, 427 (3): 1009–1017, arXiv:astro-ph/0408221Acessível livremente, Bibcode:2004A&A...427.1009A, doi:10.1051/0004-6361:20041460 
  7. a b Royer, F.; Zorec, J.; Gómez, A. E. (fevereiro de 2007), «Rotational velocities of A-type stars. III. Velocity distributions», Astronomy and Astrophysics, 463 (2): 671–682, arXiv:astro-ph/0610785Acessível livremente, Bibcode:2007A&A...463..671R, doi:10.1051/0004-6361:20065224 
  8. Allen, R. H. (1963), Star Names: Their Lore and Meaning Reprint ed. , New York, NY: Dover Publications Inc, p. 258, ISBN 0-486-21079-0, consultado em 12 de dezembro de 2010 
  9. «The Colour of Stars», Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation, Australia Telescope, Outreach and Education, 21 de dezembro de 2004, consultado em 24 de outubro de 2012 
  10. Cote, J. (1987), «B and A type stars with unexpectedly large colour excesses at IRAS wavelengths», Astronomy and Astrophysics, 181 (1): 77–84, Bibcode:1987A&A...181...77C 
  11. Matthews, B. C.; et al. (2010), «Resolving debris discs in the far-infrared: Early highlights from the DEBRIS survey», Astronomy and Astrophysics, 518: L135, Bibcode:2010A&A...518L.135M, doi:10.1051/0004-6361/201014667 
  12. Eggen, O. J. (1991), «The IC 2391 supercluster», Astronomical Journal, 102: 2028–2040, Bibcode:1991AJ....102.2028E, doi:10.1086/116025 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]